Responsabilidade Social em Empreendimentos Hidrelétricos: um Estudo de Caso Sobre a UHE Funil Outros Idiomas

ID:
42609
Resumo:
As usinas hidrelétricas são, atualmente, a principal fonte de energia no Brasil. Para sua construção, é necessário, teoricamente, que empreendedores assumam a responsabilidade sobre as implicações decorrentes do empreendimento. A literatura aponta que os atingidos são atores que deveriam participar efetivamente das decisões concernentes à implantação desses empreendimentos, pois são os que sofrem diretamente os maiores impactos. Neste contexto, o objetivo desse trabalho foi identificar e analisar as implicações decorrentes da implantação da usina UHE Funil, na perspectiva dos atingidos. Para tanto, foram realizadas entrevistas com os atingidos da Comunidade do Funil e os dados tratados por meio de Análise de Conteúdo (Bardin, 2010). Os resultados revelam a existência de diversas implicações, envolvendo aspectos sociais, ambientais e econômicos. Embora os empreendedores promovam ações sociais para minimizar essas implicações, percebe-se que as medidas mitigatórias são insuficientes, pois são pontuais e apenas cumprem com as obrigações legais, deixando de lado aspectos fundamentais sobre os impactos na vida dos atingidos. Conclui-se que concepções essenciais do conceito de RSE (participação, acesso e transparência) são deixadas de lado no relacionamento com os atingidos e que estes atores são excluídos e mantidos numa posição vulnerável durante o processo de implantação do empreendimento. Assim, este trabalho contribui ao apontar que as práticas empresariais se encontram distantes dos discursos éticos e socialmente responsáveis pregados pelas empresas, que, muitas vezes, relegam os interesses e direitos dos stakeholders mais fracos.
Citação ABNT:
LIMA, A. D. C. C.; MAFRA, F. L. N.; NARCISO, E. R. P. Responsabilidade Social em Empreendimentos Hidrelétricos: um Estudo de Caso Sobre a UHE Funil. Revista de Gestão Social e Ambiental, v. 10, n. 2, p. 87-103, 2016.
Citação APA:
Lima, A. D. C. C., Mafra, F. L. N., & Narciso, E. R. P. (2016). Responsabilidade Social em Empreendimentos Hidrelétricos: um Estudo de Caso Sobre a UHE Funil. Revista de Gestão Social e Ambiental, 10(2), 87-103.
DOI:
http://dx.doi.org/10.5773/rgsa.v10i2.1152
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42609/responsabilidade-social-em-empreendimentos-hidreletricos--um-estudo-de-caso-sobre-a-uhe-funil/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
Silva, A. M. (2007). Barragens: controvérsias ambientais, sociais e simbólicas. Anais do Encontro Latinoamericano de Ciências Sociais e Barragens. Salvador, BA, Brasil, outubro.

Alencar, E. (1999). Introdução à metodologia de pesquisa social. Lavras: Ufla.

Banerjee, S. B. (2014). A critical perspective on corporate social responsibility: towards a global governance framework. Critical perspectives on international business, 10(1/2), 84-95.

Bardin, L. (2010). Análise de conteúdo (1977). Lisboa (Portugal): Edições.

Barros, R. P. M.; Tenório, F. G. (2007). Responsabilidade social: valor corporativo ou individual?O caso do consórcio de alumínio do Maranhão. Revista de Gestão Social e Ambiental, 1(1), 46-65.

Bastos, F. D. M. (2003). Neoliberalismo e a recente política de privatização no Brasil: o caso da malha nordeste da Rede Ferroviária Federal SA–RFFSA. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, CE, Brasil.

Belal, A. R.; Cooper, S. M.; Roberts, R. W. (2013). Vulnerable and exploitable: the need for organisational accountability and transparency in emerging and less developed economies. Accounting Forum, 37(2), 81-91.

Bermann, C. (2007). Impasses e controvérsias da hidroeletricidade. Estudos avançados, 21(59), 139-153.

Campos, T. L. C. (2006). Políticas para stakeholders: um objetivo ou uma estratégia organizacional? Revista de Administração Contemporânea, 10(4), 111-130.

Casagrande, R. M.; Lavarda, E. E. F. (2015). Convergências teóricas entre a governança corporativa e a sustentabilidade sob a perspectiva da legitimidade. Revista de Gestão Social e Ambiental, 9(2), 88-101.

Cederström, C.; Marinetto, M. (2013). Corporate social responsibility á la the liberal communist. Organization, 20(3), 416-432.

Colito, M. C. E. (2000). A construção de usinas hidrelétricas e os impactos sobre a população e o espaçocomunidades rurais ameaçadas pela UH de Jataizinho-Rio Tibagi/Pr. Serviço Social em Revista, 2(2), 275-258.

Costa, A. D.; Carvalho, J. L. F. (2005). Legitimando papéis ou conciliando interesses?A reprodução discursiva da responsabilidade social empresarial. Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração.

Daher, W. M.; Oliveira, M. C.; Cals, B. O.; Ponte, V. M. R. (2007). responsabilidade social corporativa segundo o Modelo de Hopkins: um estudo nas empresas do setor energético do Nordeste Brasileiro. RGSA – Revista de Gestão Social e Ambiental, 1(1), 31-46.

Empresa de Pesquisa Energética - EPE. (2013). Anuário estatístico de energia elétrica. Rio de Janeiro.

Fleming, P.; Roberts, J.; Garsten, C. (2013). In search of corporate social responsibility: Introduction to special issue. Organization, 20(3), 337-348.

Foschiera, A. A.; Thomaz Júnior, A. (2012). A luta dos atingidos por barragens no Brasil: o caso dos atingidos pela usina hidrelétrica de Barra Grande. Revista da Casa da Geografia de Sobral, 14(2), 17-26.

Kreitlon, M. P. (2008). O discurso da responsabilidade social empresarial ou a lógica e a retórica da legitimação: um olhar sob o campo do petróleo. Tese de Doutorado. Universidade Federal da Bahia, Salvador, BA, Brasil.

Leturcq, G. (2007). A diversidade dos atingidos por barragens no Brasil. Anais do Encontro Latinoamericano Ciências Sociais e Barragens, Salvador, BA, Brasil, outubro.

Lima, S. C. (2012). Reforma do Estado e o setor de infraestrutura no Brasil durante o período 1990-2002. Dissertação de Mestrado, Universidade Estadual Paulista, Marília, SP, Brasil.

Machado Filho, C. P. (2006). Responsabilidade social e governança: o debate e as implicações: responsabilidade social, instituições, governança e reputação. Pioneira Thomson Learning.

Maia, R. E. F.; Guerra, G. A. D. (2015). Populações locais e hidrelétricas: o caso de duas localidades atingidas pela barragem de Belo Monte, Pará, Brasil. Campo-Território: Revista de Geografia Agrária, 10(20).

Marens, R. (2013). What comes around: the early 20th century American roots of legitimating corporate social responsibility. Organization, 20(3), 454-476.

Mayes, R.; Pini, B.; McDonald, P. (2013). Corporate social responsibility and the parameters of dialogue with vulnerable others. Organization, 20(6), 840-859.

Medeiros, C. R. O.; Borges, J. F. (2010). Ceticismo e pragmatismo, ambiguidades e contradições: o olhar do estudante de administração para a responsabilidade social corporativa. Revista de Gestão Social e Ambiental, 4(3), 32-52.

Menezes, U. G.; Dias, V. V.; Gomes, C. M. (2010). O paradigma sustentável e a formulação de estratégias empresariais para a competitividade. Gestão & Regionalidade, 26(78).

Mitra, R. (2013). Book review: reassessing corporate social responsibility for the hyper-global network society: centering communication. Organization, London, 20(3), 477-485.

Moresi, E. (2003). Metodologia da pesquisa. Brasília: Universidade Católica de Brasília.

Moysés Filho, J. E.; Rodrigues, A. L.; Moretti, S. L. A. (2011). Gestão social e ambiental em pequenas e médias empresas: influência e poder dos stakeholders. Revista Eletrônica de Administração, 17(1), 204-236.

Nascimento, K. A.; Pereira, J. L. G. (2010). Desenvolvimento e culturas locais: a visão dos moradores sobre a construção da hidrelétrica de Baguari – MG. Anais do II Encontro da Sociedade Brasileira de Sociologia da Região Norte, Belém, PA, Brasil.

Nd. Resolução Conama nº 1, de 23 de janeiro de 1986. (1986). Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para a avaliação de impacto ambiental. Recuperado em 22 setembro, 2014 de .

Nobrega, R. S. (2011). Os atingidos por barragem: refugiados de uma guerra desconhecida. Revista Interdisciplinar da Mobilidade Humana, Brasília, 19(36), 125-143.

Nogueira, N. D. (2007). A Usina hidrelétrica Cachoeira do Emboque-MG: o significado da barragem para os atingidos. Tese de Doutorado, Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, MG, Brasil.

Pase, H. L.; Rocha, H. J. (2010). O governo Lula e as políticas públicas do setor elétrico. Revista Debates, Porto Alegre, 4(2), 32.

Paula Soares, G. M. (2004). Responsabilidade social corporativa: por uma boa causa!? RAE- eletrônica, São Paulo, 3(2), 1-15.

Piacenti, C. A.; de Lima, J. F.; Alves, L. R.; Karpinski, C.; Piffer, M. (2003). Apontamentos sobre a economia dos municípios atingidos pelas hidrelétricas de Salto Caxias e Itaipu Binacional. Revista Paranaense de Desenvolvimento-RPD, (104), 103-123.

Pinheiro, D. D. C. (2006). Reestruturação do setor elétrico no Brasil e suas consequências no tratamento de questões sociais e ambientais: o caso da Usina Hidrelétrica de Cana Brava, GO. Dissertação de Mestrado, Universidade Federal do Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Pinho, F. S. N.; Xavier, E. C. D.; Santos, V. M.; Rodrigues, S. (2012). Transparência e responsabilidade empresarial: uma análise dos sites das 500 maiores. Revista Científica da Faculdade Lourenço Filho, Fortaleza, 9(1). Recuperado em novembro, 2014 de .

Porto, M. F. S.; Finamore, R.; Ferreira, H. (2013). Injustiças da sustentabilidade: Conflitos ambientais relacionados à produção de energia “limpa” no Brasil. Revista Crítica de Ciências Sociais, Coimbra, (100), 37-64.

Scherer, A. G.; Palazzo, G. (2011). The new political role of business in a globalized world: a review of a new perspective on CSR and its Implications for the firm, governance, and democracy. Journal of Management Studies, Oxford, 48(4), 899-931.

Silva, L. L. C.; Moret, A. S. (2012). Impactos sociais de hidrelétricas e a necessidade de legislação para o remanejamento. Hidro&Hydro, Itajubá, (54), 16-25.

Silva, R. A.; Pereira, J. A. A.; Borges, L. A. C.; Barros, D. A.; Guimarães, J. C. C. (2013). Análise do processo de licenciamento ambiental do Complexo Hidrelétrico do Rio Madeira. Revista Científica ANAP Brasil, 6(8), 12-28.

Silva, R. G. S.; Silva, V. P. (2011). Os atingidos por barragens: reflexões e discussões teóricas e os atingidos do assentamento olhos d’água em Uberlândia-MG. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 23(3), 397-408.

Souza, I.; Azevedo, R. R.; Nóbrega, C. V. (2012). Responsabilidade social como ação cidadã?Desmascarando a prática discursiva de uma nova exigência da ética de mercado social. Revista Labor, (7), 1.

UHE Funil. (2014). A usina. Recuperado em 31 março, 2014 de .

Vainer, C. B. (2007). Recursos hidráulicos: questões sociais e ambientais. Estudos Avançados, 21(59), 119-137.

Vainer, C. B. (2008). Conceito de atingido: uma revisão do debate. In: F. D.; Rothman (Org.). Vidas Alagadas: conflitos socioambientais, licenciamento e barragens, v. 1, p. 39-63.

Van Aaken, D.; Splitter V.; Seidl, D. (2013). Why do corporate actors engage in pro-social behaviour? A Bourdieusian perspective on corporate social responsibility. Organization, London, 20(3), 349-371.

World Commission On Dams - WCD. (2000). Dams and development: a new framework for decisionmaking. Berkeley.

Zhouri, A.; Oliveira, R. (2007). Desenvolvimento, conflitos sociais e violência no Brasil rural: o caso das usinas hidrelétricas. Ambiente & sociedade, Campinas, 10(2), 119-135.