Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações y, x e baby boomers Outros Idiomas

ID:
42395
Periódico:
Resumo:
Atualmente as organizações enfrentam o desafio de lidar com grupos heterogêneos, que se formam em decorrência das diversas características das pessoas atuantes no mercado de trabalho. Uma dessas diversidades costuma ser a idade, que gera comportamentos peculiares a cada faixa etária. Este artigo tem por objetivo efetuar uma análise descritiva sobre a percepção das gerações Y, X e baby boomers sobre as competências das carreiras inteligentes – knowing‐how, knowing‐why e knowing‐whom. Tal análise foi feita a partir de uma pesquisa de clima organizacional feita em 2007, com 491 empresas atuantes no Brasil, que envolveu 143.445 respondentes. Os resultados mostraram as diferenças de percepção entre os grupos estudados de forma coerente com as descrições encontradas na literatura sobre o comportamento profissional das pessoas nascidas em diferentes épocas, que lidaram com realidades distintas do mundo do trabalho. Observou‐se que as pessoas mais maduras (baby boomers, nascidos entre 1946 e 1964) percebem mais positivamente os três grupos de competências, principalmente o grupo knowing‐why, relacionado ao significado do trabalho. Apresentam‐se também algumas especificidades entre as gerações Y e X, como, por exemplo, os mais jovens (geração Y, nascidos de 1978 em diante) acreditam mais fortemente que na empresa onde trabalham terão oportunidade de fazer carreira e crescer.
Citação ABNT:
VELOSO, E. F. R.; DUTRA, J. S.; NAKATA, L. E. Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações y, x e baby boomers. Revista de Gestão, v. 23, n. 2, p. 88-98, 2016.
Citação APA:
Veloso, E. F. R., Dutra, J. S., & Nakata, L. E. (2016). Percepção sobre carreiras inteligentes: diferenças entre as gerações y, x e baby boomers. Revista de Gestão, 23(2), 88-98.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1016/j.rege.2015.05.001
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42395/percepcao-sobre-carreiras-inteligentes--diferencas-entre-as-geracoes-y--x-e-baby-boomers/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Argyris, C. (1960). Understanding organizational behavior. Homewood, IL: The Dorsey Press-Inc.

Arthur, M. B.; Claman, P. H.; Defillippi, R. (1995). Intelligent enterprise, intelligent careers. Academy of Management Executive, 9(4).

Arthur, M. B.; Hall, D. T.; Lawrence, B.S. Generating new directions in career theory: the case for a transdisciplinary approach. In: Arthur, M.B.; Hall, D.T. e Lawrence, B.S. (Orgs.) Handbook of career theory. Cambridge University Press, 1989.

Arthur, M. B.; Inkson, K.; Pringle, J. K. (1999). The new careers: individual action and economic change. London: Sage Publications.

Arthur, M. B.; Rousseau, D. Introduction: the boundary less career as a new employment principle. In: Arthur, M. B.; Rousseau, D. (Orgs.) The boundary less career: a new employment principle for a new organizational era. New York, Oxford: University Press, 1996.

Bussab, W. O.; Morettin, P. A. (2007). Estatística básica. São Paulo: Saraiva.

Coda, R. (1998). Pesquisa de clima organizacional: uma contribuição metodológica. São Paulo: Universidade de São Paulo. Tese de livre-docência, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade.

Coimbra, R. G. C.; Schikmann, R. (2001). A geração net. Campinas: Anais Anpad.

Dedobbeleer, N.; Beland, F. Organizational Climate and Safety. Internacional Labour Organization. Disponível em . Acesso em 21 de abril de 2006.

Dutra, J. S. (1996). Administração de carreiras: uma proposta para repensar a gestão de pessoas. São Paulo: Atlas.

Fischer, A. L. (1996). As decisões sobre o método dos diagnósticos organizacionais internos. Cladea.

Fleury, M.T. L.; Sampaio, J. Uma discussão sobre cultura organizacional. In: Fleury, M.T. L. (Org.) As Pessoas na Organização. São Paulo: Gente, 2002.

Franke, R. H.; Kaul, J. D. (1978). The Hawthorne experiments: first statistical interpretation. American Sociological Review, 43, 624-643.

Guion, R. (1973). A note on organizational climate. Organizational Behavior and Human Performance, 9, 120-125.

Guns, H.; Evans, M.; Jalland, M. Career boundaries in a ‘boundaryless’ world. In: Peirpel, M. A. et al. (Orgs.) Career frontiers: new conceptions of working lives. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Hughes, E. C.; Coser, L. A. (Orgs.) On work, race, and the sociological imagination. Chicago, IL: University of Chicago Press, 1994.

Kerlinger, F. N. (1964). Foundations of behavioral research: educational and psychological inquiry. New York, NY: John Wiley.

Khapova, S. N.; Arthur, M. B.; Wilderom, C. P. M. The subjective career in the knowledge economy. In: Gunz, H.; Peiperl, M. (Orgs.) Handbook of career studies. Thousand Oaks, Sage, 2007.

Kolb, D.; Rubin, I.; Mcintyre, J. (1978). Psicologia organizacional. São Paulo: Atlas.

Lewin, K. (1951). Teoria de campo em ciência social. São Paulo: Livraria Pioneira.

Lewin, K.; Lippitt, R.; White, R. K. (1939). Patterns of aggressive behavior in experimentally created social climates. Journal of Social Psychology, 10, 271-299.

London, M.; Stumph, S. (1982). Managing careers. Boston, MA: Addison- -Wesley.

Maldonado, M.T. A geração Y no trabalho: um desafio para os gestores. Disponível em . Acesso em 21 de janeiro de 2008.

Maniero, L. A.; Sulivan, S. E. (2006). The opt-out revolt: why people are leaving companies to create kaleidoscope careers. Mountain View: Davies- -Black Publishing.

Oliveira, W. M. (1996). Perfil analítico-descritivo da pesquisa sobre clima organizacional em instituições de ensino superior: 1970-1995. São Paulo: Universidade de São Paulo. Tese de doutorado, Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade.

Peiperl, M.A.; Arthur, M.B. Topics for conversation: career themes old and news. In: Peirpel, M.A. et al. (Orgs.) Career frontiers: new conceptions of working lives. Oxford: Oxford University Press, 2000.

Richardson, R. J.; et al. (1999). Pesquisa social: métodos e técnicas. São Paulo: Atlas.

Saxenian, A. Beyond boundaries: open labor markets and learning in Silicon Valley. In: Arthur, M. B.; Rousseau, D. (Orgs.) The boundaryless career: a new employment principle for a new organizational era. New York, Oxford, University Press, 1996.

Schein, E. H. (1978). Career dynamics: matching individual and organizational needs. Boston, MA: Addison-Wesley.

Schneider, B. (1975). Organizational climates: an essay. Personnel Psychology, 28, 447-479.

Schneider, B.; Snyder, R. A. (1975). Some relationships between job satisfaction and organizational climate. Journal of Applied Psychology, 60, 318-328.

Schneider, B.; White, S. (2004). Service quality: research perspectives. Thou-sand Oaks, C.A: Sage Publications.

Selltiz, C. C.; Wrightsman, L.; Cook, S. (1987). Métodos de pesquisa nas relações sociais. (2a ed). São Paulo: E.P.U.

Woodman, R. W.; King, D. C. (1978). Organizational climate: science as folklore. Academy of Management Review, 3, 816-826.

Ashkanasy, N. M.; Wilderom, C. P. M.; Peterson, M. F. (2000). Handbook of organizational culture and climate. Thousand Oaks, California: Sage Publications.

Hall, D. T. (2002). Careers in and out of organizations. London: Sage Publications.

Schein, E. H. Foreword: career research: some personal perspectives. In: Gunz, H. e Peiperl, M. (Orgs.) Handbook of career studies. Thousand Oaks: Sage, 2007.