Comitê de Auditoria: adequação às regras da SOX, Bacen, Susep e IBGC

ID:
42256
Resumo:
O objetivo deste estudo foi identificar qual o nível de adequação dos comitês de auditoria das empresas dos níveis diferenciados da BM&FBOVESPA às regras da SOX, Bacen, Susep e IBGC. A adequação foi analisada por meio de um check-list, construído com base nas principais normas e recomendações às quais as empresas brasileiras estão sujeitas. A análise pautouse nas seguintes características: composição, qualificação, mandato, quantidade de reuniões, atribuições e obrigações. A pesquisa se caracterizou como descritiva, predominantemente quantitativa e documental. Compreendeu 58 empresas e abrangeu 1.508 verificações que possibilitavam identificar o nível de adequação médio de 50% (13 de 26 questões), com a máxima de 88% (23 questões) e a mínima de 4% (1 questão). Os resultados apontaram que as instituições financeiras e as instituições de previdência e de seguros formam o grupo que está mais adequado às regras no que tange ao comitê de auditoria, enquanto as empresas submetidas à SOX e as demais apresentaram os índices mais baixos da amostra. Além disso, não se encontrou relação entre os níveis diferenciados de governança corporativa e o índice de adequação dos comitês, ou seja, possuir classificação no novo mercado não garante uma boa adequação às normas referentes ao comitê de auditoria.
Citação ABNT:
SORRENTINO, M. S. A. S.; TEIXEIRA, B.; VICENTE, E. F. R. Comitê de Auditoria: adequação às regras da SOX, Bacen, Susep e IBGC . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 10, n. 3, p. 241-257, 2016.
Citação APA:
Sorrentino, M. S. A. S., Teixeira, B., & Vicente, E. F. R. (2016). Comitê de Auditoria: adequação às regras da SOX, Bacen, Susep e IBGC . Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, 10(3), 241-257.
DOI:
http://dx.doi.org/10.17524/repec.v10i3.1337
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42256/comite-de-auditoria--adequacao-as-regras-da-sox--bacen--susep-e-ibgc-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Antunes, J.; Honorato, W. R.; Antunes, G. M. B. (2007). A importância da atuação dos comitês de auditoria nos trabalhos dos auditores independentes de companhias abertas brasileiras. Anais do Congresso do Instituto Internacional de Custos, Universidade de Jean Moulin Lyon, Lyon, França, 10.

Beuren, I. M.; Nass, S.; Theiss, v.; Cunha, P. R. da. (2013). Caracterização Proposta para o Comitê de Auditoria no Código de Governança Corporativa do Brasil e de Outros Países. Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade. 7(4), 407-423. doi: 10.17524/repec.v7i4.989.

BM&FBOVESPA. (2014). nd. Recuperado de http: //www.bmfbovespa.com.br/pt_br/ listagem/acoes/segmentos-de-listagem/sobre-segmentos-de-listagem/

Bronson, S. N.; Carcello, J. V.; Hollingsworth, C. W.; Neal, T. L. (2009) Are fully independent audit committees really necessary? Journal of Accounting and Public Policy, 28(4), 265-280. doi: 10.1016/j.jaccpubpol.2009.06.001.

Carcello, J. V.; Hermanson, D. R.; Neal, T.L. (2002). Disclosures in audit committee charters and reports. Accounting Horizons, 16(4), 291-304.

Carcello, J. V.; Neal, T. L. (2000). Audit Committee composition and auditor reporting. The Accounting Review, 75(4), 453-467. doi: 10.2139/ssrn.229835.

Chiodini, D. M. (2010). Adequação das companhias que atuam no Brasil à governança corporativa: o Comitê de Auditoria. Monografia, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, SC, Brasil. Recuperado de: https://repositorio.ufsc.br/bitstream/handle/123456789/120820/284147.pdf?sequence=1&isAllowed=y

Conselho Monetário Nacional (CMN). (2004). Resolução n° 3.198, de 27 de maio de 2004. Brasília, Brasil.

Conselho Nacional De Seguros Privados (CNSP). (2004). Resolução n.118, de 22 de dezembro de 2004. Rio de Janeiro, Brasil. Recuperado de http://www.susep.gov.br/textos/resol118-04.pdf

Felo, A. J.; Krishnamurthy; S.; Solieri, A. S. (2003) Audit committee characteristics and the perceived quality of financial reporting: an empirical analysis. doi: 10.2139/ssrn.401240.

Furuta, F. (2010). A Relação das Características das Empresas com a Adoção do Comitê de Auditoria x Conselho Fiscal Adaptado. Tese de doutorado, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-19042010-104120/

Gil, A. C. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

Instituto Brasileiro de Governança Corporativa. (2009). Guia de orientações para melhores práticas de Comitês de Auditoria. Recuperado de http://www.ibgc.org.br/userfiles/files/Guia_ 7_.pdf

Jensen, M.; Meckling, W. (1976). Theory of the firm: managerial behavior, agency costs and ownership structure. Journal of Financial Economics, v. 3, pp. 305-360. doi:10.1016/0304-405X(76)90026-X.

KPMG. (2009) Conselho Fiscal e Comitê de Auditoria: Responsabilidades, potenciais conflitos e lições aprendidas – 18ª Mesa de Debates. Recuperado de http://www.kpmg.com.br/aci/publicacoes/2009/18_Mesa_Debates.pdf.

Lakatos, E. M.; Marconi, M. A. (2001). Fundamentos de metodologia cientifica. 4ª ed. São Paulo: Atlas.

Peleias, I. R.; Segreti, J. B.; Costa, C de A. (2009). Comitê de auditoria ou órgãos equivalentes no contexto da Lei Sarbanes-Oxley: estudo da percepção dos gestores de empresas brasileiras emitentes de American Depositary Receipts–ADRs. Contabilidade Vista & Revista, 20(1), 41-65.

PricewaterhouseCoopers. (2007). Comitês de auditoria no Brasil – Melhores práticas de governança corporativa: O desafio continua. 2ª ed. Brasil: PricewaterhouseCoopers.

Raghunandan, K.; Rama, D. (2007). Determinants of Audit Committee diligence. Accounting Horizons. v. 21, pp. 265-297. doi: 10.2308/acch.2007.21.3.265.

Richardson, R. J. (2008). Pesquisa social: métodos e técnicas. 3 ed. São Paulo: Atlas.

Santos, A. G. dos. (2009). Comitê de auditoria: uma análise baseada na divulgação das informações de empresas brasileiras. Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de: http: //www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/tde-07102009-122913/

Segreti, J. B.; Costa, C. A. (2007). Pesquisa Exploratória sobre a Implantação do Comitê de Auditoria em Empresas Brasileiras conforme Lei Sarbanes-Oxley. Encontro da ANPAD, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 31.

Sharma, V.; Naiker, V.; Lee, B. (2009). Determinants of Audit Committee Meeting Frequency: Evidence from Voluntary Governance System. Accounting Horizons. 23(3), 245-263. doi: 10.2308/ acch.2009.23.3.245.

Silveira, A di M da. (2004). Governança corporativa e estrutura de propriedade: Determinantes e relação com o desempenho das empresas no Brasil. Tese de doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12139/tde-23012005-200501/pt-br.php

Silveira, A Di M da, Ito, S. (2008). A Governança Corporativa e o Mercado de Capitais: Um panorama atual das corporações brasileiras na Bovespa e nas Bolsas norte-americanas. Recuperado de http://www.kpmg.com.br/publicacoes/kpmg_estudo_20f_2008_ final.pdf

Souza, P C da S. S. de. (2010). Práticas do comitê de auditoria: evidências de empresas brasileiras. Dissertação de mestrado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, SP, Brasil. Recuperado de http://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/12/12136/ tde-04042011-202813/