Pop-Management: Sorte ou Revés? Análise das Lições de Autoajuda na Orientação de Gestores e Executivos Outros Idiomas

ID:
42656
Periódico:
Resumo:
A literatura pop-management tem se firmado como ferramenta de solução de problemas, orientando a atuação de gestores e executivos para além da vida pessoal, estendendose à sua atuação no mundo dos negócios. Com o objetivo de identificar os argumentos utilizados na literatura pop-management para orientar o desenvolvimento de executivos e gestores, analisamos as lições contidas no livro A boa sorte, de Álex Rovira Celma e Fernando Trías de Bes (2004), que promete transformar a vida de seus leitores, mostrando que nada acontece por acaso, mas, sim, que cabe a cada pessoa criar condições para que a boa sorte aconteça na vida. Quanto aos procedimentos técnicos, empregamos a análise argumentativa. Como resultados, por meio dos elementos utilizados na análise argumentativa, apontamos duas categorias analíticas dos argumentos: (1) gestão de si; e (2) empoderamento. Defende-se que o indivíduo é responsável pelo próprio destino, buscando persuadir o público de que a solução dos problemas está ao alcance de todas as pessoas, ou pelo menos daquelas que seguirem o passo a passo indicado nas dez lições do livro.
Citação ABNT:
DUARTE, M. P. F. C.; MEDEIROS, C. R. O. Pop-Management: Sorte ou Revés? Análise das Lições de Autoajuda na Orientação de Gestores e Executivos . Gestão & Conexões, v. 5, n. 1, p. 67-89, 2016.
Citação APA:
Duarte, M. P. F. C., & Medeiros, C. R. O. (2016). Pop-Management: Sorte ou Revés? Análise das Lições de Autoajuda na Orientação de Gestores e Executivos . Gestão & Conexões, 5(1), 67-89.
DOI:
10.13071/regec.2317-5084.2016.5.1.11507.67-89
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42656/pop-management--sorte-ou-reves--analise-das-licoes-de-autoajuda-na-orientacao-de-gestores-e-executivos-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
DEMO, P. Auto-ajuda: uma sociologia da ingenuidade como condição humana. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

BETTELHEIM, B. A psicanálise dos contos de fadas. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1980.

BIDERMAN, I. Fórmulas simplistas "empobrecem" livros de autoajuda. Folha de S. Paulo, São Paulo, Equilíbrio, 6 maio 2004. Disponível em: . Acesso em: 10 jun. 2015.

CARVALHO, J. L. F.; CARVALHO, F. A. A.; BEZERRA, C. O monge, o executivo e o estudante ludibriado: uma análise empírica sobre leitura eficaz entre alunos de administração. Cadernos Ebape.BR, Rio de Janeiro, v. 8, n. 3, p. 535-549, 2010.

CELMA, Á. R.; DE BES; F. T. A boa sorte. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

CHIES, P. Z.; MARCON, S. R. Literatura de pop-management: a religião do trabalhador pós-moderno. Contemporânea: Psicanálise e Transdisciplinaridade, Porto Alegre, v. 6.; p. 131-152, 2008.

COSTA, A. M.; BARROS, D. F.; MARTINS, P. E. M. A alavanca que move o mundo: o discurso da mídia de negócios sobre o capitalismo empreendedor. Cadernos Ebape.BR, Rio de Janeiro, v. 10, n. 2, p. 357-375, 2012.

FONTENELLE, I. A. Consumo como investimento: a produção do consumidor saudável pela mídia de negócios. Comunicação, Mídia e Consumo, São Paulo, v. 9, n. 24, p. 133-152, 2012.

GAULEJAC, V. Gestão como doença social: ideologia, poder gerencialista e fragmentação social. São Paulo: Ideias & Letras, 2007.

GERMANO, I. M. P.; SÁ, D. R. O discurso pastoral-gerencial em O Monge e o Executivo. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 18, n. 1, p. 103-113, 2013.

GIDDENS, A. Modernidade e identidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2003.

GOLDMAN, G. A. The fascination with management gurus: An exploratory argument. African Journal of Business Management, v. 6, n. 3, p.1119-1123, 2012

GRAEBIN, F. O discurso do trabalho na literatura de autoajuda: os 7 hábitos das pessoas altamente eficazes, de Stephen R. Covey, em análise. EID & A: Revista Eletrônica de Estudos Integrados em Discurso e Argumentação, Ilhéus, v. 5, p. 89-107, 2013.

HUCZYNSKI, A. Management gurus. New York: Routledge, 1993.

ITUASSU, C. T.; TONELLI, M. J. Sucesso, mídia de negócios e a cultura do management no Brasil. Cadernos Ebape.BR. Rio de Janeiro, v. 12, n. 1, p. 86-111, 2014.

JACKSON, B. Management gurus and management fashions. A dramatistic inquiry. London: Routledge, 2001.

KIESER, A. Rhetoric and myth in management fashion. Organization, Thousand Oaks, v. 4, n. 1, p. 49-74, 1997.

LIAKOPOULOS, M. Análise argumentativa. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. 3. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004. p. 218-243.

MARTELLI, C. G. Autoajuda e gestão de negócios: uma parceria de sucesso. Rio de Janeiro: Azougue, 2006.

MCGOVERN, P. Management gurus: the secret of their success? Business Strategy Review, New Jersey, v. 8, n. 3, p. 52-60, 1997.

MERENCIANO, L. H. Abordagem semiótica dos textos de auto-ajuda. Dissertação (Mestrado em Linguística e Língua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras, Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2009.

MICKLETHWAIT, J.; WOOLDRIDGE, A. Os bruxos da administração: como entender a babel dos gurus empresariais. Rio de Janeiro: Campus, 1998.

PAULA, A. P. P.; WOOD JR.; T. Pop-management: tales of passion, power and profit. International Journal of Organization Theory and Behavior, v. 12, p. 595-617, 2009.

PAULA, A. P. P.; WOOD JR.; T. Viagem epistemológica às livrarias dos aeroportos. Revista Administração em Diálogo, São Paulo, v. 5, n. 1, p. 77-86, 2003.

RAMPAZO, A. V. O management e o projeto de controle do mundo. Farol: Revista de Estudos Organizacionais e Sociedade, Belo Horizonte, v. 2, n. 4, p. 569-619, 2015.

REVISTA ÉPOCA. Ranking de mais vendidos: autoajuda. 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

RÜDGER, F. R. Literatura de autoajuda e individualismo. Porto Alegre: Ed. UFRGS, 1996.

SINEMMA, P. W. Self-help. Samuel Smiles. Oxford: Oxford University Press, 2008. (Oxford World’s Classics).

VIEIRA, M. M. F. Por uma (boa) pesquisa qualitativa em administração. In: VIEIRA, M. M. F.; ZOUAIN, D. M. (Org.). Pesquisa qualitativa em administração. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2006. p. 13-28.

WOOD JR.; T. Abaixo o pop-management: um guia prático para sobrevivência na selva empresarial. Rio de Janeiro: Campus, 2003.

WOOD JR.; T. Organizações espetaculares. Rio de Janeiro: Ed. FGV, 2001.

WOOD JR.; T.; PAULA, A. P. P. A mídia especializada e a cultura do management. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 13, n. 38, p. 91-105, 2006.

WOOD JR.; T.; PAULA, A. P. P. Pop-management literature: popular business press and management culture in Brazil. Canadian Journal of Administrative Sciences, v. 25, n. 3, p. 185-200, 2008.

WOOD JR.; T.; PAULA, A. P. P. Pop-management. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO, 25.; 2001, Campinas. Anais... Campinas, SP: Anpad, 2001.

WOOD JR.; T.; PAULA, A. P. P. Pop-management: a literatura popular de gestão no Brasil. 2002. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2015.

WOOD JR.; T.; PAULA, A. P. P. Pop-management: contos de paixão, lucro e poder. Organizações & Sociedade, Salvador, v. 9, n. 29, p. 39-51, 2002.

BECK, U. Teoria de la sociedad del riesgo. In: BERIAIN, J. (Comp.). Las consecuencias perversas de la modernidad: modernidad, contingência y riesgo. Barcelona: Anthropos, 1996. p. 201-222.