“De Frente pro Crime”: cultura organizacional e socialização dos peritos ingressantes no Departamento de Criminalística do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul Outros Idiomas

ID:
4220
Resumo:
A pesquisa objetivou verificar como determinados aspectos da cultura organizacional do Departamento de Criminalística são transmitidos aos neófitos, por meio do curso de formação de peritos; quem são esses ingressantes; qual a significação que o curso e as futuras atividades a serem desenvolvidas possuem para eles. Os dados foram obtidos mediante o fazer etnográfico, tendo por técnicas a observação participante, realizada com a presença da pesquisadora no módulo Local de Crime contra a Vida, realizado de maio a junho de 2009, além de consulta a materiais documentais e aplicação de um questionário de perguntas abertas a 29 alunos. A análise dos dados seguiu os preceitos da etnografia, que preconiza o diálogo entre o êmico, o ético e os teóricos referenciados. Os resultados apontam ênfase em determinados aspectos presentes na atuação dos peritos, a saber: responsabilidade, dedicação, impossibilidade de cometer erros, que, se por um lado, traz uma contribuição positiva, ao reforçar a importância do papel a ser desempenhado, por outro, gera angústia e medo nos ingressantes, em razão da inexperiência deles, levando a uma tensão que pode ser prejudicial ao exercício profissional. Contudo, o estigma inerente à atuação dos peritos ficou entre os não ditos e só será verificado pelos ingressantes quando de suas atuações no dia a dia.
Citação ABNT:
CAVEDON, N. R.“De Frente pro Crime”: cultura organizacional e socialização dos peritos ingressantes no Departamento de Criminalística do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 4, art. 87, p. 38-65, 2010.
Citação APA:
Cavedon, N. R.(2010). “De Frente pro Crime”: cultura organizacional e socialização dos peritos ingressantes no Departamento de Criminalística do Instituto-Geral de Perícias do Rio Grande do Sul. Revista de Administração Mackenzie, 11(4), 38-65.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4220/---de-frente-pro-crime-----cultura-organizacional-e-socializacao-dos-peritos-ingressantes-no-departamento-de-criminalistica-do-instituto-geral-de-pericias-do-rio-grande-do-sul/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BASÍLIO, M. P. O desafio da formação do Policial Militar do Estado do Rio de Janeiro: utopia ou realidade possível? In: ENANPAD, 32, 2008, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2008.

BERGER, P. L. Perspectivas sociológicas. Petrópolis: Vozes, 1978.

BERGER, P. L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1997.

BOAS, F. Antropologia cultural. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2004.

BRESLER, R. A roupa surrada e o pai: etnografia em uma marcenaria. In: MOTTA, F. C.; CALDAS, M. P. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

CAVALCANTI, M. L. Cultura e ritual: trajetórias e passagens. In: ROCHA, E. Cultura &imaginário. Rio de Janeiro: MAUAD, 1998.

CAVEDON, N. R. Antropologia para administradores. Porto Alegre: UFRGS, 2008.

CAVEDON, N. R. Os ritos de passagem da Administração de Recursos Humanos. RH: Informação Profissional de Recursos Humanos, São Paulo, v. 8, n. 33, p. 45-48, abr. 1990.

CENTURIÃO, L. R. M. Identidade, indivíduo e grupos sociais. Curitiba: Juruá, 2002.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano. v. 1. Petrópolis: Vozes, 2004.

DAMATTA, R. A casa &a rua. Rio de Janeiro: Guanabara, 1987.

DAMATTA, R. O que faz o Brasil, Brasil? Rio de Janeiro: Rocco, 1991.

ELIADE, M. O sagrado e o profano. Lisboa: Livros do Brasil, s/d.

ELIAS, N. O processo civilizador. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1993.

FREIRE, M. C. B. O som do silêncio. Natal: EDUFRN, 2006.

GEERTZ, C. A interpretação das culturas. Rio de Janeiro: Zahar, 1978.

GENNEP, A. Os ritos de passagem. Petrópolis: Vozes, 1978.

GOFFMAN, E. Estigma.Rio de Janeiro: Zahar, 1982.

LINTON, R. Cultura e personalidade. São Paulo: Mestre Jou, 1973.

MARTIN, J.; FROST, P. The organizational culture war games: a struggle for intellectual dominance. In: CLEGG, S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook of organizational studies. London: Sage, 1996. p. 599-621.

MASLOW, A. El hombre autorrealizado: hacia uma psicologia Del Ser. Argentina: Troqvel, 1993.

TEIXEIRA, S. A. Vestibular: ritual de passagem ou barreira ritualizada. Ciência e Cultura, Campinas, v. 33, n. 12, p. 1574-1580, 1981.

TITTONI, J. Subjetividade e trabalho. Porto Alegre: Ortiz, 1994.

TRICE, H.; BEYER, J. Studing organizational cultures through rites and cerimonials. Academy of Management Review, Mississipi: Mississipi State University, v. 9, n. 4, p. 653-669, 1984.

VICTORA. C. G.; KNAUTH, D.; HASSEN, M. N. A. Pesquisa qualitativa em saúde.Porto Alegre: Tomo, 2000.