O poder das redes sociais online nas manifestações ocorridas no Brasil Outros Idiomas

ID:
41353
Resumo:
Entender como esse meio virtual socialmente construído impacta no comportamento de seus membros é importante para estudos no ciberespaço. Sendo assim, torna-se relevante compreender até que ponto o uso das redes sociais online influenciam na participação de seus membros e quais os seus efeitos nas manifestações que ocorreram e estão ocorrendo no Brasil, ficando assim o objetivo central deste estudo. Desta forma, a pesquisa teve abordagem quantitativa com análises estatísticas realizadas no software estatístico R. A pesquisa é considerada exploratória-descritiva, desenvolvida pelo método Survey com dados obtidos através de questionário online. A amostra compreendeu 186 membros da rede social com maior número de participantes no Brasil - o Facebook, coletados no mês de julho de 2013, por meio de questionário eletrônico repassados aos contatos dos pesquisadores, gerando um efeito snowball - bola de neve, que consiste em uma técnica de coleta de dados. Com base nos resultados obtidos, foi possível observar que há certa influência das redes sociais online nas interações de seus membros no que diz respeito às manifestações, uma vez que existem indícios de que a participação nos protestos é influenciada pela frequência de uso das redes sociais virtuais, como também pela participação em comunidades ou grupos online.
Citação ABNT:
CORREIO, W. S. C.; CORREIO, J. C. D. S.; CORREIO, G. S. P.; CORREIO, N. R. A. O poder das redes sociais online nas manifestações ocorridas no Brasil . Revista de Tecnologia Aplicada, v. 5, n. 1, p. 17-31, 2016.
Citação APA:
Correio, W. S. C., Correio, J. C. D. S., Correio, G. S. P., & Correio, N. R. A. (2016). O poder das redes sociais online nas manifestações ocorridas no Brasil . Revista de Tecnologia Aplicada, 5(1), 17-31.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41353/o-poder-das-redes-sociais-online-nas-manifestacoes-ocorridas-no-brasil-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BALDANZA, R. F.; ABREU, N. R. Telefones celulares, redes sociais e interacionismo simbólico: conexões possíveis. In: XXXIV Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação, 2011, Anais eletrônicos. Recife. INTERCOM, 2011.

FREITAS, H.; OLIVEIRA, M.; SACCOL, A. Z. O método de pesquisa survey. Revista de Administração, v. 35, n. 3, p. 105-112, 2000.

ROESCH, S. M. A. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

STRESSER, R. Ciberativismo: a política 2.0. Dissertação (Pós Graduação em Mídias Digitais) - Universidade Estácio de Sá, Rio de Janeiro, 2010.

ABREU, N. R.; BALDANZA, R. F.; SETTE, R. S. Comunidades virtuais como ambiente potencializador de estratégias mercadológicas: locus de informações e troca de experiências vivenciadas. Perspectivas em Ciência da Informação, v. 13, n. 3, p. 116-136, 2008.

ALBUQUERQUE, F. M; BELLINI, C. G. P.; PEREIRA, R. C. F.; MOTA, F. P. B. Motivações para o ciberativismo anticonsumo em comunidades virtuais antimarca. Revista Portuguesa e Brasileira de Gestão, v. 9, n. 1/2, p. 64-74, 2010.

ALDÉ, A. Jornalistas e internet: a rede como fonte de informação política. Jornalismo, do IV Encontro dos Núcleos de Pesquisa da Intercom, 2004. Disponível em http://www.portcom.intercom.org.br/pdfs/96155044772969431804498325794537542066.pdf. Acesso em: 3 de julho de 2013. 2004.

ANDRADE, M. M. Introdução à metodologia do trabalho científico. 9 ed. São Paulo: Atlas, 2009.

ARCE CORTES, Tania. Subcultura, contracultura, tribus urbanas y culturas juveniles: ¿homogenización o diferenciación? Rev. Argent. Sociol, v. 6, n. 11, p. 257-271, 2008.

BOYD, D. M.; ELLISON, N. B. Social network sites: definition, history, and scholarship. Journal of Computer-Mediated Communication, v. 13, n. 1, 2007.

CAVALCANTE, R. F. Ciberativismo: como as novas formas de comunicação estão a contribuir para a democratizaão da comunicação. Dissertação (Mestrado em Ciências da Comunicação) - Área de Especialização Estudo dos Media e do Jornalismo. Universidade nova lisboa, Lisboa, 2010.

CIRIBELI, J. P.; PAIVA, V. H. P. Redes e mídias sociais na internet: realidades e perspectivas de um mundo conectado. Mediação, Belo Horizonte, v. 13, n. 12, 2011.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas, 2006.

GOODMAN, L. A. Snowball sampling. University of Chicago. Source: Ann. Math. Statist. v. 32, n. 1, p. 148-170. Disponível em: http://projecteuclid.org/DPubS/Repository/1.0/Disseminate?view=body&id=pdf_1&handle=e uclid.aoms/1177705148. Acessado em: 10 de julho de 2013. 1961.

HUMMEL, J.; LECHNER, U. Social profiles of virtual communities. Proceedings of the 35th Hawaii International Conference on System Sciences, 2002.

JENKINS, Heny. Convergence culture: where old and new media collide. New York: New York University Press, 2008.

KAPLAN, Andreas M.; HAENLEIN, Michael. Users of the world, unite!The challenges and opportunities of social media. Business Horizons, v. 53, n. 1, p. 59-68, 2010.

KELLNER, D. A cultura da mídia e o triunfo do espetáculo. Líbero, v. 6, n. 11, 2004.

KORSCHUN, Daniel.; DU, Shuili. How virtual corporate social responsibility dialogs generate value: a framework and propositions. Journal of Business Research, v. 66, n. 9, p. 1494-1504, 2013.

KOTLER, P.; KARTAJAYA, H.; SETIANWAN, I. Marketing 3.0: as forças que estão definindo o novo marketing centrado no ser humano. Tradução Ana Beatriz Rodrigues. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

KOZINETS, R. V. E-tribalized marketing?The strategic implications of virtual communities of consumption. European Management Journal, London, v. 17, n. 3, p. 252-264, 1999.

LEMOS, A. Cibercultura, cultura e identidade. Em direção a uma “Cultura Copyleft”? Contemporanea, v. 2, n. 2, p. 9-22, 2004.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, 1996.

LIN, H. Understanding behavioral intention to participate in virtual communities. Cyberpsychology & Behavior, v. 9, n. 5, p. 540-547, 2006.

MACLARAN, P.; CATTERALL, M. Researching the social web: marketing information from virtual communities. Marketing Intelligence & Planning, v. 20, n. 6, p. 319-326, 2002.

MARQUES, E. C. Redes sociais e instituições na construção do estado e da sua permeabilidade. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 14, n. 41, p. 45-67, outubro 1999.

OLIVEIRA, M. E. O impacto da realidade da infidelidade virtual. Pontífica Universidade Católica do Rio de Janeiro - PUC - Rio. Tese de Doutorado, 2007.

RECUERO, R. C. Comunidades virtuais - uma abordagem teórica. Ecos Revista, v. 5, n. 2, p. 109-126, 2001.

REGITANO, M. E. C. Redes e ciberativismo: notas para uma análise do centro de mídia independente. I Seminário Interno do Grupo de Pesquisa em Cibercidades, Outubro 2003.

RHEINGOLD, H. A comunidade virtual. Lisboa: Gradiva, 1996.

RICHARDSON, R. J. Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas, 1999.

SAMPIERI, R. H.; COLLADO, C. F.; LUCIO, P. B. Metodologia de pesquisa 3 ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2006.

SANTAELLA, Lucia. Da cultura das mídias à cibercultura: o advento do pós-humano. Revista FAMECOS, Porto Alegre, n. 22, p. 23-32, Dez, 2003.

SANTAROSA, Lucila; CONFORTO, Débora; MACHADO, Rodrigo Prestes. Whiteboard: Synchronism, accessibility, protagonism and collective authorship for human diversity on Web 2.0. Computers in Human Behavior, v. 31, p. 591-601, 2014.

SCARABOTO, D. Comunidades on-line como fonte de informação em marketing: reflexões sobre possibilidades e práticas. Revista de Economía Política de las Tecnologías de la Información y Comunicación, v. 8, n. 3, p. 26-41, 2006.

SCHERER-WARREN, I. Movimentos em cena... e as teorias por onde andam? Revista Brasileira de Educação, São Paulo, n. 9, p. 16-29, 1998.

TOMAÉL, M. I.; ALCARÁ, A. R.; DI CHIARA, I. G. Das redes sociais à inovação. Ciência da Informação, Brasília, v. 34, n. 2, p. 93-104, 2005.

VAN LAER, Jeroen; VAN AELST, Peter. Cyber-protest and civil society: the Internet and action repertoires in social movements. In: JEWKES, Yvonne; YAR, Majid. Handbook of internet crime. p. 230-254. London, 2009.

VEGH, S. Classifying forms of online activism: the case of cyberprotests against the World Bank. In: MCCAUGHEY, M., AYERS, M.D. (ed.). Cyberactivism: online activism in theory and practice. London: Routledge, 2003.