Turismo de Aventura em Taquaruçu - TO: Atividades e Riscos Outros Idiomas

ID:
41330
Resumo:
Este trabalho buscou analisar de que forma as atividades de aventura estão sendo desenvolvidas em Taquaruçu – TO, no que diz respeito aos riscos para seus praticantes. A pesquisa foi realizada durante os meses de agosto a novembro de 2015 e teve como referência Normas Técnicas da ABNT de certificação de atividades de aventura, considerando-se a classificação, a orientação e o inventário de perigos e riscos. Foram realizadas visitas em quatro cachoeiras, bem como nas suas trilhas de acesso e no mirante da região. Constatou-se que as trilhas de três delas devem ser guiadas, por conta do grau de severidade do meio, restando apenas uma a ser autoguiada. Porém nenhuma das trilhas atende a todas as regras determinadas pelas normas. A prática do cachoeirismo e da tirolesa também não cumpre todas as determinações. Com isso, percebeu-se que estas atividades não estão sendo desenvolvidas de forma mais segura, o que é um risco para os praticantes. Assim, este trabalho comprovou as fragilidades do turismo de aventura quanto aos riscos detectados, sendo proposta a construção de parcerias que visem a mais estudos na região e capacitação dos profissionais do setor, estimulando a prática da atividade, levando-se em consideração a qualidade e a confiabilidade dos serviços executados.
Palavras-chave:
Citação ABNT:
MELO, S. M. C.; AGUIAR, E. P. S. Turismo de Aventura em Taquaruçu - TO: Atividades e Riscos. Turismo: Visão e Ação, v. 18, n. 2, p. 280-299, 2016.
Citação APA:
Melo, S. M. C., & Aguiar, E. P. S. (2016). Turismo de Aventura em Taquaruçu - TO: Atividades e Riscos. Turismo: Visão e Ação, 18(2), 280-299.
DOI:
10.14210/rtva.v18n2.p280-299
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41330/turismo-de-aventura-em-taquarucu---to--atividades-e-riscos/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABNT. NBR 15331: Turismo de aventura Sistema de gestão da segurança Requisitos. Rio de Janeiro, 2005.

ABNT. NBR 15397: Turismo de aventura Condutores de montanhismo e de escalada Competências de pessoal. Rio de Janeiro, 2006.

ABNT. NBR 15500: turismo de aventura terminologia. Rio de Janeiro, 2007.

ABNT. NBR 15501: Turismo de aventura Técnicas verticais Requisitos para produto. Rio de Janeiro, 2011.

ABNT. NBR 15505-1: Turismo com atividades de caminhada Parte 1: Requisitos para produto. Rio de Janeiro, 2008a.

ABNT. NBR 15505-2: Turismo com atividades de caminhada Parte 2: Classificação de percursos. Rio de Janeiro, 2008b.

BARROS, M. I. A.; DINES, M. Mínimo impacto em áreas naturais: uma mudança de atitude. In: SERRANO, C. A. (Org.), Educação pelas pedras: Ecoturismo e educação ambiental. São Paulo: Chronos, 2000.

BRANCO, S. M. Ecossistêmica: uma abordagem integrada dos problemas do meio ambiente. 2. ed. São Paulo: Edgard Bhucher, 1999.

BRASIL. MTur. Regulamentação, normalização e certificação do turismo de aventura: relatório diagnóstico. Brasília, DF: MTur, 2005.

BRASIL. MTur. Turismo de aventura: orientações básicas. Brasília, DF: MTur, 2008.

CALLANDER, M.; PAGE, S. J. Managing risk in adventure tourism operations in New Zealand: a review of the legal case history and potential for litigation. Tourism Management, v.24, p.13-23, 2003.

CAMPOS, R. F. Perfil, Percepção Ambiental e Qualidade da Experiência dos Visitantes da Serra do Cipó/MG. 2010. 108 f. Monografia (Especialização em Ecoturismo) – Universidade Federal de Lavras, Lavras, 2010.

CARNICELLI-FILHO, S. et al. Fear and adventure tourism in Brazil. Tourism Management, v.31, p. 953-956, 2010.

CARVALHO, S. M. S. Possibilidades e limitações do desenvolvimento sustentável do turismo no município de Cajueiro da Praia – PI. Teresina: UFPI, 2010. 164 f. Dissertação (Mestrado). Universidade Federal do Piauí, Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente. Teresina.

CATER, C. I. Playing with risk? – Participant perceptions of risk and management implications in adventure tourism. Tourism Management, v.27, p.317-325, 2006.

CORIOLANO, L. N. M. T.; MORAIS, E. O. de. Desvendando caminhos do turismo de aventura no Brasil. Revista Iberoamericana de Turismo – RITUR, Penedo, v. 1, n.2, p. 3-11, 2011.

DENCKER, A. de F. M. Métodos e Técnicas de Pesquisa em Turismo. São Paulo: Futura, 1998.

FARAH, S. D. Políticas de incentivo ao turismo de aventura no Brasil: o papel do Ministério do Turismo. In: UVINHA, R. R. Turismo de aventura: reflexões e tendências. São Paulo: Aleph, 2005.

HALL, C. M.; WEILER B. Special Interest Tourism. London: Belhaven, 1992.

LOPÉZ-RICHARD, V.; CHINÁGLIA, C. R. Turismo de Aventura: conceitos e paradigmas fundamentais. Turismo em Análise, v. 15, n. 2, p. 199-215, 2004.

LOPÉZ-RICHARD, V. et al. Gerenciamento de Riscos em Programas de Aventura. Turismo em Análise, v. 18, n. 1, p. 94-108, 2007.

MAIA, F. B. de A.; FARIAS, S. A. de. Riesgos ¿qué riesgos? – estratégias de reducción de riesgos y participación emocional de consumidores de turismo aventura. Estudios y Perspectivas en Turismo, v.22, p.65-83, 2013.

MARQUES, R. Q. et al. Risco percebido e estratégias de redução de risco no turismo de Aventura: uma análise sobre o segmento de mergulho. Revista Turismo Visão e Ação – Eletrônica, v. 13, n. 1, p. 115–130, jan-abr, 2011.

PAGE, S. J. et al. Scoping the nature and extent of adventure tourism operations in Scotland: how safe are they? Tourism Management, v.26, p.381-397, 2005.

PORTO, P. da C. et al. O Potencial do Ecoturismo e do Turismo de Aventura no Município de Santa Maria-RS e seu Entorno. Turismo em Análise, v. 25, n. 2, p. 261-284, 2014.

TSAUR, S.H. et al. Sources of challenge for adventure tourists: scale development and validation. Tourism Management, v.38, p.85-93, 2013.

WALLE, A. H. Pursuing risk or insight – Marketing Adventures. Annals of Tourism Research, v.24, n.2, p.265-282, 1997.

WALTER, P. G. Theorising visitor learning in ecotourism. Journal of ecotourism, v.12, n.1, p.15–32, 2013.

WEBER, K. Outdoor adventure tourism: a review of research approaches. Annals of Tourism Research, v.28, n.2, p. 360–377, 2001.