Representações Sociais de Relações de Trabalho: um Estudo com Trabalhadores Primarizados Outros Idiomas

ID:
40876
Resumo:
Em face de efeitos negativos da terceirização, o processo inverso, a primarização, tem sido adotado por um número crescente de organizações. Nesse artigo, o objetivo é identificar as representações sociais das relações de trabalho de trabalhadores que se encontram em contexto de pós-primarização. A partir de entrevistas realizadas com profissionais que foram terceirizados e hoje são primarizados, evidenciou-se que, após a primarização, os entrevistados passaram a se sentir mais valorizados e reconhecidos, com elevação da autoestima e engajamento no trabalho. Conclui-se que o processo de primarização pode proporcionar melhorias impactantes tanto para as relações de trabalho quanto para a organização como um todo.
Citação ABNT:
SARAIVA, L. A. S.; SOARES, C. B. A.; NATT, E. D. M. Representações Sociais de Relações de Trabalho: um Estudo com Trabalhadores Primarizados . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 10, n. 1, p. 36-49, 2016.
Citação APA:
Saraiva, L. A. S., Soares, C. B. A., & Natt, E. D. M. (2016). Representações Sociais de Relações de Trabalho: um Estudo com Trabalhadores Primarizados . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(1), 36-49.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v10i1. 314
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40876/representacoes-sociais-de-relacoes-de-trabalho--um-estudo-com-trabalhadores-primarizados-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBORNOZ, S. O que é trabalho. São Paulo, Brasiliense, 1986. 100 p.

ANTUNES, R. Os sentidos do trabalho. 6. ed. São Paulo: Boitempo, 2002. 258 p.

BICUDO, V. R. Terceirização na Petrobrás: implicações sociais, gerenciais e políticas. In: ENCONTRO ANUAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, XXVII, Atibaia. Anais... Atibaia: ANPAD, 2003.

BRASIL. Ministério da Fazenda. Pesquisa de emprego e desemprego. Brasília: SEADE/ DIEESE, 2008.

CAMPOS, P. H. F.; ROUQUETTE, M. Abordagem estrutural e componente afetivo das representações sociais. Psicologia: Reflexão e Crítica, Porto Alegre, v. 16, n. 3, p. 435-445, 2003.

CARVALHO NETO, A. M. Relações de trabalho e negociação coletiva na virada do milênio: estudo em quatro setores dinâmicos da economia. Petrópolis: Vozes, 2001. 304 p.

CASTRO, A. S.; BIM, E. A. A viabilidade da “desterceirização” (outsourcing reverse): um estudo de caso sobre reciclagem de componentes poluentes (baterias automotivas). Associação Brasileira de Custos. Disponível em . Acesso em: 20 jun. 2008.

CAVEDON, N. R.; FERRAZ, D. L. S. Representações sociais e estratégia em pequenos comércios. RAE-eletrônica, São Paulo, v. 4, n. 1, art. 14, jan. /jul. 2005.

CAVEDON, N. R.; PIRES, R. M. “O pão nosso de cada dia”: as representações sociais sobre a vida familiar e profissional dos trabalhadores na indústria da panificação. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, XXVIII, 2004, Curitiba. Anais... Curitiba: ANPAD, 2004.

COSTA, F. B. Homens invisíveis: relatos de uma humilhação social. São Paulo: Globo, 2004. 254 p.

DALFIOR, S. D. R. Novas relações de trabalho: efeitos da inserção de cooperativas de especialidade médica em um hospital público do Espírito Santo. 137 f. 2002. Dissertação (Mestrado em Administração) –Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002.

ESPÍNDULA, D. H. P. ; SANTOS, M. F. S. Representações sobre a adolescência a partir da ótica dos educadores sociais de adolescentes em conflito com a lei. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 9, n. 3, p. 357-367, set./dez. 2004.

FIORIN, J. L. Elementos de análise do discurso. 9. ed. São Paulo: Contexto, 2000. 93 p.

FISCHER, R. M. Pondo os pingos nos “is” sobre as relações do trabalho e políticas de administração de recursos humanos. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. (Org.). Processo e relações do trabalho no Brasil: movimento sindical, gestão e participação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987. p. 19-50.

FLEURY, A. C. C. Organização do trabalho na indústria: recolocando a questão nos anos 80. In: FLEURY, M. T. L.; FISCHER, R. M. (Org.). Processo e relações do trabalho no Brasil: movimento sindical, gestão e participação. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1987. p. 51-66.

GALVÃO, A.; TRINDADE, E. A. Sistemas de relações de trabalho nos países avançados: principais características e mudanças recentes. In: DIEESE (Org.). Emprego e desenvolvimento tecnológico. Campinas: DIEESE/CESIT, 1999. p. 225-253.

GOMES, R.; MENDONÇA, E. A.; PONTES, M. L. As representações sociais e a experiência da doença. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 18, n. 5, p. 1207-1214, set./out. 2002.

MAGALHÃES, Y. T.; SANTOS, A. R. G.; SALES, V. F. D.; SARAIVA, L. A. S. Primarização e relações de trabalho em uma empresa mineradora de Minas Gerais. Sociedade, Contabilidade e Gestão, Rio de Janeiro, v. 6, n. 1, p. 104-119, 2011.

MELO, M. C. O. L. Estratégias do (s) empregado (s) no cotidiano das relações de trabalho: a construção de processos de auto-regulação. In: DAVEL, E.; VASCONCELOS, J. G. M. (Org.). “Recursos humanos” e subjetividade. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. 260 p.

MELO, M. C. O. L. Estratégias do trabalhador informático nas relações de trabalho. 1991. 411 f. 1991. (Tese, Professor Titular) – Faculdade de Ciências Econômicas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1991.

MELO, M. C. O. L.; CARVALHO NETO, A. M. Negociação coletiva e relações de trabalho: o debate atual. São Paulo: ABET, 1998. 112 p.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 22. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 80 p.

MINAYO, M. C. S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006. 406 p.

MOSCOVICI, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 5. ed. Petrópolis: Vozes, 2007. 404 p.

OLIVEIRA, F. O.; WERBA, G. C. Representações sociais. In: JACQUES, M. G. C.; STREY, M. N. ; BERNARDES, M. G.; GUARESCHI, P. A.; CARLOS, S. A.; FONSECA, T. M. G. (Org.). Psicologia social contemporânea. 4. ed. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 104-117.

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso. 5. ed. Campinas: UNICAMP 2014. 288 p. SÁ, C. P. Representações sociais: o conceito e o estado atual da teoria. In: SPINK, M. J. (Org.). O conhecimento no cotidiano: as representações sociais na perspectiva da psicologia social. São Paulo: Brasiliense, 1993. p. 19-45.

SARAIVA, L. A. S.; MERCÊS, R. E. Terceirização na gestão da manutenção: estudo de caso de uma mineradora. Revista de Administração da UNIMEP, Piracicaba, v. 11, n. 1, p. 1-24, jan. /abr. 2013.

SPINK, M. J. O conceito de representação social na abordagem psicossocial. Cadernos de Saúde Pública, Rio de Janeiro, v. 9, n. 3, p. 300-308, jul./ set. 1993.

TEIXEIRA, M. C. T. V.; SCHULZE, C. M. N.; CAMARGO, B. V. Representações sociais sobre a saúde na velhice: um diagnóstico psicossocial na rede básica de saúde. Estudos de Psicologia, Natal, v. 7, n. 2, p. 351-359, 2002.

XAVIER, R. Representação social e ideologia: conceitos intercambiáveis? Psicologia & Sociedade, Porto Alegre, v. 14, n. 2, p. 18-47, jul./dez. 2002.