Análise da Influência do Capital Estrutural no Sucesso de Startups Incubadas: uma Pesquisa com 21 Empreendedores Outros Idiomas

ID:
40784
Resumo:
Promover o desenvolvimento de novas empresas tem sido um campo vasto de pesquisa. Observa-se que a iniciativa perpassa diversos setores da economia, iniciando-se pelo empreendedor, alcançando apoio do governo, órgãos de fomento, universidades e incubadoras de empresas. Há atualmente no Brasil, uma rede de organizações, dentre as quais ANPROTEC e o Sebrae que, juntamente com as incubadoras, tem procurado criar um ambiente em que novas empresas surjam e se desenvolvam, em que o conhecimento e o capital intelectual sejam potencializados. Nesse sentido, o objetivo geral dessa pesquisa foi analisar a influência do capital estrutural no sucesso de startups incubadas. A criação de startups tem sido cada vez mais reconhecida como um importante elemento para o desenvolvimento econômico brasileiro. Já o capital estrutural é um dos componentes do capital intelectual e possui como exemplos a infraestrutura física e tecnológica de uma empresa.Nesse contexto, entretanto, existe uma carência de trabalhos científicos que demonstrem a relação do Capital Estrutural (CE) com o sucesso de startups incubadas. No desenvolvimento, ocorreu a determinação dos construtos de CE em startups incubadas e a identificação dos critérios para análise do CE em startups incubadas. E na comprovação empírica, foi validado o instrumento com seis gestores de incubadoras da região Sul do Brasil e realizada a aplicação em 21 startups incubadas, sendo que 04 delas de insucesso, 06 graduadas e 11 incubadas. Foi possível identificar que o Capital Estrutural tem influência no sucesso de startups incubadas, principalmente no que se refere ao apoio físico e tecnológico recebido das incubadoras.
Citação ABNT:
MACHADO, E.; SELIG, P. M.; FOLLMANN, N.; CASAROTTO FILHO, N. Análise da Influência do Capital Estrutural no Sucesso de Startups Incubadas: uma Pesquisa com 21 Empreendedores. International Journal of Innovation, v. 4, n. 1, p. 46-57, 2016.
Citação APA:
Machado, E., Selig, P. M., Follmann, N., & Casarotto Filho, N. (2016). Análise da Influência do Capital Estrutural no Sucesso de Startups Incubadas: uma Pesquisa com 21 Empreendedores. International Journal of Innovation, 4(1), 46-57.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5585/iji.v4i1.71
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40784/analise-da-influencia-do-capital-estrutural-no-sucesso-de-startups-incubadas--uma-pesquisa-com-21-empreendedores/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Almeida, C. de; Barche, C. K.; Segatto, A. P. (2014). Análise da Implantação da Metodologia Cerne: Estudo de Caso em duas Incubadoras Nucleadoras do Paraná. REGEPE - Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 3(3). http://doi.org/10.14211/regepe.v3i3.90

ANPROTEC. (2015). INCUBADORAS E PARQUES. Disponível em: . Acesso em: 21 junho de 2015.

Barnir, A. (2012). Starting technologically innovative ventures: reasons, human capital, and gender. Management Decision, v. 50, n. 3, p. 399-419.

Bontis, N. (1999). Managing organizational knowledge by diagnosing intellectual capital : framing and advancing the state of the field. Int. J. Technology Management, v. 18, p. 433-461.

Bueno, E. et al. (2012). El Capital Intellectual de Las Organizaciones. 11. ed. Madrid: Iniversidade Autónoma de Madrid.

Dornelas, J. C. A. (2002). Planejando incubadoras de empresas: como desenvolver um plano de negócios para incubadoras. Rio de Janeiro: Campos.

Edvinsson, L. (2013). IC 21: reflections from 21 years of IC practice and theory. Journal of Intellectual Capital, v. 14, n. 1, p. 163-172.

Edvinsson, L.; Sullivan, P. (1996). Developing a Model for Managing Intellectual Capital. European Management Journal, v. 14, p. 356.

Fiates, J. E. et al. (2007). Políticas mundiais para o desenvolvimento econômico baseadas em conhecimento e inovação. Florianópolis: Agência Brasileira de Desenvolvimento Industrial e Associação Nacional de Entidades Promotoras de Empreendimento Inovadores.

Gadelha, M. A.; Mâsih, R. T. (2007).Alinhamento Estratégico em Incubadoras de Empresas: Proposta de um Sistema de Gestão Baseado no Balanced.XXVII Encontro Nacional de Engenharia de Produção, Foz do Iguaçu.

Hongli, L.; Lingfang, L. (2010). Modeling and Measuring Intellectual Capital of Business Incubator. 2010 3rd International Conference on Information Management, Innovation Management and Industrial Engineering, p. 79-82, nov.

Hongli, L.; Lingfang, L. (2011). Effects of Business Incubator’s Intellectual Capital on Incubatees' Growth: The Mediating Role of Knowledge Transfer. International Conference on Information Management. Innovation Management and Industrial Engineering, p. 466-471, nov.

Hormiga, E.; Batista-Canino; Sáchez-Medina, A. (2011).The Impact of Relational Capital on the Success. Journal of Small Business Management, v. 49, n. 4, p. 617-638.

Hormiga, E.; Hancock, C.; Valls-Pasola, J. (2013). Intellectual capital and new ventures: the entreneur’s cognizance of company management. Knowledge Management Research & Practice, v. 11, p. 208-218.

Iacono, A.; Nagano, M. S. (2014). Nascentes de Base Tecnológica: Empresas no Brasil. Interciencia, v. 39.

Macêdo, F. M. D. L. T.; Boava. (2009). Relação incubadora de empresas e ação empreendedora Relationship business incubators to entrepreneurial actions Introdução Atualmente, as discussões acerca do empreendedorismo e seus. Rev. Ciênc. Admin, v. 15, n. 63, p. 221-240, 2009.

Miguel, P. A. C. (2012). Adoção do Estudo de Caso na Engenharia de Produção. In: Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. 2 ed. Rio de Janeiro: Campus.

Ortigara, A. A. et al. (2011). Análise por Agrupamento de Fatores de Desempenho das Incubadoras de Empresas. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 1, p.64-91.

PEÑA, I. (2002). Intellectual capital and business startup success. Journal of Intellectual Capital, v. 3, n. 2, p. 180-198.

Raupp, F. M.; Beuren, I. M. (2006). O suporte das incubadoras brasileiras para potencializar as características empreendedoras nas empresas incubadas. Revista de Administração (FEA-USP), v. 41, p. 419-430, 2006.

Rodrigues, H M DA S. S.; Dorrego, P. F. F.; Fernández, C. M. F. J. (2009). La Influencia Del Capital Intelectual En La Capacidad de Innovación de Las Empresas Del Sector de Automoción de La Eurorregión Galicia Norte De Portugal.[s.l.] Iniversida de Vigo.

Schwartz, M. (2013). A control group study of incubators impact to promote firm survival. Technol Transf, v. 38, p. 302-331.

Schwartz, M.; Hornych, C. (2010). Cooperation patterns of incubator firms and the impact of incubator specialization: Empirical evidence from Germany. Technovation, v. 30.

Yin, R. K. (2010). Estudo de Caso: Planejamento e métodos. 4 ed. São Paulo: Bookman.