Conhecimento Científico e Tecnológico para o Veículo Elétrico no Brasil: uma Análise a Partir das Instituições de Ciência e Tecnologia e seus Grupos de Pesquisa Outros Idiomas

ID:
42218
Periódico:
Resumo:
A indústria automobilística tem sido desafiada a desenvolver veículos mais eficientes e menos poluentes. Os veículos elétricos (VE) seriam uma resposta considerando que não emitem gases poluentes. Entretanto, este segmento ainda não se consolidou: há incerteza de mercado e inúmeras indefinições tecnológicas. A questão que se coloca: o Brasil teria condições de atuar no segmento dos VEs? Teria potencial para contribuir com o desenvolvimento de tecnologias? Este artigo busca identificar e analisar o tipo de conhecimento desenvolvido nas Instituições de Ciência e Tecnologia (ICTs) brasileiras que são (ou que possam ser) aplicados ao desenvolvimento dos VEs. Dentre os 31 grupos de pesquisa mapeados, notamos que há pesquisas sobre mobilidade elétrica no país, porém isoladas, sem coordenação ou alinhamento geral, com pouco relacionamento com a iniciativa privada e quase inexistência de patentes. Entretanto, identificamos avanços na formação de recursos humanos especializados bem como na P&D de componentes, resultado das atividades destes grupos.
Citação ABNT:
MORAES, H. B.; CONSONI, F.; BARASSA, E. Conhecimento Científico e Tecnológico para o Veículo Elétrico no Brasil: uma Análise a Partir das Instituições de Ciência e Tecnologia e seus Grupos de Pesquisa . Desafio Online, v. 4, n. 2, p. 100-115, 2016.
Citação APA:
Moraes, H. B., Consoni, F., & Barassa, E. (2016). Conhecimento Científico e Tecnológico para o Veículo Elétrico no Brasil: uma Análise a Partir das Instituições de Ciência e Tecnologia e seus Grupos de Pesquisa . Desafio Online, 4(2), 100-115.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42218/conhecimento-cientifico-e-tecnologico-para-o-veiculo-eletrico-no-brasil--uma-analise-a-partir-das-instituicoes-de-ciencia-e-tecnologia-e-seus-grupos-de-pesquisa-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ANDERSON, J.; ANDERSON, C.D. Electric and Hybrid Cars: A History. London, UK: McFarland & Co, 2010.

ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores. Estatísticas. Disponível em: http://www.anfavea.com.br/tabelas.html, 2015. Acesso em: 03 fev.2016.

ARTHUR, B. Competing technologies, increasing returns and lock-in by historical events. Stanford University (CA). The Economic Journal, v. 99, n. 394, p. 116-131, 1989.

ATINKSON, R.; FLINT, J. Accessing hidden and har-to-reach populations: snowball research strategies. Social Research Update, 33, 2001.

BARASSA, E. Trajetória Tecnológica do Veículo Elétrico: Atores, Políticas e Esforços Tecnológicos no Brasil. Dissertação (Mestrado), Campinas - Curso de Pós- Graduação em Política Científica e Tecnológica, Universidade Estadual de Campinas, Departamento de Política Científica e Tecnológica, 2015.

CHAN, C. C. The state of the Art of Electric, Hybrid, and Fuel Cell Vehicles. Proceedings of the IEEE, v. 95, n. 4, pp. 704-718, 2007.

CHAN, JIAN, L.; TU, D. Smart charging of electric vehicles - integration of energy and information. IET Electrical System in Transportation. pp. 1-8, 2014.

COALITION, E. State of the Plug-in Electric Vehicle Market: EV Market Outlook, 2015. Disponível:. Acesso em: 13 fev. 2015.

COUTINHO, L.; CASTRO, B.; FERREIRA, T. Veículo elétrico, políticas públicas e o BNDES: oportunidades e desafios. Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE), Rio de Janeiro. IN: Cadernos: Fórum Nacional 10, pp. 30-49. 2010.

COWAN, R.; HULTÉN, S. Escaping Lock-in: The Case of Electric Vehicle. Technological Forecasting and Social Change, v. 53, pp. 61-79, 1996.

DAVID, P. Clio and the economics of QWERTY. American Economic Review Papers and Proceedings, v. 75, n. 2, p. 332-337, 1985.

DINGER, A. et al. Batteries for Electric Cars - Challenges, Opportunities, and the Outlook to 2020. The Boston Consulting Group. p.18, 2010.

DOSI, G. Economic development from the perspective of evolutionary economic theory. Tallinn University of Technology: Norway, Tallinn. Working Papers in Technology Governance and Economic Dynamics. n. 2. The Other Cannon Foundation, 2006.

FREYSSENET, M. Three possible scenarios for cleaner automobiles. Int. J. Automotive Technology and Management, v. 11, n. 4, p. 300-311, 2011.

HOYER, K. The history of alternative fuels in transportation: The case of electric and hybrid cars. Utilities Policy, v. 16, n. 2, p. 63-71, 2008.

IEA. Global EV Outlook 2015. Disponível em: http://www.iea.org/evi/Global-EV-Outlook-2015Update_2page.pdf. 2015.

IEA. Global EV Outlook: Understanding the Electric Vehicle Landscape to 2020, 2014. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2014.

MAZON, M. T.; CONSONI, F. L.; QUINTÃO, R. Perspectivas para a implantação do veículo elétrico no Brasil: uma análise a partir do Sistema Nacional de Inovação e das redes colaborativas de C&T, In: XV ALTEC Congresso Latino-Iberoamericano de Gestão de Tecnologia, 16pp. 2013.

MEADOWS, D. et al. Limites do crescimento. SP: Editora Perspectiva AS, 1973.

MELLO, A. M.; MARX, R.; SOUZA, A. Exploring scenarios for the possibility of developing design and production competencies of electrical vehicles in Brazil, Int. J. Automotive Technology and Management, v. 13, n. 3, pp. 289-314, 2013.

MOWERY, D. C.; ROSENBERG, N. Trajetórias da Inovação - mudança tecnológica nos Estados Unidos da América no século XX. Clássicos da Inovação. Editora da Unicamp. (original de 1998), Introdução e cap. 1, 2005.

NORTH, D. C. Custos de transação, instituições e desempenho econômico. Rio de Janeiro: Instituto Liberal. p. 38, 1994.

NORTH, D. C. Institutions and the performance of economies over time. In: MÉNARD, C. e SHIRLEY, M. M. (Edts.).Handbook of New Institutional Economics. Springer. p. 21-30.

NORTH, D. C. Institutions, institutional change and economic performance. Cambridge: Cambridge University Press. p. 152, 1990.

QUADROS, R.; VIEIRA, G.; CONSONI, F. L.; QUINTÃO, R. Choosing accurately: competitive intelligence on prospecting partners for technological cooperation. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 3, pp. 323-346, 2014.

ROCCO, A. M. Carros elétricos e as baterias de íon lítio: estado atual de desenvolvimento e perspectivas tecnológicas. Instituto Nacional de Altos Estudos (INAE), Rio de Janeiro. Cadernos: Fórum Nacional 10, pp. 192-213, 2010.

SALDIVA, P. (2008), Nossos doentes pneumopatas e a poluição atmosférica. J. Bras. Pneumol., v. 34, n. 1, Disponível em: <. Acessado em: 19 Mar. 2015, às 23:44:54.

SHIKIDA, P. F. A.; PEROSA, B. B. Álcool combustível no Brasil e path dependence. Rev. Econ. Sociol. Rural, v. 50, n. 2, p. 243-262, 2012. Disponível em: . access on 25 May 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0103-20032012000200003.

UNRUH, G. El complejo tecno-institucional: un marco para analizar la aparición de sistemas energéticos basados en el hidrogeno. Revista Interdisciplinar de Gestión Ambiental, p. 4-42, 2001

UNRUH, G. Understanding Carbon Lock-in. Energy Policy, v. 28, p. 817-830. 2000.

Van ESSEN, H.; KAMPMAN, B. Impacts of Electric Vehicles. CE Delft, 2011. Disponível em: Acesso em: 22 de julho de 2014. 2011.

WALTZ, R.; SCHLEICH, J.; RAGWITZ ,M. How regulation influences innovation: an indicator based approach for the case of renewable energy technologies. In: Globelics, Paper presented in the VI Globelics Conference at Mexico City, September 22-24. 32p. 2008.

ABVE - Associação Brasileira do Veículo Elétrico. O que é um veículo elétrico? Disponível em: . Acesso em: 07 ago.2014.

ARBEX, M. et al. A poluição do ar e o sistema respiratório. J. Bras. Pneumol, São Paulo, v. 38, n. 5. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S180637132012000500015&lng=en&nrm=iso, 2012. Acessado em: 19 Mar.2015. 2012.