Relação da Importância dos Recursos Estratégicos com as Medidas de Desempenho em Empresas Brasileiras Outros Idiomas

ID:
40915
Resumo:
O estudo objetiva verificar se as medidas de desempenho são variáveis mediadoras entre a importância dos recursos estratégicos e a avaliação de desempenho em empresas brasileiras. De modo específico o estudo busca investigar a percepção dos gestores quanto à importância atribuída às medidas de desempenho tradicionais e não tradicionais e aos recursos estratégicos de capital humano, estrutural e físico em empresas brasileiras. No estudo replica-se a pesquisa realizada por Widener (2006) em empresas norte-americanas. Assim, um levantamento foi realizado junto aos gestores das empresas listadas na BM&FBovespa nos níveis 1 e 2 de Governança Corporativa. Na análise dos dados foi aplicada estatística descritiva e análise fatorial. Os resultados mostram que os gestores atribuem importância à várias medidas de desempenho, mas a estatística descritiva evidencia que a maior importância é atribuída às medidas de retorno e financeiras tradicionais. Dentre os recursos estratégicos, o capital humano desponta como o recurso mais importante para as empresas analisadas, seguido do capital estrutural e do capital físico. A partir das relações estabelecidas na pesquisa, conclui-se que as medidas de desempenho são variáveis mediadoras entre a importância dos recursos estratégicos e a avaliação de desempenho na percepção dos gestores, o que coaduna com os resultados da pesquisa de Widener (2006) em empresas norte-americanas.
Citação ABNT:
BEUREN, I. M.; MARCELLO, I. E. Relação da Importância dos Recursos Estratégicos com as Medidas de Desempenho em Empresas Brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 15, n. 1, p. 64-82, 2016.
Citação APA:
Beuren, I. M., & Marcello, I. E. (2016). Relação da Importância dos Recursos Estratégicos com as Medidas de Desempenho em Empresas Brasileiras. Revista Ibero-Americana de Estratégia, 15(1), 64-82.
DOI:
10.5585/riae.v15i1.2221
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/40915/relacao-da-importancia-dos-recursos-estrategicos-com-as-medidas-de-desempenho-em-empresas-brasileiras/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Aguiar, A. B.; Frezatti, F. (2014). Uso de medidas não financeiras de desempenho, estratégia e orientação temporal de gestores das 'Melhores Empresas para Você Trabalhar'. REAd. Revista Eletrônica de Administração, 77(1) 114-139.

Amit, R.; Schoemaker, P. J. H. (1993). Strategic assets and organizational rent. Strategic Management Journal, 14(1), 33-46.

Baines, A.; Langfield-Smith, K. (2003). Antecedents to management accounting change: a structural equation approach. Accounting, Organizations and Society, 28(7/8), 675-698.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barney, J. B. (2001). Is the resource-based view a useful perspective for strategic management research?Yes. Academy Management Review, 26(1), 41-56.

Beuren, I. M.; Kaveski, I. D. S.; Rigo, V. P. (2014). Associação das medidas de desempenho para pagamento de bônus aos executivos com dependência de capital humano. Revista Contemporânea de Contabilidade, 11(22), 03-24.

Beyan, O. D.; Baykal, N. (2012). A knowledge based search tool for performance measures in health care systems. Journal of Medical Systems, 36(1), 201-221.

Bharadwaj, S. G.; Varadarajan, P. R.; Fahy, J. (1993). Sustainable competitive advantage in service industries: a conceptual model and research propositions. Journal Mark, 57(4), 83-99.

Bourne, M.; Neely, A. D.; Mills, J. F.; Platts, K.; Wilcox, M. (2000). Designing, implementing and updating performance measurement systems. International Journal of Operations & Production Management, 20(7), 754-771.

Brancato, C. K. (1995). New performance measures: a research report. The Conference Board, Report n° 1118-95-RR.

Callado, A. A. C.; Callado, A. L. C.; Moller, H. D.; Neutzling, D. M. (2009). Indicadores de desempenho social corporativo: um estudo entre empresas do setor elétrico. eGesta, 5(1), 71-93.

Coleman, J. S. (1988). Social capital in the creation of human capital. The American Journal of Sociology, 94(1), S95-S120.

Corrêa, H. L.; Hourneaux Junior, F. (2008). Sistemas de mensuração e avaliação de desempenho organizacional: estudo de casos no setor químico no Brasil. Revista de Contabilidade & Finanças - USP, 19(48), 50-64.

Drickhamer, D. (2002). Next generation performance measurement. Industry Week, 251(6), 14.

Edvinsson, L.; Malone, M. S. (1998). Capital intelectual: descobrindo o valor real de sua empresa pela identificação de seus valores internos. São Paulo: Makron Books.

Edwards, D. (1997). Toward a discursive psychology of classroom education. In: Coll, C.; Edwards, D. (Eds.). Teaching, learning and classroom discourse: approaches to the study of educational discourse. p. 33-48. Madrid: Fundación Infancia y Aprendizaje.

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4 ed. São Paulo: Atlas.

Godoy, A. L. (s/d). Indicadores de desempenho organizacional. Disponível em: . Acesso em: 15 mar.2012.

Gonçalves, J. P. (2002). Desempenho organizacional. Seminário Econômico, n° 815.

Hair Jr, J. F.; Babin, B.; Money, A. H.; Samouel, P. (2005). Fundamentos de métodos de pesquisa em administração. Porto Alegre: Bookman.

Hughes, P.; Morgan, R. E. (2008). Fitting strategic resources with product-market strategy: performance implications. Journal of Business Research, 61(4), 323-331.

Hunt, S. D. (2000). A general theory of competition. Thousand Oaks, CA: Sage.

International Federation of Accountants (IFAC). (1998). The measurement and management of intellectual capital: an introduction. New York: Report.

Ittner, C. D.; Larcker, D. L. (1995). Total quality management and the choice of information and reward systems. Journal of Accounting Research, 33(1), 1-34.

Kaplan, R. S.; Norton, D. P. (1996). The Balanced Scorecard. Boston, MA: Harvard Business School Press.

Lev, B. (2001). Intangibles: management, measurement and reporting. Washington, D.C.: Brookings Institution Press.

Luo, X.; Sivakumar K.; Liu, S. S. (2005). Globalization, marketing resources, and performance: evidence from China. Journal Academy Mark Sci, 33(1), 50-65.

Macarthur, J. B. (1996). Performance measures that count: monitoring variables of strategic importance. Journal of Cost Management, 10(3), 39-45.

Martins, R. (2004). Sistemas de medição de desempenho: um modelo para estruturação do uso. Tese de Doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Mia, L.; Clarke, B. (1999). Market competition, management accounting systems and business unit performance. Management Accounting Research, 10(2), 137-158.

Muller, C. J. (2003). Modelo de gestão integrando planejamento estratégico, sistemas de avaliação de desempenho e gerenciamento de processos. Tese de Doutorado, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil.

Neely, A.; Gregory, M. (1995). Performance measurement system design. International Journal of Operations & Producy Management, 15(4), 80-116.

Paiva,V. (2001). Sobre o conceito de capital humano. Cadernos de Pesquisa, (113), 185-191.

Pedrosa, A. J. P.; Carvalho, F. M. P. O. (2014). Análise dos fundamentos da Teoria Baseada nos Recursos. Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, 13(2), 10-24.

Phatak, A. A. (1995). International dimensions of management. 4 ed. Cincinnati, OH: South-Western College Publishers.

Raupp, F. M.; Beuren, I. M. (2006). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. In: Beuren, I. M. (Org). Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Richardson, R. J. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Rummler, G. A.; Brache A. P. (1994). Melhores desempenhos das empresas: uma abordagem prática para transformar as organizações através da reengenharia. São Paulo: Makron Books.

Salterio, S.; Webb, A. (2003). The balanced scorecard. CA Magazine, 136(6), 39.

Schultz, T. W. (1962). O valor econômico da educação. Rio de Janeiro: Zahar.

Sellitto, M. A.; Borchardt M.; Pereira, G. M. (2006). Avaliação multicriterial de desempenho: um estudo de caso na indústria de transporte coletivo. Gestão & Produção, 13(2), 339-352.

Simons, R. (2000). Performance measurement and control systems for implementing strategy. Upper Saddle River, NJ: Prentice Hall.

Stewart, T. A. (1998). Capital intelectual: a nova vantagem competitiva das empresas. 8 ed. Rio de Janeiro: Campus.

Stivers, B. P.; Covin, T. J.; Hall, N. G.; Smalt, S. W. (1998). How nonfinancial performance measures are used. Management Accounting, 79(4), 44-49.

Vasconcelos, F. C.; Cyrino, A. B. (2000). Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. RAE - Revista de Administração de Empresas, 40(4), 20-37.

Widener, S. K. (2004). An empirical investigation of the relation between the use of strategic human capital and the design of the management control system. Accounting, Organizations and Society, 29(3/4), 377-399.

Widener, S. K. (2006). Associations between strategic resource importance and performance measure use: The impact on firm performance. Management Accounting Research, 17(4), 433-457.