A Expansão do Crédito no Brasil: uma Ferramenta para o Desenvolvimento Socioeconômico Outros Idiomas

ID:
41662
Resumo:
O mercado de crédito brasileiro sofre há tempos com a instabilidade macroeconômica e da alta inflação. Porém, desde que a inflação foi controlada e com a implantação do Plano Real em 1994, a quantidade de crédito concedido às famílias aumentou substancialmente. O objetivo deste trabalho é avaliar a evolução do crédito no Brasil, no período recente, mostrando como as políticas adotadas pelo governo influenciaram o consumo das famílias. Nos últimos anos, o crescimento da economia esteve calcado no consumo, principalmente, pelas políticas econômicas e sociais adotadas. Isso permitiu maior acesso a produtos e serviços, porém, menor preocupação com investimento e poupança, impactando diretamente o desenvolvimento e desempenho da atividade econômica. Esses levantamentos são analisados com os demais contidos no artigo, corroborando com o argumento de expansão creditícia e as principais contribuições e necessidades para estudos e acompanhamentos futuros, com base na corrente de trabalhos que estudam as variáveis institucionais.
Citação ABNT:
IVO, G. A.; CRUZ, D. B. F.; CHINELATO, F. B.; ZIVIANI, F. A Expansão do Crédito no Brasil: uma Ferramenta para o Desenvolvimento Socioeconômico . Gestão & Regionalidade, v. 32, n. 95, p. 160-174, 2016.
Citação APA:
Ivo, G. A., Cruz, D. B. F., Chinelato, F. B., & Ziviani, F. (2016). A Expansão do Crédito no Brasil: uma Ferramenta para o Desenvolvimento Socioeconômico . Gestão & Regionalidade, 32(95), 160-174.
DOI:
10.13037/gr.vol32n95.3357
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41662/a-expansao-do-credito-no-brasil--uma-ferramenta-para-o-desenvolvimento-socioeconomico-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AL-YOUSIF, Y. K. Financial development and economic growth: another look at the evidence from developing countries. Review of Financial Economics, v. 11, n. 2, p. 131-150, 2002.

Associação Nacional das Empresas Financeiras das Montadoras (ANEF). Dados Estatísticos. Disponível em: . Acesso em: 29 jun.2014.

Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (ANFAVEA). Estatísticas. Disponível em: . Acesso em: 29 jun.2014.

BAE, K. H.; GOYAL, V. K. Creditor rights, enforcement, and bank loans. The Journal of Finance, v. 64, n. 2, 2009.

BANCO CENTRAL DO BRASIL. Relatório de Economia Bancária e Crédito – 2007. Disponível em: . Acesso em: 09 jun. 2014. 2007.

BARROS, G. Lula afirma que não vai faltar crédito. Folha de S. Paulo, São Paulo, 12 dez. 2008. Caderno Dinheiro.

BARROS, G. Operações de crédito devem superar R$ 1 tri. Folha de S. Paulo, São Paulo, 25 dez. 2007. Caderno Dinheiro.

BORGES, B. L. PIB não se acelera nem ameaça meta de inflação. Folha de S. Paulo, São Paulo, 13 set. 2007. Caderno Dinheiro.

BRASIL. Lei nº 11.101, de 9 de fevereiro de 2005. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 9 fev. 2005.

CARVALHO, F J C de et al. Economia monetária e financeira: teoria e política. 2. ed. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier-Campus, 2007. 385 p.

DJANKOV, S.; MCLIESH, C.; SHLEIFER, A. Private credit in 129 countries. Journal of Financial Economics, v. 84, n. 2, p. 299-329, 2007.

Federação Nacional da Distribuição de Veículos Automotores (FENABRAVE). Anuário da Distribuição de Veículos Automotores no Brasil. 2003. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2014. 2003.

FERREIRA, A. B. de H. Novo dicionário Aurélio da língua portuguesa. 3. ed. Curitiba, PR: Positivo, 2004. 2120 p.

FLORENZANO, V. D. Sistema financeiro e responsabilidade social: uma proposta de regulação fundada na teoria da justiça e na análise econômica do direito. São Paulo, SP: Textonovo, 2004. 210 p.

GLEN, J.; MONDRAGÓN-VÉLEZ, C. Business cycle effects on commercial bank loan portfolio performance in developing economies. Review of Development Finance, v. 1, n. 2, p. 150-165, 2011.

Instituto Brasileiro de Economia (IBRE). Spread bancário no Brasil: nem todas as armas foram usadas. Carta do IBRE: Abril de 2009. Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2014.

KALECKI, M. (1954). Teoria da dinâmica econômica: ensaio sobre as mudanças cíclicas e a longo prazo da economia capitalista. São Paulo, SP: Abril Cultura, 1983. 204 p.

KEYNES, J. M. (1936). Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro. São Paulo, SP: Nova Cultural, 1983.

MATIAS, A. B. Crédito e planos econômicos. Revista de Administração, v. 34, n. 2, p. 39-46, 1999.

OLIVEIRA, R. F.; SCHIOZER, R. F.; LEÃO, S. Atuação de bancos estrangeiros no Brasil: mercados de crédito e derivativos de 2005 a 2011. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 2, p. 162-198, 2014.

PAGANO, M.; JAPPELLI, T. Information sharing in credit markets. Journal of Finance, v. 43, n. 5, p. 1693-1718, 1993.

PINDYCK, R. S.; RUBINFELD, D. L. Microeconomia. São Paulo, SP: Pearson, 2006. 641 p.

PINHEIRO, A. C. Direito e Economia num Mundo Globalizado: Cooperação ou Confronto? Revista de Direito Bancário, do Mercado de Capitais e da Arbitragem, São Paulo, v. 7, n. 23, p. 363-390, 2003.

SHUMPETER, J. A. (1911). Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. São Paulo, SP: Nova Cultural, 1997. 229 p.

SILVA, C. L. Competitividade e estratégia empresarial: um estudo de caso da indústria automobilística brasileira na década de 1990. Rev. FAE, Curitiba, v. 4, n. 1, p. 35-48, 2001.

TSAI, H.; CHANG, Y.; HSIAO, P. H. What drives foreign expansion of the top multinational banks?The role of the credit reporting system. Journal of Banking & Finance, v. 35, n. 3, p. 588-605, 2011.

VARIAN, H. R. Microeconomia: princípios básicos: uma abordagem moderna. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier, Campus, 2006. 807 p.