Disclosure de Ativos Intangíveis dos Clubes de Futebol Brasileiros e Europeus Outros Idiomas

ID:
42678
Resumo:
Com base em argumentos encontrados na literatura acadêmica sobre a baixa evidenciação contábil dos ativos intangíveis pelas entidades desportivas, o presente estudo tem por objetivo geral identificar o perfil dos ativos intangíveis dos clubes de futebol brasileiros e europeus. No que concerne aos procedimentos metodológicos, esta pesquisa classifica-se como exploratório-descritiva, quanto aos objetivos; documental e bibliográfica, quanto às técnicas; e quali-quantitativa, quanto à abordagem do problema. A amostra do estudo reúne 66 clubes de futebol listados no G4 do Club World Ranking 2012, de países que adotam às IFRS, a partir do critério de publicação das demonstrações financeiras de 2011. Para a mensuração específica dos ativos intangíveis com evidenciação contábil foram utilizados como proxies a Influência do Ativo Intangível no Patrimônio Líquido e a Representatividade do Ativo Intangível. Dentre os resultados destaca-se que (i) 100% dos clubes brasileiros (18) são sociedades sem fins lucrativos, enquanto 72,9% dos clubes europeus (35) são sociedades anônimas, predominantemente de capital fechado; (ii) os ativos intangíveis mais frequentes são direitos federativos ou registro de jogadores (71,2%); (iii) 60 clubes (90,9%), sendo 16 brasileiros e 44 europeus, não informam o número de atletas profissionais contratados na temporada, nem a duração média dos respectivos contratos, e (iv) 43 clubes (65,2%), sendo sete brasileiros e 36 europeus, não citam a aplicação do impairment test, ou teste de recuperabilidade, dos ativos intangíveis. Conclui-se que há diferenças estatisticamente significantes quanto ao perfil de ativos intangíveis com evidenciação contábil dos clubes brasileiros e europeus.
Citação ABNT:
MAIA, A. B. G. R.Disclosure de Ativos Intangíveis dos Clubes de Futebol Brasileiros e Europeus. Contabilidade Vista & Revista, v. 27, n. 3, p. 1-31, 2016.
Citação APA:
Maia, A. B. G. R.(2016). Disclosure de Ativos Intangíveis dos Clubes de Futebol Brasileiros e Europeus. Contabilidade Vista & Revista, 27(3), 1-31.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42678/disclosure-de-ativos-intangiveis-dos-clubes-de-futebol-brasileiros-e-europeus/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ABREU, A. L.; DIEHL, C. A.; MACAGNAN, C. B. Mensuração de custos intangíveis: uma análise prática. Contabilidade Vista & Revista, v. 22, n. 3, p. 41-71, jul./set. 2011.

ALVES, C dos S.; BEHR, A.; RAIMUNDINI, S. L. Mensuração e evidenciação de ativos intangíveis em demonstrações contábeis: o estudo de caso em um clube de futebol brasileiro. Revista Catarinense da Ciência Contábil - CRCSC, v. 11, n. 32, p. 9-25, abr./jul. 2012.

ANDRIKOPOULOS, A.; KAIMENAKIS, N. Introducing intellectual capital analysis to soccer club management: an integrated map of intangible sources of value. Working Paper Series, June, 2006.

ARAÚJO, R. O impacto do esporte na economia. Publicado em Exame.com, em 17 ago. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 fev.2013. 2010.

ASHTON, M. S. G.; FAGUNDES, C. A Copa do Mundo de Futebol Fifa 2014: turismo e desdobramentos socioeconômicos para a região metropolitana de Porto Alegre. EFDeportes.com. Revista Digital, v. 16, n. 156, may. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2013. 2011.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2004.

BASSI, L. J. Harnessing the power of intellectual capital. Training and Development, v. 51, n. 12, p. 25-31, Dec. 1997.

BASTOS, P. S. S.; PEREIRA, R. M.; TOSTES, F. P. A evidenciação contábil do ativo intangível (atletas) dos clubes de futebol. Pensar contábil, v. 9, n. 36, 2007.

BCB - Banco Central do Brasil. Conversão de moedas. 2013. Disponível em: . Acesso em: 5 fev. 2013.

BELÉM, V. C.; MARQUES, M de M. A influência dos ativos intangíveis na rentabilidade do patrimônio líquido das empresas brasileiras. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 12. São Paulo, 2012. Anais... São Paulo: USP, 2012.

BONTIS, N. Intellectual capital: an exploratory study that develops measures and model. Management Decision, v. 36, n. 2, p. 63-76, Feb. 1998.

BRASIL. Lei nº 10.264, de 16 de julho de 2001. Acrescenta inciso e parágrafos ao art. 56 da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, que institui normas gerais sobre desporto. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 jul. 2001. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2001.

BRASIL. Lei nº 10.672, de 15 de maio de 2003. Altera dispositivos da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 16 mai. 2003. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2003.

BRASIL. Lei nº 11.118, de 19 de maio de 2005. Acrescenta parágrafos ao art. 10 da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, e prorroga os prazos previstos nos arts. 30 e 32 da Lei nº 10.826, de 22 de dezembro de 2003. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 20 maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2005.

BRASIL. Lei nº 11.638, de 28 de dezembro de 2007. Altera e revoga dispositivos da Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976, e da Lei nº 6.385, de 7 de dezembro de 1976, e estende às sociedades de grande porte disposições relativas à elaboração e divulgação de demonstrações financeiras. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2007.

BRASIL. Lei nº 11.941, de 27 de maio de 2009. Altera a legislação tributária federal relativa ao parcelamento ordinário de débitos tributários, institui regime tributário de transição e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2009.

BRASIL. Lei nº 12.395, de 16 de março de 2011. Altera as Leis nº 9.615, de 24 de março de 1998, que institui normas gerais sobre desporto, e nº 10.891, de 9 de julho de 2004, que institui a BolsaAtleta; cria os programas Atleta Pódio e Cidade Esportiva; revoga a Lei nº 6.354, de 2 de setembro de 1976; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2011.

BRASIL. Lei nº 13.155, de 4 de agosto de 2015. Conversão da Medida Provisória nº 671, de 2015. Estabelece princípios e práticas de responsabilidade fiscal e financeira e de gestão transparente e democrática para entidades desportivas profissionais de futebol; institui parcelamentos especiais para recuperação de dívidas pela União, cria a Autoridade Pública de Governança do Futebol - APFUT; dispõe sobre a gestão temerária no âmbito das entidades desportivas profissionais; cria a Loteria Exclusiva - LOTEX; altera as Leis nos 9.615, de 24 de março de 1998, 8.212, de 24 de julho de 1991, 10.671, de 15 de maio de 2003, 10.891, de 9 de julho de 2004, 11.345, de 14 de setembro de 2006, e 11.438, de 29 de dezembro de 2006, e os Decretos-Leis nos 3.688, de 3 de outubro de 1941, e 204, de 27 de fevereiro de 1967; revoga a Medida Provisória no 669, de 26 de fevereiro de 2015; cria programa de iniciação esportiva escolar; e dá outras providências. Disponível em: . Acesso em: 9 ago. 2016. 2015.

BRASIL. Lei nº 6.404, de 15 de dezembro de 1976. Dispõe sobre as sociedades por ações. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 dez. 1976. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 1976.

BRASIL. Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998. Institui normas gerais sobre desporto e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 25 mar. 1998. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 1998.

BRASIL. Lei nº 9.981, de 14 de julho de 2000. Altera dispositivos da Lei nº 9.615, de 24 de março de 1998, e dá outras providências. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 17 jul. 2000. Disponível em: . Acesso em: 9 nov. 2012. 2000.

BURSESI, N. H.; CARRATALÁ, J. M. Valoracion de los activos intangibles en entidades deportivas: clubes de fútbol - derechos de pase de futbolistas profesionales costos de formación de jugadores propios y otros activos intangibles específicos. In: CONGRESO DEL INSTITUTO INTERNACIONAL DE COSTOS, 8. Punta del Este, 2003. Anais... Punta Del Este: IIC, 2003.

CARVALHO, F. M.; KAYO, E. K.; MARTÍN, D. M. L. Tangibilidade e intangibilidade na determinação do desempenho persistente de firmas brasileiras. Revista de Administração Contemporânea, v. 14, n. 5, p. 871-889, set./out. 2010.

CAZAVAN-JENY, A.; JEANJEAN, T.; JOOS, P. Accounting choice and future performance: the case of R&D accounting in France. Journal of Accounting and Public Policy, v. 30, n. 2, p. 145-165, 2011.

CECYT - Centro de Estudios Científicos y Técnicos. Informe del área contabilidad del CECyT nº 23/2005, activos intangibles (excepto llave de negocio). Revisado con las modificaciones normativas vigentes al 31 de julio de 2005. Disponível em: . Acesso em: 19 nov. 2012.2005.

CEE - Comunidade Econômica Europeia. Regulamento CE nº. 1606/2002 do Parlamento Europeu e do Conselho, de 19 de Julho de 2002. Relativo à aplicação das normas internacionais de contabilidade. 2002. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2012. 2002.

CFC - Conselho Federal de Contabilidade. Resolução CFC nº 1.429, de 25 de janeiro de 2013. Aprova a ITG 2003 - Entidade Desportiva Profissional. Disponível em: . Acesso em: 20 ago. 2016. 2013.

CFC - Conselho Federal de Contabilidade. Resolução CFC nº 750, de 29 de dezembro de 1993. Dispõe sobre os princípios fundamentais de contabilidade. 1993. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012. 1993.

CHAUVIN, K. W.; HIRSCHEY, M. Adversiting, R&D expenditures and the market value of the firm. Financial Management, v. 22, n. 4, p. 128-140, 1993.

CONNOLLY, R. A.; HIRSCHEY, M. Firm size and the effect of R&D on Tobin’s Q. R&D Management, v. 35, n. 2, p. 217-223, 2005.

COSTA, R. Assessing intellectual capital efficiency and productivity: an application to the Italian yacht-manufacturing sector. Expert Systems with Applications, v. 39, p. 7255-7261, 2012.

CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 04 - Ativo Intangível, de 3 de outubro de 2008. Disponível em: . Acesso em: 6 set. 2012.

CPC - Comitê de Pronunciamentos Contábeis. Pronunciamento Técnico CPC 04 (R1) - Ativo Intangível, de 5 de novembro de 2010. Disponível em: . Acesso em: 6 set. 2012. 2010.

CRISÓSTOMO, V. L. Ativos intangíveis: estudo comparativo dos critérios de reconhecimento, mensuração e evidenciação adotados no Brasil e em outros países. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 12, n. 1, p. 50-68, 2009.

CRUZ, S N da S. R. A. Modelo de valorização do direito desportivo resultante da formação. 2012. 297 f. Tese (Doutorado em Contabilidade) - Instituto Superior de Contabilidade e Administração, Universidade de Aveiro. 2012. Disponível em: . Acesso em: 20 fev. 2013. 2012.

DAHMASH, F. N.; DURAND, R. B.; WATSON, J. The value relevance and reliability of reported goodwill and identifiable intangible assets. The British Accounting Review, v. 41, p. 120-137, 2009.

DANTAS, M G da S.; BOENTE, D. R. A utilização da análise envoltória de dados na medição de eficiência dos clubes brasileiros de futebol. Revista Contabilidade Vista & Revista, v. 23, n. 4, p. 101-130, abr./jun. 2012.

DE LUCA, M. M. M. et al. Intangible assets and superior and sustained performance of innovative brazilian firms. Braziliam Administration Review - BAR, v. 11, n. 4, oct./dec. 2014.

DEUTSCHLAND. Handelsgesetzbuch. 1897. Disponível em: . Acesso em: 3 set. 2012. 1897.

DREBES, F. S. Abertura de capital de clubes de futebol. 2009. 68 f. Monografia de Trabalho de Conclusão de Curso (Pós-Graduação em Mercado de Capitais) - Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

DRSC - Deutsche Rechnungslegungs Standards Committee. DRS 12 Immaterielle Vermögenswerte des Anlagevermögens. 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2012.

DRSC - Deutsche Rechnungslegungs Standards Committee. Entwurf Deutscher Rechnungslegungs Standard Nr. 14. 2001. Disponível em: . Acesso em: 12 ago. 2012. 2001.

ENSSLIN, S. R.; CARVALHO, F. N. Voluntary disclosure of intellectual capital in the Brazilian context: an investigation informed by the international context. International Journal of Accounting, Auditing and Performance Evaluation, v. 4, n. 4, p. 478-500, 2007.

ESPAÑA. Real decreto, de 22 de agosto de 1885, que publica el Código de Comercio. Ministerio de Gracia y Justicia, Boletín Oficial [del] Estado, Textos Legales, n. 15, ed. 21, nov. 1996. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2012. 1885.

ESPAÑA. Real decreto nº 1.51, de 16 de novembro de 2007, que aproba el Plan General de Contabilidad. Ministerio de Gracia y Justicia, Boletín Oficial [del] Estado, suplem. BOE n. 278, nov.; 2007. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2012. 2007.

FACPCE - Federación Argentina de Consejos Profesionales de Ciencias Economicas. FACPCE nº 09. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012. 2008.

FACPCE - Federación Argentina de Consejos Profesionales de Ciencias Economicas. FACPCE nº 17. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012.

FACPCE - Federación Argentina de Consejos Profesionales de Ciencias Economicas. FACPCE nº 18. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012. 2008.

FACPCE - Federación Argentina de Consejos Profesionales de Ciencias Economicas. FACPCE nº 21. 2008. Disponível em: . Acesso em: 20 set. 2012. 2008.

FIFA - Fédération Internationale de Football Association. Governança no futebol: controle de transferências. 2011. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2011.

FORBES. Soccer team valuations. Special Report, 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012. 2009.

FRANCE. Comercial code (dernière modification du texte le 15 avril 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2012. 2010.

FRANCE. Règlement n° 2004-06, n° 2004-08 e n° 2004-15, de 23 de novembro de 2004, que alteram o Plan Comptable Général. Journal Officiel [du] France 01 jan. 2005. Disponível em: . Acesso em: 2 set. 2012. 2004.

FRC - Financial Reporting Council. FRS 10, on 31 December, 1997, sets out the principles and methodology for accounting for goodwill and intangible assets. 1997. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1997.

FRC - Financial Reporting Council. FRS 11, on 23 December, 1998, sets out the principles and methodology for accounting for impairments of fixed assets and goodwill. 1998. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1998.

FRC - Financial Reporting Council. FRS 11, on 31 july 1992, sets out accounting for subsidiary undertakings. 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1992.

FRC - Financial Reporting Council. FRS 3, on 31 October, 1992, sets out the reporting financial performance. 1992. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1992.

FRC - Financial Reporting Council. SSAP 12 (revised): accounting for depreciation. 1991. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1991.

FRC - Financial Reporting Council. SSAP 13: accounting for research and development. 1989. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1989.

FRC - Financial Reporting Council. SSAP 2: disclosure of accounting policies. 1972. Disponível em: . Acesso em: 20 jan. 2013. 1972.

GALLON, A. V. et al. Um estudo reflexivo da produção científica em capital intelectual. Revista de Administração Mackenzie, v. 9, n. 4, edição especial, p. 142-172, 2008.

GALVÃO, N. S.; MIRANDA, L. C. Participação e evidenciação de atletas nos demonstrativos contábeis de clubes de futebol brasileiro. Revista de Gestão, Finanças e Contabilidade, v. 6, n. 1, p. 112-131, jan./abr. 2016.

GUIMÓN, J. Policies to benefit from the globalization of corporate R&D: an exploratory study for EU countries. Technovation, v. 31, p. 77-86, 2011.

GÜREL, S. P.; EKMEKCI, Y. A. Measuring intellectual capital for football clubs: evidence from turkish first division football league. In: XIII IASE AND III ESEA CONFERENCES ON SPORTS ECONOMICS, UNIVERSITY OF ECONOMICS, Prague, Czech Republic, 2011. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2012. 2011.

HOLANDA, A. P. et al. Determinantes do nível de disclosure em clubes brasileiros de futebol. Revista de Contabilidade do Mestrado em Ciências Contábeis da UERJ, v. 17, n. 1, p. 2-17, jan./abr. 2012.

IASB - International Accounting Standards Board. IAS 38: intangible assets. International Accounting Standards Committee, London. Sept.; 1998. Disponível em: . Acesso em: 6 nov.2012. 1998.

IASB - International Accounting Standards Board. Who we are and what we do. 2012. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2012.

IFFHS - International Federation of Football History & Statistics. Present club world ranking (top 400). 2012. Disponível em: . Acesso em: 2 nov. 2012.

IFRS - International Financial Reporting Standards. IAS 21: the effects of changes in foreign exchange rates, December, 2003. Disponível em: . Acesso em: 11 nov. 2012. 2003.

ITALIA. R.D. 16 marzo 1942, n. 262 approvazione del testo del Codice Civile Italiano. 1942. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012. 1942.

KAYO, E. K. et al. Ativos intangíveis, ciclo de vida e criação de valor. Revista de Administração Contemporânea, v. 10, n. 3, jul./set. 2006.

KAYO, E. K.; TEH, C. C.; BASSO, L. F. C. A influência dos ativos intangíveis sobre a estrutura de capital. Revista de Administração da USP, v. 41, n. 2, p. 158-168, abr. /jun. 2006.

KRAMER, J. P. et al. Intangible assets as drivers of innovation: empirical evidence on multinational enterprises in German and UK regional systems of innovation. Technovation, v. 31, p. 447-458, 2011.

LEV, B. Intangibles: management, measurement and reporting. Washington: Brookings Institution Press, 2001.

LFP - Ligue de Football Professionnel. Comptes individuels des clubs: saison 2010/2011. Commission de Contrôle des Clubs Professionnels, Dec.; 2011.

LHAOPADCHAN, S. Fair value accounting and intangible assets: goodwill impairment and managerial choice. Journal of Financial Regulation and Compliance, v. 18, p. 120-130, 2010.

LI, J.; MANGENA, M.; PIKE, R. The effect of audit committee characteristics on intellectual capital disclosure. The British Accounting Review, v. 44, p. 98-110, 2012.

LOZANO, F. J. M.; GALLEGO, A. C. Deficits of accounting in the valuation of rights to exploit the performance of professional players in football clubs: a case study. Journal of Management Control, v. 22, n. 3, p. 335-357, 2011.

MAIA, A. B. G. R.; CARDOSO, V. I. C.; PONTE, V. M. R. Práticas de disclosure do ativo intangível em clubes de futebol. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, edição 07, ago. 2013.

MAROCO, J. Análise estatística: com utilização do SPSS. 3. ed. Lisboa: Sílabo, 2007.

MARTINS, E. et al. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as normas internacionais e do CPC. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

MEGNA, P.; KLOCK, M. The impact of intangible capital on Tobin’s q in the semiconductor industry. The American Economic Review, v. 83, n. 2, p. 265-269, 1993.

MONTANDON, M.; NUNES, A. A. A.; MARQUES, J. A. V. C. Conversão de demonstrações contábeis pelo SFAS 52: um estudo sobre a propriedade da adoção do dólar justo na Aracruz Celulose S/A. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE CUSTOS, 9, 2005, Florianópolis-SC. Anais... Florianópolis: ABC, 2005.

MOTA, A. F.; BRANDÃO, I. F.; PONTE, V. M. R. Disclosure e materialidade: evidências nos ativos intangíveis dos clubes brasileiros de futebol. Revista de Administração, Contabilidade e Economia, v. 15, n. 1, p. 175-200, jan./abr. 2016.

MURCIA, F. D. Fatores determinantes do nível de disclosure voluntário de companhias abertas no Brasil. 2009. 182 f. Tese (Doutorado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Campus, 1997.

O'DONNELL, D.; O'REGAN, P. The structual dimensions of intellectual capital: emerging challenges for management and accounting. Southern African Business Review, v. 4, n. 2, p. 14-20, 2000.

OLIVEIRA JUNIOR, J. P. et al. Evidenciação contábil dos maiores clubes brasileiros segundo a Lei nº 10.672/2003. Revista Brasileira de Contabilidade, CFC, n. 216, nov./dez. 2015.

PARENTE, P. H. N.; DE LUCA, M. M. M.; VASCONCELOS, A. C. Teoria contingencial e intangibilidade: um estudo nas empresas listadas na BM&FBovespa. Revista Enfoque: Reflexão Contábil, v. 34, n. 3, p. 21-40, set./dez. 2015.

PEREZ, M. M.; FAMÁ, R. Ativos intangíveis e o desempenho empresarial. Revista de Contabilidade & Finanças - USP, n. 40, p. 7-24, jan./abr. 2006.

PLURI CONSULTORIA. Ranking Pluri de transparência dos clubes de futebol. 2012. Pluri Consultoria Pesquisa, Valuation, Gestão e marketing Esportivo, Curitiba-PR, 2012. Disponível em: . Acesso em: 9 fev. 2013.

RASCHKA, I. M.; WALLNER, R. J. G.; COSTA, K. B. de. Contabilidade esportiva: um estudo sobre a evidenciação das demonstrações contábeis dos clubes paulistas de futebol. In: CONGRESSO USP DE CONTROLADORIA E CONTABILIDADE, 10.; 2010, São Paulo. Anais... São Paulo: Congresso USP, 2010.

RCS - Crowe Horwath RCS. Análise Crowe Horwath RCS: clubes brasileiros x clubes portugueses. 2. ed. 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012. 2010.

RCS - Crowe Horwath RCS. Valor das marcas dos 12 maiores clubes de futebol do Brasil. 2009. Disponível em: . Acesso em: 20 nov. 2012. 2009.

REZENDE, A. J.; CUSTÓDIO, R. S. Uma análise da evidenciação dos direitos federativos nas demonstrações contábeis dos clubes de futebol brasileiros. REPeC - Revista de Educação e Pesquisa em Contabilidade, v. 6, n. 3, art. 1, p. 229-245, jul./set. 2012.

REZENDE, A. J.; DALMÁCIO, F. Z.; PEREIRA, C. A. A gestão de contratos de jogadores de futebol na perspectiva da teoria da agência: o caso do clube atlético paranaense. Revista de Contabilidade e Controladoria, v. 2, n. 3, p. 95-123, set./dez. 2010.

REZENDE, A. J.; DALMÁCIO, F. Z.SALGADO, A. L. Nível de disclosure das atividades operacionais, econômicas e financeiras dos clubes brasileiros. Contabilidade, Gestão e Governança, Brasília, v. 13, n. 2, p. 36-50, maio/ago. 2010.

ROCHA, P. V. et al. Evidenciação do capital intelectual nos relatórios da administração dos bancos listados na BM&FBOVESPA. Revista de Informação Contábil, v. 5, n. 1, p. 68-90, jan./mar. 2011.

ROLIM, M. V. Estudo de nível de disclosure dos ativos intangíveis das empresas britânicas pertencentes ao índice FTSE 100. 2009. 137 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Contábeis) - Programa de Pós-Graduação em Administração, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, Minas Gerais, 2009.

ROOS, J.; EDVINSSON, L.; ROOS, G. Intellectual capital: navigating the new business landscape. New York: New York University Press, 1998.

ROWBOTTOM, N. Intangible asset accounting and accounting policy selection in the football industry. 1998. 347 f. Tese (Doutorado em Filosofia) - Faculty of Commerce and Social Science, University of Birmingham, 1998. Disponível em: . Acesso em: 22 dez. 2012. 1998.

SANTAMARÍA, L.; JESÚS NIETO, M.; MILES, I. Service innovation in manufacturing firms: Evidence from Spain. Technovation, v. 32, p. 144-155, 2012.

SANTOS, D. F. dos. O valor contábil do ativo jogador de futebol. Futebol de fato! 2004. Disponível em: . Acesso em: 28 nov. 2012. 2004.

SILVA, E. J. C. A relação entre a gestão administrativa e o desenvolvimento econômico nos clubes de futebol. 2010. Monografia de Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação em Administração de Empresas) - Universidade Feevale. 2010.

SILVA, J. A. F.; CARVALHO, F. A. A. Evidenciação e desempenho em organizações desportivas: um estudo empírico sobre clubes de futebol. Revista de Contabilidade e Organizações, v. 3, n. 6, p. 96-116, 2009.

SURROCA, J.; TRIBÓ, J. A.; WADDOCK, S. Corporate responsibility and financial performance: the role of intangible resources. Strategic Management Journal, v. 31, p. 463-490, 2010.

UNITED KINGDOM. Companies Act. 1989. Disponível em: . Acesso em: 21 nov. 2012.

VILLALONGA, B. Intangible resources, Tobin’s Q and sustainability of performance differences. Journal of Economic Behavor & Organization, v. 54, n. 2, p. 205-230, 2004.