Teorias da Ação Coletiva no Campo do Agronegócio: Uma Análise a Partir de Teses e Dissertações (1998-2012) Outros Idiomas

ID:
41645
Resumo:
A partir de 1990, diversas formas de ações coletivas passaram a ser encontradas no agronegócio, de maneira que essas vêm auxiliando consideravelmente para o desenvolvimento local e regional. Não apenas a presença de ações coletivas, mas também estudos sobre essa temática têm se tornado mais frequentes. Nesse sentido, o objetivo deste estudo foi o de analisar os resultados teórico-empíricos de teses e dissertações sobre ações coletivas no agronegócio, defendidas entre 1998 e 2012, à luz de teorias da ação coletiva. Ou seja, buscou-se comparar o que defendem teorias da ação coletiva, especialmente os enfoques de Olson, Granovetter e Ostrom, com os achados desses trabalhos científicos. Em termos metodológicos, este estudo apresenta abordagem qualitativa, de caráter descritivo. Como técnica de coleta de dados, utilizou-se a análise de conteúdo, a partir da leitura e interpretação dos objetivos e conclusões das teses e dissertações defendidas na temática entre 1998 e 2012. Os principais resultados apontaram para a existência de uma série de benefícios proporcionados por meio da ação coletiva, tanto de cunho econômico quanto social, ambiental e cultural. Dessa maneira, a relação entre as teorias da ação coletiva e os achados teórico-empíricos das teses e dissertações conduz ao entendimento de que formas coletivas favorecem o desenvolvimento local e regional. Ficou, contudo, igualmente latente a existência de diversos desafios, mas que, de modo geral, tendem a ser menores do que os benefícios gerados pelas ações coletivas. Concluiu-se que os resultados encontrados nas teses e dissertações puderam ser relacionados às teorias da ação coletiva.
Citação ABNT:
WENNINGKAMP, K. R.; SCHMIDT, C. M. Teorias da Ação Coletiva no Campo do Agronegócio: Uma Análise a Partir de Teses e Dissertações (1998-2012). Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 35, p. 307-343, 2016.
Citação APA:
Wenningkamp, K. R., & Schmidt, C. M. (2016). Teorias da Ação Coletiva no Campo do Agronegócio: Uma Análise a Partir de Teses e Dissertações (1998-2012). Desenvolvimento em Questão, 14(35), 307-343.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2016.35.307-343
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41645/teorias-da-acao-coletiva-no-campo-do-agronegocio--uma-analise-a-partir-de-teses-e-dissertacoes--1998-2012-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARESI, E. M. Identidade sócio-espacial e gestão de redes sociais produtivas: um estudo comparativo da Rede Ecovida de Agroecologia. Paraná. 2006. Dissertação (Mestrado em Administração) – Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2006.

AUSTIN, J. E. Parcerias. São Paulo: Futura, 2001.

BERTOLINI, A. L. As competências coletivas e sua articulação com o pensamento sistêmico no APL vitivinícola da Serra Gaúcha. 2011. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração, Caxias do Sul, RS, 2011.

BOTELHO, M. R. Parcerias pecuárias: um estudo multicaso no Norte de Minas Gerais. Minas Gerais. 2005. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Programa de Pós-Graduação em Administração, Lavras, 2005.

BRAGA, A. L. A governança como determinante de desenvolvimento: um estudo de caso na cadeia produtiva de frutas no Norte do Espírito Santo. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Maria, Programa de Pós-Graduação em Administração, Santa Maria, RS, 2010.

BRITO, C. M. Towards an institutional theory of the dynamics of industrial networks. Journal of Business & Industrial Marketing, v. 16, n. 3, p. 150-166, 2001.

CAMPOS, K. C. Produção localizada e inovação: o arranjo produtivo local de fruticultura irrigada na microrregião do Baixo Jaguaribe no Estado do Ceará. Ceará. 2008. Tese (Doutorado – Doctor Scientiae) – Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada, 2008.

CHRISTOFFOLI, P. I. O desenvolvimento de cooperativas de produção coletiva de trabalhadores rurais no capitalismo: limites e potencialidades. 2000. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração. Universidade Federal do Paraná, 2000.

CONEJERO, M. A. Planejamento e gestão estratégica de associação de interesse privado no agronegócio: uma contribuição empírica. 2011. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2011.

COSTA, D de L. C. da. Relações contratuais em estruturas cooperadas: um estudo em sistemas agroindustriais suinícolas. 2012. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Estadual de Maringá, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2012.

FACCIN, D. Capital social e competitividade em redes colaborativas vitivinícolas da Serra Gaúcha: estudo de casos das redes Aprovale e Aprobelo. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Administração, Caxias do Sul, RS, 2010.

GRANOVETTER, M. Economic Action and Social Structure: the Problem of Embeddedness. American Journal of Sociology, v. 91, n. 3, p. 481-510, 1985.

GRANOVETTER, M. The strength of the weak ties. American Journal of Sociology, v. 78, n. 6, p. 1360-1380, 1973.

GRANOVETTER, M. The strength of the weak ties: a network theory revisited. Sociological Theory, v. 1, p. 201-233, 1983.

LAZZARINI, S. G. et al. Integrating Supply Chain and Network Analysis: the study of netchains. Journal on Chain and Network Science, Wageningen Academic. [s.l.], v. 1, n. 1, p. 7-21, 2001.

MACEDO, L. O. B. Perfil de governança e a coordenação de alianças estratégicas do sistema agroindustrial da carne bovina brasileira. 2009. Tese (Doutorado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada, São Paulo, 2009.

MAEDA, M. Y.; SAES, M. S. M. A lógica da ação coletiva: a experiência do Condomínio Agrícola Leópolis. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, SEMEAD, 12.; 2009, São Paulo. Empreendedorismo e Inovação, São Paulo, 2009.

MELO, A. D. S. de. Experiência associativa para a aquisição e uso de tanques de expansão e resfriamento de leite. 2003. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Programa de Pós-Graduação em Administração, Lavras, Minas Gerais, 2003.

MÉNARD, C.; KLEIN, P. G. Organizational issues in the agrifood sector: toward a comparative approach. American Journal of Agricultural Economics, Oxford University Press, v. 86, n. 3, p. 750-755, 2004.

MÉNARD, C. The economics of hybrid Organizations. Journal of Instituonal and Theoretical Economics, v. 160, n. 3, p. 345-376, 2004.

NASSAR, A. M. Eficiência das associações de interesse privado nos agronegócios brasileiros. São Paulo. 2001. Dissertação (Mestrado em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Administração, São Paulo, 2001.

NASSAR, A.; ZYLBERSTAJN, D. Associações de interesse no agronegócio brasileiro: análise das estratégias coletivas. Revista de Administração, p. 39, n. 2, p. 141-152, abr./maio/jun. 2004.

OLSON, M. A lógica da ação coletiva: os benefícios públicos e uma teoria dos grupos sociais. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1999.

OSTROM, E. Collective Action and Local Development Processes. Sociologica, Bologna, v. 3, 2007.

OSTROM, E. Governing the commons: the evolution of institutions for collective action. EUA: Cambridge University Press, 1990.

PERIM, J. A. Rede interorganizacional: o caso do setor avícola da região serrana no Estado do Espírito Santo. 2007. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Espírito Santo, Programa de Pós-Graduação em Administração, Espírito Santo, 2007.

PINHEIRO, A. M. O cooperativismo do MST e a sustentabilidade no contexto da reforma agrária: o caso da Cooperativa de Produção Agropecuária dos Assentados de Charqueadas Ltda. 2005. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Administração, Florianópolis, 2005.

POMPEU, R. B. Ações coletivas na citricultura: comparação entre as associações de produtores e das indústrias. 1997. Dissertação (Mestrado em Ciências) – Universidade de São Paulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Programa de Pós-Graduação em Economia Aplicada, 1997.

POWELL, W. W. Neither market nor hierarchy: network forms of organization. Research in Organizational Behavior, 1990. p. 295-336. v. 12.

POZZOBON, D. M. Three estudies on farmer cooperatives: heterogeneity, member participation and democratic decision making. 2011. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Administração, São Paulo, 2011.

RAMÍREZ, E.; BERDEGUÉ, J. Acción coletiva y mejoras en las condiciones de vida de poblaciones rurales. Fundo Mink’a de Chorlaví. 2003. Disponível em: . Acesso em: 3 ago. 2013. 2003.

RAUPP, I. D. Redes de cooperação: um estudo sobre a criação e captura de valor por produtores de hortaliças no Oeste do Paraná. 2012. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Agronegócio) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Agronegócio, 2012.

ROCHA, A. M. N. Relações interorganizacionais e confiança no setor da carcinicultura: um estudo de caso na Camanor produtos marinhos. 2008. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal do Rio Grande do Norte, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2008.

ROMANIELLO, M. M. Capital social e accountability em organizações cafeeiras no Sul do Estado de Minas Gerais. 2009. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Programa de Pós-Graduação em Administração, Minas Gerais, 2009.

SACHS, I. Inclusão social pelo trabalho: desenvolvimento humano, trabalho descente e futuro dos empreendedores de pequeno porte. Rio de Janeiro: Garamond, 2003.

SAES, M. S. M. Estratégias de diferenciação e apropriação da quase-renda na agricultura: a produção de pequena escala. 2008. Tese (Livre Docência em Administração) – Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de São Paulo, Programa de Pós-Graduação em Administração, Departamento de Administração, São Paulo, 2008.

SANABIO, M. T. Redes organizacionais como estratégia de inserção dos negócios na cadeia produtiva do leite: o caso da Associação de Produtores Rurais de Pires. 2008. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Federal de Lavras, Programa de Pós-Graduação em Administração, Minas Gerais, 2008.

SANDLER, T. Global Collective Action. Cambridge: University of Southern California, 2004.

SANTOS, F. S. dos. Momentos de empowerment: estratégias de pequenos produtores vinculados à agricultura familiar no Rio Grande do Sul. 2010. Dissertação (Mestrado em Administração) – Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2010.

SCHMIDT, C. A. M. Criação e apropriação de valor no sistema agroindustrial do vinho do Vale dos Vinhedos. 2010. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade de São Paulo, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, São Paulo, 2010.

SOUZA, C. M. Os fatores que influenciam a consolidação das redes de cooperação interempresarial. 2005. Dissertação (Mestrado em Administração) – Universidade Federal da Bahia, Programa de Pós-Graduação em Administração, Escola de Administração, 2005.

TANA, W. Redes sociais como geradoras de capacidades nas cooperativas: um estudo do segmento lácteo. 2012. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Fumec, Programa de Pós-Graduação em Administração, Minas Gerais, 2012.

TAVARES, P da C. Gestão de organizações coletivas: um quadro de referências. 2003. Tese (Doutorado) – Fundação Getúlio Vargas, Programa de Pós-Graduação em Administração, 2003.

ZYLBERSZTAJN, D. Papel dos contratos na coordenação agro-industrial: um olhar além dos mercados. RER, Rio de Janeiro, v. 43, n. 3, p. 385-420, jul./set. 2005.