A Aprendizagem Organizacional e o Autodesenvolvimento no Âmbito do Teletrabalho Outros Idiomas

ID:
42669
Resumo:
Analisa-se a atividade fenomênica laboral do teletrabalho, sob os aspectos da legislação, da aprendizagem organizacional e do autodesenvolvimento. Parte-se da ideia de que o teletrabalho cinge-se no cumprimento da jornada fora do ambiente físico da empresa, usando meios tecnológicos para controle e subordinação. Na alça de mira da pesquisa, tem-se uma gestão com foco na flexibilidade de jornada. Por meio de uma pesquisa qualitativa exploratória, através de entrevistas, é realizada a análise de discurso, cotejando a postura dos agentes ante esta singularidade empregatícia, observando, entre outros, a falta de interação com a cultura organizacional da empresa e ausência de controle específico de jornada dos teletrabalhadores.
Citação ABNT:
BUENO, E. Q.; SALVAGNI, J. A Aprendizagem Organizacional e o Autodesenvolvimento no Âmbito do Teletrabalho. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, v. 8, n. 2, p. 110-123, 2016.
Citação APA:
Bueno, E. Q., & Salvagni, J. (2016). A Aprendizagem Organizacional e o Autodesenvolvimento no Âmbito do Teletrabalho. RAUnP - Revista Eletrônica do Mestrado Profissional em Administração da Universidade Potiguar, 8(2), 110-123.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/raunp.v8i2.1496
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42669/a-aprendizagem-organizacional-e-o-autodesenvolvimento-no-ambito-do-teletrabalho/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALBUQUERQUE, Eduardo da Motta. Invenções e mutações: o progresso cientifico-tecnológico em Habermas, Offe e Arrow. Belo Horizonte: UMA, 1996.

ANTONELLO, Cláudio Simone. O autodesenvolvimento e a perspectiva da aprendizagem organizacional. in: BITENCOURT, Cláudia e colaboradores. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ARGYRIS, C. On organizational leaning. Cambridge: Blackwell, 1992.

BARRETO JUNIOR, Irineu Francisco; SILVA, Josiane Machado. Teletrabalho e sociedade da informação: modalidades e jornada de trabalho. Revista de Direitos e Garantias Fundamentais, v. 16, n. 2, p. 29-56, 2015.

BARROS JR, Cássio Mesquita. Flexibilização no Direito do Trabalho. Trabalho & Processo. São Paulo, set. 1994.

BITENCOURT, Cláudia Cristina. Aprendizagem Organizacional: Uma estratégia para mudança? In: BITENCOURT, Cláudia Cristina. et al. Gestão contemporânea de pessoas: novas práticas, conceitos tradicionais. 2. ed.; Porto Alegre: Bookman, 2010.

BOOG, G. Manual de treinamento e desenvolvimento. São Paulo: Makron Books, 1995.

BOURNER, T. Effective management and the development of self awareness: a plain manager’s guide. Career Development International, v. 1, n. 4, p. 14-18, 1996.

CHIARELLI, Carlos Alberto. Temas contemporâneos na sociedade do trabalho. São Paulo: LTr, 2007.

DINIZ, Maria Helena. Dicionário jurídico. São Paulo: Saraiva, 1998.

DuGAY, P.; SALAMAN, G.; REES, B. The conduct of management and the management of conduct: contemporary managerial discourse and the constitution of the 'competent' manager. Journal of Management Studies, v. 33, n. 3, 1996.

FRAGA, Érica. E-mail e cellular estendem jornada de trabalho para casa e até as férias: expansão da economia e promoções ajudam a explicar o aumento da carga horária, aponta pesquisa. Folha de São Paulo. Segundafeira, 28 de novembro de 2011, caderno B10. 2011.

GARCIA, Gustavo Filipe Barbosa. Teletrabalho e Trabalho a Distância: Considerações sobre a Lei nº 12.551/2011. Assunto Especial - Com a Palavra, o Procurador. RST nº 273. Março/2012. Disponível em: . Acesso em: 12 jan. 2011.

GASKELL, George. Entrevistas individuais e grupais. In. BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Eds.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

GIL, Antonio Carlos. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5 ed. São Paulo: Atlas 2007.

GIL, Rosalind. Análise de Discurso. In. BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Eds.) Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som. 2. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2002.

KUMAR, Krishan. Da sociedade pós-industrial à pós-moderna. Novas teorias sobre o mundo contemporâneo. Trad. Ruy Jungman. Rio de Janeiro: Zahar, 1997.

LICHTMAN, M. Qualitative Research in Education. A User’s Guide. 3 ed. London: Sage, 2013.

MARTINS, Sergio Pinto. Teletrabalho. Repertório IOB - Trabalhista e Previdenciário, n. 18/2001. 2001.

MASI, Domenico de. Ócio Criativo. São Paulo: Sextante, 2000.

MENEZES, Cristiane Penning Pauli; NEDEL, Nathalie Kuczura; SILVA, Rosane Leal. O Dumping Social como um Novo Desafio que Emerge do Teletrabalho: Delineamento Teórico e Possíveis Alternativas de Enfrentamento. Prima Facie-Direito, História e Política, v. 14, n. 27, p. 01-29, 2016.

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Curso de Direito do Trabalho. 24. ed. São Paulo: Saraiva, 2009.

PEDLER, M. Applying self-development in organisations. In: MABEY, C.; ILES, P. Managing learning. London: Routledge; Open University, 1994.

PINTO, José Augusto Rodrigues. Tratado de direito material do trabalho. São Paulo: LTr, 2007.

PURCALLA BONILLA, Miguel Angel. El trabajo globalizado: realidades y propuestas. España, 2009.

RAFALSKI, Julia Carolina; ANDRADE, Alexsandro Luiz De. Home-office: aspectos exploratórios do trabalho a partir de casa. Temas em Psicologia, v. 23, n. 2, p. 431-441, 2015.

SELLTIZ, Claire. Métodos de pesquisa nas relações sociais. São Paulo: Herder, 1967.

SENGE, Peter M. A quinta disciplina: arte e prática da organização que aprende. 10 ed. São Paulo: Best Seller, 2002.

SILVA, Luiz de Pinho Pedreira. O Teletrabalho. Revista LTr, v. 64, n. 5, 2000.

SILVA, Vitor Gustavo; VIEIRA, Almir Martins; PEREIRA, Raquel da Silva. A gestão do teletrabalho: Nova Realidade ou Mera Adaptação à Tecnologia? Perspectivas Contemporâneas, v. 10, n. 3, p. 35-55, 2015.

TIETZE, S. When work comes home: coping strategies of teleworkers and their families. Journal of Business Ethics, v. 41, n. 4, 2002.

TOFFLER, Alvin. Terceira Onda. São Paulo: Record, 1995.

TROPE, A. Organização virtual: impactos do teletrabalho nas organizações. Rio de Janeiro: Qualitymark, 1999.

WILLMOTT, H. Strength is ignorance; slavery is freedom: managing culture in modern organizations. Journal of Management Studies, v. 30, n. 4, 1993.

YIN, R. Estudo de caso: planejamento e métodos. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2001.