O conceito de Risco na Visão Baseada em Recursos (RBV): uma análise exploratória Outros Idiomas

ID:
4225
Resumo:
A visão baseada em recursos (RBV) apresenta-se como uma teoria mais abrangente que a teoria neoclássica para explicar a criação de valor no sistema capitalista. A RBV enfatiza o papel de recursos estratégicos para a empresa. Um tema pouco abordado na RBV é o papel que o risco e a incerteza desempenham nessa teoria. A RBV destaca o papel dos recursos estratégicos para a empresa enfatizando a relevância deles para a determinação do nível de lucratividade da empresa. O objetivo deste trabalho é apresentar um conceito alternativo para risco com base no conceito de recurso. O trabalho está dividido em quatro seções: na primeira, apresentam-se duas metodologias para lidar com risco na RBV: o enfoque do fluxo de caixa descontado e o enfoque de opções reais. Na segunda, aborda-se um conceito alternativo de risco (incluindo a forma de mensurá-lo) que leva em consideração o nível (montante) de recursos essenciais para a empresa, como também a volatilidade desse nível (aplicaremos o conceito incluindo a mensuração do risco para um setor no qual a atividade inovativa é essencial). Na terceira, apresenta-se um modelo baseado em finanças comportamentais para o comportamento do gestor perante o risco. E, para terminar, a Conclusão, na quarta seção.
Citação ABNT:
BASSO, L. F. C.; KIMURA, H. O conceito de Risco na Visão Baseada em Recursos (RBV): uma análise exploratória. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 5, art. 163, p. 82-105, 2010.
Citação APA:
Basso, L. F. C., & Kimura, H. (2010). O conceito de Risco na Visão Baseada em Recursos (RBV): uma análise exploratória. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 82-105.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4225/o-conceito-de-risco-na-visao-baseada-em-recursos--rbv---uma-analise-exploratoria/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BALDERRAMA, P. C. et al. Gaining and sustaining competitive advantage. New Jersey: Prentice Hall, 2007.

COLEMAN, L. Why managers and companies take risks. Germany: Physica-Verlag, 2006.

DEQUECH, D. Uncertainty: individuals, institutions and technology. Cambridge Journal of Economics, v. 28, issue 3, 2002.

DOMINGUES, S. A.; FURTADO, A. T. Recursos humanos em P&D. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

DYER, J. H.; SINGH, H. The relational view: cooperative strategy and sources of interorganizational competitive advantage. Academy Management Review, New York, v. 23 n. 4, p. 660-679, 1998.

FRANCO, E.; CARVALHO, F.; CARVALHO, S. Como construir grupos setoriais. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

FURTADO, A. T.; CAMILLO, E. V.; DOMINGUES, S. A. Metodologia do IBI permite classificar setores que mais inovam. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

FURTADO, A. T.; CAMILLO, E. V.; DOMINGUES, S. A. Os setores que mais patenteiam no Brasil por divisão da Cnae. Disponível em: . Acesso em: 26 jun. 2007.

FURTADO, A. T.; QUADROS, R. Construindo o IBI. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

FURTADO, A. T.; QUADROS, R.; QUEIROZ, S. R. R. Projeto tem início com empresas do setor industrial. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

FURTADO, A. T.; QUEIROZ, S. R. R. A construção de indicadores de inovação. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

FURTADO, A. T.; QUEIROZ, S. R. R. Etapas para criação de um índice. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

HODGSON, G. M. Evolutionary and competence-based theories of the firm. Journal of Economic Studies, Milwaukee, v. 25, p. 25-56, 1998.

INÁCIO JR., E.; QUADROS, R. Apresentando a fórmula do IBI. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.

MILES, R. E.; SNOW, C. C. Fit, failure and the hall of fame. New York: The Free Press, 1994.

NELSON, R. R.; WINTER, S. An evolutionary theory of economic change. Boston, MA: Harvard University Press, 1982.

NELSON, R. R.; WINTER, S. Neoclassical vs. evolutionary theories of economic growth: critique and prospectus. In: FREEMAN, C. The economics of innovation. Aldershot: Edward Elgar, 1990. p. 3-22.

QUADROS, R.; FURTADO, A. T. Em direção a uma metodologia baseada na Pintec-IBGE. Disponível em: . Acesso em: 26 jun.2007.