Sobrevivência de empresas de base tecnológica pós‐incubadas: estudo sobre a ação empreendedora na mobilização e uso de recursos Outros Idiomas

ID:
42389
Periódico:
Resumo:
Esta pesquisa estudou o fenômeno da sobrevivência de empresas de base tecnológica (EBTs) pós‐incubadas, a partir das ações do empreendedor. Foi testada e rejeitada a hipótese, segundo a qual as ações do empreendedor, para mobilização e uso de recursos, não influenciam na sobrevivência das EBTs pós‐incubadas. A diretriz teórica que orientou este estudo foi a da teoria da visão baseada em recursos. Usou‐se o enfoque de pesquisa quantitativo, a partir do método survey. O survey foi aplicado com base em uma relação de 1.025 EBTs brasileiras pós‐incubadas ao longo dos 30 anos de incubação de empresas no Brasil, o que resultou em uma amostra válida não probabilística de 92 empresas. A técnica usada para tratamento e análise dos dados foi a de modelagem em equações estruturais, com estimação por mínimos quadrados parciais (PLS‐PM). Os achados da pesquisa demonstraram que há uma relação entre recursos e sobrevivência de empresas, confirmaram conhecimentos anteriores da teoria da visão baseada em recursos. Achados adicionais revelaram que as ações dos empreendedores feitas para mobilizar e usar de forma apropriada tais recursos foram determinantes da sobrevivência das EBTs estudadas. Outra contribuição é o fato de que a sobrevivência foi explicada a partir de um conjunto de ações empreendidas, e não necessariamente a partir de ações isoladas de mobilização e uso de recursos.
Citação ABNT:
TUMELERO, C.; SANTOS, S. A. D.; KUNIYOSHI, M. S. Sobrevivência de empresas de base tecnológica pós‐incubadas: estudo sobre a ação empreendedora na mobilização e uso de recursos . Revista de Gestão, v. 23, n. 1, p. 31-40, 2016.
Citação APA:
Tumelero, C., Santos, S. A. D., & Kuniyoshi, M. S. (2016). Sobrevivência de empresas de base tecnológica pós‐incubadas: estudo sobre a ação empreendedora na mobilização e uso de recursos . Revista de Gestão, 23(1), 31-40.
DOI:
dx.doi.org/10.1016/j.rege.2014.11.001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42389/sobrevivencia-de-empresas-de-base-tecnologica-pos---incubadas--estudo-sobre-a-acao-empreendedora-na-mobilizacao-e-uso-de-recursos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Anprotec (2012). O que são as incubadoras de empresas e parques tecnológicos. [acessado em 15 de janeiro de 2012]. Disponível em http://www.anprotec.org.br/publicacaoconheca.php?idpublicacao=79.

Aspelund, A.; Berg-Utby, T.; Skjevdal, R. (2005). Initial resources’ influence on new venture survival: a longitudinal study of new technology-based firms. Technovation, 11(25), 1337-1347.

Barney, J. (1991). Firm resources and sustained competitive advantage. Journal of Management, 17(1), 99-120.

Barney, J. B.; Clark, D. N. (2007). Resource-based theory: creating and sustaining competitive advantage. Nova York: Oxford University Press.

Bido, D. S.; Souza, C. A.; Silva, D.; Godoy, A. S.; Torres, R. R. (2009). Avaliação da qualidade do relato dos procedimentos metodológicos em artigos que utilizaram a Modelagem em Equações Estruturais: um levantamento em periódicos nacionais na área de Administração de Empresas. In XXXIII Encontro da Anpad. Rio de Janeiro: Anpad.

Butchart, R. (1987). A new UK definition of high technology industries. Eco-nomic Trends, 40, 82-88.

Chin, W. W. (1998). Issues and opinions on SEM. Management Information Systems Quarterly, 22(1).

Chuang, S. H. (2004). A resource-based perspective on knowledge management capability and competitive advantage: an empirical investigation. Expert Systems with Applications, 27(3), 459-465.

Cooper, A.; Gimeno-Gascón, F. J.; Woo, C. Y. (1997). Initial human and financial capital as predictors of new venture performance. The Journal of Private Equity, 1(2), 13-30.

Davenport, T.; Prusak, L. (1998). Conhecimento empresarial: como as organizações gerenciam o seu capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Drazin, R.; Rao, H. (2002). Harnessing managerial knowledge to implement product-line extensions: how do mutual fund families allocate portfolio managers to old and new funds? Academy of Management Journal, 45(3), 609-619.

Drucker, P. F. (1993). Post-capitalist society. Nova York: Harper Business.

Fornel, C.; Larcker, D. (1981). Evaluating structural equation models with unobservable variables and measurement error. Journal of Marketing, 18(1), 39-50.

Gimmon, E.; Levie, J. (2010). Founder’s human capital, external investment, and the survival of new-technology based ventures. Reserarch Policy, 39(9), 1214-1226.

Hair, J. R. F.; Black, W. C.; Babin, B. J.; Anderson, R. E.; Tatham, R. L. (2009). Análise multivariada de dados. (6a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Henderson, R. M.; Clark, K. B. (1990). Architectural innovation: the reconfiguration of existing product technologies and the failure of established firms. Administrative Science Quarterly, 35(1), 9-22.

Henseler, J.; Ringle, C. M.; Sinkovics, R. R. (2009). The use of partial least squares path modelling in international marketing. Advances in International Marketing, 20, 277-319.

Hsu, D. H. (2007). Experienced entrepreneurial founders, organizational capital, and venture capital funding. Research Policy, 36(5), 722-741.

IBGE (2006). Classificação Nacional de Atividades Econômicas (CNAE) - Versão 2.0. [acessado em 1 de agosto de 2011]. Disponível em www.ibge.gov.br/home/estatistica/economia/classificacões/cnae2.0/estrutura detalhada.pdf

IBGE (2010). Pesquisa de inovação tecnológica: 2008. Rio de Janeiro [acessado em 2 de agosto de 2011]. Disponível em www.pintec.ibge.gov.br/downloads/PUBLICACAO/Publicacao%20PINTEC%202008.pdf

Jovanovic, B. (1982). Selection and evolution of industries. Econometrica, 50(3), 649-670.

Kogut, B.; Zander, U. (1992). Knowledge of the firm, combinative capabilities, and the replication of technology. Organization Science, 3(3), 383-397.

Kuniyoshi, M. S. e Santos, S. A. (2005). Práticas inovadoras de gestão do conhecimento: estudo de casos em empresas de tecnologia intensiva. Em: 4th International Meeting of the Iberoamerican Academy of Management. Lisboa.

McGrath, R. G.; Tsai, M. H.; Venkataraman, S.; MacMillan, I. C. (1996). Innovation, competitive advantage and rent: a model and test. Management Science, 42(3), 389-403.

McGraw-Hill. Shane, S.; Venkataraman, S. (2000). The promise of entrepreneurship as a field of research. Academy of Management Review, 25(1), 217-226.

McMullen, J. S.; Shepherd, D. A. (2006). Entrepreneurial action and the role of uncertainty in t he theory of entrepreneur. Academy of Management Review, 31(1), 132-152.

Medeiros, J. A.; Martins, T.; Perilo, S. (1992). Pólos, parques e incubadoras: a busca da modernização e competitividade. Brasília: CNPq, Ibict, Senai.

Nelson, R. R.; Winter, S. (1982). An evolutionary theory of economic change. Cambridge: Harvard University Press.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1997). Criação de conhecimento na empresa: como as empresas japonesas geram a dinâmica da inovação. (14a. ed.). Rio de Janeiro: Elsevier.

Oliveira, M. M.; Jr. (1999). Administração do conhecimento em redes colabo-rativas globais: um estudo de caso na indústria de propaganda. São Paulo: Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo. Tese (doutorado).

Pandit, B. L.; Siddharthan, N. S. (1998). Technological acquisition and invest-ment: lessons from recent Indian experience. Journal of Business Venturing, 13(1), 43-55.

Pavani, C. (2003). O capital de risco no Brasil. Rio de Janeiro: E-Papers.

Pavitt, K. (1982). R&D, patenting, and innovative activities: a statistical exploration. Research Policy, 11(1), 33-51.

Penrose, E. T. (1959). The theory of the growth of the firm. New York: John Wiley.

Pereira, L.; Plonski, G. A. (2010). Bridging the technology gap in Brazil: the case of photonics. International Journal of Management, 27(2), 243-253.

Polanyi, M. (1967). The tacit dimension. Londres: Routledge & K. Paul.

Ringle, C. M.; Wende, S.; Will, Alexander. (2005). SmartPLS - Version 2.0. Hamburgo: Universidade de Hamburgo. Disponível em www.smartpls.de. [acessado em 4 de agosto de 2011]

Sampieri, R. H.; Collado, C. F.; Lucio, P. B. (2006). Metodologia de pesquisa. (3a. ed.). São Paulo: McGraw-Hill.

Santos, S. A. (Org.). (1987). Criação de empresas de alta tecnologia: capital de risco e os bancos de investimento. São Paulo: Pioneira.

Santos, S. A. (Org.). (2004). Criação de empresas de base tecnológica: conceitos, instrumentos e recursos. Maringá: Unicorpore.

Santos, S. A. (Org.). (2005). Empreendedorismo de base tecnológica: evolução e trajetória. Maringá: Unicorpore.

Schultz, T. W. (1961). Investment in human capital. The American Economic Review, 51(1), 1-17.

Schumpeter, J. A. (1939). Business cycles: a theoretical, historical, and statiscal analysis of the capitalism process. Nova York e Londres:

Spender, J. C. (1996). Making knowledge the basis of a dynamic theory of the firm. Strategic Management Journal, 17(Edição especial), 45-62.

Tidd, J.; Bessant, J.; Pavitt, K. (2008). Gestão da inovação. (3a. ed.). Porto Alegre: Bookman.

Tumelero, C.; Santos, S. A.; Marins, C.; Carnaúba, A. C. (2011). Estudo do conhecimento em empresas de base tecnológica incubadas: proposição de um modelo conceitual integrativo. Revista Gestão & Tecnologia, Pedro Leopoldo, 11(1), 1-15.

Tumelero, C.; Santos, S. A.; Plonski, G. A. (2012). Inovação tecnológica em empresas intensivas na utilização de conhecimento técnico e cientí-fico: um estudo a partir da visão baseada em recursos (RBV). Revista de Administração e Inovação, 9(4), 202-220.

Wernerfelt, B. (1984). Resource based view of the firm. Strategic Management Journal, 5(2), 171-180.

Wernerfelt, B. (1989). From critical resources to corporate strategy. Journal of General Management, 14(3), 4-12.

Zwicker, R.; Souza, C. A.; Bido, B. (2008). Uma revisão do modelo do grau de informatização de empresas: novas propostas de estimação e modelagem usando PLS (partial least squares). In XXXII Encontro da Anpad. Rio de Janeiro: Anpad.