Políticas de gestão de pessoas, valores pessoais e justiça organizacional Outros Idiomas

ID:
4231
Resumo:
O objetivo deste estudo é investigar a relação entre a variável “percepção de políticas de gestão de pessoas” e as variáveis valores pessoais, percepção de justiça organizacional, além da variável funcional “tipo de organização” (pública ou privada). Para tanto, realizaram-se análises de regressão, tendo como variável dependente a percepção das políticas de gestão de pessoas e como variáveis preditoras os valores pessoais, a percepção de justiça organizacional e o “tipo de organização”. Os resultados mostraram que, de fato, dependendo dos valores pessoais dos colaboradores, da percepção de justiça organizacional e do tipo de organização em que trabalham, certas políticas de gestão de pessoas são mais percebidas e, possivelmente, devem ser mais adequadas e eficazes no alcance dos objetivos organizacionais, bem como na promoção de um maior bem-estar dos colaboradores. Por conseguinte, entende-se como relevante a consideração de tais questões quando do desenvolvimento de políticas de gestão de pessoas nas organizações.
Citação ABNT:
FIUZA, G. D.Políticas de gestão de pessoas, valores pessoais e justiça organizacional. Revista de Administração Mackenzie, v. 11, n. 5, art. 187, p. 55-81, 2010.
Citação APA:
Fiuza, G. D.(2010). Políticas de gestão de pessoas, valores pessoais e justiça organizacional. Revista de Administração Mackenzie, 11(5), 55-81.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4231/politicas-de-gestao-de-pessoas--valores-pessoais-e-justica-organizacional/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ASSMAR,E. M. L.; FERREIRA, M. C. Cultura, justiça e saúde no trabalho. In: TAMAYO, A. et al. (Org.). Cultura e saúde nas organizações. Porto Alegre: Artmed, 2004. p. 155-178.

ASSMAR,E. M. L.; FERREIRA, M. C.; SOUTO, S. O. Justiça organizacional: uma revisão crítica da literatura. Psicologia: reflexão e crítica, Porto Alegre, v. 18, n. 3, p. 443-453, 2005.

BRANDÃO, H. P.; BAHRY, C. P.; FREITAS, I. A. Os impactos do suporte à transferência sobre a aplicação de competências no trabalho: a percepção de mestres e doutores do Banco do Brasil. Revista de Administração, São Paulo, v. 43, n. 3, p. 224-237, 2008.

COHEN, J. A power primer. Psychological Bulletin, Berkeley, v. 112, n. 1, p. 155-159, 1992.

DAVID, L. M.; BRUNO-FARIA, M. F. Qualidade de vida no trabalho: construção e validação de uma escala em organizações militares do Exército. Revista de Administração, São Paulo, v. 42, p. 431-442, 2007.

DEMO, G. Desenvolvimento e validação da Escala de Percepção de Políticas de Gestão de Pessoas (EPPGP). Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 9, n. 6, p. 77-101, 2008.

DESSLER, G. Human resource management. 9. ed. New Jersey: Prentice Hall, 2002.

DEUTSCH, M. Equity, equality and need: what determines which value will be used as the basis of distributive justice? Journal of Social Issues, Stony Brook, v. 31, n. 3, p. 137-149, 1975.

DEVANNA, M. A.; FOMBRUN, C. J.; TICHY, N. M. Strategic human resource management. New York: John Wiley and Sons, 1984.

DRENTH, P. J. D. Research and work in organizational psychology: principles and methods. In: DRENTH, P. J. D. et al. (Org.). Handbook of work and organization psychology, London: Wiley, 1984. p. 13-50.

FEATHER, N. T. Reactions to penalties for an offense in relation to authoritarianism, values, perceived responsibility, perceived seriousness and deservingness. Journal of Personality and Social Psychology, Boulder, v. 71, n. 3, p. 571-587, 1996.

FERNANDES, H. A.; FERREIRA, M. C. O impacto dos valores pessoais e organizacionais no comprometimento com a organização. Psico-USF, Itatiba, v. 14, n. 3, p. 341-354, 2009.

FRENCH, W. The personnel management process. Boston: Houghton Mifflin, 1974.

GALLON, M.; STILLMAN, H.; COATES, D. Putting core competency thinking into practice. Research-Technology Management, Arlington, p. 20-29, May/June 1995.

GREENBERG, J. Equity and workplaces status: a field experiment. Journal of Applied Psychology, East Lansing, v. 38, n. 33, p. 606-613, 1988.

GUEST, D. E. Human resource management and industrial relations. Journal of Management Studies, Leeds, v. 24, n. 5, p. 503-521, 1987.

HOFSTED, G. Culture’s consequences: international differences in work-related values. London: Sage, 1980.

KINNIE, N. Human resource management and changes in management control systems. In: STOREY, J. (Org.). New perspectives in human resource management. London: Routledge. 1995. p. 137-153.

LAWLER III, E. E. Treat people right!San Francisco: Jossey-Bass, 2003.

LEGGE, K. Human resource management: rhetorics and realities. London: Macmillan, 1995.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006.

MATHIS, R. L.; JACKSON, J. H. Human resource management. 10. ed. Ohio: South-Western, Thomson, 2003.

MENDONÇA, H. et al. Validação fatorial de uma escala de percepção de justiça organizacional. Estudos: saúde e vida, Goiânia, v. 30, n. 1, p. 111-130, 2003.

MENDONÇA, H. Retaliação organizacional: o impacto dos valores e da justiça. 2003. Tese (Doutorado em Psicologia)–Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília, Brasília, 2003.

MENDONÇA, H.; TAMAYO, A. Percepção de justiça e reações retaliatórias nas organizações: análise empírica de um modelo atitudinal. RAC, Curitiba, v. 8, n. 2, p. 117-135, 2004.

MOREIRA, V. S. L. A remuneração variável: alternativa de biopoder na modernidade líquida. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 11, n. 4, 2005. Disponível em: . Acesso em: 22 out. 2009. 2005.

PASQUALI, L. Instrumentos psicológicos: manual prático de elaboração. Brasília: Universidade de Brasília, 1999.

PAZ, M. G. T. Justiça no trabalho e poder organizacional. In: PAZ, M. G. et al. (Org.). Escola, saúde e trabalho: estudos psicológicos. Brasília: Editora UnB, 1999. p. 271-294.

PORTO, J. B. ; TAMAYO, A. Estrutura dos valores pessoais: a relação entre valores gerais e laborais. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 23, n. 1, p. 63-70, 2007.

PRAHALAD, C. K.; HAMEL, G. The core competence of the corporation. Harvard Business Review, Boston, v. 68, n. 3, p. 79-91, 1990.

REGO, A. Comprometimento afetivo dos membros organizacionais: o papel das percepções de justiça. RAC, Curitiba, v. 6, n. 2, p. 209-241, 2002.

REGO, A.; SOUTO, S. A percepção de justiça como antecedente do comprometimento organizacional: um estudo luso-brasileiro. RAC, Curitiba, v. 8, n. 1, p. 151-177, 2004.

ROKEACH, M. The nature of human values. New York: Free Press, 1973.

SCHROEDER, C. S. et al. Sistemas de treinamento corporativo virtual: definindo critérios e indicadores de avaliação. Revista Eletrônica de Administração, Porto Alegre, v. 11, n. 1, p. 1-24, 2005.

SCHWARTZ, S. Are there universal aspects in the structure and contents of human values? Journal of Social Issues, Stony Brook, n. 50, p. 19-45, 1994.

SCHWARTZ, S. Universals in the content and structure of values: theoretical advances and empirical tests in 20 countries. In: ZANNA, M. (Org.). Advances in experimental social psychology. Orlando: Academic, 1992. v. 5, p. 1-65.

SINGAR, E. J.; RAMSDEN,J. Human resources: obtaining results from people at work. London: McGraw-Hill, 1972.

SISSON, K. Personnel management: paradigms, practice and prospects. In: SISSON, K. (Org.). Personnel management.Oxford: Blackwell, 1994. p. 3-50.

SOUSA, I. F.; MENDONÇA, H. Burnoutem professores universitários: impacto de percepções de justiça e comprometimento afetivo. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 25, n. 4, p. 499-508, 2009.

SOUZA, E. M.; GARCIA, A. Amigos, amigos: negócios à parte? Revista de Administração, v. 43, n. 3, p. 238-249, 2008.

STOREY, J. Developments in the management of human resources. Oxford: Balckwell, 1992.

STOREY, J. New perspectives in human resource management. London: Routledge, 1995.

TABACHNICK, B.; FIDELL, L. S. Using multivariate statistics. 4. ed. San Francisco: Allyn e Bacon, 2001.

TAMAYO, A. Contribuições ao estudo dos valores pessoais, laborais e organizacionais. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 23, p. 17-24, 2007.

TAMAYO, A. et al. Valores e comprometimento organizacional. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 17, n. 1, p. 27-35, 2001.

TAMAYO, A. Exaustão emocional no trabalho. Revista de Administração (USP), São Paulo, v. 37, n. 2, p. 26-37, 2002.

TAMAYO, A. Impacto dos valores pessoais e organizacionais sobre o comprometimento organizacional. In: TAMAYO, A.; PORTO, J. (Org.). Valores e comportamento nas organizações. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 160-186.

TAMAYO, A. Prioridades axiológicas e satisfação no trabalho. Revista de Administração (USP), São Paulo, v. 35, n. 2, p. 37-47, 2000.

TAMAYO, A. Prioridades axiológicas, atividade física e estresse ocupacional. RAC, Curitiba, v. 5, p. 127-147, 2001.

TAMAYO, A.; SCHWARTZ, S. Estrutura motivacional dos valores humanos. Psicologia: teoria e pesquisa, Brasília, v. 9, n. 2, p. 329-348, 1993.

TONELLI, M. J. et al. Produção acadêmica em recursos humanos no Brasil: 1991-2000. Revista de Administração de Organizações, São Paulo, São Paulo, v. 43, n. 1, p. 105-122, 2003.

ULRICH, D. et al. Employee and customer attachment: synergies for competitive advantage. Human Resource Planning, v. 14, n. 2, p. 89-102, 1991.

ULRICH, D. Os campeões de recursos humanos: inovando para obter os melhores resultados. 5. ed. São Paulo: Futura, 2001.

ULRICH, D.; BARNEY, J. B. Perspectives in organizations: resource dependence, efficiency and population. Academy of Management Review, New York, v. 9, n. 3, p. 471-481, 1984.

VERGARA, S. C. Métodos de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2006.

VERGARA, S. C.; BRANCO, P. D. Organização humanizada: a organização necessária e possível. Revista de Administração de Organizações, São Paulo, v. 41, n. 2, p. 20-30, 2001.

WALTON, R. E. Toward a strategy of eliciting employee commitment based on policies of mutuality. In: WALTON, R. E.; LAWRENCE, P. R. (Org.). Human resource management, trends and challenges. Boston: Harvard Business School Press, 1985. p. 35-65.