Aprendizagem Organizacional e Inovação de Produtos: estudo em Empresas de Base Tecnológica do Vale da Eletrônica (MG) Outros Idiomas

ID:
41972
Resumo:
Esse trabalho tem por objetivo verificar a influência da aprendizagem organizacional na inovação em produtos, bem como identificar as formas, fontes, níveis, dimensões e processos de aprendizagem organizacional ocorridos na inovação de produtos em empresas de base tecnológica. As empresas estudadas estão localizadas no Arranjo Produtivo Local Eletroeletrônico, conhecido informalmente como Vale da Eletrônica, na cidade de Santa Rita do Sapucaí, Minas Gerais. O arcabouço teórico envolve a exploração dos temas principais: aprendizagem organizacional e inovação. A decisão em estudar algumas empresas localizadas nessa cidade se deu por este ambiente ser composto de uma estrutura voltada à produção de conhecimentos tecnológicos dotados de inovações. Trata-se de uma pesquisa qualitativa, de caráter exploratório e descritivo. Os dados empíricos foram coletados por meio de entrevistas semiestruturadas a proprietários e gestores das empresas. O resultado evidenciou que formas e fontes internas e externas de aprendizagem e a proximidade da academia como coadjuvante no desenvolvimento das inovações contribuíram e influenciaram a inovação de produtos responsáveis pelo aumento de vantagem competitiva nas empresas. Esse estudo também permitiu apontar a relevância e a contribuição da aprendizagem organizacional na inovação de produtos, indicando caminhos para estudos em outras empresas de base tecnológica.
Citação ABNT:
ROCHA, A. F. R.; VIEIRA, A. M. Aprendizagem Organizacional e Inovação de Produtos: estudo em Empresas de Base Tecnológica do Vale da Eletrônica (MG) . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, v. 6, n. 1, p. 108-131, 2016.
Citação APA:
Rocha, A. F. R., & Vieira, A. M. (2016). Aprendizagem Organizacional e Inovação de Produtos: estudo em Empresas de Base Tecnológica do Vale da Eletrônica (MG) . Caderno Profissional de Administração da UNIMEP, 6(1), 108-131.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/41972/aprendizagem-organizacional-e-inovacao-de-produtos--estudo-em-empresas-de-base-tecnologica-do-vale-da-eletronica--mg--/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AMATO NETO, J. Gestão de sistemas locais de produção e inovação. São Paulo: Atlas, 2009.

AMATO NETO, J. Redes de cooperação produtiva e clusters regionais. São Paulo: Atlas, 2000.

ANTONELLO, C. S. A metamorfose da aprendizagem organizacional: uma revisão crítica. In: RUAS, R.; ANTONELLO, C. S.; BOFF, L. H. Aprendizagem organizacional e competências: os novos horizontes da gestão. Porto Alegre: Bookman, 2005, p. 12-33.

ARGYRIS, C.; SCHÖN, D. A. Organizational learning II. Reading, MA: Addison-Wesley, 1996.

CASSIOLATO, J. E.; ARROIO, A. (org.). Conhecimento, sistemas de inovação e desenvolvimento. Rio de Janeiro: UFRJ/Contraponto, 2005, p. 83-130.

CASSIOLATO, J. E.; BRITO J. N; VARGAS, M. A. Arranjos cooperativos e inovação na indústria brasileira. In: NEGRI, J. A.; SALERMO, M. S. (org.). Inovações, padrões tecnológicos e desenvolvimento das firmas industriais brasileiras. Brasília: IPEA, 2005, p. 511-575.

CASSIOLATO, J. E.; LASTRES, H. M. M. O foco em arranjos produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas. In: LASTRES, H. M. M. (Org.). Pequena empresa: cooperação e desenvolvimento local. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, UFRJ/Instituto de Economia, 2003.

CROSSAN, M.; GUATTO, T. Organizational learning research profile. Journal of Organizational Change Management, v. 9, n. 1, p. 107-112, 1996.

CROSSAN, M. M.; LANE, H. W.; WHITE, R. E. An organizational learning framework: from intuition to institution. Academy of Management Review, v. 24, n. 3, p. 522-537, 1999.

CROSSAN, M. Organizational learning: toward a theory. Working Paper Series, Londres: Richard Ivey School of Business, p. 1-43, mai. 1998.

DEMO, P. Metodologia do conhecimento científico. São Paulo: Atlas, 2000.

DODGSON, M. Organizational Learning Science: a Review of Some Literatures. Science Policy Research Unit, University of Sussex, Brighton UK 1993.

EASTERBY-SMITH, M.; ARAUJO, L. Aprendizagem organizacional: oportunidades e debates atuais. In: EASTERBY-SMITH, M.; BURGOYNE, J.; ARAUJO, L. (coord.). Aprendizagem organizacional e organização da aprendizagem: desenvolvimento na teoria e na prática. São Paulo: Atlas, 2001, p. 15-38.

FIOL, C.; LYLES, M. Organizational learning. Academy of Management Review, v. 29, n. 4, p. 803-813, 1985.

FLEURY, A.; FLEURY, M, T. L. Aprendizagem e Inovação Organizacional: as experiências de Japão, Coréia e Brasil. São Paulo: Atlas, 2011.

GARVIN, D. Building a Learning Organization. Harvard Business Review, July-August, 1993, p. 78-91.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 2, pp. 57-63, mar./abr. 1995.

HUBER, G. Organizational learning: the contributing processes and the literatures, Organization Science, vol. 2, n. 1, pp. 88-115, 1991.

KIM, Daniel H. The Link Between Individual and Organizational Learning. Sloan Management Review, v. 35, n. 1, p. 37-50, 1993.

KOLB, D. A gestão e o processo de aprendizagem. In: STARKEY, K. Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1997, p. 321-341.

LASTRES, H. M. M; CASSIOLATO, J. E. Arranjos produtivos locais: uma nova estratégia de ação para o SEBRAE. In: Glossário de arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais. Rio de Janeiro: Rede, 2005.

LASTRES, H. M. M.; CASSIOLATO, J. E. Sistemas de inovação e desenvolvimento as implicações de política. São Paulo em Perspectiva, v. 19, n. 1, p. 34-45, jan./mar., 2005.

LOIOLA, E.; BASTOS, A. V. B. A Produção Acadêmica sobre Aprendizagem Organizacional no Brasil. RAC - Revista de Administração Contemporânea, v. 7, n. 3, p. 181-201, 2003.

LYLES, M. A.; EASTERBY-SMITH, M. Organizational learning and knowledge management: agendas for future research. In: EASTERBY-SMITH, M.; LYLES, M. (Org.). The Blackwell handbook of organizational learning and knowledge management. London: Blackwell, 2007.

OECD, Manual de Oslo: diretrizes para coleta e interpretação de dados para inovação. Ed. Brasilia, Finep, 2005.

OECD, Manual: Proposed guidelines for collecting and interpreting technological innovation data. OECD, 1997. disponível em: http://www.oecd.org. Acesso em: 20 de fevereiro 2015.

SANTOS, I. C., PAULA, R. M. A Especialização Tecnológica Local como Indutora do Empreendedorismo e do Desenvolvimento Regional: O caso do Vale da Eletrônica Brasileiro. Gestão & Regionalidade, v. 28, p. 65-82, 2012.

SAXENIAN, A. Regional advantage: culture and competition in Silicon Valley and Route 128. Cambridge: Harvard University Press, 1994.

SCHEIN. E. Cultura organizacional e liderança. São Paulo: Atlas, 1993.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do Desenvolvimento Econômico, Editora Fundo de Cultura, Rio de Janeiro: tradução do The Theory of Economic Development. 6th. Printing. Harvard University Press, Cambridge, 1961.

SENGE, P. A Quinta Disciplina: arte, teoria e prática da organização de aprendizagem. 29. ed. São Paulo: Best-seller, 2013.

SILVA, A. B. Como os gerentes aprendem? São Paulo: Saraiva, 2009.

SOUZA, Y. S. Organizações de aprendizagem ou aprendizagem organizacional. RAE. 3.1(2004), 1-16.

STARKEY, K. Como as organizações aprendem. São Paulo: Futura, 1997.

STATA, R. Organizational Learning - The Key to Management Innovation. Sloan Management Review, v. 30, n. 3, p. 63-74, 1989.

SWIERINGA J.; WIERDSMA, A. La Organización que Aprende. Buenos Aires, 1992.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Managing innovation: integrating technological, market and organizational change. 2. ed. Chichester, UK: Wiley, 2001.

TIGRE, P. B. Gestão da inovação: a economia da tecnologia no Brasil. Rio de Janeiro: Campus, 2006.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.

VARGAS, K. S.; BIRRER, J. A.; MINELLO, I. F. Estilos de aprendizagem e níveis de comprometimento organizacional: uma abordagem com residentes multiprofissionais da saúde. Revista de Administração da UFSM, v. 5, n. 3, p. 589-606, 2012.

VILLARDI, B. Q. Um estudo reflexivo sobre microprocessos de aprendizagem e mudança coletiva docente com a aprendizagem e mudança organizacional resultantes: para uma gestão sustentável do desenvolvimento de docentes em instituições educação superior privada em administração e marketing. Tese (Doutorado em Administração) - Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: 2004.