Conservadorismo contábil nas companhias abertas familiares e não-familiares no mercado brasileiro Outros Idiomas

ID:
41420
Resumo:
Este trabalho analisou se o nível de conservadorismo contábil é divergente entre as firmas familiares e não-familiares. As diferenças no sistema de governança entre empresas familiares e não familiares pode impactar a qualidade dos números contábeis reportados pelas firmas. O objetivo desta pesquisa foi analisar o nível de conservadorismo das demonstrações contábeis reportados pelas empresas familiares em relação as não-familiares. Para tanto, utilizou o modelo de Ball e Shivakumar (2005), em uma amostra de companhias abertas listadas na Bolsa de Mercadorias & Futuros Bovespa S. A. – BM&FBovespa, que compõem o Índice Brasil - 100, durante os anos de 2006 a 2010. As evidências observadas nesta pesquisa apontam que as empresas familiares apresentam maior reversão de perdas contábeis do que as firmas não-familiares, sugerindo que elas têm práticas contábeis mais agressivas. Porém, com base na análise estatística proposta, não se pode confirmar que o conservadorismo contábil é significativamente diferente entre as empresas familiares e não-familiares.
Citação ABNT:
PAULO, I. I. S. L. M.; PAULO, E.; CAVALCANTE, P. R. N. Conservadorismo contábil nas companhias abertas familiares e não-familiares no mercado brasileiro. Enfoque Reflexão Contábil, v. 34, n. 1, p. 19-28, 2015.
Citação APA:
Paulo, I. I. S. L. M., Paulo, E., & Cavalcante, P. R. N. (2015). Conservadorismo contábil nas companhias abertas familiares e não-familiares no mercado brasileiro. Enfoque Reflexão Contábil, 34(1), 19-28.
DOI:
10.4025/enfoque.v34i1.22427
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41420/conservadorismo-contabil-nas-companhias-abertas-familiares-e-nao-familiares-no-mercado-brasileiro/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português