Governança e suas implicações na promoção da cooperação em APLs: evidências em Sergipe Outros Idiomas

ID:
41577
Resumo:
O estudo analisa o papel desempenhado pelas estruturas de governança e pelos desenhos institucionais na promoção de vínculos de cooperação entre diferentes segmentos de atores locais dos arranjos produtivos locais (APL). Baseia-se em evidências empíricas coletadas em dois APLs de cerâmica vermelha, em Sergipe. Dezesseis entrevistas semiestruturadas foram realizadas com os agentes institucionais e econômicos e com a governaça privada dos arranjos. Os resultados indicam que as diferenças relacionadas às estruturas de governanças dos arranjos concorreram de maneiras distintas na promoção de vínculos cooperativos. A governança do APL de cerâmica vermelha, do Baixo São Francisco, tem contribuído para manutenção de relações cooperativas entre os agentes, ao mesmo tempo em que ações de cooperação mais diversificadas entre os agentes econômicos, e entre estes e os agentes institucionais, têm induzido a consolidação da governança. No APL do Sul Sergipano, por sua vez, a ausência de rotação periódica da liderança que representa o conjunto das cerâmicas, a inexistência de uma associação local que difunda normas e valores, aliada ao grande número de empresas, que se traduz em uma maior diversidade de expectativas e objetivos, parece reunir condições desfavoráveis ao comportamento cooperativo no arranjo.
Citação ABNT:
ZAMBRANA, A. A.; TEIXEIRA, R. M. Governança e suas implicações na promoção da cooperação em APLs: evidências em Sergipe . Revista Organizações em Contexto, v. 12, n. 23, p. 1-41, 2016.
Citação APA:
Zambrana, A. A., & Teixeira, R. M. (2016). Governança e suas implicações na promoção da cooperação em APLs: evidências em Sergipe . Revista Organizações em Contexto, 12(23), 1-41.
DOI:
http://dx.doi.org/10.15603/1982-8756/roc.v12n23p1-41
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41577/governanca-e-suas-implicacoes-na-promocao-da-cooperacao-em-apls--evidencias-em-sergipe-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBERTIN, M. O processo de governança em arranjos produtivos: o caso da cadeia automotiva do RS. 2003. 223f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, Rio Grande do Sul.

AMARAL FILHO, J. do. Sistemas e arranjos produtivos locais: fundamentos evolucionistas. In: ENCONTRO NACIONAL DA ENABER, 6., 2008, Aracaju. Anais… Aracaju: Associação Brasileira de Estudos Regionais e Urbanos, 2008.

AMORIM, M. A.; MOREIRA, M. V. C.; IPIRANGA, A. S. R. A construção de uma metodologia de atuação nos arranjos produtivos locais (APLs) no estado do Ceará: um enfoque na formação e fortalecimento do capital social e da governança. Interações: Revista Internacional de Desenvolvimento Local, v. 4, n. 9, p. 25-34, set. 2004.

ANDRADE, J. H.; ESCRIVÃO FILHO, E. Cluster e cooperação entre empresas: uma enquête (survey) com pequenos empreendimentos hoteleiros da região central do estado de São Paulo. In: EGEPE – ENCONTRO DE ESTUDOS SOBRE EMPREENDEDORISMO E GESTÃO DE PEQUENAS EMPRESAS, 3., 2003, Brasília. Anais… Brasília: UEM/UEL/UnB, 2003.

ANTONELLI, C. The business governance of localized knowledge: an information economics approach for the economics of knowledge. Industry and Innovation, v. 13, n. 3, p. 227-261, set. 2006.

AQUINO, F. P. da C. Arranjos produtivos locais industriais: empresários e governança em Jaraguá (CE). 2006. 174f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Sustentável) – Universidade de Brasília, Brasília, DF.

ARIKAN, A. T.; SCHILLING, M. A. Structure and Governance in Industrial Districts: Implications for Competitive Advantage. Journal of Management Studies, v. 48, n. 4, p. 772–803, jun. 2011.

BALESTRIN, A.; VARGAS, L. M. A dimensão estratégica das redes horizontais de PMEs: teorizações e evidências. Revista de Administração Contemporânea, Curitiba, v. 8, p. 203-227, 2004. Edição especial.

BALESTRIN, A.; VARGAS, L. M.; FAYARD, P. Contexto favorável à criação de conhecimento organizacional: o caso de uma rede de PMEs no sul do Brasil. In: CONGRESO INTERNACIONAL DEL CLAD SOBRE LA REFORMA DEL ESTADO Y DE LA ADMINISTRACIÓN PÚBLICA, 8., 2003. Panamá. Anais eletrônicos… Panamá: CLAD, 2003. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2013.

BALESTRO, M. V. Características estruturais e mecanismos de governança em redes de cooperação: apontamentos conceituais. In: VERSCHOORE, J. R. Redes de cooperação: uma nova organização de pequenas e médias empresas no Rio Grande do Sul. Porto Alegre: FEE, 2004. p. 49-67.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Tradução de Luís Antero Reto e Augusto Pinheiro. Lisboa: 70, 2002.

BOCQUET, R; MOTHE, C. Knowledge governance within clusters: the case of small firms. Knowledge Management Research & Practice Operational, v. 8, n. 3, p. 229-239, set. 2010.

BOSCHMA, R. A.; TER WAL, A. L. J. Knowledge networks and innovative performance in an industrial district The case of a footwear district in the South of Italy. Industry and Innovation, v. 14, p. 177-199, dez. 2007.

BRASIL. Arranjos produtivos locais. Brasília: Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, 2010. Disponível em: . Acesso em: 17 mai. 2010.

BRASIL. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Termo de referência para política nacional de apoio ao desenvolvimento de arranjos produtivos locais, Brasília: MDIC / GTP-APL, 2004.

BRASIL. Relação anual de informações sociais. Brasília: Ministério do Trabalho e Emprego, 2011. Disponível em: . Acesso em: 13 jun. 2013.

BRASS, D. J. et al. Taking stock of networks and organizations: A multilevel perspective. The Academy of Management Journal, v. 47, n. 6, p. 795-817, dez. 2004.

BRITTO, J. Cooperação e aprendizado em arranjos produtivos locais: em busca de um referencial analítico. Rio de Janeiro: Universidade Federal Fluminense, 2004. (Nota Técnica 04).

CÂNDIDO, G. A. Fatores críticos de sucesso no processo de formação, desenvolvimento e manutenção de redes interempresariais do tipo agrupamento industrial entre pequenas e médias empresas: um estudo comparativo de experiências brasileiras. 2001. 328f. Tese (Doutorado em Engenharia da Produção) – Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, Santa Catarina.

CASAROTTO, N. F.; PIRES, L. H. Redes de pequenas e médias empresas e desenvolvimento local: estratégias para a conquista da competitividade global com base na experiência italiana. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2001.

CASSIOLATO, J. E.; SZAPIRO, M. Uma caracterização de arranjos produtivos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M.;

COSTA, A. B. da; COSTA, B. M. da. Cooperação e capital social em arranjos produtivos. In: ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA, 33., Natal, 2005. Anais… Natal: Anpec, 2005.

CUNHA, J. A. C. Sobre arranjos produtivos locais e clusters. In: ENCONTRO DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E GOVERNANÇA-ENAPG, 3., 2008, Salvador. Anais… Salvador: Anpad, 2008.

DINIZ, C. C.; LEMOS, M. B. (Orgs.). Economia e território. Belo Horizonte: UFMG, 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 mai. 2013.

DOZ, Y. L. The evolution of cooperation in strategic alliances: initial conditions or learning processes? Strategic Management Journal, v. 17, n. 1, p. 55-83, jan. 1996.

FIESP – Federação das Indústrias do Estado de São Paulo. Departamento de competitividade. Manual de treinamento de agentes: metodologia em APLs. São Paulo: Decomtec/Fiesp, 2007.

GORDON, I. R.; MCCANN, P. Industrial Clusters: Complexes, Agglomeration and/or Social Networks? Urban Studies, v. 37, n. 3, p. 513–532, mar. 2000.

GRANDORI, A.; SODA, G. Inter-firm networks: antecedents, mechanisms and forms. Organization Studies, v.16, n. 2, mar. 1995.

GRANOVETTER, M. The strength of weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, mai. 1973.

HANSEN, D. L. et al. Caracterização, análise e sugestões para adensamento das políticas de apoio a APLs implementadas nos estados. In: APOLINÁRIO, V. (Coord.). Análise do mapeamento e das políticas para arranjos produtivos locais no Norte, Nordeste e Mato Grosso e dos impactos dos grandes projetos federais no Nordeste. Maceió: IE/UFRJ, 2009. (Nota Técnica 05).

JONES, C.; HESTERLY, W. S.; BORGATTI, S. P. A general theory of network governance: exchange conditions and social mechanisms. Academy of Management Review, v. 22, n. 4, p. 911-945, 1997.

KOGUT, B. The network as knowledge: Generative rules and the emergence of structure. Strategic Management Journal, v. 21, n. 3, p. 405-425, mar. 2000.

KRONEMBERGER, T. S.; VILLELA, L. E.; ZANI, F. B. APLs e desenvolvimento territorial: um estudo sobre o Programa Território da Cidadania Norte do Rio de Janeiro. Desenvolvimento em Questão, v. 10, n. 21, p. 28-60, set.-dez. 2012.

LANIADO, R. N.; BAIARDI, A. A contribuição das redes na formação da cooperação empresarial – um estudo de caso. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 10, n. 27, p. 61-74, mai.-ago. 2003.

LASTRES, H. M. M. Políticas para promoção de arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas: vantagens e restrições do conceito e equívocos usuais. Relatório de atividades de divulgação do referencial conceitual, analítico e propositivo. IE/UFRJ, 2004. Disponível em: . Acesso em: 6 jul. 2013.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: UFRJ, 2003. Disponível em: . Acesso em: 6 fev. 2013.

LAVILLE, C.; DIONNE, J. A. Construção do saber: manual de metodologia de pesquisa em Ciências Humanas. Belo Horizonte: UFMG, 1999.

MARKUSEN, A. Sticky Places in Slippery Space : A Typology of Industrial Districts. Economic Geography, v. 72, n. 3, p. 293–313, jul. 1996.

MASKELL, P. Towards a knowledge-based theory of the geographical cluster. Industrial Corporate Change, v. 10, n. 4, p. 921–943.

MATTIODA, E. Condicionantes de sucesso de arranjos produtivos locais: análise dos casos de três arranjos do Rio Grande do Sul. Caxias do Sul. 2008. 220f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, Rio Grande do Sul.

MDIC – Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Manual de apoio aos arranjos produtivos locais. Brasília: GTP APL, 2006.

MENDES FILHO, E. Uma avaliação do programa de apoio ao arranjo produtivo local da pedra Cariri (CE). 2009. 103f. Dissertação (Mestrado em Economia) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Ceará.

MEYER-STAMER, J. Estimular o conhecimento e aumentar a competitividade no Brasil: além da política industrial e da terceirização da culpa. Bonn: Friedrich-Ebert-Stiftung Library, 2000. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2013.

NAHAPIET, J.; GHOSHAL, S. Social capital, intellectual capital, and the organizational advantage. The Academy of Management Review, v. 23, n. 2, p. 242-266, abr. 1998.

NORONHA, E. G.; TURCHI, L. Política industrial e ambiente institucional na análise de arranjo produtivo local. Brasília: Ipea, 2005. (Texto para Discussão nº 1076). Disponível em: . Acesso em: 8 abr. 2013.

OLIVER, C. Determinants of interorganizational relationships: integration and future directions. The Academy of Management Review, v. 15, n. 2, p. 241-265, abr. 1990.

PEREIRA, S. B. Processos tangíveis e intangíveis do desenvolvimento local. Revista Econômica do Nordeste, Fortaleza, v. 38, n. 2, p. 289-321, abr.-jun. 2007.

PESÄMAA, O. Development of relationships in interorganizational networks: studies in the tourism and construction industries. 2007, 304f. Tese (Doutorado em Administração) – Lulea University of Technology, Suécia. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2012.

POLETTO, E. R. O desenvolvimento territorial e a promoção dos arranjos produtivos locais: uma aproximação geográfica. Revista Eletrônica de Geografia, Uberlândia, v. 1, n. 1, p. 58-83, jan. 2009.

POWELL, W. W. Hybrid organizational arrangements: new form or transitional development. California Management Review, Califórnia, v. 30, n. 1, p. 67-87, set. 1987.

POWELL, W. W.; KOPUT, K. W.; SMITH-DOERR, L. Interorganizational collaboration and the locus of innovation: Networks of learning in biotechnology. Administrative Science Quarterly, v. 41, n. 1, p. 116-145, mar. 1996.

QUANDT, C. O. Redes de cooperação e inovação localizada: estudo de caso de um arranjo produtivo local. Revista de Administração e Inovação, São Paulo, v. 9, n. 1, p. 141-166, jan.-mar. 2012.

SABATINI, F. Social capital as social networks: a new framework for measurement and an empirical analysis of its determinants and consequences. The Journal of Socio-Economics, v. 38, n. 3, p. 429-442, jun. 2009.

SACHS, I. Inclusão social pelo trabalho decente: oportunidades, obstáculos, políticas públicas. Estudos Avançados, v. 18, n. 51, p. 1-27, mai. 2004. Disponível em: . Acesso em: 22 abr. 2013.

SANTOS, F.; CROCCO, M.; LEMOS, M. As micro, pequenas e médias empresas em espaços industriais periféricos: estudo comparativo entre arranjos produtivos locais de subsistência e centro-radial. In: LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E; MACIEL, M. L. (Orgs.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2003.

SANTOS, G. A. G.; DINIZ, E. J.; BARBOSA, E. K. Aglomerações, arranjos produtivos locais e vantagens competitivas locacionais. Revista do BNDES, Rio de Janeiro, v. 11, n. 22, p. 151-179, dez. 2004.

SAUNDERS, M.; LEWIS, P.; THORNILL, A. Research methods for business students. 2. ed. Harlow, England: Pearson Education, 2000.

SCHMITZ, H. Global competition and local cooperation: success and failure in the Sinos Valley. World Development, v. 27, n. 9, p. 1627-1650, 1999.

SCHMITZ, H.; NADVI, K. Clustering and industrialization: Introduction. World Development,. v. 27, n. 9, p. 1503-1514, 1999.

SEBRAE – Serviço Brasileiro de Apoio à Micro e Pequena Empresa. Termo de referência para atuação do Sebrae em arranjos produtivos locais. 2003. Disponível em: . Acesso em: 24 set. 2013.

SEBRAE. Critérios de classificação de empresas. s.d. Disponível em: . Acesso em: 25 mar. 2014.

SENGENBERGER, W.; PIKE, F. Distritos industriais e recuperação econômica local: questões de pesquisa e política. In: URANI, A.; COCCO, G.; GALVÃO, A. P. (Orgs.). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A, 1999.

SERGIPE. Secretaria do Desenvolvimento Econômico, da Ciência e da Tecnologia e do Turismo. Caracterização tecnológica de argilas utilizadas na produção de cerâmica vermelha no estado de Sergipe. Sergipe: Sedetec, 2010.

SMITH-DOERR, L.; POWELL, W. W. Networks and economic life. In: SMELSER, N. J.; SWEDBERG, R. (Orgs.). The handbook of economic sociology. 2. ed. Princeton: Princeton University, 2004.

STAMER, J. M. Estratégias de desenvolvimento local e regional: clusters, políticas de localização e competitividade sistêmica. Policy Paper, n. 28, p. 1-25, set. 2001.

SUZIGAN, W.; GARCIA; R. FURTADO, J. Estruturas de governança em arranjos ou sistemas locais de produção. Gestão & Produção, São Carlos, v. 14, n. 2, p. 425-439, mai.-ago. 2007.

TEIXEIRA, M. C. Relacionamento e governança dos agentes econômicos e institucionais em arranjos produtivos locais: o caso de madeira e móveis do estado de Rondônia. 2006. 152f. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Paraná, Curitiba, Paraná.

UNCTAD – Conferência das Nações Unidas para o Comércio e o Desenvolvimento. An overview of activities in the area of inter-firm cooperation: a progress report. Geneva: Unctad /ITE/EDS/2, 1997. (Divisional paper).

VARGAS, M. A.; BRITTO, J.; CASSIOLATO, J. E. Proposição de políticas para a promoção de sistemas produtivos locais de micro, pequenas e médias empresas: instrumentos financeiros para arranjos e sistemas de MPME – NT1.11. Rio de Janeiro: UFRJ, 2001.

VERSCHOORE, J. R.; BALESTRIN, A. Ganhos competitivos das empresas em redes de cooperação. Revista de Administração da USP, São Paulo, v. 1, n. 1, p. 1-21, jan.-jun. 2008.

VOGT, C.; CIACCO, C. Universidade e empresa: a interação necessária. Revista USP, São Paulo, v. 25, p. 24-31, mar.-mai. 1995.

VOLKER, P.; CAPORALI, R. (Orgs.). Metodologia de desenvolvimento de arranjos produtivos locais. Projeto Promos/Sebrae/BID. Versão 2.0. Brasília: Sebrae/NA, 2004.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

ZAHEER, A.; GOZUBUYK, R.; MILANOV, H. It’s the connections: The network perspective in interorganizational research. Academy of Management Perspectives, v. 24, n. 1, p. 62-77, fev. 2010.