A Utilização do Shadow e do Silent Reports Como Instrumentos de Evidenciação das Informações Socioambientais: o Caso da Usina Hidrelétrica de Belo Monte Outros Idiomas

ID:
42060
Resumo:
O Shadow (sombra) e o Silent (silencioso) Reports são dois instrumentos sugeridos para a melhoria da divulgação das informações socioambientais. Esta pesquisa tem como objetivo analisar a partir do shadow e silent reports as informações socioambientais divulgadas pela empresa Norte Energia S.A. sobre a construção da Usina Hidrelétrica de Belo Monte na Volta Grande do Xingu. Neste estudo, de característica qualitativa e descritiva, foram coletados e analisados os seguintes dados para a construção dos relatórios sombra e silencioso: o tratamento das contingências socioambientais; a mitigação dos impactos ambientais – o impacto na ictiofauna (peixes) da Volta Grande do Xingu; crescimento populacional do município de Altamira. Constatou-se que houve um tratamento dentro da realidade por parte da Norte Energia S.A., e que as normas brasileiras de contabilidade foram obedecidas quanto ao tratamento das contingências. Há um caráter experimental a respeito dos projetos de mitigação dos impactos ambientais ocasionados na ictiofauna da região. Identificou-se também uma divergência significativa entre o relatório sombra e o relatório silencioso em relação ao crescimento populacional do município de Altamira.
Citação ABNT:
SANTOS, R. R.; MACEDO, M. A. S.; MARQUES, A. L.; FLACH, L. A Utilização do Shadow e do Silent Reports Como Instrumentos de Evidenciação das Informações Socioambientais: o Caso da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, v. 5, n. 2, p. 1-18, 2016.
Citação APA:
Santos, R. R., Macedo, M. A. S., Marques, A. L., & Flach, L. (2016). A Utilização do Shadow e do Silent Reports Como Instrumentos de Evidenciação das Informações Socioambientais: o Caso da Usina Hidrelétrica de Belo Monte. Revista de Gestão Ambiental e Sustentabilidade, 5(2), 1-18.
DOI:
10.5585/geas.v5i2.384
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42060/a-utilizacao-do-shadow-e-do-silent-reports-como-instrumentos-de-evidenciacao-das-informacoes-socioambientais--o-caso-da-usina-hidreletrica-de-belo-monte/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Azzone, G.; Brophy, M.; Noci, G.; Welford, R.; Young, W. (1997). A stakeholders' view of environmental reporting. Long Range Planning, 30(5), 699-709.

Bebbington, J.; Brown, J.; Frame, B.; Thomson, I. (2007). Theorizing engagement: the potential of a critical dialogic approach. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 20(3), 356-381.

Beck, A. C.; Campbell, D.; Shrives, P. J. (2010). Content analysis in environmental reporting research: Enrichment and rehearsal of the method in a BritishGerman context. The British Accounting Review, 42(3), 207-222.

Collison, D.; Dey, C.; Hannah, G.; Stevenson, L. (2010). Anglo-American capitalism: the role and potential role of social accounting. Accounting, Auditing & Accountability Journal, 23(8), 956-981.

Dai, B. (2010). Investigating the impacts of shadow reports on the social and environmental reports of their targeted corporations. (Master dissertation, Auckland University of Technology).

Dey, C. (2003). Corporate “silent” and “shadow” social accounting. Social and Environmental Accountability Journal, 23(2), 6-9.

Fearnside, P. M. (2010). As hidrelétricas de Belo Monte e Altamira (Babaquara) como fontes de gases de efeito estufa. Novos Cadernos NAEA, 12(2), 5-56.

Gibson, K.; Gray, R.; Laing, Y.; Dey, C. (2001). The Silent Accounts Project: Draft Silent and Shadow Accounts 1999-2000. In BAA Scottish Group Conference, Stirling. Disponível em .

Hahn, R.; Kühnen, M. (2013). Determinants of sustainability reporting: a review of results, trends, theory, and opportunities in an expanding field of research. Journal of Cleaner Production, v. 59, p. 5-21.

Hamling, A.; Kololian, C.; Lloyd, Z.; Yuill, Z. (2006). Silent and Shadow Report: RyanAir. University of St Andrews. Disponível em http://www.standrews.ac.uk/media/csear/app2practicedocs/CSEAR_ryanair2007.pdf.

Holland, L.; Foo, Y. B. (2003). Differences in environmental reporting practices in the UK and the US: the legal and regulatory context. The British Accounting Review, 35(1), 1-18.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). (2014). Estimativas da população residente nos municípios brasileiros com data de Referência em 1° de julho de 2014. Disponível em ftp://ftp.ibge.gov.br/Estimativas_de_Populacao/Estimativas_2014/nota_metodologica_2014.pdf.

Leite, M.; Amora, D.; Kachani, M.; Almeida, L.; Machado, R. (2013). A batalha de belo Monte. Folha de S. Paulo. Dezembro 16. Disponível em http://www1.folha.uol.com.br/especial/2013/belomont e/

Levy, D. L.; Brown, H. S.; De Jong, M. (2010). The Contested politics of corporate governance the case of the global reporting initiative. Business & Society, 49(1), 88-115.

Lins, L. D. S.; Silva, R. N. S. (2010). Responsabilidade Socioambiental ou Greenwash: uma avaliação com base nos relatórios de sustentabilidade ambiental. Sociedade, Contabilidade e Gestão, 4(1).

Maltby, J. (1997). Setting its own standards and meeting those standards: voluntarism versus regulation in environmental reporting. Business Strategy and the Environment, 6(2), 83-92.

Monteiro, S. (2007). Factores explicativos do grau de divulgação ambiental em grandes empresas a operar em Portugal: análise multivariada. Conocimiento, innovación y emprendedores: camino al futuro, 1005-1023.

Moreira, F. N. (2012). Shadow Report: A informação socioambiental à sombra do disclosure contábil no setor elétrico. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Pereira, F. E.; Morais Luz, J. R.; Carvalho, J. R. M. (2015). Evidenciação das Informações Ambientais das Empresas do Setor de Energia Elétrica do Brasil. Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 3(2), 60-72.

Raupp, F. M.; Beuren, I. M. (2003). Metodologia da pesquisa aplicável às ciências sociais. Como elaborar trabalhos monográficos em contabilidade: teoria e prática, v. 3, p. 76-97.

Ribeiro, A. M. (2009). Evidenciação Ambiental: uma investigação transnacional dos reflexos de diferentes marcos regulatórios sobre as práticas de evidenciação ambiental das empresas do setor de petróleo e gás natural. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, SC, Brasil).

Rosa, F. S.; Ensslin, S. R.; Ensslin, L.; Lunkes, R. J. (2011). Gestão da evidenciação ambiental: um estudo sobre as potencialidades e oportunidades do tema. Engenharia Sanitária Ambiental, 16(1), 157-166.

Rosa, L. P.; Sigaud, L.; Rovere, E. L. (1995). Estado, energia elétrica e meio ambiente: o caso das grandes barragens. COPPE.

Rover, S.; Tomazzia, E. C.; Murcia, F. D. R.; Borba, J. A. (2012). Explicações para a divulgação voluntária ambiental no Brasil utilizando a análise de regressão em painel. Revista de Administração, 47(2), 217-230.

Ruffing, L. (2007). Silent vs. shadow reports: What can we learn from BP's sustainability report versus the financial times? Social and Environmental Accounting Journal, 27(1), 9-16.

Sousa, W. L. (2000). Impacto ambiental de hidrelétricas: uma análise comparativa de duas abordagens. (Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, RJ, Brasil).

Zhouri, A.; Teixeira, R. (2007). Desenvolvimento, Conflitos Sociais e Violência no Brasil Rural: o caso das hidrelétricas. Ambiente e Sociedade, 119-135.

Zikri, M. (2009). Silent and Shadow Account of Freeport Indonesia. MSc-Business with Management.