Os valores dos administradores de empresas mudam ao longo da carreira? Relações entre prioridades axiológicas e tempo de formado Outros Idiomas

ID:
4230
Resumo:
A hierarquia de valores individuais orienta escolhas, atitudes e comportamentos, inclusive no âmbito profissional. Um aspecto que tem merecido atenção de pesquisadores é compreender em que medida os valores (prioridades axiológicas) de uma pessoa sofrem mudanças ao longo do tempo, em diferentes estágios de sua vida e/ou carreira. Este trabalho teve por objetivo identificar a variação dos valores individuais conforme o tempo de formado de administradores de empresas. Para isso, foi administrado o inventário de valores de Schwartz junto a uma amostra de 179 administradores de empresas, egressos da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo, formados entre 1967 e 2008. A Anova foi calculada em nível dos tipos motivacionais de valores e das dimensões bipolares. Os resultados indicaram variações no perfil axiológico dos sujeitos, à medida que aumenta o tempo de formado. Essa variação avança da priorização dos valores hedonismo e estimulação (abertura à mudança), nos primeiros anos de formado, para uma ênfase maior nos valores segurança, tradição e conformidade (conservação), em estágios mais avançados da carreira. Também há um deslocamento da priorização de valores que atendem a interesses individuais (no início da carreira) para valores que atendem a interesses coletivos (em estágios posteriores). Outros resultados, bem como implicações e possíveis causas, também são discutidos.
Citação ABNT:
REIS, G. G.; ANTONIO, F. A. A.; SANTOS, A. L. D.; MARINHO, B. L. Os valores dos administradores de empresas mudam ao longo da carreira? Relações entre prioridades axiológicas e tempo de formado. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 5, art. 176, p. 32-54, 2010.
Citação APA:
Reis, G. G., Antonio, F. A. A., Santos, A. L. D., & Marinho, B. L. (2010). Os valores dos administradores de empresas mudam ao longo da carreira? Relações entre prioridades axiológicas e tempo de formado. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 32-54.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4230/os-valores-dos-administradores-de-empresas-mudam-ao-longo-da-carreira--relacoes-entre-prioridades-axiologicas-e-tempo-de-formado/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALEXASHIN, Y.; BLENKINSOPP, J. Changes in Russian managerial values: a test of conference hypotesis? The international Journal of Human Resources Management, Cardiff, v. 16, n. 3, p. 427-444, Mar. 2005.

ALMEIDA, F. J. R. de; SOBRAL, F. J. B. de A. O sistema de valores humanos de administradores brasileiros: adaptação da escala PVQ para o estudo de valores no Brasil. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 101-126, maio/jun. 2009.

AÑAÑA, E. da S.; NIQUE, W. M. O valor dos valores: avaliação de uma marca global por meio dos diversos brasis culturais. Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 10, n. 3, p. 153-181, maio/jun. 2009.

BARDI, A.; SCHWARTZ, S. Values and behavior: strength and structure of relations. Personality and Social Psychology Bulletin, Thousand Oaks, v. 29, n. 10, p. 1207-1220, 2003.

BOUCKENOOGHEET, D. et al. The prediction of stress by values and value conflict. The Journal of Psychology: interdisciplinary and applied, Washington, v. 139, n. 4, p. 369-384, July 2005.

CENNAMO, L.; GARDNER, D. Generational differences in work values, outcomes and person-organisation values fit. Journal of Managerial Psychology, San Antonio, v. 23, n. 8, p. 891-906, 2008.

CONNOR, P.; BECKER, B. Personal values and management: what do we know and why don’t we know more? Journal of Management Inquiry, London, v. 3, n. 1, p. 67-73, Mar. 1994.

DEVOS, T.; SPINI, D.; SCHWARTZ, S. Conflicts among human values and trust in institutions. The British Journal of Social Psychology, Leicester, v. 41, n. 4, p. 481-495, Dec. 2002.

GOUVEIA, V. et al. A estrutura e o conteúdo universais dos valores humanos: análise fatorial confirmatória da tipologia de Schwartz. Estudos de Psicologia, Natal, v. 6, n. 2, p. 133-142, 2001.

HAGSTRÖM, T.; KJELLBERG, A. Stability and change in work values among male and female nurses and engineers. Scandinavian Journal of Psychology, Bergen, v. 48, n. 2, p. 143-151, 2007.

HAIR, J. F. et al. Análise multivariada de dados. 5. ed. Porto Alegre: Bookman, 2005.

HALL, D. T. Careers in organizations. Santa Monica: Goodyear, 1976.

ISAKSSON, K. et al. Work values among the unemployed: changes over time and some gender differences. Scandinavian Journal of Psychology, Bergen, v. 45, n. 3, p. 207-214, July 2004.

JOHNSON, M. K. Family roles and work values: processes of selection and change. Journal of Marriage and the Family, Greensboro, v. 67, n. 2, p. 352-369, May 2005.

MENDONÇA, H.; TAMAYO, A. Valores e retaliação organizacional. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

PORTO, J. Mensuração de valores no Brasil. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

RODRIGUES, M.; TEIXEIRA, M. Os valores mudam ao longo da carreira? Um estudo sobre a mudança percebida na hierarquia dos valores do trabalho. In: SEMINÁRIOS EM ADMINISTRAÇÃO, 2., 2008, São Paulo. Anais... São Paulo: FEA-USP, 2008.

ROKEACH, M. Change and stability in American value systems. Public Opinion Quarterly, Deerfield, v. 38, n. 2, p. 222-239, Summer 1974.

ROKEACH, M. Crenças, attitudes e valores: uma teoria de organização e mudança. Rio de Janeiro: Interciência, 1981.

ROKEACH, M. The nature of human values. New York: Free Press, 1973.

ROS, M.; GRACI, H. O significado do valor trabalho relacionado à experiência ocupacional: uma comparação entre professores primários e estudantes do CAP. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

ROS, M.; SCHWARTZ, S.; SURKISS, S. Basic individual values, work values, and the meaning of work. Applied Psychology: an international review, v. 48, n. 1, p. 49-71, Jan. 1999.

SAGIV, L.; SCHWARTZ, S. Determinants of readiness for out-group social contact: dominance relations and minority group motivations. International Journal of Psychology, Montréal, v. 33, n. 5, p. 313-324, Oct. 1998.

SCHEIN, E. H. Career dynamics: matching individual and organizational needs. Reading, MA: Addison Wesley, 1978.

SCHWARTZ, S.; BARDI, A. Value hierarchies across cultures: taking a similarities perspective. Journal of Cross-Cultural Psychology, Thousand Oaks, v. 32, n. 3, p. 268-291, May 2001.

SCHWARTZ, S.; HUISMANS, S. Value priorities and religiousity in four Western religions. Social Psychology Quarterly, Washington, v. 58, n. 2, p. 88-107, 1995.

SCHWARTZ, S. Universals in the content and structure of values: theoretical advances and empirical tests in 20 countries. In: ZANNA, M. Advances in experimental social psychology. New York: Academic Press, 1992. v. 25, p. 1-65.

SCHWARTZ, S. Validade e aplicabilidade da teoria de valores. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

SCHWARTZ, S. Valores humanos básicos: seu contexto e estrutura intercultural. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

SELLTIZ, C. et al. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Edusp, 1974.

SIEGEL, S.; CASTELLAN, N. J. Non-parametric statistics for the behavioral sciences. 2. ed. New York: McGraw Hill, 1988.

STAUFFER, D. For generation Xers, what counts isn’t work or all play. Management Review, New York, v. 86, n. 11, p. 7, 1997.

TAMAYO, A. et al. Diferenças nas prioridades axiológicas de músicos e advogados. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 11, n. 2, p. 1-11, 1998. Disponível em . Acesso em: 13 abr.2009.

TAMAYO, A. Impacto dos valores pessoais e organizacionais sobre o comprometimento organizacional. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamentos nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005.

TAMAYO, A. Prioridades axiológicas e comprometimento organizacional. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 17, n. 1, p. 27-35, jan./abr. 2001.

TAMAYO, A. Prioridades axiológicas e uso de preservativo. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 14, n. 1, p. 167-175, 2001. Disponível em: . Acesso em: 13 abr.2009.

TAMAYO, A.; SCHWARTZ, S. Estrutura motivacional dos valores humanos. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 9, n. 2, p. 329-348, maio/ago. 1993.

TEDDLIE, C.; YU, F. Mixed methods sampling: a typology with examples. Journal of Mixed Methods Research, Basel, v. 1, n. 1, p. 77-100, 2007.

YU, H.; MILLER, P. Leadership style: the X generation and baby boomers compared in different cultural contexts. Leadership &Organization Development Journal, Ulster, v. 26, n. 1-2, p. 35 -50, 2005.