Secretariado Executivo no Brasil: profissão ou ocupação? Outros Idiomas

ID:
40728
Resumo:
Este artigo apresenta o desenvolvimento e os resultados de um estudo que teve como objetivo geral averiguar o perfil do Secretariado Executivo no Brasil como profissão ou ocupação. Seus objetivos específicos propuseram apresentar o conceito de profissão e de ocupação; elaborar um quadro de referência, a partir da literatura consultada, evidenciando as características de uma profissão; fazer um levantamento historiográfico do Secretariado Executivo no Brasil; e verificar a importância e pertinência da criação do Conselho Federal de Secretariado (CFSEC). Dessa forma, foi realizada uma análise de vagas de emprego na região Sudeste, além de entrevistas com integrantes de associações da classe secretarial, sendo elas a Fenassece dois sindicatos estaduais; e um levantamento bibliográfico, utilizando-se a metodologia qualitativa. Visando uma interpretação e explicação dos dados obtidos, a análise de conteúdo foi empregada.
Citação ABNT:
VIEIRA, J. O.; ZUIN, D. C. Secretariado Executivo no Brasil: profissão ou ocupação?. Revista de Gestão e Secretariado, v. 6, n. 3, p. 21-45, 2015.
Citação APA:
Vieira, J. O., & Zuin, D. C. (2015). Secretariado Executivo no Brasil: profissão ou ocupação?. Revista de Gestão e Secretariado, 6(3), 21-45.
DOI:
10.7769/gesec.v6i3.341
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40728/secretariado-executivo-no-brasil--profissao-ou-ocupacao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abbott, Andrew. (1988). The system of professions: an essay on the division of expert labor. University of Chicago Press: Chicago.

Alves-Mazzotti; Alda Judith; Gewandsznajder, Fernando. (2004). O método nas ciências naturais e sociais: pesquisa quantitativa e qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning.

Bardin, Laurence. (2011). Análise de conteúdo. São Paulo: Edições 70.

Bruno, Ivone Maria. (2006). O poder de influência do profissional de secretariado no processo decisório das organizações. Programa de Mestrado em Administração – Dissertação – PUC, São Paulo.

Damarin, Amanda Kidd. (2006). Rethinking occupational structure: the case of web site production work. Work and Occupations. Sage Journals.

Denzin, Norman K. et al. (2006). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

E-MEC. Instituições de Educação Superior e Cursos Cadastrados. Recuperado em 12 setembro, 2014, de http://emec.mec.gov.br/

Fenassec.Federação Nacional das Secretárias e Secretários. Nd. Recuperado em 19 março, 2014, de http://www.fenassec.com.br/

Figueiredo, Vânia. (1987). E a luta começou in dicas e dogmas. Thesaurus. Recuperado em 19 março, 2014, de http://www.sinsesp.com.br/artigos/historico/182-e-a-luta-comecouextraido-do-livro-dicas-e-dogmas-de-vania-figueiredo-1987

Fonseca, Wilson Corrêa da, Jr. (2009). Análise de conteúdo. In: Duarte, Jorge e Barros, Antonio (Org.). Métodos de pesquisa em comunicação. 2a ed. São Paulo: Atlas.

Freeman, Mike (1997). Is librarianship in the UK a true profession, a semi-profession or a mere occupation? (Volume 98). MCB University Press.

Freidson, Eliot. (1986). Professional powers: a study of institutionalization of formal knowledge. The University of Chicago Press: Chicago.

Freidson, Eliot. (1995). Para uma análise comparada das profissões. A institucionalização do discurso e do conhecimento formais. Tradução Filho Martins, João Roberto. Recuperado em 27 de março, 2014, de http://www.anpocs.org.br/portal/publicacoes/rbcs_00_31/rbcs31_08.htm

Hall, R. (1969). Occupations and the social structure. Englewood Cliffs, Prentice-Hall.

Krause, Elliott A. (1971). The sociology of occupations. Boston: Little Brown.

Lakatos, Eva Maria; Marconi, Marina de Andrade. (1991). Fundamentos de metodologia científica. 3a ed. São Paulo: Editora Atlas.

Lakatos, Eva Maria; Marconi, Marina de Andrade. (2011). Técnicas de pesquisa. 7a ed. São Paulo: Atlas.

Macdonald, Keith M. (1995). The sociology of the professions. London: Sage Publications.

Ministério da Educação. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. Recuperado em 18 abril, 2014, de http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rces003_05.pdf

Ministério do Trabalho e Emprego. Classificação Brasileira de Ocupações. Códigos, Títulos e Descrições. Livro 1, 2002. Recuperado em 4 setembro, 2014, de http://www.sine.rn.gov.br/contentproducao/aplicacao/sine/arquivos/pdf/cbo2002livro1.pdf

Nd. Lei nº 9.261, de 10 de janeiro de 1996. (1996). Altera a redação dos incisos I e II do art. 2º, o caput do art. 3º, o inciso VI do art. 4º e o parágrafo único do art. 6º da Lei nº 7.377, de 30 de setembro de 1985. Recuperado em 15 abril, 2014, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9261.htm

Nonato Jr, R. (2009). Epistemologia e teoria do conhecimento em secretariado executivo:a fundação das ciências da assessoria. Fortaleza: Expressão Gráfica.

Queiroz, Antônio Augusto de. (2003). A luta das secretárias pelo conselho profissional. Recuperado em 11 setembro, 2014, de http://www.sinsesp.com.br/images/pdf/conselhoprofissional.pdf

Sabino, Rosimeri Ferraz; Marchelli, Paulo Sérgio. (2009). O debate teórico-metodológico no campo do secretariado: pluralismos e singularidades. Cadernos EBAPE.BR, vol. 7, n. 4.

Santana, Marco Aurélio; Ramalho, José Ricardo. (2009). Sociologia do trabalho. 2a ed. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

Scott, John; Marshall, Gordon. (2009). A dictionary of sociology. Nova York: Oxford University Press.

Watson, Tony (1995). Sociology, work and industry. London: Routledge.

Wilensky, Harold L. (1964). The profissionalization of everyone? The American Journal of Sociology, 70(2), 134-158.

Zuin, Débora Carneiro. (2012). Revisiting the study of occupations: a holistic view of contemporary secretarial work. Tese de doutorado. Edinburgh: The University of Edinburgh.