Estética e mercadoria-trabalho: Uma incursão pela Revista Exame à luz das categorias estéticas de Georg Lukács Outros Idiomas

ID:
41550
Resumo:
No presente artigo são tratadas as propriedades estéticas da mercadoria-trabalho encontradas na Revista Exame. Primeiramente, é feita a distinção entre a mercadoria e a mercadoria-trabalho. Em seguida, são relacionadas as categorias trabalho e cotidiano e as formas reflexo da ciência e reflexo da arte, de acordo com o livro Estética I, de Georg Lukács. Ainda de acordo com essa obra, também são trabalhadas as formas abstratas de reflexo estético: ritmo, simetria e proporção, e ornamentação. Logo após, mostra-se como essas formas abstratas de reflexo estético (ou “propriedades estéticas”) são reconvertidas à mercadoria-trabalho para a valorização dela. Termina-se o artigo com a análise das reportagens contidas na Revista Exame para averiguar como essas categorias se fazem presentes.
Citação ABNT:
TOLEDO, D. A. C.; LIMA, O.; CARRIERI, A. P. Aesthetics and commodity-labor: Analysis of the Lukacsian aesthetic properties in business magazines – the Exame magazine . Revista de Administração, v. 51, n. 2, p. 137-150, 2016.
Citação APA:
Toledo, D. A. C., Lima, O., & Carrieri, A. P. (2016). Aesthetics and commodity-labor: Analysis of the Lukacsian aesthetic properties in business magazines – the Exame magazine . Revista de Administração, 51(2), 137-150.
DOI:
10.5700/rausp1230
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41550/estetica-e-mercadoria-trabalho--uma-incursao-pela-revista-exame-a-luz-das-categorias-esteticas-de--georg-lukacs-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Bakhtin, M. (2008). Problemas da poética de Dostoiévski. [1963] Trad. Paulo Bezerra. 4 ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária.

Bakhtin, M./Voloshinov, V. (2006). Marxismo e filosofia da linguagem. 10. ed. São Paulo: Hucitec. [1929]

Bücher K, (1896). Arbeit und rhythmus. Teubner, Leipzig.

Davel, E.; Vergara, S. C.; Ghadiri, D. P. (2007). Administração com arte. São Paulo: Atlas.

Editora Abril. (2013). Nd. Retrieved from http://www.publiabril. com.br/marcas/1/revista/informacoes-gerais.

Fayol, H. (1989). Administração industrial e geral. São Paulo: Atlas.

Feenberg, A. (2011). Reification and its critics. In: T. Bewes, & T. Hall (Eds.), Georg Lukács: The fundamental dissonance of existence aesthetics, politics, literature. p. 172-194. New York, NY: Continuum International Publishing Group.

Flores-Pereira, M. T.; Cavedon, N. L. (2010). Cozinhando as dimensões de estudo dos artefatos organizacionais com novos ingredientes: Emoção e embodiment. Paper presented at the VI Encontro de Estudos Organizacionais, Florianópolis, SC, Brasil.

Grisci, C. L. I.; Carvalho, M. L. (2003). Gerenciamento de impressão e produção de subjetividade em entrevista de seleção. RAE - Eletrônica, 2(2), 6-12.

Harvey, D. (1990). The condition of postmodernity. Oxford/ Cambridge: Basil Blackwell.

Haug, W. F. (1997). Crítica da estética da mercadoria. São Paulo: UNESP.

Herrmann, G. P. (2011). Diálogos possíveis entre o Círculo de Bakhtin e a Análise de Discurso. Linguagens & Cidadania, v. 13, pp. 1-11. Retrieved from http://jararaca.ufsm.br/websites/l&c/download/Artigos11/gabriela.pdf.pdf

Hobsbawm, E. (2002). Era dos impérios (1875–1914). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Jameson, F. (1993). Postmodernism or the cultural logic of late capitalism. London: Verso.

Leal, A. P.; Faria, J. H. (2007). A gestão por competências no quadro da hegemonia. In: J. H. Faria (Ed.). Análise crítica das teorias e das práticas organizacionais. p. 142-166. São Paulo: Atlas.

Lukács, G. (1966). Estética I: La peculiaridad de lo estético. México: Ediciones Grijaldo.

Marx, K. (1987). Elementos fundamentales de la critica de la economia politica (Grundrisse). [1857-1858]. México: Siglo Veintiuno.

Marx, K. (1996). O capital: Crítica da economia política. [1867]. São Paulo: Abril Cultural.

Paço-Cunha, E. (2010). Gênese, razoabilidade e mistificação da relação social de produção em Marx: A organização burocrática como abstração arbitrária. (Doctoral dissertation). Retrieved from http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/BUOS-8G3KKY/tese_elcemir_pa_o_cunha.pdf?sequence=1.

Paço-Cunha, E. (2011). As propriedades estéticas do trabalho como emanação de sua relação com o capital. Paper presented at the XXV Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Patriota, R. (2010) A relação sujeito-objeto na estética de Georg Lukács: Reformulação e desfecho de um projeto interrompido. (Doctoral disseration). Retrieved from http://www.bibliotecadigital.ufmg.br/dspace/bitstream/handle/1843/ARBZ-85KH2Z/tese_rainer.pdf?sequence=1

Revista Exame. (2008-2010, Biweekly). São Paulo: Editora Abril.

Riegl, A. (1992). Problems of style: Foundations for a history of ornament. [1923] Princeton: Princeton University.

Rosdolsky, R. (2001). Gênese e estrutura de o Capital de Karl Marx. Rio de Janeiro: Eduerj/Contra Ponto.

Taylor, F. W. (1995). Princípios de administração científica. São Paulo: Atlas.

Tertulian, N. (2008). Georg Lukács: Etapas do seu pensamento estético. São Paulo: UNESP.

Wood Jr.; T.; Paula, A. P. P. (2002). Pop-management: Pesquisa sobre as revistas populares de gestão no Brasil. Paper presented at the XXVI Encontro Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Administração, Salvador, BA, Brasil.