Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica Outros Idiomas

ID:
4259
Resumo:
O objetivo deste estudo foi compreender os significados atribuídos à sustentabilidade nas organizações e como eles se relacionam com os paradigmas ambientais compartilhados. Abordaram-se o antropocentrismo, em suas vertentes individualista e coletivista, o ecocentrismo, também individualista e coletivista, e a sustentabilidade-centrismo. Foi feita uma análise qualitativa descritiva, fundamentada na análise de conteúdo dos relatórios de sustentabilidade e de alguns discursos disponíveis nos endereços eletrônicos de três organizações do setor de geração e distribuição de energia. Os significados atribuídos à sustentabilidade estão associados, em sua maior parte, ao paradigma antropocêntrico individualista, não tendo sido observado um rompimento com a busca por atender unicamente aos interesses dos proprietários das organizações. Nessa visão, relacionou-se sustentabilidade a conceitos como os de crescimento, rentabilidade, liderança ou boas práticas de governança nas organizações. Também na vertente individualista, mas se aproximando do ecocentrismo, associou-se a sustentabilidade ao cumprimento da legislação ambiental e à ecoeficiência. Observaram-se posicionamentos ligados ao antropocentrismo, mas com alguma proximidade com sua vertente coletivista, quando a sustentabilidade é vista como diferentes formas de
investimentos e programas sociais e responsabilidade social. De maneira similar, a associação com a responsabilidade socioambiental também buscou uma visão mais coletivista, mas intentando não restringir suas preocupações apenas à humanidade, mas também às outras formas de vida. Ainda que tais significados busquem, de alguma maneira, expressar preocupações coletivistas, ainda não seria equivalente a dizer que a organização é sustentável. Nenhum dos significados atribuídos à sustentabilidade remete a seu sentido original, associado à superação da dicotomia entre humanidade e natureza e à manutenção da biota como um todo em longo prazo. Os discursos organizacionais, mesmo quando se referiam à sustentabilidade, tinham como tema central o relato dos resultados financeiros das organizações, fortalecendo o paradigma antropocêntrico individualista. As ações sociais e ambientais apresentadas nesses relatórios contribuem para a busca de soluções quanto a alguns problemas socioambientais, mas ainda são bastante pontuais e isoladas, não indicando mudanças na visão de mundo dominante.
Citação ABNT:
SILVA, S. S.; REIS, R. P.; AMÂNCIO, R. Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 3, art. 180, p. 146-176, 2011.
Citação APA:
Silva, S. S., Reis, R. P., & Amâncio, R. (2011). Paradigmas ambientais nos relatos de sustentabilidade de organizações do setor de energia elétrica. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), 146-176.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4259/paradigmas-ambientais-nos-relatos-de-sustentabilidade-de-organizacoes-do-setor-de-energia-eletrica/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Albrecht, D. et al. The new environmental paradigm scale. The Journal of Environmental Education, Philadelphia, v. 13, p. 39-42, Sept. 1982.

ALENCAR, E. Métodos de pesquisa nas organizações. Lavras: Ufla/Faepe, 2000. 109 p.

ALMEIDA, A. Como se posicionam os professores perante a existência e utilização de jardins zoológicos e parques afins? Resultados de uma investigação. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 34, n. 2, p. 327-342, maio/ago. 2008.

ASHLEY, P. A. (Coord.). Ética e responsabilidade social nos negócios. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2005. 340 p.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Inovações nas organizações empresariais. In: BARBIERI, J. C. (Org.). Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. 2. ed. Rio de Janeiro: FGV, 2004. p. 41-63.

BARBIERI, J. C. Gestão ambiental empresarial: conceitos, modelos e instrumentos. 2. ed. São Paulo: Saraiva, 2007. 382 p.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 4. ed. Coimbra: Edições 70, 2004. 281 p.

BATISTA, P. I. S. Saúde, cultura e paz e não-violência na construção de uma sociedade sustentável. Divulgação em Saúde para Debate, Londrina, v. 1, n. 35, p. 48-54, jun. 2006.

BOFF, L. O pecado maior do capitalismo: o risco do ecocídio e do biocídio. 2010. Disponível em: . Acesso em: 26 nov. 2010.

BURRELL, G.; MORGAN, G. Sociological paradigms and organizational analysis: elements of the sociology of corporate life. London: Heinemann, 1979. 432 p.

CABETTE, E. L. S. É sustentável a tese do desenvolvimento sustentável? Âmbito Jurídico, Rio Grande, n. 45, 30 set. 2007. Disponível em: . Acesso em: 10 mar. 2010.

CAMPBELL, E. K. Beyond anthropocentrism. Journal of the History of the Behavioral Sciences, Malden, v. 19, n. 1, p. 54-67, Jan. 1983.

CAVALCANTI, C. Sustentabilidade da economia: paradigmas alternativos de realização econômica. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 2. ed. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1998. p. 153-174.

COELHO, J. A. P. M.; GOUVEIA, V. V.; MILFONT, T. L. Valores humanos como explicadores de atitudes ambientais e intenção de comportamento pró-ambiental. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 11, n. 1, p. 199-207, jan./abr., 2006.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO (CMMAD). Nosso futuro comum. Rio de Janeiro: FGV, 1991. 430 p.

COTGROVE, S. Catastrophe or cornucopia: the environment, politics, and the future. New York: Wiley, 1982. 154 p.

DALY, H. E. Seady-state economics: concepts, questions, policies. Gaia – Ecological Perspectives for Science and Society, Munich, v. 1, n. 6, p. 333-338, Nov. 1992.

DIAS, R. Gestão ambiental: responsabilidade social e sustentabilidade. São Paulo: Atlas, 2009. 196 p.

ELETROBRAS FURNAS. Relatório socioambiental 2008: o fio que nos une. Rio de Janeiro: Eletrobras Furnas, 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2010.

ELETROBRAS. Relatório de sustentabilidade 2008. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2010.

ELETROBRAS. Sustentabilidade. Disponível em: . Acesso em: 13 set. 2010.

GLADWIN, T. N.; KENNELLY, J. J.; KRAUSE, T. S. Shifting paradigms for sustainable development: implications for management theory and research. Academy of Management Review, New York, v. 20, n. 4, p. 874-907, Oct. 1995.

Gökt ürk , E. What is “paradigm”? 2009. Disponível em: . Acesso em: 30 jul. 2009.

HABERMAS, J. Theory and practice. Boston: Beacon Press, 1988. 320 p.

HART, S. L.; MILSTEIN, M. B. Criando valor sustentável. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 3, n. 2, p. 65-79, maio/jul. 2004.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GOVERNANÇA CORPORATIVA (IBGC). Origem da boa governança. 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2010.

INSTITUTO ETHOS. O que é RSE. 2010. Disponível em: . Acesso em: 25 nov. 2010.

ITAIPU BINACIONAL. Relatório de sustentabilidade 2008. 2008. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2010.

JAPPUR, R. F. et al. A visão de especialistas sobre a sustentabilidade corporativa frente às diversas formações de cadeias produtivas. Revista Produção On Line, Florianópolis, v. 8, n. 3, 2008. Disponível em: . Acesso em: 27 mar. 2010.

KAPLAN, R. D. The coming anarchy. Atlantic Magazine, Washington, Feb. 1994. Disponível em: . Acesso em: 8 nov. 2009.

KEINERT, T. M. M. Introdução: sustentabilidade: entre utopias e inovações. In: KEINERT, T. M. M. (Org.). Organizações sustentáveis: utopias e inovações. São Paulo: Annablume, 2007. p. 13-18.

KILBOURNE, W. E. Sustainable communication and the dominant social paradigm: can they be integrated? Marketing Theory, London, v. 4, n. 3, p. 187-208, Sept. 2004.

KRAEMER, M. E. P. Responsabilidade social: uma alavanca para a sustentabilidade. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 abr. 2010.

LEIS, H. R.; D’AMATO, J. L. O ambientalismo como movimento vital: análise de suas dimensões histórica, ética e vivencial. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 2. ed. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1998. p. 77-103.

MALHOTRA, N. K. Pesquisa de marketing: uma orientação aplicada. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2006. 760 p.

MAZON, R. Negócios sustentáveis e seus indicadores. In: KEINERT, T. M. M. (Org.). Organizações sustentáveis: utopias e inovações. São Paulo: Annablume, 2007. p. 43-64.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Porto Alegre: Sulina, 2006. 120 p.

OLIVEIRA, I. S. S. et al. Indicadores de sustentabilidade: diretrizes para a gestão do turismo na APA Litoral Sul de Sergipe. Caderno Virtual de Turismo, Rio de Janeiro, v. 8, n. 2, p. 45-54, 2008.

OLIVEIRA, S. B.; GROSSI, P. K. Desenvolvimento sustentável, enfrentamento da violência e cultura de paz. Revista Textos & Contextos, Porto Alegre, v. 6, n. 1, p. 126-137, jan./jun. 2007.

PIRAGES, D. C.; EHRLICH, P. R. Ark II: social response to environmental imperatives. San Francisco: Freeman, 1974.

POLICARPO, M. A.; SANTOS, C. R. Proposta metodológica de uma gestão integrada e participativa dos recursos naturais de uso comum: a contribuição da análise trade-off. Revista de Estudos Ambientais, Blumenau, v. 10, n. 2, p. 71-87, jul./dez. 2008.

PONCHIROLLI, O. Ética e responsabilidade social empresarial. Curitiba: Juruá, 2007. 152 p.

PORTILHO, F. Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez, 2005.

REDCLIFT, M. Sustainable development (1987-2005): an oxymoron comes of age. Sustainable Development, Brussels, v. 13, n. 4, p. 212-227, Oct. 2005.

REES, W. E. Economic development and environmental protection: an ecological economics perspective. Environmental Monitoring and Assessment, Dordrecht, v. 86, n. 1/2, p. 29-45, July 2003.

ROHDE, G. M. Mudanças de paradigma e desenvolvimento sustentado. In: CAVALCANTI, C. (Org.). Desenvolvimento e natureza: estudos para uma sociedade sustentável. 2. ed. São Paulo: Cortez; Recife: Fundação Joaquim Nabuco, 1998. p. 41-53.

Ros-Tonen, M. Novas perspectivas para a gestão sustentável da floresta amazônica: explorando novos caminhos. Ambiente & Sociedade, Campinas, v. 10, n. 1, p. 11-25, jan./jun. 2007.

SACHS, I. Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice, 1986. 208 p.

SAVITZ, A.; WEBER, K. Empresa sustentável: o verdadeiro sucesso é o lucro com responsabilidade social e ambiental. Rio de Janeiro: Campus, 2007. 320 p.

Schmidheiny, S. Changing course: a global business perspective on development and the environment. Cambridge: MIT Press, 1992. 374 p.

SILVA, L. S. A.; QUELHAS, O. L. G. Sustentabilidade empresarial e o impacto no custo de capital próprio das empresas de capital aberto. Gestão & Produção, São Carlos, v. 13, n. 3, p. 385-395, set./ dez. 2006.

TENÓRIO, F. G. (Org.). Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. Rio de Janeiro: FGV, 2006. 208 p.