Fatores Motivacionais para o Mestrado Acadêmico: uma Comparação entre Alunos de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas à luz da Teoria da Autodeterminação Outros Idiomas

ID:
42036
Resumo:
O objetivo geral deste estudo foi identificar o nível motivacional dos estudantes de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas com relação à busca por uma pós-graduação stricto sensu. Além disso, buscou determinar as variáveis que influenciam significativamente a motivação desses indivíduos. Tomando por base a Teoria da Autodeterminação, construiu-se um questionário fundamentado na Escala de Motivação Acadêmica desenvolvida por Vallerand, Pelletier, Blais, Brière, Senécal e Vallières (1992), e traduzida para o português por Sobral (2003). A base de dados contou com 173 observações de universitários de instituições públicas de Minas Gerais, que ofertavam os cursos de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas. O procedimento metodológico consistiu na realização de teste não paramétrico de médias para o Índice de Autodeterminação da Motivação (IAM) dos discentes, no cálculo das correlações entre o IAM e as características individuais dos estudantes e, finalmente, na estimação de regressões lineares múltiplas. Os resultados da pesquisa evidenciaram que os alunos de Ciências Contábeis não apresentam diferença de nível motivacional quando comparados com os alunos de Ciências Econômicas. Foi possível constatar, também, que as mulheres, os mais velhos, aqueles com bolsa de iniciação científica, os provenientes das classes socioeconômicas mais baixas e aqueles cujas mães são mais escolarizadas tendem a apresentar motivação mais autodeterminada. Adicionalmente, constatou-se que a inserção no mercado de trabalho aumenta a autodeterminação da motivação para a realização de um mestrado acadêmico stricto sensu apenas no caso de discentes de Ciências Contábeis. A pesquisa teve como limitação o fato de incluir na amostra apenas os estudantes de IES públicas de Minas Gerais. Para futuras pesquisas, sugere-se replicar os procedimentos deste estudo em IES da rede privada de ensino, e de diferentes estados do país.
Citação ABNT:
DURSO, S. O.; CUNHA, J. V. A.; TEIXEIRA, J. D. V. Fatores Motivacionais para o Mestrado Acadêmico: uma Comparação entre Alunos de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas à luz da Teoria da Autodeterminação. Revista Contabilidade & Finanças - USP, v. 27, n. 71, p. 243-258, 2016.
Citação APA:
Durso, S. O., Cunha, J. V. A., & Teixeira, J. D. V. (2016). Fatores Motivacionais para o Mestrado Acadêmico: uma Comparação entre Alunos de Ciências Contábeis e Ciências Econômicas à luz da Teoria da Autodeterminação. Revista Contabilidade & Finanças - USP, 27(71), 243-258.
DOI:
10.1590/1808-057x201602080
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42036/fatores-motivacionais-para-o-mestrado-academico--uma-comparacao-entre-alunos-de-ciencias-contabeis-e-ciencias-economicas-a-luz-da-teoria-da-autodeterminacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Akoto, E. O. (2014). Cross-cultural factorial validity of the academic motivation scale. Cross Cultural Management, 21(1), 104-125.

Almeida, D. M. S. (2012). A motivação do aluno no ensino superior: um estudo exploratório. (Dissertação de mestrado). Universidade Estadual de Londrina, Londrina, PR, Brasil.

Andere, M. A.; Araújo, A. M. P. (2008). Aspectos da formação do professor de ensino superior de ciências contábeis: uma análise dos programas de pós-graduação. Revista Contabilidade & Finanças, 19(48), 91-102.

Barrera, S. D. (2011). Teorias cognitivas da motivação e sua relação com o desempenho escolar. Poíesis Pedagógica, 8(2), 159-175.

Barros, R. P. de, Foguel, M. N.; Ulyssea, G. (Orgs.). (2006). Desigualdade de renda no Brasil: uma análise da queda recente. Brasília, DF: IPEA.

Bowlby, J. (1969). Attachment and loss: Attachment. (vol. 1). New York, NY: Basic Books.

Bzuneck, J. A.; Guimarães, S. É. R. (2007). Estilos de professores na promoção da motivação intrínseca: reformulação e validação de instrumento. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23(4), 415-422.

Castañon, G. A. (2007). O cognitivismo é humanismo. Psicologia Argumento, 25(48), 51-64.

Cohen, J. (1988). Statistical power analysis for the behavioral sciences. Hillsdale, NJ: Erlbaum.

Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior. (2015). Cursos recomendados e reconhecidos. Recuperado em 30 maio, 2014, de http://conteudoweb.capes.gov.br/conteudoweb/ProjetoRelacaoCursosServlet?acao=pesquisarAreaAvaliacao

Cornacchione Jr, E. B. (2004). Tecnologia da educação e cursos de ciências contábeis: modelos colaborativos virtuais. Tese de livre-docência, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Cruz, C. H. B. (2000). A universidade, a empresa e a pesquisa que o país precisa. Parcerias Estratégicas, 5(8), 5-30.

Davidoff, L. L. (2001). Introdução à psicologia. 3 ed. São Paulo, SP: Makron Books.

DeCharms, R. (1984). Motivation enhancement in educational settings. In: C. Ames, & R. Ames (Ed.) Research on motivation in education. pp. 275-310. New York, NY: Academic Press.

Deci, E. L.; Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York, NY: Plenum.

Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2000). The “what” and “why” of goal pursuits: human needs and the self-determination of behavior. Psychological Inquiry, 11(4), 227-268.

Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2008). Self-determination theory: a macrotheory of human motivation, development, and health. Canadian Psychology, 49(3), 182-185.

Fairchild, A. J.; Horst, S. J.; Finney, S. J.; Barron, K. E. (2005). Evaluating existing and new validity evidence for the academic motivation scale. Contemporary Educational Psychology, 30(3), 331-358.

Ferreira, E. E. B. (2010). A percepção de competência, autonomia e pertencimento como indicadores de qualidade motivacional do aluno. (Tese de doutorado). Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Marília, SP, Brasil.

Guimarães, S. É. R.; Boruchovitch, E. (2004). O estilo motivacional do professor e a motivação intrínseca dos estudantes: uma perspectiva da teoria da autodeterminação. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17(2), 143-150.

Guimarães, S. E. R.; Bzuneck, J. A. (2008). Propriedades psicométricas de um instrumento para avaliação da motivação de universitários. Ciências & Cognição, 3(1), 101-113.

Gujarati, D. N. (2006). Econometria básica. 4a ed. Rio de Janeiro, RJ: Elsevier.

Joly, M. C. R. A.; Prates, E. A. R. (2011). Avaliação da escala de motivação acadêmica em estudantes paulistas: propriedades psicométricas. PsicoUSF, 16(2), 175-184.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (2007). Fundamentos de metodologia científica. 5 ed. São Paulo, SP: Atlas.

Leal, E. A.; Miranda, G. J.; Carmo, C. R. S. (2013). Teoria da Autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de Ciências Contábeis. Revista Contabilidade & Finanças, 24(62), 162-173.

Lopes, C. E.; Abib, J. A. D. (2003). O behaviorismo radical como filosofia da mente. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16(1), 85-94.

Loureiro, L. M. J.; Gameiro, M. G. H. (2011). Interpretação crítica dos resultados estatísticos para lá da significância estatística. Revista de Enfermagem Referência, 3(3), 151-162.

Martins, G. A.; Theóphilo, C. R. (2009). Metodologia da investigação científica para ciências sociais aplicadas. São Paulo, SP: Atlas.

Matos, R. S.; Machado, A. F. (2006). Diferencial de rendimentos por cor e sexo no Brasil (1987-2001). Econômica, 8(1), 5-27.

Ministério da Educação (2014). Instituições de educação superior e cursos cadastrados. Recuperado em 10 agosto, 2014, de http://emec.mec.gov.br

Neves, E. R. C.; Boruchovitch, E. (2004). A motivação de alunos no contexto da progressão continuada. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 20(1), 77-85.

Penna, A. G. (2001). Introdução à motivação e emoção. Rio de Janeiro, RJ: Imago.

Ramirez, N. O. (2011). Política de educação superior: a expansão do curso de Ciências Contábeis. (Dissertação de mestrado). Universidade Católica Dom Bosco, Campo Grande, MS, Brasil.

Reeve, J.; Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2004). Self-determination theory: a dialectical framework for understanding sociocultural influences on student motivation. In: D. M. McInerney, & S. V. Etten (Ed.). Big Theories Revisited. pp. 31-60. Greenwich: Information Age Publishing.

Reis, M. C.; Ramos, L. (2011). Escolaridade dos pais, desempenho no mercado de trabalho e desigualdade de rendimentos. Revista Brasileira de Economia, 65(2), 177-205.

Robbins, S. P. (2002). Comportamento organizacional. 9a ed. São Paulo, SP: Prentice Hall.

Rufini, S. E.; Bzuneck, J. A.; Oliveira, K. L. (2012). A qualidade da motivação em estudantes do ensino fundamental. Paidéia, 22(51), 53-62.

Sampaio, M. I. C. (2005). Motivação no trabalho cooperativo: o caso da rede brasileira de bibliotecas da área de psicologia – ReBAP. (Dissertação de Mestrado). Escola de Comunicação e Artes, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil.

Santos, R. V. (2003). “Jogos de empresas” aplicados ao processo de ensino e aprendizagem de contabilidade. Revista Contabilidade & Finanças, 14(31), 78-95.

Schultz, D. P.; Shultz, S. E. (2005). História da psicologia moderna. 8 ed. São Paulo, SP: Thomson.

Schultz, T. (1988). Education investment and returns. In: H. Cheney, & T. Srinivasam (Eds.). Handbook of Development Economics. pp. 543-630. Amsterdam: North-Holland.

Skinner, B. F. (1998). Ciência e comportamento humano. São Paulo, SP: Martins Fontes.

Sobral, D. T. (2003). Motivação do aprendiz de medicina: uso da escala de motivação acadêmica. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 19(1), 25-31.

Sobral, D. T. (2008). Autodeterminação da motivação em alunos de medicina: relação com motivos de escolha da opção e intenção de adesão ao curso. Revista Brasileira de Educação Médica, 32(1), 56-65.

Sobral, D. T. (2009). Padrão de motivação e desfechos de progresso acadêmico: estudo longitudinal com estudantes de medicina. Educação Temática Digital, 10(n. esp.), 228-248.

Spittle, M.; Jackson, K.; Casey, M. (2009). Applying self-determination theory to understand the motivation for becoming a physical education teacher. Teaching and Teacher Education, 25(1), 190-197.

Stover, J. B.; Iglesia, G.; Boubeta, A. R.; Liporace, M. F. (2012). Academic motivation scale: adaptation and psychometric analyses for high school and college students. Psychology Research and Behavior Management, v. 5, p. 71-83.

Strapasson, B. A. (2012). A caracterização de John B. Watson como behaviorista metodológico na literatura brasileira: possíveis fontes de controle. Estudos de Psicologia, 17(1), 83-90.

Strapasson, B. A.; Carrara, K. (2008). John B. Watson: behaviorista metodológico? Interação em Psicologia, 12(1), 1-10.

Sun, H.; Chen, A. (2010). An examination of sixth graders’ selfdetermined motivation and learning in physical education. Journal of Teaching in Physical Education, 29(3), 262-277.

Tamayo, A.; Paschoal, T. (2003). A relação da motivação para o trabalho com as metas do trabalhador. Revista de Administração Contemporânea, 7(4), 33-54.

Vallerand, R. J.; Pelletier, L. G.; Blais, M. R.; Brière, N. M.; Senécal, C.; Vallières, E. F. (1992). The academic motivation scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement, 52(4), 1003-1017.

Vallerand, R. J.; Pelletier, L. G.; Blais, M. R.; Brière, N. M.; Senécal, C.; Vallières, E. F. (1993). On the assessment of intrinsic, extrinsic and amotivation in education: evidence on concurrent and construct validity of the Academic Motivation Scale. Educational and Psychological Measurement, 53(1), 160-172.

Vieira, C. B.; Vilas Boas, A. A.; Andrade, R. O. B.; Oliveira, E. R. (2011). Motivação na administração pública: considerações teóricas sobre a aplicabilidade dos pressupostos das teorias motivacionais na esfera pública. Revista ADMpg Gestão Estratégica, 4(1), 1-18.

White, W. R. (1975). Motivation reconsidered: the concept of competence. In: P. H. Mussem, J. J. Conger, & J. Kagan (Eds.) Basic and contemporary issues in developmental psychology. pp. 230-266. New York, NY: Harper & Row.