Innovative Entrepreneurship and Competitive Performance: The Prime Program Case, Brazil Outros Idiomas

ID:
40772
Periódico:
Resumo:
The purpose of this paper is to analyze the influence of a Support Program to Innovative Entrepreneurship on the competitive development of the supported companies. We carried out a study about the PRIME Program – First Innovative Company –, realized by the Ministry of Science, Technology and Innovation (MCTI) of Brazil and its Studies and Projects Financing agency (FINEP), in partnership with Incubators, from the standpoint of the companies favored by the program, with a focus on competitive development and local development. Therefore, we decided to apply a qualitative study of multiple cases on the companies selected through RAIAR incubator, of Pontifical Catholic University of Rio Grande do Sul (PUCRS). Overall, we found out that the performance indicators that improved the most under PRIME’s influence were: revenue, management, and image. Likewise, the indicators that least improved and that, according to interviewed managers, experienced less influence from PRIME, were new products and new processes.
Citação ABNT:
ZEN, A.; DAMBROS, ?. M. F.; RHODEN, M. I. D. S. Innovative Entrepreneurship and Competitive Performance: The Prime Program Case, Brazil . Revista de Negócios, v. 20, n. 2, p. 40-56, 2015.
Citação APA:
Zen, A., Dambros, ?. M. F., & Rhoden, M. I. D. S. (2015). Innovative Entrepreneurship and Competitive Performance: The Prime Program Case, Brazil . Revista de Negócios, 20(2), 40-56.
DOI:
http://dx.doi.org/10.7867/1980-4431.2015v20n2p40-56
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40772/innovative-entrepreneurship-and-competitive-performance--the-prime-program-case--brazil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
ACS, Z. J.; SZERB, L.; AUTIO, E. (2014). Global Entrepreneurship and Development Index 2014. Washington: The Global Entrepreneurship and Development Institute.

Agente 1, Coordenadora operacional do PRIME- RAIAR/PUCRS. (2013). Public Policies and Competitive Performance: the PRIME/Brazil case. Entrevista. Porto Alegre. [21 maio 2013].

Agente 2, Gestor da empresa AGENCY. (2013). Public Policies and Competitive Performance: the PRIME/Brazil case. Entrevista. Porto Alegre. [31 maio 2013].

Agente 3, Gestor da empresa CONTROLL. (2013). Public Policies and CompetitivePerformance: the PRIME/Brazil case. Entrevista. Canoas. [10 junho 2013]

Agente 4, Gestor da Empresa ELECTRO. (2013). Public Policies and Competitive Performance: the PRIME/Brazil case. Entrevista. Porto Alegre. [06 junho 2013]

Albuquerque, E. (1999). Infraestrutura de Informações e sistema nacional de inovação: notas sobre a emergência de uma economia baseada no conhecimento e suas implicações para o Brasil. Análise Econômica, 17(32), 50-69.

Além, A. C.; F. Giambiagi. (2010). A metodologia de avaliação de empresas: uma sistemática para avaliar ativos intangíveis e competitividade com base no padrão de concorrência. In: O BNDES em um Brasil em transição, BNDES (org.). Rio de Janeiro: BNDES.

ARRUDA, C. et al. (2015). The Brazilian Entrepreneurial Ecosystem of Startups: An Analysis of Entrepreneurship Determinants in Brazil and the Perceptions Around the Brazilian Regulatory Framework. In: ROVERE, R. L. La; OZÓRIO, L. M.; MELO, L. de J. (eds.). Entrepreneurship in BRICS: policy and research to support entrepreneurs. Nova York: Springer.

Asheim, B. T.; M. S. Gertler. (2005). The geography of innovation: Regional Innovation Systems. In: The Oxford Handbook of innovation, J. Fagerberg, D. Mowery, R. Nelson (org.), UK: Oxford University Press.

Bessant, J.; J. Tidd. (2009). Inovação e empreendedorismo. Porto Alegre: Bookman.

Calzolaio, A. E.; A. C. Zen.; R. Dathein. (2012). Política de Inovação do RS: uma contribuição a partir da análise das empresas inovadoras e suas relações com o Sistema de Inovação. In: Anais do 6º Encontro de Economia Gaúcha. Porto Alegre: EDIPUCRS.

Camargo, M.S. (2010). Programa PRIME. Apresentação de Slides. FINEP [25 maio2013]

Carlomagno, M. S. (2011). Então, o que é inovação?3M Inovação. [12 abril2013]

Carvalho, D. et al. (2007). Análise do desempenho competitivo da indústria de móveis de madeira do estado do Pará. Amazônia - Ciência & Desenvolvimento, 2(4), 17-36.

Collins, J.; R. Hussey. (2005). Pesquisa em administração: um guia prático para alunos de graduação e pós-graduação. 2 ed. Porto Alegre: Bookman.

Contador, J. C. (2008). Campos e armas da competição: um novo modelo de estratégia. São Paulo: Saint Paul.

Dahlstrand, A.; L. Stevenson. (2007). Linking Innovation and Entrepreneurship Policy. In: Innovative Policy Reseach for Economic Growth. Swedish Foundation for Small Business Research (org.). . [28 abril2013].

Dutta, S. (Org.). (2012). The Global Innovation Index 2012 Report. INSEAD.. [ 15 abril2013].

Edquist, C. (2005). Systems of Innovation: perspectives and challenges. In: The Oxford Handbook of innovation, J. Fagerberg, D. Mowery and R. Nelson. (org.). UK: Oxford University Press.

Enderle, R. (2012). Capacitação tecnológica e sistemas de inovação: uma abordagem neoschumpeteriana/evolucionária da inserção da indústria gaúcha no atual paradigma tecnoeconômico. Unpublisheddoctoraldissertation. UFRGS, Faculdade de Ciências.

Epstein, M. J.; T. Davila; R. D. Shelton (2007). As Regras da Inovação. Porto Alegre: Bookman.

FERRAZ, J. C.; D. Kupferand L.; Haguenauer. (1996). Made in Brazil: desafios competitivos para a indústria. Rio de Janeiro: Campus.

FIESP. (2013). Custo Brasil e taxa de câmbio na competitividade da indústria de transformação brasileira. Apresentação de slides. FIESP. . [19 junho2013]

FINEP. (2008). MCT e FINEP lançam programa para empresas nascentes inovadoras. FINEP. . [04 maio2013]

FINEP. (2009). Prime beneficia 1,9 mil empresas nascentes de todo o País. FINEP . [15 junho2013]

FINEP. (2010). Manual de programa subvenção econômica à inovação nacional. FINEP . [25 maio2013]

FINEP. (2012). Prime. FINEP. . [21 março2013]

FREEMAN, C.; L. SOETE. (2008). A economia da inovação industrial. Campinas: Editora da Unicamp.

GEM. (2010). Empreendedorismo no Brasil. IBPQ. . [04 abril2013]

GUEDES, F. (2011). Entenda o verdadeiro significado a palavra "Empreender”. Portal da administração . [21 março2013]

HAIR, J.; et al. (2003). Fundamentos de Métodos de Pesquisa em Administração. Porto Alegre: Bookman.

HISRICH, R.; PETERS, M. (2004). Empreendedorismo. 5. ed. Porto Alegre: Bookman.

IBGE. (2010). PINTEC: Pesquisa de Inovação Tecnológica. IBGE. [12 maio2013]

IBGE. (2012). Estatística de Empreendedorismo 2010. IBGE. . [05 maio2013]

IBGE. (2013). Classificação Nacional de Atividades Econômicas - CNAE. IBGE . [12 maio2013]

KAPLAN, R.; NORTON, D. (1992). The Balanced Scorecard: measures that drive performance. Harvard Business Review, Cambridge, pp. 71-79.

KAPLAN, R.; NORTON, D. (1997). A estratégia em ação - Balanced Scorecard. 14. ed. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier.

KAPLAN, R.; NORTON, D. (2004). Mapas Estratégicos - BalancedScorecard: convertendo ativos intangíveis em resultados tangíveis. 10. ed. Rio de Janeiro: Campus-Elsevier.

Leontiev, L.; Ostrovitianov, K. (1988). Modos de produção Pré-capitalistas. São Paulo: Global Editora.

Lundström, A.; Almerudand, M.; Stevenson, L. (2008). Entrepreneurship and Innovation Policies: analyzing policy measures in European countries. In: Swedish Foundation for Small Business Research (SFS), Innovative Policy Research for Economic Growth. . [28 Abril2013.

Mankiw, N. G. (2001). Introdução à Economia: princípios de micro e macroeconomia. Rio de Janeiro: Campus; Elsevier.

MCT.; ANPEI. (2009). Guia Prático de Apoio à Inovação: onde e como conseguir apoio para promover a inovação em sua empresa. Programa Pró-inova . [20 junho2013]

MCTI. (2011). PRIME: Programa Primeira Empresa Inovadora – relatórios de acompanhamento por estado . [ 01 maio2013].

MDIC (2011). Plano Brasil Maior: inovar para competir, competir para crescer. Plano Brasil Maior . [25 maio2013].

Mendonça, M. A. (2008). Política de inovação no Brasil e seus impactos sobre as estratégias de desenvolvimento tecnológico empresarial. T&C Amazônia, 6(13), 27-31 [01 maio2013]

Negri, F.; Cavalcante, L. G. (2013). Sistemas de inovação e infraestrutura de pesquisa: considerações sobre o caso brasileiro. IPEA Radar: tecnologia, produção e comércio exterior, 2(24), 07-17.

NITEC. (2013). Questionário do projeto Caminhos da Inovação na Indústria Gaúcha. NITEC. . [21 fevereiro2013]

OECD. (1997). National Innovation Systems. OECD. . [26 Abril2013]

OECD. (2005). Oslo Manual: guidelines for collecting and interpreting innovation data. 3 ed. OECD. . [17 abril2013]

Olve, N.; Roy, J.; Wetter, M. (2001). Condutores da performance: um guia prático para o uso do BalancedScorecard. Rio de Janeiro: Qualymark.

Palatková, M.; Hrubcová, G. (2014). Monitoring regional competitiveness using the BSC method: A case of the Czech national tourism organisation. Czech Journal of Tourism, 3(2), 107-126. DOI: 10.1515/cjot-20140006.xxxx.

Porter, ME. (2008). On Competition. Cambridge: Harvard Business Review.

PUCRS. (2008). PUCRS promove integração entre empresários do Prime. PUCRS . [19 junho2013]

PUCRS. (2010). Seminário Integrador Prime: The Day After. Vídeo. PUCRS [17 junho2013]

RAIAR. (2009). Edital 01/2009 do Programa PRIME – Primeira Empresa Inovadora. PUCRS. . [08maio2013]

Schumpeter, J. (1939). Business Cycles: a theoretical, historical and statistical analysis of the capitalist process. London: McGraw-Hill Book Company, 1939.

Schumpeter, J. (1994). Capitalism, Socialism and Democracy. Londres: Routledge.

Schumpeter, J. (1997). Teoria do Desenvolvimento Econômico: uma investigação sobre Lucros, Capital, Crédito, Juro e o Ciclo Econômico. Coleção Os Economistas. São Paulo: Nova Cultural.

Schwab, K. (Org.). (2012). The Global Competitiveness Report 2012–2013. WEF . [20 maio 2013]

SEBRAE. (2001). Relatório da competitividade da indústria brasileira. Rio de Janeiro: BNDES.

SEBRAE. (2006). Indicadores de competitividade na indústria brasileira: micro e pequenas empresas. CNI. . [09 junho 2013]

SEBRAE. (2011). Taxa de sobrevivência das empresas no Brasil. Coleção Estudos e Pesquisas . [21 junho2013]

SENADO. (2013). Álvaro Dias questiona investimento federal em inovação tecnológica. Agência Senado. . [25 maio 2013].

Siqueira, T. V. (2009). Competitividade Sistêmica: desafios para o desenvolvimento econômico brasileiro. Revista do BNDES, 16(31), 139-184.

Strachman, E.; Deus, A. S. (2005). Instituições, inovações e sistemas de inovação: interações e precisão de conceitos. Ensaios FEE, 2(1), 575-604.

Telles, M. (2009). PRIME tem R$ 230 milhões para empresas nascentes. Inovação em Pauta, v. 6, pp. 32-40 . [20 junho2013]

Trevisan, M.; Silva, T. (2010). Programa Primeira Empresa Inovadora: uma possibilidade de operacionalização da Hélice Tríplice no Brasil. In: Anais do 26º Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Vitória: ANPAD.

Valente, F.; Dantas, J.; Dominguinhos, P. (2012). Empreendedorismo e Desenvolvimento Regional: o caso “DNA Cascais”. In: Proceedings do 14º Workshop Empreendedorismo e Desenvolvimento Regional, Setúbal: APDR, pp. 06-18.

Xavier, S. et al. (2012). Global Report. GEM. . [04 abril2013]

Zawislak, P. A. (1994). Relação entre Conhecimento e Desenvolvimento: A essência do progresso técnico. Texto didático 02. DECON – UFRGS.

Zawislak, P. A. et al. (2012). Innovation Capability: from technology development to transaction capability. Journal of technology management & innovation, v. 7, p. 14-27

Zen, A. C.; Fracasso, E. M. (2008). Quem é o empreendedor? As implicações de três revoluções tecnológicas na construção do termo empreendedor. Revista de Administração Mackenzie, 9(8), 135-150.