Imagem(ns) do Sujeito-Aluno de Secretariado Executivo Acerca de Si e do Profissional da Área Outros Idiomas

ID:
41307
Resumo:
Este artigo tem como objetivo principal investigar quais imagens são sustentadas pela memória discursiva do sujeito-aluno de Secretariado Executivo e acerca de si e do profissional da área. Buscamos, dessa forma, observar as projeções imaginárias do estudante no processo de significação discursiva acerca de si e do profissional atuante em pesquisa aplicada com os acadêmicos do segundo ano do curso em uma universidade estadual do estado do Paraná. Portanto, buscamos responder à seguinte questão de pesquisa: Que imagem(ns) o estudante de Secretariado Executivo tem de si e do profissional da área? Para tanto, procuramos levantar e apresentar os pré-construídos que circulam em nossa sociedade sobre o profissional de secretariado, por meio de uma contextualização histórica. Dessa forma, foi possível apontar como a memória discursiva funciona na sustentação da(s) imagem(ns) do sujeito-aluno ao enunciar sobre si e sobre o profissional. Para tanto, partiremos das teorias da Análise do Discurso francesa com Pêcheux (1995; 1999) bem como seus desdobramentos do Brasil com Orlandi (2005). Ainda tomamos por base autores como Achard (1999) e Davallon (1999) para discutir alguns aspectos que dizem respeito à memória discursiva. Para tratar questões relativas às condições de produção específicas do secretariado temos por base trabalhos de Portela, Shumacher e Borth (2013), Birello e Mareco (2013), além de outros autores consideráveis para nossa pesquisa. Nossa pesquisa se caracteriza como um estudo de caso, realizado por meio de uma pesquisa de campo que teve como instrumento um questionário aberto. Nossas análises demonstraram que, mesmo os acadêmicos do curso de secretariado em fase inicial de formação, podem se basear em pré-construídos que não são mais a realidade do mercado de trabalho de sua profissão, promovendo, dessa forma, a perpetuação de uma imagem do secretário como a predominante no século XX e não no século XXI.
Citação ABNT:
MARECO, R. T. M.; BIRELLO, V. B. Imagem(ns) do Sujeito-Aluno de Secretariado Executivo Acerca de Si e do Profissional da Área. Revista de Gestão e Secretariado, v. 7, n. 1, p. 132-149, 2016.
Citação APA:
Mareco, R. T. M., & Birello, V. B. (2016). Imagem(ns) do Sujeito-Aluno de Secretariado Executivo Acerca de Si e do Profissional da Área. Revista de Gestão e Secretariado, 7(1), 132-149.
DOI:
10.7769/gesec.7i1.450
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41307/imagem-ns--do-sujeito-aluno-de-secretariado-executivo-acerca-de-si-e-do-profissional-da-area/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Birello, V. B. (2015). Técnicas secretariais I. Maringá: Unicesumar.

Birello,V. B.; Mareco, R. T. M. (2013). Supersecretária executiva: Uma análise discursiva sobre as identidades produzidas em um site. Revista Unifamma, Faculdade Metropolitana de Maringá, vol. 13, n. 2. Maringá: Editora Unifamma.

Bortoluzzi, C de L.; Fávero, A. A, (2009). Treinamento ou formação: o equilíbrio necessário na configuração do perfil do Secretário Executivo. In Durante, D. G, & Fávero, A. A. (orgs.) Gestão Secretarial: formação e atuação profissional. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo.

Braick, P. R.; Mota, M. B. (2010). História: das cavernas ao terceiro milênio. 2a ed. São Paulo: Moderna.

Brasil.Ministério de Educação. (2005). Resolução nº 3, de 23 de junho de 2005. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de graduação em Secretariado Executivo e dá outras providências. Recuperado em 17 de outubro, 2015, de .

Courtine, J. J. (1981). Le discours communiste adressé aux chétiens. Langages, vol. 62.

Davallon, J. (1999). A imagem, uma arte da memória? In: Achard, P. et al. Papel da Memória. Trad. José Horta Nunes. Campinas: Pontes.

Debatin, L.; (2014) A (des)construção da ideologia no filme “Beleza Americana”. Revista de Letras, Artes e Comunicação, Blumenau, vol. 8, n. 1, pp. 2-27, 2014. Recuperado em março, 2016, de http://proxy.furb.br/ojs/index.php/linguagens.

Durante, D. G. (2012). A evolução da profissão secretarial por meio da pesquisa. In: Durante, D. G. (org) A pesquisa em secretariado: cenários, perspectivas e desafios. Passo Fundo: Ed. Universidade de Passo Fundo.

Fernandes, C. A. (2007). Análise do discurso: reflexões introdutórias. 2a ed. São Carlos: Claraluz.

Lima, T. F.; Cantarotti, A. (2010). A formação e a construção de competências para a atuação do profissional de Secretariado Executivo - um estudo de caso em uma empresa júnior. Revista de Gestão e Secretariado, vol. 1, n. 2. Recuperado em 30 de outubro, 2014, de .

Marconi, M. A.; Lakatos E. M. (2003). Fundamentos da metodologia científica. 5a ed. São Paulo: Atlas.

Orlandi, E. P. (2005). Análise de discurso: princípios e procedimentos. Campinas: Pontes.

Pêcheux, M. (1995). Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2a ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Pêcheux, M. (1999). Papel da memória. In: Achard, P. et al. (Org.). Papel da Memória. Tradução e introdução de José Horta Nunes. pp. 49-57. Campinas: Pontes.

Portela, K. C. A.; Shumacher, A. J.; Borth, M. R. (2013). Ferramentas do Secretariado Executivo. 2a ed. Cuiabá: Dos Autores.

Possenti, Sírio. (2009). Teoria do Discurso: um caso de múltiplas rupturas. In Mussalim, Fernanda & Bentes, Anna Christina (orgs.). Introdução à Linguística: fundamentos epistemológicos . 4a ed. pp. 353-391. São Paulo: Cortez.

Ramos, M. A. N. (2004). O novo perfil da Secretária Executiva. Revista PIBIC, vol. 1, n.1, Recuperado em 16 de outubro, 2014, de .

Sousa Neto, M. F. (2005) O ofício, a oficina e a profissão: reflexões sobre o lugar social do professor. Cadernos Cedes, Campinas, vol. 25, n. 66, pp. 249-259, 2005. Recuperado em 10 de março, 2016, de http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v25n66/a07v2566.pdf.

Torquato, G. (1991). Cultura - poder - comunicação e imagem: fundamentos da nova empresa. São Paulo: Pioneira.