A Representação do Vinho do Vale do São Francisco na Mídia Outros Idiomas

ID:
4055
Resumo:
O estabelecimento de produtos inovadores no mercado representa um problema para os empreendedores, principalmente quando não há uma cultura de produção e consumo do produto. Neste contexto, a vitivinicultura do Vale do São Francisco depara-se com o desafio de ser reconhecida como produtora de vinhos finos de qualidade. A construção dessa identidade ocorre em vários momentos, e tem a influência de diversos atores, entre eles, a mídia. Assim, reconhecendo a dimensão significativa da representação cultural, buscamos compreender como estão sendo formadas as representações associadas ao vinho do Vale na mídia. O corpus da pesquisa foi formado com matérias de mídias impressas, televisivas, radiofônicas e digitais. Em sua análise, utilizamos a semiologia estruturalista de Barthes. Observamos que a representação cultural do vinho tem ocorrido de forma estigmatizada, permeada por preconceitos. A predominância dos aspectos negativos na representação deste produto tem causado um distanciamento do reconhecimento desejado.
Citação ABNT:
SOUZA, A. C. R.; MACEDO, J. S.; MELLO, S. C. B. A Representação do Vinho do Vale do São Francisco na Mídia. Innovation and Management Review, v. 8, n. 3, art. 17, p. 6-32, 2011.
Citação APA:
Souza, A. C. R., Macedo, J. S., & Mello, S. C. B. (2011). A Representação do Vinho do Vale do São Francisco na Mídia. Innovation and Management Review, 8(3), 6-32.
DOI:
10.5773/rai.v8i3.784
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4055/a-representacao-do-vinho-do-vale-do-sao-francisco-na-midia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amaral, R. M. (2005). Representações sociais e o discurso midiático: como os meios de comunicação de massa fabricam a realidade. Revista Lâmina, v. 1, p. 1-15.

Barthes, R. (1967). A atividade estruturalista. In C. H. Escobar (Org.), O método estruturalista. (pp. 57-63). Rio de Janeiro: Zahar.

Barthes, R. (1993). Mitologias. (9a ed.). Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Barthes, R. (2006). Elementos da semiologia. (17a ed.). São Paulo: Cultrix.

Bergmann, L. M. (2007). Manifestações dos alunos sobre professores/escola no Orkut. Anais do Simpósio Internacional de Estudos de Gêneros Textuais (SIGET), Santa Catarina.

Campos, M. B. (2006). A mídia colaborado na constituição dos corpos na contemporaneidade. Anais do Seminário Fazendo Gênero 7, Florianópolis.

Charaudeau, P. (2006). Discurso das mídias (A. S. M. Correa, Trad.). São Paulo: Contexto.

Chartier, R. (2002). A história cultural: entre práticas e representações. (2a ed.). Algés: Difusão Editorial.

Creswell. J. W. (2007). Qualitative inquiry& research design: choosing among five approaches. (2nd ed.). Thousand Oaks: Sage.

Denzin, N. K.; Lincoln, Y. S. (1994). Introduction: entering the field of qualitative research. In N. K. Denzin, & Y. S. Lincoln (Eds.), Handbook of qualitative research. (pp. 1-18). Thousand Oaks: Sage.

Du Gay, P. (1997). Introduction. In P. Du Gay (Ed.), Production of culture/cultures of production (pp. 1-11). London: Sage Publications.

Du Gay, P.; Hall, S.; Janes, L.; Mackay, H.; Negus, K. (1997). Doing cultural studies: the story of the Sony walkman. London: Sage Publications.

Dweck, D. (2006). Está sobrando vinho: consumo baixo, boas safras e novos produtores deixaram bilhões de litros encalhados. Recuperado em 19 de janeiro, 2011, de http://veja.abril.com.br/081106/p_068.html.

Freire Filho, J. (2005). Força de expressão: construção, consumo e contestação das representações midiáticas das minorias. Revista FAMECOS, v. 28, p, 18-29.

Garcia, A. D.; Rocha, S.; Hinerasky, D. (2007). O gaúcho na tela: a representação da identidade cultural regional na série históricas curtas. Anais do Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 30. São Paulo.

Garcia-Parpet, M. F. (2004). Mundialização dos mercados e padrões de qualidade: vinho, o modelo francês em questão. Tempo Social, 16(2), 129-150.

Gendron, B. (1986). Theodor Adorno meets the cadillacs. In T. Modelski (Ed.), Studies in entertainment. (pp. 18-36). Bloomington: University Press.

Guerra, V. M. L. (2006). Discurso, representação e relações intersemióticas. Estudos Lingüísticos, v. 35, p. 1970-1980.

Hall, S. (1997). Introduction. In S. Hall (Ed.), Representation: cultural representations and signifying practices. (pp. 1-12). London: Sage Publications.

Hall, S. (1997). Representation cultural representations and signifying practices. London: Sage Publications.

Hall, S. (1997). The work of representation. In S. Hall (Ed.), Representation: cultural representations and signifying practices. (pp. 13-74). London: Sage Publications.

Llopis, G. Y. (1997). Denominações de origem e indicações geográficas de produtos vitivinícolas. (J. Tonietto, Trad.). Bento Gonçalves: Embrapa.

Machado, R. (2004). Em volta do vinho. São Paulo: Globo.

Marx, K.; Engels, F. (2004). A ideologia alemã. São Paulo: Martin Claret.

Minayo, M. C. S. (2000). O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. (7a ed.). São Paulo: Hucitec.

Moreno, M. V. F.; Garcia-Pardo, I. P. (2009). Estrategia de innovación como factor determinante del éxito de las cooperativas vitivinícolas de castilla la mancha. Revesco, 98(2), 70-96.

Negus, K. (1997). The production of culture. In P. Du Gay (Ed.), Production of culture/cultures of production. (pp. 67-118). London: Sage Publications.

Nixon, S. (1997). Circulating culture. In P. Du Gay (Ed.), Production of culture/cultures of production. (pp. 177-234). London: Sage Publications.

Nogueira, C. M. M. (2004). Considerações sobre o modelo de análise do discurso de Patrick Charaudeau. Ensaio Pesquisa em Educação em Ciências, 6(1), 1-6.

Oliveira, F. O.; Werba, G. C. (1998). Representações sociais. In M. G. C. Jacques et al. Psicologia social contemporanea: livro-texto. (pp. 104-117). Petrópolis: Vozes.

Oliveira, I. S. (2004). Questões de representações e posições discursivas. Estudos Lingüísticos, v. 33, p. 1187-1192.

Paiva Jr.; F. G.; Leão, A. L. M. S.; Mello, S. C. B. (2007). Validade e confiabilidade na pesquisa qualitativa em administração. Anais do Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade, 1. Recife.

Robinson, J. (1999). The Oxford companion of wine. Oxford: Oxford University Press.

Roese, M. (2008). O mondovino de cabeça para baixo: as transformações no mercado internacional do vinho e o novo empresariado vinícola. Revista de Sociologia e Política, 16(31), 71-83.

Rüdiger, F. (2007). Introdução às teorias da cibercultura: tecnocracia, humanismo e crítica no pensamento contemporâneo. (2a ed.). Porto Alegre: Sulina.

Santis, A. (2008). Vinhos do Sol lutam por mercado. Jornal do Commercio. maio 29.

Sgarbieri, A. N. (2006). Representações do gênero feminino da mídia impressa. Estudos Lingüísticos, v. 35, p. 386-371.

Silva, D. R. (2009). A mitologia na representação cultural e no consumo: efeito e recepção do signo da cachaça. Dissertação de Mestrado, Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Pernambuco, Recife.

Slater, D. (2002). Cultura do consumo & modernidade. São Paulo: Nobel.

Soares, M. C. (2007). Representações da cultura midiática: para a crítica de um conceito primordial. Anais do COMPÓS, 16. Curitiba.

Thiry-Cherques, H. R. (2008). Métodos estruturalistas: pesquisa em ciência de gestão. São Paulo: Atlas.

Woodward, K. (2000). Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In T. T. Silva, S. Hall, & K. Woodward (Orgs), Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (pp. 7-72). Petrópolis: Vozes.