Fatores Motivadores da Realização de Disciplinas em EAD: Um Estudo sob a Ótica da Teoria de Autodeterminação Outros Idiomas

ID:
42337
Resumo:
O presente trabalho teve como objetivo identificar os fatores motivacionais que influenciam os estudantes do curso de graduação presencial na busca por matérias ministradas na modalidade a distância. Foi aplicado um questionário em uma amostra formada por 217 discentes de uma IES pública. O instrumento de coleta de dados contou com 5 perguntas descritivas, 3 dissertativas e 11 dicotômicas. Foram estimadas regressões logísticas e realizadas análise de conteúdo buscando identificar por que alguns estudantes apresentam motivação para a realização de disciplinas na modalidade a distância enquanto outros discentes não. Como principais resultados, comprovou-se que fatores intrínsecos e extrínsecos aos estudantes influenciam na motivação por realização de matérias lecionadas em EaD. Constatou-se, ainda, que há um forte preconceito relacionado à educação a distância, gerado, principalmente, pela desconfiança quanto à qualidade do ensino desta modalidade.
Citação ABNT:
DURSO, S. O.; NASCIMENTO, E. M.; CUNHA, J. V. A. Fatores Motivadores da Realização de Disciplinas em EAD: Um Estudo sob a Ótica da Teoria de Autodeterminação. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, v. 8, n. 2, p. 89-121, 2016.
Citação APA:
Durso, S. O., Nascimento, E. M., & Cunha, J. V. A. (2016). Fatores Motivadores da Realização de Disciplinas em EAD: Um Estudo sob a Ótica da Teoria de Autodeterminação. Future Studies Research Journal: Trends and Strategies, 8(2), 89-121.
DOI:
10.7444/future.v8i2.225
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42337/fatores-motivadores-da-realizacao-de-disciplinas-em-ead--um-estudo-sob-a-otica-da-teoria-de-autodeterminacao/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Abu-Al-Aish, A.; Love, S. (2013).Factors influencing students’ acceptance of m-learning: an investigation in higher education. The International Review of Research in Open and Distance Learning, v. 14, n. 5, p. 82107.

Almeida, M. E. B. (2003). Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, v. 29, n. 2, p. 327-340.

Araújo, A. F. V.; Ramos, F. S. (2009). Estimação da perda de bem-estar causada pela criminalidade: o caso da cidade de João Pessoa – PB. EconomiA, v. 10, n. 3, p. 577-607.

Behar, P. A.; Silva, K. K. A. (2012). Mapeamento de competências: um foco no aluno da educação à distância. Anais... XX Ciclo de Palestras Sobre Novas Tecnologias na Educação. Porto Alegre.

Bowlby, J. (1990). Trilogia apego e perda. São Paulo: Martins Fontes.

Cançado, P. L.; Araújo Júnior, A. F. (2004). Economics and Pilitics: o que determina as chances de reeleição em municípios? Texto para discussão. Disponível em: . Acesso em: 09 de janeiro de 2015.

Carmo, C. R. S. (2014). Motivação para aprendizagem no curso de Ciências Contábeis: um estudo comparativo entre alunos na modalidade presencial e a distância, referente a disciplina de controladoria. Revista de Administração, Contabilidade e Sustentabilidade, v. 4, n. 2, p. 76-95.

Cornacchione Jr, E. B.; Nova, S P de C. C.; Trombetta, M. R. (2007). Educação online em contabilidade: propensão e aspectos curriculares. Revista Contabilidade e Finanças, v. 18, n. 45, p. 9-21.

DeCharms, R. (1984). Motivation enhancement in educational settings. In: Ames, C. e Ames, R. (Orgs.). Research on motivation in education, student motivation. New York: Academic Press, p. 275-310.

Deci, E. L.; Ryan, R. M. (1985). Intrinsic motivation and self-determination in human behavior. New York: Plenum.

Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2000). The “What” and “Why” of Goal Pursuits: human needs and the self-determination of behavior. Psychological Inquiry, v. 11, n. 4, p. 227-268.

Emanuelli, G. B. (2011). Atração e refração na educação a distância: constatações sobre o isolacionismo e a evasão do aluno. Gestão Universitária na América Latina, v. 4, n. 2, p. 205-218.

Fávero, L. P.; Belfiore, P.; Silva, F. L.; Chan, B. L. (2009). Análise de dados: modelagem multivariada para tomada de decisões. Rio de Janeiro: Elsevier.

Ferreira, Z. N.; Mendonça, G. A. A.; Mendonça, A. F. (2007). O perfil do aluno de educação a distância no ambiente TELEDUC. Anais...; 13º Congresso Internacional de Educação a Distância. Curitiba.

Fragalli, A.; Silva, P. Y. C. da; Almeida, L. B. de; Frega, J. R. (2013). Educação a Distância: um estudo da intenção dos discentes sob a perspectiva do Modelo de Aceitação Tecnológica (TAM). EnEPQ. Anais... IV Encontro de Ensino e Pesquisa em Administração e Contabilidade. Brasília.

Guimarães, S. É. R.; Boruchovitch, E. (2004). O Estilo Motivacional do Professor e a Motivação Intrínseca dos Estudantes: Uma Perspectiva da Teoria da Autodeterminação. Universidade Estadual de Campinas. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 17, n. 2, p. 143-150.

Gujarati, D. N.(2006). Econometria básica. 4a ed. Rio de Janeiro: Elsevier.

INEP. Censo da Educação Superior. (2014). Disponível em: . Acesso: 16 de setembro de 2014.

Joly, M. C. R. A.; Prates, E. A. R. (2011). Avaliação da escala de motivação acadêmica em estudantes paulistas: propriedades psicométricas. PsicoUSF, v. 16, n. 2, p. 175-184.

Lakatos, E. M.; Marconi, M de A. (2007). Metodologia Científica. São Paul: Atlas.

Leal, E. A.; Miranda, G. J.; Carmo, C. R. S. (2013). Teoria da autodeterminação: uma análise da motivação dos estudantes do curso de ciências contábeis. Revista de Contabilidade e Finanças, v. 24, n. 62, p. 162-173.

Margaryan, A.; Littlejohn, A.; Vojt, Gabrielle. (2011). Are digital natives a myth or reality?University students' use of digital technologies. Computer & Education, v. 56, pp. 429-440.

MEC.Ministério da Educação. (2015). Educação Superior a Distância. Disponível em: . Acesso em: 27 de janeiro de 2015.

Nascimento, J. S.; Cardoso, B. F.; Brito, M. A.; Coronel, D. A. (2011). Estudos dos determinantes do crime de homicídio no município de Aracajú – SE. E&G – Revista de Economia e Gestão, v. 11, n. 25, p. 62-88.

Neves, E. R. C.; Boruchovitch, E. (2004). A Motivação de Alunos no Contexto da Progressão Continuada. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 20, n. 1, p. 077-08.

Reeve, J.; Deci, E. L.; Ryan, R. M. (2004). Self-determination theory: a dialectical framework for understanding sociocultural influences on student motivation: In: McInerney, D. M.; Van Etten, S. (Ed.). Big theories revisited. Greenwich: Information Age Publishing, p. 31-60.

Ribas, F. C.; Perine, C. M. (2014). O que motiva graduandos a iniciar um curso de inglês a distância? Signum: Estudos da Linguagem, v. 17, n. 1, p. 245-271.

Takamatsu, R. T.; Machado, E. A.; Lima, G. A. S. F. (2011). Convergência aos padrões contábeis internacionais: evidências econômicas observadas no mercado de capitais brasileiro. Anais... 11º Congresso USP de Controladoria e Contabilidade. São Paulo.

Tarouco, L. M. R.; Moro, E. L. S.; Estabel, L. B. (2003). O professor e os alunos como protagonistas na educação na educação aberta e a distância mediada por computador. Educar em Revista, n. 21, p. 1-16.

Vallerand, R. J.; Pelletier, L. G.; Blais, M. R.; Brière, N. M.; Senécal, C.; Vallières, E. F. (1992). The Academic Motivation Scale: a measure of intrinsic, extrinsic, and amotivation in education. Educational and Psychological Measurement, v. 52, p. 1003-1017.

White, W. R. (1975). Motivation reconsidered: the concept of competence. In: Mussem, P. H.; Conger, J. J. e Kagan, J. (Orgs.). Basic and contemporary issues in developmental psychology. New York: Harper & Row, p. 230-266.

Williams, M.; Burden, R. L. (1997). Psychology for Language Teachers: a social constructivist approach. Cambridge: Cambridge University Press.