Análise das Práticas Sustentáveis no Ramo Varejista: uma Percepção dos Colaboradores com Ênfase na Educação Ambienta Outros Idiomas

ID:
41102
Resumo:
A preocupação com a sustentabilidade tem levado muitas organizações a (re)pensarem suas ações e responsabilidades na minimização dos impactos ambientais. As práticas de uma gestão sustentável podem ajudar as empresas a evitar perdas e melhorar a qualidade das operações, resultando em ganhos para todos os envolvidos. O presente estudo de caráter qualitativo e quantitativo se apresenta como um estudo de caso realizado numa empresa de grande porte da região central do Rio Grande do Sul, atuante no ramo varejista e tem como objetivo analisar a percepção, por parte dos colaboradores, frente às práticas sustentáveis desenvolvidas pela organização e seus reflexos no meio ambiente. Após a realização da pesquisa, como principais resultados, evidenciou-se que a empresa opera de acordo com a Política de Gerenciamento de Resíduos Sólidos e dentro deste contexto, necessita instruir melhor seus colaboradores quanto às questões sócioambiental, uma vez que, conforme percebido, apesar das ações realizadas, a mesma apresenta um viés voltado, em maior parte, para o pensamento econômico.
Citação ABNT:
SANTOS, L. A. D.; MARZALL, L. F.; GONÇALVES, D. L.; GODOY, L. P. Análise das Práticas Sustentáveis no Ramo Varejista: uma Percepção dos Colaboradores com Ênfase na Educação Ambienta. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 6, n. 1, p. 56-73, 2016.
Citação APA:
Santos, L. A. D., Marzall, L. F., Gonçalves, D. L., & Godoy, L. P. (2016). Análise das Práticas Sustentáveis no Ramo Varejista: uma Percepção dos Colaboradores com Ênfase na Educação Ambienta. Reunir: Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, 6(1), 56-73.
DOI:
http://dx.doi.org/10.18696/reunir.v6i1.349
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41102/analise-das-praticas-sustentaveis-no-ramo-varejista--uma-percepcao-dos-colaboradores-com-enfase-na-educacao-ambienta/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAÚJO, G. C.; MENDONÇA, P. S. M. O processo de adequação à sustentabilidade empresarial a partir das normas internacionalmente reconhecidas. In. Encontro Nacional Sobre Gestão Empresarial e Meio Ambiente. Curitiba, Paraná, 2007.

BANERJEE, S. B. Embedding sustainability across the organization: a critical perspective. Academy of Management Learning e Education, v. 10, n. 4, p. 719-731, 2011.

BARBIERI, J. C.; SILVA, D. Desenvolvimento sustentável e educação ambiental: uma trajetória comum com muitos desafios. RAM, Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 3, 2011.

BAXTER, R. et al. Sustentabilidade Premier: Passo a passo Natural. The Natural Step Canadá, 2009.

BELLEN, H. M. V. Desenvolvimento sustentável: uma descrição das ferramentas de avaliação. Ambiente e Sociedade, v. 7, n. 1, p. 67-87, 2004.

BRASIL. Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Versão preliminar para consulta pública. In: Ministério do Meio Ambiente. Brasília (DF), set. 2011. Disponível em:. Acesso em: 11 jun. 2011.

CARS, M.; WEST, E. E. Education for sustainable society: attainments and good practices in Sweden during the United Nations Decade for Education for Sustainable Development (UNDESD). Environment, Development and Sustainability, v. 17, n. 1, p. 1-21, 2014.

CAUCHICK, M. P. A. 2012. Metodologia de pesquisa em engenharia de produção e gestão de operações. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012.

CUNHA, C. F.; SPERS, E. E.; ZYLBERSZIAJN, D. Percepção sobre atributos de sustentabilidade em um varejo supermercadista. Revista de Administração de Empresas, v. 51, n. 6, p. 542-552, 2011.

DELAI, I.; TAKAHASHI, S. Corporate sustainability in emerging markets: insights from the practices reported by the Brazilian retailers. Journal Of Cleaner Production, v. 47, p. 211-221, 2013.

DiMAGGIO, P. J.; POWELL, W. W. (2005). A gaiola de ferro revisitada: isomorfismo institucional e racionalidade coletiva nos campos organizacionais. Revista de Administração de Empresas, v. 45, n. 2, p. 74-89, 2005.

EROL, I. et al. Sustentabilidade no setor de varejo Turco. Desenvolvimento Sustentável, v. 17, p. 49-67, 2009.

GRANZIERA, M. L. M. Direito ambiental. São Paulo: Atlas, 2009.

HAUGH, H. M.; TALWAR, A. How do corporations embed sustainability across the organization? Academy of Management Learning and Education, v. 9, n. 3, p. 384-396, 2010.

ILLES, A. Vendo sustentabilidade em operações de negócios: EUA e Reino Unido experimentos varejista de alimentos com a prestação de contas. Estratégia de Negócios e Meio Ambiente, v. 16, p. 290-301, 2007.

JONES, P. et al. Reino Unido varejo através do espelho. International Journal of Retail and Distribution Management, v. 36, p. 564-570, 2008.

JONES, P. et al. Varejistas e desenvolvimento sustentável no Reino Unido. International Journal of Retail and Distribution Management, v. 33, p. 207-214, 2005.

KNIGHT, A. C. Consumo sustentável: o paradoxo varejo. Política do Consumidor Review, v. 14, n. 4, p. 113-115, 2004.

KOLK, A. et al. RSE na China: análise das dimensões de sustentabilidade dos varejistas nacionais e estrangeiros. Estratégia de Negócios e Meio Ambiente, v. 19, p. 289-303, 2010.

LARUCCIA, M. M. Sustainability strategies: when does it pay to be green?Resenha Bibliográfica. Revista de Administração Contemporânea, v. 16, n. 1, p. 172-174, 2012.

LYRA, M. G.; GOMES, R. C.; JACOVINE, L. A. G. O papel dos stakeholders na sustentabilidade da empresa: contribuições para construção de um modelo de análise. Revista de Administração Contemporânea, v. 13, p. 39-52, 2009.

MATTAR, F. N. Pesquisa de Marketing. 4 ed. Compacta São Paulo: Atlas, 2007.

MCGOLDRICK, P. J. Marketing de Varejo. Mc-Graw-Hill, Londres, 2002.

MENEZES, D. C.; DAPPER, D. Percepção dos consumidores sobre programa de descarte de resíduos recicláveis em redes supermercadistas de Porto Alegre. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade – GeAS, v. 2, n. 2, p. 154-176, 2013.

MORAIS, D. O. C.; OLIVEIRA, N. Q. S.; SOUZA, E. M. As práticas de sustentabilidade ambiental e suas influências na nova formatação institucional das organizações. Journal of Environmental Management and Sustainability – JEMS, v. 3, n. 3, p. 90-106, 2014

OSTROM, E. Green from the Grassroots. In: Project Syndicate: a world of ideas. Disponível em:. Acesso em: 16 jun. 2015.

PARENTE, J. Parente Varejo no Brasil: Gestão e Estratégia, São Paulo: Atlas, 2000.

ROSENBLOOM, B. Canais de marketing - uma visão gerencial. São Paulo: Atlas, 2002.

SILVA, S. S.; REIS, R. P. (2011). Sustentabilidade nos discursos organizacionais: uma luz no fim do túnel ou perfumaria? In. Encontro da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração. Anais. . . Rio de Janeiro, 2011.

SMITH, P.; SHARICZ, C. Mudança necessária para a sustentabilidade. A Organização de Aprendizagem, v. 18, p. 73-86, 2011.

SOBRINHO, V. G. Cradle-to-grave sustainability: extension of input-output models to municipal Solid Wastes and to corporate social and environmental responsibility in the retail sector. Revista Ambiente e Sociedade. v. 16 n. 4, 2013.

SOUZA, M. T. S.; RIBEIRO, H. C. M. Sustentabilidade ambiental: uma meta-análise da produção brasileira em periódicos de administração. Revista de Administração Contemporânea, v. 17, n. 3, 2013.

STEFANO, N. M.; FERREIRA, A. R. Ecodesign referencial teórico e analise de conteúdo: proposta inicial para estudos futuros. Estudos em Design, v. 21, n. 2, p. 01-22, 2013.

TEIXEIRA, M. G. C.; BESSA, E. S. (2009). Estratégias para compatibilizar desenvolvimento econômico e gestão ambiental numa atividade produtiva local. Revista de Administração Contemporânea, v. 13, n. 118, 2009.

UNEP. Auxiliar de produção eficientes e limpas. 2011. Disponível em: . Acesso em 15 jun. 2011.

ZANATTA, M. Lei de resíduos é sancionada por Lula, mas só começa a vigorar em 90 dias. Valor Econômico, v. 11, n. 2562, p. 2, 2010.

ZENONE, L. C. Marketing social. São Paulo: Thomson, 2006.