Condicionantes da Motivação para a Doação de Órgãos: uma Análise à Luz do Marketing Social Outros Idiomas

ID:
41606
Resumo:
O marketing social tem o objetivo de influenciar o comportamento voluntário de públicosalvo, a fim de melhorar seu bem-estar pessoal e da sociedade, procurando encontrar a raiz de um problema social, identificando o foco de resistência a mudanças. Portanto, tem sido utilizado em campanhas realizadas pelo governo mostrando-se eficazes na minimização dos problemas de saúde. Especificamente sobre a doação de órgãos, não é a falta de estrutura, mas a negativa familiar o principal motivo para que um órgão não seja doado hoje, no Brasil. Assim este estudo tem como objetivo identificar os fatores que influenciam os familiares a doar os órgãos de seus parentes e como o marketing social pode influenciar na decisão. Como método de pesquisa foi realizado um estudo de campo, com entrevista semiestruturada. Foram realizadas 26 entrevistas, utilizando-se a técnica bola de neve. Os resultados encontrados indicam que a maioria negaria a doação do órgão apenas se fosse a vontade do falecido, em contrapartida os resultados apontam que este não é um assunto abordado em família. Os entrevistados afirmaram que campanhas mais frequentes na mídia com intuito de sensibilizar a doação de órgãos seria uma medida efetiva para o aumento no número de doações de órgãos.
Citação ABNT:
SILVA, S. L.; OLIVEIRA, I. L. F.; PEGO, Z. O.; PEREIRA, J. R.; SOUSA, C. V. Condicionantes da Motivação para a Doação de Órgãos: uma Análise à Luz do Marketing Social. Teoria e Prática em Administração, v. 6, n. 1, p. 69-96, 2016.
Citação APA:
Silva, S. L., Oliveira, I. L. F., Pego, Z. O., Pereira, J. R., & Sousa, C. V. (2016). Condicionantes da Motivação para a Doação de Órgãos: uma Análise à Luz do Marketing Social. Teoria e Prática em Administração, 6(1), 69-96.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41606/condicionantes-da-motivacao-para-a-doacao-de-orgaos--uma-analise-a-luz-do-marketing-social/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABTO. Associação Brasileira de Transplante de órgãos. (2014). Recuperado de http://www.abto.org.br/abtov03/default.aspx?c=1063.

ABTO. Associação Brasileira de Transplante de órgãos. (2014a). Recuperado de http://www.abto.org.br/abtov03/default.aspx?mn=460&c=902&s=0&friendly=historico-da-abto.

Andreasen, A. R. (1994). Social marketing: Its definition and domain. Journal of public policy & marketing, 13(1), 108-114.

Andreasen, A. R. (2003). The life trajectory of social marketing some implications. Marketing Theory, 3(3), 293-303.

Barboza, S. I. S. (2012). Marketing social aplicado à doação de sangue: fatores condicionantes de comportamento. (Dissertação Mestrado em Administração). Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70.

Bartels, R. (1974). The identity crisis in marketing. The Journal of Marketing, 73-76.

Brasil. Ministério da Saúde. O Sistema Nacional de Transplantes. (2014). Recuperado de http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/o-ministerio/principal/secretarias/366-sas-raiz/transplantes/10788-o-snt.

Carrel, A. (1963). The Operative Technique of Vascular Anastomoses and the Transplantation of Viscera. Clinical Orthopaedics and Related Research, 29, 3-6.

Castro, C. M. A. (2006). Prática da Pesquisa. São Paulo: Pearson Prentice Hall.

Cismaru, M., Lavack, A. M., Hadjistavropoulos, H., & Dorsch, K. D. (2008). Understanding health behavior: an integrated model for social marketers. Social Marketing Quarterly, 14(2), 2-32.

Dholakia, R. R. (1984). A macromarketing perspective on social marketing: The case of family planning in India. Journal of Macromarketing, 4(1), 53-61.

Donovan, R. (2011). Social marketing's mythunderstandings. Journal of Social Marketing, 1(1), 8-16.

Estado. (2008). São Paulo. Secretária de Estado da Saúde de São Paulo. Coordenação do Sistema Estadual de Transplante. Doação de órgãos e tecidos.

Estado. (2013). Minas Gerais. Epidemologia e Estatística de Captação e Transplantes de Órgãos e Tecidos em Minas Gerais 2013. Recuperado de http://www.google.com.br/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=1&cad=rja&uact=8&ved=0CCoQFjAA&url=http%3A%2F%2Fwww.fhemig.mg.gov.br%2Fen%2Fdownloads%2Fdoc_download%2F2199-boletim-mg-transplantes-jan-a-dez2013&ei=_LN8U4GOEtOHqgaC4oKQBw&usg=AFQjCNF2mIHeVyDzPHOL6j3w_t0UnYwuDQ&sig2=0xYiCUxW_jkLAKUcTbLceA&bvm=bv.67229260,d.b2k.

Estado. (2014). Minas Gerais. Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais. Recuperado de http://www.saude.mg.gov.br/.

Farr, M., Wardlaw, J., & Jones, C. (2008). Tackling health inequalities using geodemographics: a social marketing approach. International journal of market research, 50(4), 449-467.

Ferber, R. (1970). The Expanding Role of Marketing in the 1970s. Journal of Marketing, 34(1).

Garcia, V. D. (2006). A política de transplantes no Brasil. Revista da AMRIGS, 50(4), 313–320.

Gontijo. H. M. D. O. (2007). A doação e o doador do futuro. Belo Horizonte: Fundação Hemominas, 2007.

Grier, S., & Bryant, C. A. (2005). Social marketing in public health. Annu. Rev. Public Health, 26, 319-339.

Hastings, G., & Saren, M. (2003). The critical contribution of social marketing theory and application. Marketing theory, 3(3), 305-322.

Heckathorn, D. D. (1997). Respondent-driven sampling: a new approach to the study of hidden populations. Social problems, 44(2), 174-199.

Hunt, S. D. (1976). The nature and scope of marketing. Journal of Marketing, 40(3), 17-28.

Knibbs, K., & Stamler, L. L. (2009). Exploring Perceived Enablers and Barriers to Social Marketing Use in Public Health Nursing. Social Marketing Quarterly, 15(3), 100-112.

Kotler, P., & Lee, N. (2008). Marketing no setor public: um guia para um desempenho mais eficaz. Porto Alegre: Bookman.

Kotler, P., & Levy, S. J. (1969). Broadening the concept of marketing. The Journal of Marketing, 10-15.

Kotler, P., & Roberto, E. L. (1992). Marketing social: estratégias para alterar o comportamento public. Rio de Janeiro: Campus.

Kotler, P., & Zaltman, G. (1971). Social marketing: an approach to planned social change. The Journal of Marketing, 3-12.

Laczniak, G. R., Lusch, R. F., & Murphy, P. E. (1979). Social marketing: its ethical dimensions. The Journal of Marketing, 29-36.

Lazer, W., & Kelley, E. (1973). Social Marketing. Homewood, Ill.: Irwin.

Lefbvre, C. R. (2013). Social marketing and social change: strategies and tools for health, well-being, and the environment. New Jersey: Jonh Willey & Sons.

Luck, D. J. (1969). Broadening the concept of marketing. Too far. The Journal of Marketing, 33(3), 53-55.

Luck, D. J. (1974). Social marketing: Confusion compounded. The Journal of Marketing, 38(4), 70-72.

Meira, P. R. S., & Santos, C. P. (2010). Evolução do Pensamento em Marketing Social: dos anos 60 à atualidade. Recuperado de http://www.uniritter.edu.br/eventos/sepesq/vi_sepesq/arquivosPDF/27907/2238/com_identificacao/Artigo%20SEPESQ%202010%20Evolucao%20MKT%20Social.pdf.

Menezes, A. G. (2013). Comportamento do Doador de Sangue: aspectos experienciais e motivacionais. 2013. 132 f. (Dissertação Mestrado em Administração). Programa de Pós-graduação em Administração, Faculdade Novos Horizonte.

Nothen, R. R. (2005). A doação de órgãos no cenário brasileiro. Associação Brasileira de Transplante de órgãos. São Paulo.

Pozo, H., Tachizawa, T., & Souza, J. H. (2012). Responsabilidade Social Corporativa e Marketing Social: Um estudo exploratório em empresas da baixada Santista. Revista de turismo y patrimônio cultural, 10(3), 357-368.

Registro Brasileiro de Transplantes (RBT). (2013)Registro Brasileiro de Transplantes. Recuperado de http://www.abto.org.br/abtov03/Upload/file/RBT/2013/rbt2013semestre-parcial.pdf.

Rezende, L. B. O., Sousa, C. V. E., Pereira, J. R., & Rezende, L. O. (2015) Doação de Órgãos no Brasil: uma análise das campanhas governamentais sob a perspectiva do marketing social. REMark, 14(3), p.362-376.

Rimal, R. N., Brown, J., Mkandawire, G., Folda, L., Böse, K., & Creel, A. H. (2009). Audience segmentation as a social-marketing tool in health promotion: use of the risk perception attitude framework in HIV prevention in Malawi. American Journal of Public Health, 99(12), 2224-2229.

Sadala, M. L. A. (2004). Doação de órgãos: a experiência de enfermeiras, médicos e familiares de doadores. São Paulo: Editora UNESP.

Santos, M. J., Massarollo, M. C. K. B. (2005). Processo de doação de órgãos: percepção de familiares de doadores cadáveres. Ver. Latino-am Enfermagem, 13(3), 382-7.

Schneider, G., & Luce, F. B. (2014) Marketing Social: abordagem histórica e desafios contemporâneos. Anais do VI Encontro de Marketing da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, ANPAD.

Sheth, J. N., & Frazier, G. L. (1982). A model of strategy mix choice for planned social change. The Journal of Marketing, 46(2),15-26.

Silva, M. F. (2010). Doação de Órgãos: Sim e Não. (Dissertação Mestrado em Serviço Social). Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita filho”, Franca.

Stead, M., Hastings, G., & McDermott, L. (2007). The meaning, effectiveness and future of social marketing. Obesity reviews, 8(1), 189-193.

Sztompka, P. (2005). A sociologia da mudança social. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Tan, E. J., Tanner, E. K., Seeman, T. E., Xue, Q. L., Rebok, G. W., Frick, K. D.,... & Whitfield, K. E. (2010). Marketing public health through older adult volunteering: experience corps as a social marketing intervention. American Journal of Public Health, 100(4), 727-734.

Thackeray, R., & Brown, K. M. (2005). Social marketing's unique contributions to health promotion practice. Health Promotion Practice, 6(4),365-368.

Vaz, G. N. (1995) Marketing institucional: um mercado de ideias. São Paulo: Pioneira.

Vicari, A. R. (2010). Atitudes da equipe assistencial em relação à doação de órgãos em hospitais de Porto Alegre. (Dissertação de Mestrado em Medicina). Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

World Health Organization (WHO). (1991). Human organ transplantation. Geneva.

Wymer, W. (2010). Rethinking the boundaries of social marketing: Activism or advertising? Journal of Business Research, 63(2), 99-103.