Gestão de Conhecimento e Competitividade nas Empresas de Pequeno Porte do Setor de Comércio Exterior de Autopeças: um Estudo Exploratório Outros Idiomas

ID:
4059
Resumo:
O presente trabalho teve como objetivo estudar as singularidades da tecnologia da informação (TI) quanto à forma de subsidiar insumos e estruturas para a prática de Gestão de Conhecimento em empresas de pequeno porte do setor de comércio exterior de autopeças de reposição. O estudo, realizado sob a modalidade de pesquisa exploratória, selecionou 15 empresas deste setor e buscou identificar, descrever e verificar a existência e funcionalidade da gestão do conhecimento nas empresas avaliadas. A análise das respostas permitiu identificar a presença da gestão do conhecimento nas empresas, verificar qual a abordagem dada à tecnologia da informação nas organizações e, por último, procurou evidenciar o possível alinhamento ou não da gestão do conhecimento com a gestão da tecnologia da informação. Observou-se que a formação de conhecimento não é passiva e espontânea a todo momento, mas um processo baseado em fluxos que podem ser regulados por meio das estruturas organizacionais, sistemas e competências individuais dos colaboradores internos e externos.
Citação ABNT:
COSENTINO, H. M.; VIDAL, P.; VIGILLITO, S. B. Gestão de Conhecimento e Competitividade nas Empresas de Pequeno Porte do Setor de Comércio Exterior de Autopeças: um Estudo Exploratório. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, art. 76, p. 100-119, 2011.
Citação APA:
Cosentino, H. M., Vidal, P., & Vigillito, S. B. (2011). Gestão de Conhecimento e Competitividade nas Empresas de Pequeno Porte do Setor de Comércio Exterior de Autopeças: um Estudo Exploratório. Revista de Administração e Inovação, 8(3), 100-119.
DOI:
10.5773/rai.v8i3.808
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4059/gestao-de-conhecimento-e-competitividade-nas-empresas-de-pequeno-porte-do-setor-de-comercio-exterior-de-autopecas--um-estudo-exploratorio/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Applegate, L. M.; Austin, R. D.; McFarlan, F. W. (2003). Corporate information strategy and management: the challenge of managing in a network economy. (6th ed.). Chicago: McGraw-Hill.

Bartlett, C. A.; Ghoshal, S. (1990). Matrix management: not a structure, a frame of mind. Harvard Business Review, 68(4), 138-145.

Benjamin, R. I.; Blunt, J. (1992). Critical IT issues: the next ten years. Sloan Management Review, 33(4), 7-19.

Bessa, J. (2005). Inteligência competitiva: uma necessidade no mundo globalizado. Recuperado em 05 de maio, 2005, de http://www.abraic.org.br/noticias_antigas_eib.asp?txtcodautor=119&txtcodautor2=9.

Braga, F.; Gomes, E. (2004). Inteligência competitiva: como transformar informação em um negócio lucrativo. (2a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Brooking, A. (1996). Intellectual capital: core asset for the third millennium enterprise. Boston: Thomson.

Carvalho, H G. (2000). Inteligência competitiva tecnológica para PMEs através da cooperação escola-empresa: proposta de um modelo. Tese de Doutorado, Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Charan, R. (1991). Como as redes reconfiguram as organizações para resultados. In R. Howard (Org.), Aprendizado organizacional: gestão de pessoas para a inovação contínua (pp. 115-137). Rio de Janeiro: Campus.

Davenport, T. H.; Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos. (2009). Evolução dos indicadores econômicos e sociais na indústria metalúrgica brasileira. Recuperado em 12 de fevereiro, 2009, de http://www.cnmcut.org.br/sgc_data/arquivos/doc/Indicadoresabril06.pdf.

Edvinsson, L.; Malone, M. S. (1998). Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books.

Fleury, M. T. L.; Oliveira Jr, M. M. (Org.). (2001). Gestão estratégica do conhecimento: integrando aprendizagem, conhecimento e competências. São Paulo: Atlas.

Garvin, D. A. (1993). Building a learning organization. Harvard Business Review, 71(4), 78-91.

Jonash, R. S.; Sommerlatte, T. (1999). The innovation premium. Reading: Perseus Books.

Katzenbach, J. R.; Smith, D. K. (1992). Why teams matter. McKinsey Quarterly, v. 3, p. 3-27.

Kim, D. H. O. (1998). Elo entre a aprendizagem individual e a aprendizagem organizacional. In D. A. Klein (Org.), A gestão estratégica do capital intelectual: recursos para a economia baseada em conhecimento. (pp. 61-92). Rio de Janeiro: Qualitymark.

Laudon, K. C.; Laudon, J. P. (2004). Sistemas de informação gerencial: administrando a empresa digital. São Paulo: Prentice Hall.

McGee, J.; Prusak, L. (1994). Gerenciamento estratégico da informação: aumente a competivdade e a eficiência de sua empresa utilizando a informação como uma ferramenta estratégica (A. B. Figueiredo, Trad.). Rio de Janeiro: Campus.

Miles, R. E.; Snow, C. C.; Meyer, A. D.; Coleman Jr.; H. J. (1978). Organizational strategy, structure, and process. The Academy of Management Review, 3(3), 546-56.

Mills, D. Q.; Friesen, G. B. (192). The learning organization. European Management Journal, 10(2), 146-156.

Montibeller Filho, G.; Macedo, M.; Fialho, F. A. P. (2006). Empreendedorismo na era do conhecimento. São Paulo: Visual Books.

Murray, B. A. (1996). Revolução total dos processos: estratégias para maximizar o valor do cliente. São Paulo: Nobel.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus.

Ostrof, F.; Smith, D. (1992). The horizontal organization. McKinsey Quarterly, v. 1, p. 149-168.

Parsons, G. L. (1983). Information technology: a new competitive weapon. Sloan Management Review, 1(25), 3-14.

Porter, M. (1989). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. (13a ed.). São Paulo: Campus.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. (3a ed.). São Paulo: Atlas.

Rodrigues, L. C. (2002). Business intelligence: the management information system next step. Proceedings of International Conference on Management Information Systems Incorporating Gis and Remote Sensing, Halkidiki, GRC, 3.

Rudio, F. V. (1978). Introdução ao projeto de pesquisa científica. Petrópolis: Vozes.

Stewart, T. A. (2002). A riqueza do conhecimento: o capital intelectual e a nova organização do século XXI. Rio de Janeiro: Campus.

Sveiby, K. E. (1998). A nova riqueza das organizações: gerenciando e avaliando patrimônios de conhecimento. (2a ed.). Rio de Janeiro: Campus.

Teixeira Filho, J. (1998). Tecnologia da informação para a gestão do conhecimento. Recuperado em 05 de novembro,2008, de http://www.informal.com.br/insight/insight10.html.

Terra, J. C. C. (2000). Gestão do conhecimento: o grande desafio empresarial: uma abordagem baseada no aprendizado e na criatividade. São Paulo: Negócio.

Turban, E.; Rainer, J.; Potter, R. E. (2005). Administração de tecnologia da informação: teoria e prática. São Paulo: Elsevier.

Vieira, M. F. V.; Zouain, D. M. (Org.). (2006). Pesquisa qualitativa em administração. (2a ed.). Rio de Janeiro: FGV.