'Eu me Sinto um Brasileiro no Japão e um Japonês no Brasil': as Relações de Trabalho de um Casal Dekassegui Outros Idiomas

ID:
41068
Resumo:
Considerando que as relações de trabalho estão inseridas culturalmente na sociedade, o objetivo deste artigo consiste em compreender os significados culturais atribuídos às experiências de trabalho, sob a perspectiva de um casal dekassegui. Para estudar a interação entre esses dois fenômenos sociais, quais sejam, cultura e relações de trabalho, utilizou-se a conceituação desenvolvida por Fischer (1987). A autora afirma que há três instâncias que determinam os padrões de relações de trabalho – a política, a organização do processo de trabalho e a política de recursos humanos. E, para alcançar um melhor entendimento das perspectivas e visões de mundo dos entrevistados acerca desses fenômenos, realizouse um estudo qualitativo básico com base em histórias orais de vida e entrevistas em profundidade. A partir dos dados da pesquisa, observou-se que a cultura japonesa atribui ao trabalho os significados de independência, disciplina, hierarquia e eficiência. E os descendentes, em experiência de trabalho no Japão, caracterizam-no como desiguais precários e culturalmente distintos. Assim, é possível afirmar que os dekasseguis se sentem brasileiros no Japão, pela condição de minoria étnica e desigualdade no trabalho, e japoneses no Brasil pelos hábitos e costumes diferentes, fortalecendo o sentimento de desenraizamento.
Citação ABNT:
LOPES, A. A. D.; LIMA, T. A. P.; SILVA, A. G. C.; HELAL, D. H. 'Eu me Sinto um Brasileiro no Japão e um Japonês no Brasil': as Relações de Trabalho de um Casal Dekassegui. Revista de Administração IMED, v. 5, n. 3, p. 217-227, 2015.
Citação APA:
Lopes, A. A. D., Lima, T. A. P., Silva, A. G. C., & Helal, D. H. (2015). 'Eu me Sinto um Brasileiro no Japão e um Japonês no Brasil': as Relações de Trabalho de um Casal Dekassegui. Revista de Administração IMED, 5(3), 217-227.
DOI:
10.18256/2237-7956/raimed.v5n3p217-227
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41068/-eu-me-sinto-um-brasileiro-no-japao-e-um-japones-no-brasil---as-relacoes-de-trabalho-de-um-casal-dekassegui/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Beltrão, K. I., & Sugahara, S. (2006). Permanentemente temporário: dekasseguis brasileiros no Japão. Revista brasileira de estudos populacionais, 23 (1), 61-85. Recuperado em 16 dezembro, 2015, em http://dx.doi.org/10.1590/S010230982006000100005

Carvalho, R. N., Silva, P. B., & Lira, M. R. B. (2013, setembro). Relações intergeracionais e o significado do papel dos avós na sociedade contemporânea. Anais do Congresso Brasileiro De Sociologia, Salvador, BA, Brasil, 16.

Ésther, A. B. (2013). Relações de trabalho: conceitos, instâncias e condicionantes. Recuperado em 6 dezembro, 2013, de http://www.ufjf.br/facc/files/ 2011/03/UNID-3-RH-I-2010-Rela%C3%A7%-C3%B5es-depoder-e-de-trabalho-Conceitos-inst%C3%A2ncias-e-condicionantes.pdf

Faria, J. H., & Meneghetti, F. K. (2001, setembro) O sequestro da subjetividade e as novas formas de controle psicológico no trabalho: uma abordagem crítica ao modelo toyotista de produção. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Campinas, SP, Brasil, 25.

Fischer, R. M. (1987). “Pondo os pontos nos is” sobre as relações do trabalho e políticas de administração de recursos humanos. In M. T. L. Fleury., & R. M. Fischer (Org.), Processo e relações de trabalho do trabalho no Brasil (pp. 19-50). São Paulo: Atlas.

Freitas, M. E. (2007). Cultura organizacional – evolução e crítica. São Paulo: Thomson.

Hall, S. (1997). A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções culturais do nosso tempo. In K. Thompson. (Org.). Media and Cultural Regulation, Inglaterra, 1997. Recuperado em 8 dezembro, 2013, de http://www.gpef.fe.usp.br/teses/ agenda_2011_02.pdf

Meihy, J. C. S.B. (2000). Manual de história oral. São Paulo: Editora Loyola.

Merriam, S. B. (1998). Qualitative research and case study applications in education. San Francisco (CA): Jossey-Bass.

Morin, E. M. (2001). Os sentidos do trabalho. RAE, 41 (3), 8-19. Recuperado em 5 dezembro, 2013, de http://www.scielo.br/pdf/rae/v41n3/ v41n3a02.pdf

Ocada, F. K. (2002, novembro). A cultura e o habitus japonês: ingredientes da experiência. Anais do Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Ouro Preto, MG, Brasil, 13.

Oda, E. (2011). Interpretações da “cultura japonesa” e seus reflexos no Brasil. RBCS, 26 (75), 103-117. Recuperado em 13 dezembro, 2013, em http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-69092011000100006&script=sci_arttext

Oliveira, Z. L.C.O., Sugahara, S., & Teixeira, M. P. (2013, setembro). Novas configurações na organização familiar brasileira. Anais do Congresso Brasileiro de Sociologia, Salvador, BA, Brasil, 16.

Rossini, R. E. (2004, setembro). O Brasil no Japão: a conquista do espaço dos nikkeis do Brasil no Japão. Anais do Encontro Nacional de Estudos Populacionais, Caxambu, MG, Brasil, 14.

Sasaki, E. M. (1998, outubro). Dekasseguis: a questão da identidade dos migrantes brasileiros descendentes de japoneses no Japão. Anais do Encontro Anual da Associação Nacional de Pós Graduação e Pesquisa em Ciências Sociais, Caxambu, MG, Brasil, 22.

Sasaki, E. M. (2006). A imigração para o Japão. Estudos Avançados, 20 (57), 99-117. Recuperado em 8 dezembro, 2013, de http://www.scielo.br/scielo. php?pid=s0103-40142006000200009&script=sci_ arttext

Schwartz, S. H. (1999). A theory of cultural values and some implications for work. Applied psychology: an international review, 48 (1), 23-47.

Seidman, I. (1997). Interviewing as qualitative research: a guide for researchers in education and the social sciences. 2. Ed. New York: Teachers College Press.

Tongu, É. A. S. (2010). Migrações, processo educacional e os dekassegui: um estudo na rede de relações em torno da criança nikkei na escola brasileira no Japão. (Tese doutoramento Faculdade de Educação da Universidade de São Paulo, 2010). São Paulo: Universidade de São Paulo.