Competências Empreendedoras: Há Diferenças Entre Empreendedores e Intraempreendedores? Outros Idiomas

ID:
4056
Resumo:
Competências empreendedoras são vistas como importantes para o crescimento e sucesso do negócio. O objetivo desta pesquisa é, portanto, identificar se há competências que distinguem empreendedores de intraempreendedores. Embora a literatura diferencie empreendedores de intraempreendedores sob diferentes perspectivas, neste artigo o empreendedor é considerado aquele que abre e gerencia seu negócio, enquanto o intraempreendedor será discutido à luz de Steverson e Jarillo (1990) como pessoas dentro das organizações que perseguem oportunidades independentes dos recursos que controlam. A pesquisa é qualitativa básica, de natureza exploratória, cujo instrumento de coleta de dados é a entrevista apoiada em um roteiro semiestruturado, elaborado para os dois grupos de respondentes. Participaram da pesquisa 13 pessoas, sete homens e seis mulheres, identificados como empreendedores e intraempreendedores. Os dados foram tratados por meio da análise de conteúdo, conforme abordagem de Bardin (1977), organizado em seis categorias de respostas. As categorias foram analisadas e discutidas a partir dos constructos desenvolvidos por diferentes modelos de competências empreendedoras. Os resultados apontam diferenças e similaridades entre os grupos, identificando que os empreendedores possuem competências distintas dos intraempreendedores e são focadas em diferentes variáveis que influenciaram a vida deles, tais como motivações pessoais, diferentes maneiras de dirigirem seus negócios, apoio da família e a construção de suas carreiras profissionais.
Citação ABNT:
NASSIF, V. M. J.; ANDREASSI, T.; SIMÕES, F. Competências Empreendedoras: Há Diferenças Entre Empreendedores e Intraempreendedores?. Innovation and Management Review, v. 8, n. 3, art. 28, p. 33-54, 2011.
Citação APA:
Nassif, V. M. J., Andreassi, T., & Simões, F. (2011). Competências Empreendedoras: Há Diferenças Entre Empreendedores e Intraempreendedores?. Innovation and Management Review, 8(3), 33-54.
DOI:
10.5773/rai.v8i3.858
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4056/competencias-empreendedoras--ha-diferencas-entre-empreendedores-e-intraempreendedores-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Antoncic, H.; Hisrich, R. D. (2003). Clarifying the intrapreneurship concept. Journal of Small Business and Enterprise Development, 10(1), 7-24.

Bardin, L.(1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Baron, R. A.; Shane, S. A. (2007). Empreendedorismo: uma visão do processo. São Paulo: Thomson Learning.

Basso, O.; Legrain, T. (2004). La dynamique entrepreneuriale dans les grands groupes. Recuperado em 27 de outubro,2010, de http://www.institut-entreprise.fr/index.php?id=404.

Booth, W. C.; Colomb, G. G.; Williams, J. M. (2005). A arte da pesquisa. São Paulo: Martins Fontes.

Cervo, A. L.; Bervian, P. A. (2002). Metodologia científica. (4a ed.). São Paulo: Makron Books.

Cheetam, G.; Chivers, G. (1998). The reflective (and competent) practitioner: a model of professional competence with seeks to harmonise the reflective practitioner and competence based approaches. Journal of European Industrial Training, 22(7), 267-276.

Cheetham, G.; Chivers, G. (1996). Towards a holistic model professional competence. Journal of European Industrial Training, 20(5), 20-30.

Cunningham, J. B.; Lischeron, J. (1991). Defining entrepreneurship (gelesen). Journal of Small Business Management, v. 4, p. 45-62.

Farrel, L. C. (1993). Entrepreneurship: fundamentos das organizações empreendedoras. São Paulo: Atlas.

Filion, L. J. (1997). From entrepreneurship to entreprenology. Proceedings of USASBE Annual National Conference, San Francisco.

Filion, L. J. (1999). Diferenças entre sistemas gerenciais de empreendedores e operadores de pequenos negócios. Revista de Administração de Empresas, 39(4), 6-20.

Fleury, A.; Fleury, M. T. L. (2000). Estratégias empresariais e formação de competências: um quebra-cabeça caleidoscópio da indústria brasileira. São Paulo: Atlas.

Flick, U. (2004). Uma introdução à pesquisa qualitativa. Porto Alegre: Bookman.

Godoy, A. S.; Antonello, C. S.; Bido, D. S.; Silva, D. (2006). Um estudo de modelagem de equações estruturais para a avaliação das competências de alunos do curso de administração. Anais do Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, 30. Rio de Janeiro.

Hashimoto, M. (2006). Espírito empreendedor nas organizações: aumentando a competitividade através do intra-empreendedorismo. São Paulo: Saraiva.

Hashimoto, M. (2009). Organizações intra-empreendedoras: construindo a ponte entre clima interno e desempenho superior. Tese de Doutorado, Escola de Administração de Empresas de São Paulo, Fundação Getúlio Varhas, São Paulo.

Hisrich, R.; Peters, M. (2004). Empreendedorismo. (5a ed.). Porto Alegre: Bookman.

Houaiss, A. (2004). Dicionário Houaiss de língua portuguesa. Rio de Janeiro: Objetiva.

Jones, G. R.; Butler, J. E. (1992). Managing internal corporate entrepreneurship: an agency theory perspective. Journal of Management, 18(4), 733-749.

Julien, P. A. (2010). Empreendedorismo regional e a economia do conhecimento. São Paulo: Saraiva.

Legge, J.; Hindle, K. (2004). Entrepreneurship: context, vision and planning. Basingstoke: Palgrave Macmillan.

Longenecker, J. G.; Moore, C. W.; Petty, J. W. (1997). Administração de pequenas empresas. São Paulo: Pearson Education do Brasil.

Man, T. W. Y.; Lau, T. (2000). Entrepreneurial competencies of SME owner/manager in the Hong Kong services sector: a qualitative analysis. Journal of Enterprising Culture, 8(3), 235-254.

Man, T. W. Y.; Lau, T. (2005). The context of entrepreneurship in Hong Kong – an investigation through the patterns of entrepreneurial competencies in contrasting industrial environments. Journal of Small Business and Enterprise Development. 12(4), 464-481.

McClelland, D. C. (1961). The achieving society. Princeton: Van Nostrand.

McClelland, D. C. (1962). Business drive and national achievement. Harvard Business Review, 40(4), 99-112.

McClelland, D. C. (1971). Entrepreneurship and achievement motivation: approaches to the science of socio-economic development. Paris: UNESCO.

McClelland, D. C. (1973). Testing for competence rather than for intelligence. American Psycologist, v. 28, p. 1-4.

McClelland, D. C. (1987). Characteristics of successful entrepreneurs. The Journal of Creative Behavior, 21(3), 219-233.

Mitchelmore, S.; Rowley, J. (2009). Entrepreneurial competencies: a literature review and development agenda. International Journal of Entrepreneurial Behaviour & Research, 16(2), 92-111.

Pinchot, G. (1985). Intrapreneurial. New York: Harper & Row.

Pinchot, G. (1987). Innovation through intrapreneuring. Research Management, 30(2), 14-19.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Schumpeter, J. A. (1947). The creative response in economic history. The Journal of Economic History, 7(2), 149-159.

Schumpeter, J. A. (1983). Teoria do desenvolvimento econômico. São Paulo: Abril Cultural.

Schumpeter, J. A. (1985). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. (2a ed.). São Paulo: Nova Cultural.

Stevenson, H. H.; Jarillo, J. C. (1990). A paradigm of entrepreneurship: entrepreneurial management. Strategic Management Journal, 11(5), 17-27.

Venkataraman, N. (1989). Strategic orientation of business enterprises: the construct, dimensionality and measurement. Management Science, 35(8), 942-962.

Weber, M. (2004). A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Companhia das Letras.