Ciência normal e suas ferramentas: Revisando os efeitos dos métodos de análise fatorial exploratória em Administração Outros Idiomas

ID:
41554
Resumo:
O objetivo neste estudo foi investigar como diferentes métodos de extração, de definição de fatores e de rotação da análise fatorial exploratória afetam o ajuste de escalas de mensuração. Para tanto, foi feita uma meta-análise de 23 estudos, na qual os resultados apontaram que o método de Componentes Principais proporciona maior variância explicada, enquanto o método de Máxima Verossimilhança aumenta a confiabilidade. Entre as rotações, a Varimax fornece maior confiabilidade e o Quartimax a menor correlação entre fatores. Na conclusão do trabalho são destacadas as implicações para a pesquisa quantitativa, assim como sugeridos novos estudos.
Citação ABNT:
ROSSONI, L.; ENGELBERT, R.; BELLEGARD, N. L. Normal science and its tools: Reviewing the effects of exploratory factor analysis in management . RAUSP Management Journal, v. 51, n. 2, p. 198-211, 2016.
Citação APA:
Rossoni, L., Engelbert, R., & Bellegard, N. L. (2016). Normal science and its tools: Reviewing the effects of exploratory factor analysis in management . RAUSP Management Journal, 51(2), 198-211.
DOI:
10.5700/rausp1234
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41554/ciencia-normal-e-suas-ferramentas--revisando-os-efeitos-dos-metodos-de-analise-fatorial-exploratoria-em-administracao-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Tabachnick, B. G.; Fidell, L. S. (2013). Using multivariate statistics. 6 ed. Boston: Pearson.

Aguiar, A. C. (2007). Percepções de pesquisadores sobre atividades cooperativas de P&D: Uma análise com base na teoria institucional. Revista de Administração Contemporânea, 11(4), 59-86.

Aranha, F.; Zambaldi, F. (2008). Análise fatorial em administração.1a ed. São Paulo: Cengage Learning.

Bentler, P. M.; Chou, C. P. (1987). Practical issues in structural modeling. Sociological Methods & Research, 16(1), 78-117.

Bezerra, F. A. (2009). Análise fatorial. In Análise multivariada para os cursos de administração, ciências contábeis e economia. pp. 73-130. São Paulo: Atlas.

Boehe, D. M. (2007). Desenvolvimento de produtos em subsidiárias de empresas multinacionais no Brasil. Revista de Administração de Empresas, 47(1), 33-45.

Boehe, D. M.; Milan, G. S.; Toni, D. (2009). Desempenho do processo de desenvolvimento de novos produtos: O peso relativo de fatores organizacionais, mercadológicos e operacionais. Revista de Administração - RAUSP, 44(3), 250-264.

Borenstein, M.; Hedges, L. V.; Higgins, J. P. T.; Rothstein, H. R. (2009). Introduction to meta-analysis. Chichester, UK: Wiley.

Cantelmo, N. F.; Ferreira, D. F. (2007). Desempenho de testes de normalidade multivariados avaliado por simulação Monte Carlo. Ciência e Agrotecnologia, 31(6), 1630-1636.

Churchill, R. (1979). A paradigm for developing better measures for marketing constructs. Journal of Marketing Research, 16(1), 53-64.

Clark, L. A.; Watson, D. (1995). Constructing validity: Basic issues in objective scale development. Psychological Assessment, 7(3), 309-319.

Cronbach, L. J.; Meehl, P. E. (1955). Construct validity in psychological tests. Psychological Bulletin, 52(4), 281-302.

Curran, P. J.; West, S. G.; Finch, J. F. (1996). The robustness of test statistics to nonnormality and specification error in confirmatory factor analysis. Psychological Methods, 1(1), 16-29.

Damásio, B. F. (2012). Uso da análise fatorial exploratória em psicologia. Avaliação Psicológica, 11(2), 213-228.

Field, A. (2009). Descobrindo a estatística usando o SPSS. 2 ed. Porto Alegre: Artmed.

França, L. H. F. P. (2009). Influências sociais nas atitudes dos “top” executivos em face da aposentadoria: Um estudo transcultural. Revista de Administração Contemporânea, 13(1), 17-35.

Gimenez, F. A. P.; Inácio Junior, E. (2006). Validação do instrumento Team Factors Inventory em empresas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, 10(edição especial), 137-158.

Godoy, A. S.; Antonello, C. S.; Souza-Bido, D.; Silva, D. (2009). O desenvolvimento das competências de alunos formados do curso de administração: Um estudo de modelagem de equações estruturais. Revista de Administração - RAUSP, 44(3), 265-278.

Guadagnoli, E.; Velicer, W. F. (1988). Relation of sample size to the stability of component patterns. Psychological Bulletin, 103(2), 265-275.

Hair, J.; Black, W. C.; Babin, B. B.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. 6 ed. Porto Alegre: Bookman.

Johnson, R. A.; Wichern, D. W. (2007). Applied multivariate statistical analysis. 6 ed. Upper Saddle River: Pearson.

Kuhn, T. S. (2009). A estrutura das revoluções científicas. 9 ed. São Paulo: Perspectiva.

Larentis, F.; Slongo, L. A. (2008). Relacionamento em canais de marketing como fonte de vantagem competitiva sustentável: Um estudo com fabricantes de móveis e lojas exclusivas. Revista de Administração - RAUSP, 43(3), 209-223.

Laros, J. A. (2011). O uso da análise fatorial: algumas diretrizes para pesquisadores. In Análise fatorial para pesquisadores. pp. 141-160. Brasília: LabPAM Saber e Tecnologia.

Littel, J. H.; Corcoran, J.; Pillai, V. (2008). Systematic reviews and meta-analysis. New York: Oxford University Press.

Loevinger, J. (1957). Objective tests as instruments of psychological theory. Psychological Reports, 3(3), 635-694.

Lombardi, M. F. S.; Brito, E. P. Z. (2010). Incerteza subjetiva no processo de decisão estratégica: Uma proposta de mensuração. Revista de Administração Contemporânea, 14(6), 990-1010.

Lopes, E. L.; Hernandez, J. M. C.; Nohara, J. J. (2009). Escalas concorrentes para a mensuração da qualidade percebida: Uma comparação entre a Servqual e a RSQ. Revista de Administração de Empresas, 49(4), 401-416.

Lopes, H. E. G. (2005). Abrindo a caixa preta: Considerações sobre a utilização da análise fatorial confirmatória nas pesquisas em administração. Revista Economia & Gestão, 5(11), 97-116.

Lorenzo-Seva, U.; Timmerman, M. E.; Kiers, H. A. (2011). The Hull method for selecting the number of common factors. Multivariate Behavioral Research, 46(2), 340-364.

Maciel, C. O.; Hocayen-da-Silva, A. J.; Castro, M. (2008). O ideário de escola na ótica dos docentes: Pura subjetividade ou padrões estruturados de cognição nos cursos de administração? Revista de Administração Contemporânea, 12(3), 659-688.

McGraw, K. O.; Wong, S. P. (1996). Forming inferences about some intraclass correlation coefficients. Psychological Methods, 1(1), 30-46.

Medeiros, O. R.; Quinteiro, L. G. L. (2008). Financial disclosure and international capital mobility in Latin America. Brazilian Administration Review, 5(2), 160-176.

Moraes, E. A.; Graeml, A. R.; Sanchez, O. P.; Mesquita, F. S. B. (2006). Seleção de cursos de educação continuada por executivos de empresas. RAE-Eletrônica, 5(2), 1-22.

Netemeyer, R. G.; Bearden, W. O. E.; Sharma, S. (2003). Scaling procedures: Issues and applications. Thousand Oaks: Sage.

Oliveira Jr, M. M.; Borini, F. M.; Guevara, A J de H. (2009). The strategic relevance of the Brazilian subsidiaries of multinational corporations. Revista de Administração - RAUSP, 44(4), 285-298.

Paiva, J. C. N.; Barbosa, F. V.; Ribeiro, A. H. P. (2009). Proposta de escala para mensurar o valor percebido no varejo bancário brasileiro. Revista de Administração Contemporânea, 13(2), 310-327.

Pérez-Nebra, A. R.; Torres, C. V. (2010). Medindo a imagem do destino turístico: Uma pesquisa baseada na teoria de resposta ao item. Revista de Administração Contemporânea, 14(1), 80-89.

Petroll, M. N.; Damacena, C.; Zanluchi, E. (2007). Apelos sexuais em propagandas: Um experimento no contexto universitário brasileiro. RAC-Eletrônica, 1(1), 67-83.

Pires, P. J.; Costa Filho, B. A. (2008). Fatores do índice de prontidão à tecnologia (TRI) como elementos diferenciadores entre usuários e não usuários de internet banking e como antecedentes do modelo de aceitação de tecnologia (TAM). Revista de Administração Contemporânea, 12(2), 429-456.

Regos, A.; Cunha, M. P.; Souto, S. (2007). Espiritualidade nas organizações e comprometimento organizacional. RAE-Eletrônica, 6(2), 1-27.

Rencher, A. C.; Christensen, W. F. (2012). Methods of multivariate analysis. 3 ed. Hoboken: Wiley.

Smith, A. M. (1999). Some problems when adopting Churchill’s paradigm for the development of service quality measurement scales. Journal of Business Research, 46(1), 109-120.

Stevens, J. P. (2009). Applied multivariate statistics for the social sciences. New York: Routledge.

Sutton, A. J. (2009). Publication bias. In: The handbook of research synthesis and meta-analysis. p. 435-452. New York: Russell Sage Foundation.

Thomaz, J. C.; Brito, E. P. Z. (2010). Reputação corporativa: Construtos formativos e implicações para a gestão. Revista de Administração Contemporânea, 14(2), 229-250.

Trad, S.; Maximiano, A. C. A. (2009). Seis sigma: Fatores críticos de sucesso para sua implantação. Revista de Administração Contemporânea, 13(4), 647-662.

Vieira, V. A. (2010). Mensuração da qualidade de serviço no varejo eletrônico e seu impacto sobre as intenções comportamentais. Revista de Administração de Empresas, 50(2), 199-214.

Vieira, V. A.; Appio, J. (2010). O impacto da conexidade no comportamento do consumidor em relação aos programas de televisão. Revista de Administração Contemporânea, 14(4), 703-721.

Zacharias, M. L. B.; Figueiredo, K. F.; Almeida, V. M. C. (2008). Determinantes da satisfação dos clientes com serviços bancários. RAE-Eletrônica, 7(2), 1-23