Mais do que Negócios Abertos, Mentes Abertas Outros Idiomas

ID:
42262
Resumo:
Esse artigo ensaístico explora como as características interpessoais e gerenciais do gestor podem influenciar no uso do modelo de inovação aberta nas organizações de pequeno porte. Optou-se por agregar aos entendimentos acerca da inovação aberta as concepções básicas do organizing de Karl Weick (1973) para a compreensão da lógica cognitiva dos gestores e dos aspectos culturais das organizações. Os indícios teóricos apontaram que no contexto dos pequenos empreendimentos o modelo é fortemente influenciado pelas características interpessoais do gestor, grau de institucionalização da empresa, bem como por sua cultura e identidade. O modelo de inovação aberta precisa não apenas ser “lido” (interpretado) pelos gestores que irão incorporá-lo e utilizá-lo, mas também precisa fazer sentido para eles. Nesse sentido, para a efetiva adoção do modelo de inovação aberta se faz necessário criar uma atmosfera propícia à captação das novas fontes de valor, mudando o foco da empresa para a forma aberta de encarar a competição empresarial e tendo no gestor o principal responsável por essa mudança. Como contribuição dessa pesquisa está a análise baseada no indivíduogestor como forma de compreender a efetividade do modelo de inovação aberta nos empreendimentos de pequeno porte, em que a figura do dono e do gestor muitas vezes se confunde.
Citação ABNT:
SILVA, G.; DACORSO, A. L. R.; MONTENEGRO, L. M. Mais do que Negócios Abertos, Mentes Abertas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, v. 5, n. 2, p. 1-21, 2016.
Citação APA:
Silva, G., Dacorso, A. L. R., & Montenegro, L. M. (2016). Mais do que Negócios Abertos, Mentes Abertas. Revista de Empreendedorismo e Gestão de Pequenas Empresas, 5(2), 1-21.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42262/mais-do-que-negocios-abertos--mentes-abertas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AGOGUÉ, M.; BERTHET, E.; FREDBERG, T.; MASSON, P.; SEGRESTIN, B.; STOETZEL, M.; WIENER, M.; YSTRÖM, A. A contingency approach to open innovation intermediaries: the management principles of the “intermediary of the unknown”. In: 13th CONFERENCE OF THE EUROPEAN ACADEMY OF MANAGEMENT (EURAM), 2013, Istanbul/TR, Conference… Istanbul, 2013. p. 26-29.

BANTZ, C. R.; SMITH, D. H. A Critique and Experimental Test of Weick's Model of Organizing. Communication Monographs, v. 44, n. 3, p. 171-184, 1977.

BERGER, L.; LUCKMANN, T. A construção social da realidade: tratado de sociologia do conhecimento. 27. ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

BRUNSWICKER, S.; EHRENMANN, F. Managing open innovation in SMEs: a good practice example of a German software firm. International Journal of Industrial Engineering and Management (IJIEM), v. 4, n. 1, p. 33-41, 2013.

CHESBROUGH, H. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. Tradução de: FARIA, L. C. de Q. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHESBROUGH, H. Managing open innovation in large firms. Fraunhofer Society, 2013.

CHESBROUGH, H. Modelos de negócios abertos: como prosperar no novo cenário da inovação. Tradução de: RUBENICH, R. Porto Alegre: Bookman, 2012.

DÍAZ-DÍAZ, N. L.; SAÁ-PÉREZ, P. The interaction between external and internal knowledge sources: an open innovation view. Journal of Knowledge Management, v. 18, n. 2, p. 430-446, 2014.

EUROPEAN JOURNAL OF INNOVATION MANAGEMENT. Start-ups and Open Innovation: Special issue call for papers from European Journal of Innovation Management. Disponível em: . Acesso em: 10 out.2015.

FIGUEIREDO, J. C. B.; GRIECO, A. M. O papel da inovação aberta na internacionalização de empresas em rede: o caso Brasil Foods. Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 4, p. 63-84, 2013.

GEUMA, Y.; KIM, J.; SON, C.; PARK, Y. Development of dual technology roadmap (TRM) for open innovation: structure and typology. J. Eng. Technol. Manage, v. 30, n. 3, p. 309-325, 2013.

HAAPALAINEN, P.; KANTOLA, J. Taxonomy of Knowledge Management in Open Innovations. Procedia Manufacturing, v. 3, p. 688-695, 2015.

HOGENHUIS, B. N.; VAN DEN HENDE, E. A.; HULTINK, E. J. When Should Large Firms Collaborate with Young Ventures?Understanding young firms’ strengths can help firms make the right decisions around asymmetric collaborations. ResearchTechnology Management, v. 59, n. 1, p. 39-47, 2016.

IBARRA, E. R. B.; RUEDA, J. A. C.; ARENAS, A. P. L. Mapping of the Challenges for the Open Innovation Model’s Implementation in Service Sector. Journal of Advanced Management Science, v. 3, n. 4, 2015.

KREPS, G. L. Weick's Model of Organizing. In: KREPS, G. L. Organizational communication: theory and practice. p. 103-121.New York: Longman, 1990.

LACOMBE, F.; HEILBORN, G. Administração: princípios e tendências. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

LAVIE, D.; DRORI, I. Collaborating for Knowledge Creation and Application: The Case of Nanotechnology Research Programs. Organization Science, v. 23, n. 3, p. 704-724, 2012.

LINDEGAARD, S. A revolução da inovação aberta: princípios básicos, obstáculos e habilidades de liderança. São Paulo: Évora, 2011.

LIU, Z.; LAPERCHE, B. The knowledge capital of SMEs: The French paradox. Journal of Innovation Economics & Management, v. 17, n. 2, p. 27-48, 2015.

LOVE, J. H.; ROPER, S. SME innovation, exporting and growth: A review of existing evidence. International Small Business Journal, v. 33, n. 1, p. 28-48, 2015.

MENEGHETTI, F. K. O que é um Ensaio-Teórico? Revista de Administração Contemporânea, v. 15, n. 2, p. 320-332, 2011.

MONTENEGRO, L. M.; CASALI, A. M. O Modelo de Organizing de Karl Weick e sua Ênfase na Comunicação. In: V ENEO - ENCONTRO DE ESTUDOS ORGANIZACIONAIS, 2008, Belo Horizonte. Anais... 2008.

OLIVEIRA, S. M.; ALVES, J. L. Influência das práticas de inovação aberta na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, v. 11, n. 1, p. 295, 2014.

PARIDA, V.; WESTERBERG, M.; FRISHAMMAR, J. Inbound open innovation activities in high-tech SMEs: the impact on innovation performance. Journal of Small Business Management, v. 50, n. 2, p. 283-309, 2012.

PINTO, M. C. S.; COUTO-DE-SOUZA, C. L. Mudança organizacional em uma empresa familiar brasileira. Revista de Administração Pública, v. 43, n. 3, p. 609-634, 2009.

ROJAS, A. T.; MONROY, C. R.; PELUSO, N. B. La innovación abierta como elemento de análisis en las pequeñas y medianas industrias: caso sector metalmecánico. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 2, p. 5-28, 2011.

SALTER, A.; CRISCUOLO, P.; WAL, A. L. J. Coping with Open Innovation: responding to the challenges of external engagement in R&D. California Management Review, v. 56, n. 2, p. 77-94, 2014.

SANTORO, G.; FERRARIS, A.; GIACOSA, E.; GIOVANDO, G. How SMEs Engage in Open Innovation: a Survey. Journal of the Knowledge Economy, p. 1-14, 2016.

SCHEIN, E. H. Coming to a new awareness of organizational culture. Sloan Management Review, v. 25, n. 2, p. 3-16, 1984.

SCHEIN, E. H. Organizational culture and leadership. 2. ed. San Francisco: Jossey-Bass, 1997.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Inovação aberta como uma vantagem competitiva para a micro e pequena empresa. Revista de Administração e Inovação, v. 10, n. 3, p. 251-268, 2013.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Perspectivas de inovação na micro e pequena empresa. Revista Economia & Gestão, v. 13, n. 33, p. 90-107, 2013.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Processo de inovação na micro e pequena empresa: implicações e achados em empresas sergipanas. Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 8, n. 3, p. 55-70, 2014.

SILVA, G.; DACORSO, A. L. R. Riscos e incertezas na decisão de inovar das micro e pequenas empresas. Revista de Administração Mackenzie, v. 15, n. 4, p. 229-255, 2014.

SISODIYA, S. R.; JOHNSON, J. L.; GRÉGOIRE, Y. Inbound open innovation for enhanced performance: enablers and opportunities. Industrial Marketing Management, v. 42, n. 5, p. 836-849, 2013.

VENTURINI, K.; VERBANO, C.; BRON, A. Openness and innovation: an empirical analysis in firms located in the Republic of San Marino. International Journal of Engineering, v. 5, n. 4, p. 60-70, 2013.

WEICK, K. An Introduction to Organizing. In: CORMAN, S. R.; et al. Foundations of organizational communication: a reader. New York: Longman, 1990.

WEICK, K. E. A Psicologia Social da Organização. São Paulo: Edgar Blucher: EDUSP, 1973.

WEICK, K. Making sense of the organization: the impermanent organization. UK: John Wiley & Sons Ltd, 2009.

WEICK, K. The Social Psychology of Organizing. 2. ed. Massachusetts: AddisonWesley, 1979.