Qual a relação entre diversidade e desempenho? Um estudo sobre a relação entre a proporção de pessoas com deficiência na produtividade das empresas brasileiras

ID:
41534
Resumo:
Objetivo – Este estudo tem como objetivo analisar a relação entre uma maior participação de pessoas com deficiência nos quadros funcionais de empresas brasileiras e produtividade como indicador de desempenho. Metodologia – Para testar a relação entre a proporção de PcD e a produtividade das empresas brasileiras, optou-se pela análise de regressão em dados de painel usando dados públicos de 46 empresas para os anos de 2010 e 2011. Resultados – Não foram observadas evidências estatísticas de que uma maior proporção de pessoas com deficiência no quadro de funcionários tem relação negativa (ou positiva) com a produtividade das empresas brasileiras. Observou-se, porém, uma relação positiva entre uma maior proporção de pessoas com deficiência e produtividade entre aquelas empresas que têm maior engajamento social. Contribuições – Esses resultados sinalizam o caráter contingencial associado à gestão da diversidade e que e a adoção de práticas de ação social pelas empresas brasileiras pode ser uma importante ferramenta no gerenciamento da diversidade e inclusão.
Citação ABNT:
FERREIRA, L. C. M.; RAIS, L. A. Qual a relação entre diversidade e desempenho? Um estudo sobre a relação entre a proporção de pessoas com deficiência na produtividade das empresas brasileiras . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 18, n. 59, p. 108-124, 2016.
Citação APA:
Ferreira, L. C. M., & Rais, L. A. (2016). Qual a relação entre diversidade e desempenho? Um estudo sobre a relação entre a proporção de pessoas com deficiência na produtividade das empresas brasileiras . Revista Brasileira de Gestão de Negócios, 18(59), 108-124.
DOI:
10.7819/rbgn.v18i59.2769
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41534/qual-a-relacao-entre-diversidade-e-desempenho--um-estudo-sobre-a-relacao-entre-a-proporcao-de-pessoas-com-deficiencia-na-produtividade-das-empresas-brasileiras-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Amaral, A. L. (1992). Mercado de trabalho e deficiência. Revista Brasileira de Educação Especial, 01(02). Recuperado de http://educa.fcc.org.br/pdf/rbee/v01n02/01n02a12.pdf.

Assis, A. M.; Carvalho-Freitas, M. N. (2014). Estudo de caso sobre a inserção de pessoas com deficiência numa organização de grande porte. Revista Eletrônica de Administração - REAd, 78(2), 496-528. Recuperado de http://www.spell.org.br/documentos/ver/31739/estudo-de-caso-sobre-a-insercao-de-pessoas-com

Avery, D. R. (2011). Support for diversity in organizations: A theoretical exploration of its origins and offshoots. Organizational Psychology Review, 1(3), 239-256.

Baldwin, M. & Johnson, W. G. (1994) Labor market discrimination against men with disabilities. Journal of Human Resources, p. 1-19.

Baumgartner, M. K.; Bohm, S. A.; Dwertmann, D. J. G. (2014). Job performance of employees with disabilities: Interpersonal and intrapersonal resources matter. Equality, Diversity and Inclusion: an International Journal, 33(4), 347-360.

Campos, J. G. F.; Vasconcellos, E. P. G.; Kruglianskas, G. (2013). Incluindo pessoas com deficiência na empresa: Estudo de caso de uma multinacional brasileira. Revista de Administração, 48(3), 560-573.

Carvalho-Freitas, M. N. (2009). Inserção e gestão do trabalho de pessoas com deficiência: Um estudo de caso estudo de caso. Revista de Administração Contemporânea, 13(8), 121-138.

Carvalho-Freitas, M. N.; Marques, A. L. (2007). A diversidade através da história: A inserção no trabalho de pessoas com deficiência. Organizações & Sociedade, 14(41), 59-78.

Carvalho-Freitas, M. N.; Marques, A. L. (2010). Inserção de pessoas com deficiência em organizações brasileiras: Um estudo com empresas socialmente responsáveis. Revista Eletrônica de Gestão Organizacional, 8(3), 483-502. Recuperado de http://www.revista.ufpe.br/gestaoorg/index.php/gestao/article/viewFile/251/192.

Chang, M.; Tung, R. L. (2014). The aging of the world’s population and its effects on global business. Academy of Management Perspectives, 28(4), 409-429.

DiTomaso, N.; Post, C.; Parks-Yancy, R. (2007). Workforce diversity and inequality: Power, status and numbers. Annual Review of Sociology, (33), 473-501.

Dwertmann, D. J. G.; Boehm, S. A. (2016). Status matters: The asymmetric effects of supervisor-subordinate disability incongruence and climate for inclusion. Academy of Management Journal, 59(1), 44-64.

Federação Brasileira de Bancos. (2006). População com deficiência no Brasil: Fatos e percepções. Coleção Febraban de Inclusão Social. Recuperado de http://www.febraban.org.br/Arquivo/Cartilha/Livro_Popula%E7ao_Deficiencia_Brasil.pdf.

Garcia, V, G.; Maia, V. G. (2014). Características da participação das pessoas com deficiência e/ou limitação funcional no mercado de trabalho brasileiro. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, 31(2), 395-418.

Garnero, A.; Kampelmann, S.; Rycx, F. (2014). The heterogeneous effects of workforce diversity on productivity, wages and profits. Industrial Relations, 53(3), 430-476.

Gilbert, J. A.; Stead, B. A. (1999). Stigmatization revisited: Does diversity management make a difference in applicant success? Group & Organization Management, 24(2), 239-256.

Glat, R. (1995). Integração dos Portadores de deficiência: Uma questão psicossocial. Temas em Psicologia, 2. Recuperado de http://pepsic.bvsalud.org/pdf/tp/v3n2/v3n2a10.pdf.

Greenwood, R.; Johnson, V. A. (1987). Employer perspectives on workers with disabilities. Journal of Rehabilitation, 53(3), 37-45.

Guillaume, Y. R. F.; Dawson, J. F.; Woods, S. A.; Sacramento, C. A.; West, M. A. (2013). Getting diversity at work to work: What we know and what we still don’t know. Journal of Occupational and Organizational Psychology, 86(2), 123-141.

Harrison, D. A.; Sin, H. P. (2006). What is diversity and how it should be measured? In: Konrad, A. M.; Prasad, P. & Pringle, J. K. (2006). Handbook of workplace diversity. p. 191-216. London: Sage.

Herring, C. (2009). Does diversity pay?Race, gender and the business case for diversity. American Sociological Review, 74 (2), 208-224.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. (2010). Censo Demográfico 2010: Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Recuperado de ftp://ftp.ibge.gov.br/Censos/Censo_Demografico_2010/Caracteristicas_Gerais_Religiao_Deficiencia/ caracteristicas_religiao_deficiencia.pdf.

Kruse, D. (1997). Employment and disability: Characteristics of employed and non-employed people with disabilities. A Report to the US Department of Labor, Final Report. Washington, DC: US Department of Labor.

Kulkarni, M.; Lengnick-Hall, M. L. (2013). Obstacles to success in the workplace for people with disabilities: A review and research agenda. Human Resource Development Review, 13(2), 158-180.

Lengnick-Hall, M. L.; Gaunt, P. M.; Kulkarni, M. (2008). Overlooked and underutilized: people with disabilities are an untapped human resource. Human Resource Management, 47(2), 255-273.

Longhi, S.; Nicoletti, C.; Platt, L. (2012). Interpreting wage gaps of disabled men: The roles of productivity and of discrimination. Southern Economic Journal, 78(3), 931-953.

Maia, A. M. C.; Carvalho-Freitas, M. N. (2015). O trabalhador com deficiência na organização: Um estudo de caso sobre o treinamento e desenvolvimento e a adequação das condições de trabalho. Revista Eletrônica de Administração - REAd, 82(3), 689-718. Recuperado de http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-23112015000300689&script=sci_ abstract&tlng=pt.

Malo, M. A.; Pagan, R. (2012). Wage differentials and disability across Europe: Discrimination and/or lower productivity? International Labour Review, 151(1/2), 43-60.

Markel, K. S.; Barclay, L. A. (2009). Adressing the underemployment of persons with disabilities: Recommendation for expanding organizational social responsibility. Employment Responsibility Rights Journal, (21), 305-318.

Marques, A. L.; Carvalho-Freitas, M. N.; Morais, K.; Almeida, L. A. D. (2010). Comprometimento organizacional e qualidade de vida no trabalho de pessoas com deficiência: Um estudo do setor bancário. Anais do Encontro da Anpad, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 34.

Ministério do Trabalho e Emprego. (2011). Relação Anual de Informações Sociais - RAIS 2011. Recuperado de http://www.pessoacomdeficiencia.gov.br/app/indicadores/rais-2011.

Miranda, C. R. (2004). Oportunidades de trabalho para portadores de deficiência. Portal Saúde e Trabalho on-line. Recuperado de http://www.saudeetrabalho.com.br/download/ oportunidades-miranda.doc.

Nathanson, R. B. (1977). The disabled employee: Separating myth from fact. Harvard Business Review, 55(3), 6-8.

Nd. Decreto n. 5.296, de 2 de dezembro de 2004. Regulamenta as Leis n. 10.048, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que especifica, e 10.098, de 19 de dezembro de 2000, que estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Recuperado de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato20042006/2004/decreto/d5296.htm.

Nepomuceno, M. F.; Carvalho-Freitas, M. N. (2008). As crenças e percepções dos gerentes e as possibilidades de trabalho das pessoas com deficiência. Psicologia em Pesquisa, 2(1), 81-94.

Oliveira, M. A.; Goulart, E.; Jr; Fernandes, J. M. (2009). Pessoas com deficiência no mercado de trabalho: Considerações sobre políticas públicas nos Estados Unidos, União Europeia e Brasil. Revista Brasileira Educação Especial, 15(2), 219-232. Recuperado de http://www.scielo.br/pdf/rbee/v15n2/04.pdf.

Omote, S. (1994). Deficiência e não-deficiência: Recortes do mesmo tecido. Revista Brasileira de Educação Especial, 1(2), 65-73.

Ribeiro, J. N.; Engler, H. B. R.; Tavares, G. A.; Ferreira, T. C.; Gomes, W. J.; Campos, H. M. T. (2012). As Pessoas com deficiência no mercado de trabalho: um laboratório social. Recuperado de http://www.ets.unc.edu.ar/xxseminario/datos/3/3br_nunes_ribeiro_stamp.pdf.

Ribeiro, M. A.; Carneiro, R. (2009). A inclusão indesejada: As empresas brasileiras face à lei de cotas para pessoas com deficiência no mercado de trabalho. Organizações & Sociedade, 16(50), 545-564.

Richard, O. C. (2000). Racial diversity, business strategy and firm performance: A resourcebased view. Academy of Management Journal, 43(2), 164-167.

Richard, O. C.; Murthi, B. P.; Ismail, K. (2007). The impact of racial diversity on intermediate and long-term performance: The moderating role of environmental context. Strategic Management Journal, 28(12), 1213-1233.

Roberson, Q. M. (2006). Disentangling the meanings of diversity and inclusion in organizations. Group & Organization Management, 31(2), 212-236.

Stone, D. L.; Colella, A. (1996). A model of factors affecting the treatment of disabled individuals in organizations. Academy of Management Review, 21(2), 352-401.

Varian, H. R. (2006). Microeconomia-princípios básicos. Rio de Janeiro: Elsevier Brasil.

Williams, K. Y.; O’Reilly III, C. A. (1998). Demography and diversity in organizations: A review of 40 years of research. Research in Organizational Behavior, (20), 77-140.

World Health Organization. (1980). International classification of impairments, disabilities, and handicaps: A manual of classification relating to the consequences of disease, published in accordance with resolution WHA29. 35 of the Twenty-ninth World Health Assembly, Geneva, Itália, 29.