Desenvolvimento sustentável, consumo e cidadania: um estudo sobre a (des)articulação da comunicação de organizações da sociedade civil, do Estado e das empresas Outros Idiomas

ID:
4261
Resumo:
O consumo, na contemporaneidade, cumpre diferentes funções e implica múltiplas referências como construção social, porém, nos padrões atuais, é insustentável, tanto na perspectiva ambiental quanto da construção de direitos e da cidadania. Para compreender os desafios da construção de ações e políticas capazes de renovar as práticas de consumo, problematizam-se neste artigo as respostas aos dilemas do consumo construídas por atores da sociedade civil, do Estado e do mercado. O consumo sustentável se configuraria como uma das possibilidades de tratamento dos impactos do consumismo, pois envolve mudanças de atitude aliadas à necessidade de transformação do sistema das atitudes e dos valores dos cidadãos. Apesar de ainda não se observar a predominância de um novo modelo civilizatório capaz de superar os dilemas da sociedade do consumo, existem alternativas para promover a sustentabilidade. Esse esforço sugeriria a construção de articulações entre diferentes grupos, quer seja do governo, quer da sociedade civil, quer do mercado, para atender às demandas da população e adotar boas práticas de produção e consumo sustentáveis, por meio da ação política e do exercício da cidadania. Na pesquisa empírica, de abordagem qualitativa, com entrevistas em profundidade e análise descritiva, percebeu-se que a comunicação para a construção de discursos e práticas politicamente corretos para o consumo, por parte dos atores pesquisados, para torná-lo sustentável, nem sempre abarca a complexa relação que envolve o meio ambiente nas esferas pública e organizacional. Muito presente nos textos de relatórios empresariais, o desenvolvimento sustentável não é percebido na prática organizacional cotidiana. Nesse contexto, descortinam-se diferentes dramas e tramas da cidadania socioambiental que podem dar novo sentido às lutas ambientais no campo do consumo, bem como encobrir as armadilhas de um discurso ambientalmente correto, mas politicamente frágil.
Citação ABNT:
COSTA, D. V.; TEODÓSIO, A. D. S. S. Desenvolvimento sustentável, consumo e cidadania: um estudo sobre a (des)articulação da comunicação de organizações da sociedade civil, do Estado e das empresas. Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 3, art. 90, p. 114-145, 2011.
Citação APA:
Costa, D. V., & Teodósio, A. D. S. S. (2011). Desenvolvimento sustentável, consumo e cidadania: um estudo sobre a (des)articulação da comunicação de organizações da sociedade civil, do Estado e das empresas. Revista de Administração Mackenzie, 12(3), 114-145.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4261/desenvolvimento-sustentavel--consumo-e-cidadania--um-estudo-sobre-a--des-articulacao-da-comunicacao-de-organizacoes-da-sociedade-civil--do-estado-e-das-empresas/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ACSELRAD, H. Políticas ambientais e construção democrática. In: VIANA, G.; SILVA, M.; DINIZ, N. O desafio da sustentabilidade. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001. p. 75-96.

ARENDT, H. A condição humana. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

AVRITZER, L.; PEREIRA, M. L. D. Democracia, participação e instituições híbridas. Belo Horizonte: DCP/Nupass, 2002.

BAUMAN, Z. Comunidade: a busca por segurança no mundo atual. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

BAUMAN, Z. Vida líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2007.

BECKERMAN, W. Economic growth and the environment: whose growth? Whose environment? World Development, Montreal, v. 20, n. 4, p. 481-496, Apr. 1992.

BLEE, K. M. Family patterns and the politicization of consumption. Sociological Spectrum, Atlanta, v. 5, n. 4, p. 295-316, July/Aug. 1985.

CANCLINI, N. G. Consumidores e cidadãos: conflitos multiculturais da globalização. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2006. 227 p.

CARVALHO, I. C. M. As transformações na esfera pública e a ação ecológica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 11, p. 308-315, maio/ago. 2006.

CASTORIADIS, C. Reflexões sobre o desenvolvimento e a racionalidade. In: VOLKER, P. et al. Revolução e autonomia: um perfil de Cornelius Castoriadis. Belo Horizonte: Copec, 1981. p. 117-147.

CASTRO, R. (Org.). Participação cidadã no meio rural: análise dos conselhos municipais no âmbito do Projeto Prorenda/DLS Bahia. Salvador: GTZ, Ciags/UFBA, 2006.

COOPER, R. The design experience. Cornwall: Ashgate, 2002.

CRESPO, S. (Coord.). O que o brasileiro pensa do meio ambiente e do desenvolvimento sustentável. Rio de Janeiro: Iser/Ministério do Meio Ambiente, 2002.

DIAS, R. Marketing ambiental. São Paulo: Atlas, 2008.

DINATO, M. O meio ambiente e o setor petroquímico do Rio Grande do Sul: um estudo exploratório. 1998. Dissertação (Mestrado em Administração)–Universidade Federal do Rio Grande de Sul, Porto Alegre, 1998.

ELKINGTON, J.; HAILES, J.; MAKOWER, J. The green consumer. New York: Penguin Books, 1990.

FELDMANN, F.; CRESPO, S. Consumo sustentável. Rio de Janeiro: Iser, 2003. v. 3.

GODOY, A. S. Introdução à pesquisa qualitativa e suas possibilidades. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 2, p. 57-63, mar./abr. 1995.

GOMES, W.; MAIA, R. C. M. Comunicação e democracia: problemas & perspectivas. São Paulo: Paulus, 2008.

GUIMARÃES, R. P. A ética da sustentabilidade e a formulação de políticas de desenvolvimento. In: VIANA, G.; SILVA, M.; DINIZ, N. O desafio da sustentabilidade. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2001. p. 43-71.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1984.

HALKIER, B. Consequences of the politicization of consumption. Journal of Environmental Policy and Planning, Malden, v. 1, n. 1, p. 25-41, May 1999.

HARRISON, R.; NEWHOLM, T.; SHAW, D. (Ed.). The ethical consumer. London: Sage, 2005.

INSTITUTO AKATU. A gênese do consumo consciente. Diálogos Akatu, ano 1, n. 1, 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 nov. 2009.

LAYRARGUES, P. P. A cortina de fumaça: o discurso empresarial verde e a ideologia da racionalidade econômica. São Paulo: Annablume, 1998.

LIPOVETSKY, G. O império do efêmero. São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

MANCE, E. A. Consumo solidário. In: CATTANI, A. D. La outra economia. Buenos Aires: Altamira, 2002. p. 79-85.

MENDES, D. Pesquisa mostra crescimento da consciência ambiental no Brasil. Ambiente Brasil, 2006. Disponível em: . Acesso em: 25 ago. 2009.

MURPHY, J. Sustainable consumption and environmental policy in the European Union. In: COHEN, M.; MURPHY, J. (Ed.). Exploring sustainable consumption. Oxford: Elsevier, 2001.

NAVES, F. L. Saberes, poderes e os dilemas das relações socioambientais. Organizações Rurais e Agroindustriais, Lavras, v. 6, n. 2, p. 121-133, jul./dez. 2004.

OLIVEIRA, R. C. Juventude e sociedade: trabalho, educação, cultura e participação. Tempo social, São Paulo, v. 17, n. 2, p. 386-392, nov. 2005.

PONTUAL, P.; SILVA, C. C. R. A. Participação popular nos governos paulistas: trajetórias mecanismos e caráter. In: MAGANHÃES, I.; BARRETO, L.; TREVAR, V. Governo e cidadania, reflexões sobre o modo petista de governar. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 1999. p. 61-71.

PORTILHO, F. Sustentabilidade ambiental, consumo e cidadania. São Paulo: Cortez, 2005.

SACHS, I. Desenvolvimento includente, sustentável, sustentado. Rio de Janeiro: Garamond, 2004.

SANTOS, B. de S. (Org.). Produzir para viver: os caminhos da produção não-capitalista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2002.

SENNETT, R. O declínio do homem público: as tiranias da intimidade. São Paulo: Companhia das Letras, 1988.

SILVA-SÁNCHEZ, S. S. Cidadania ambiental. São Paulo: Humanitas/FFLCH/USP, 2000.

SOARES-BAPTISTA, R. D. G. A construção simbólica do Terceiro Setor. In: PIMENTA, S. M.; SARAIVA, L. A. S.; CORRÊA, M. L. (Org.). Terceiro setor: dilemas e polêmicas. São Paulo: Saraiva, 2006. p. 41-63.

SOVIK, L. A alma das empresas: marketing e ativismo social. Revista Democracia Viva, São Paulo, v. 9, n. 33, p. 3-8, out./dez. 2006.

TEODÓSIO, A. S. S. Parcerias tri-setoriais na esfera pública: implicações, impasses e perspectivas acerca da provisão de políticas sociais em três experiências. 2008. Tese (Doutorado em Administração)– Fundação Getulio Vargas, São Paulo, 2008.

VIEIRA, L. Os argonautas da cidadania: a sociedade civil na globalização. Rio de Janeiro: Record, 2001. p. 403.

WELLEN, H. A. R. Contribuição à crítica da “economia solidária”. Revista Katálysis, Florianópolis, v. 11, n. 1, p. 105-115, jan./jun. 2008.

ZHOURI, A.; LASCHEFSKI, K.; PEREIRA, D. B. Desenvolvimento, sustentabilidade e conflitos socioambientais. In: ZHOURI, A.; A insustentável leveza da política ambiental. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.