Diversidade: Reconhecimento da Différance ou Diferença Tolerada? Um Estudo sobre a Percepção de Profissionais dos Segmentos da Mineração e Siderurgia Outros Idiomas

ID:
42687
Resumo:
Objetivo: Compreender a diversidade no contexto organizacional. Originalidade/lacuna/relevância/implicações: Existem poucos estudos críticos sobre o tema, aqui fundamentados nas ideias de Derrida (2002) e na teoria do reconhecimento de Honneth (2003). Relaciona a diversidade com a construção da identidade dos indivíduos e remete ao conceito de tolerância, possibilitando uma discussão sobre o reconhecimento (ou não) das diferenças. Principais aspectos metodológicos: Pesquisa qualitativa, realizada em organizações dos segmentos de mineração e siderurgia. Os dados foram coletados por meio da realização de grupos focais e submetidos à análise de discurso. Síntese dos resultados: Constatou-se dificuldade de convívio com pessoas pertencentes a grupos diversos. Associou-se a diversidade à diferença e ao tema reconhecimento. Evidenciou-se que a diversidade deveria ser gerida no contexto organizacional, mas a diversidade que entra na agenda das empresas analisadas, inclusive nas práticas de RH, é a diversidade tolerável. Principais considerações/conclusões: Os grupos minoritários ainda carecem de reconhecimento, prevalecendo à valorização de um grupo em detrimento de outros. Reconhecer diferenças é algo desafiador, haja vista a distância que se instaura entre os processos reflexivos e a prática empresarial. Por fim, ressalta-se a necessidade de promover ações que visem à igualdade de oportunidades de tratamento aos diversos grupos existentes na organização.
Citação ABNT:
LORENTZ, C. N.; CARRIERI, A. P.; MAESTRO FILHO, A. D.; LIMA, L. C. Diversity: Recognition of the Différance or Tolerated Difference? A Study on the Perception of Mining and Steel Professionals. Revista de Administração Mackenzie, v. 17, n. 4, p. 39-61, 2016.
Citação APA:
Lorentz, C. N., Carrieri, A. P., Maestro Filho, A. D., & Lima, L. C. (2016). Diversity: Recognition of the Différance or Tolerated Difference? A Study on the Perception of Mining and Steel Professionals. Revista de Administração Mackenzie, 17(4), 39-61.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n4p38-60
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42687/diversidade--reconhecimento-da-differance-ou-diferenca-tolerada--um-estudo-sobre-a-percepcao-de-profissionais-dos-segmentos-da-mineracao-e-siderurgia/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Assis, A. M.; Carvalho Freitas, M. N. (2014). Estudo de caso sobre a inserção de pessoas com deficiência numa organização de grande porte. REAd - Revista Eletrônica de Administração, 20(2), 496-528.

Bendassolli, P. F. (2012). Reconhecimento no trabalho: perspectivas e questões contemporâneas. Revista de Psicologia em Estudo, 17(1), 37-46.

Bernardo, F. (2005). Mal de hospitalidade. In E. Nascimento (Org.). Jacques Derrida. Pensar a desconstrução. São Paulo: Estação Liberdade.

Caproni, H. L.; Saraiva Neto, L. A. S. (2014). Estigma na Trajetória Profissional de uma Travesti. Teoria e Prática em Administração, 4(2), 234-256.

Carrieri, A. P.; Leite-da-Silva, A. R.; Souza, M. M. P.; Pimentel, T. D. (2006). Contribuições da análise do discurso para os estudos organizacionais. Economia e Gestão, 6(12), 1-22.

Cox Jr, T. Smolinski, C. (1994). Managing Diversity and Glass Ceiling Initiatives as National Economic Imperatives. Federal Publications. Paper 117. Retrieved March, 2012, from http://digitalcommons.ilr.cornell.edu/key_workplace/117.

Denzin, N.; Lincoln, Y. (2004). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Bookman.

Derrida, J. (1991). Margens da filosofia. (J. T. Costa & A. M. Magalhães, Trad.). Campinas: Papirus.

Derrida, J. (2002). A escritura e a diferença. (M. B. M. N. Silva, Trad.). 3 ed. São Paulo: Editora Perspectiva.

Derrida, J.; Roudinesco, E. (2004). De que amanhã... diálogos. (A. Telles, Trad.). Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora.

DIEESE (2012). A indústria siderúrgica e da metalurgia básica no Brasil: diagnóstico e propostas elaboradas pelos metalúrgicos da CUT. Retrieved November 28, 2013, from: http://www.cnmcut.org.br/midias/arquivo/185-diagnostico-siderurgia.pdf.

Diniz, A. P. R.; Carrieri, A.; Gandra, G.; Bicalho, R. (2013). Políticas de diversidade nas organizações: as relações de trabalho comentadas por trabalhadores homossexuais. Revista Economia & Gestão, 13(31), 93-114, jan./abr.

Faria, A. A. M. (2009). Aspectos de um discurso empresarial. In A. P. Carrieri. (Org.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá.

França, C. B.; Lourenço, P. R. (2010). Diversity and intragroup conflict at work: an empirical study in Portugal. RAM, Revista de Administração Mackenzie, 11(3), 130-158.

Gondim, S. M. G. (2003). Grupos focais como técnica de investigação qualitativa: desafios metodológicos. Paidéia (Ribeirão Preto), 12(24), 149-161.

Hall, S. (2012). Quem precisa de identidade? In T. T. Silva, S. Hall. & K. Woodward. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 11. ed. Petrópolis: Vozes.

Hanashiro, D. M. M. (2008). Convivendo com a diversidade cultural. In D. M. M. Hanashiro, M. L. M. Teixeira & L. M. Zaccarelli (Orgs.). Gestão do fator humano: uma visão baseada nos Stakeholders. 2 ed. pp. 45-78. São Paulo: Saraiva.

Honneth, A. (2003). Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. (L. Repa, Trad.). São Paulo: Ed. 34.

Honneth, A. (2007). Reconhecimento ou distribuição?A mudança de perspectiva na ordem moral da sociedade. In J. Souza & P. Mattos (Orgs.). Teoria crítica do século XXI. São Paulo: Annablime.

IBRAM – Instituto Brasileiro de Mineração (2012). Informações e análises da economia mineral brasileira. 7a ed. Retrieved February 4, 2014, from http://www.ibram.org.br/.

Lucas, D. C.; Oberto, L. C. (2010). Redistribuição versus reconhecimento: apontamentos sobre o debate entre Nancy Fraser e Axel Honneth. Revista Direitos Culturais, Santo Ângelo, 5(8), 27-40, jan./jun.

Mattos, P. (2004). O reconhecimento, entre a justiça e a identidade. Revista Lua Nova, v. 63. Retrieved February 1, 2012, from http://www.scielo.br/pdf/ln/n63/a06n63.

Nkomo, S. M.; Cox, T.; Jr. (1998). Diversidade e identidade nas organizações. In R. Stewart, C. C. Hardy & W. R. Nord. Handbook de estudos organizacionais. São Paulo: Atlas.

Nohara, J. J.; Acevedo, C. R.; Fiammetti, M. (2010). A vida no trabalho: as representações sociais das pessoas com deficiências. In M. N. Carvalho-Freitas, & A. L. Marques (Orgs.). O trabalho e as pessoas com deficiência: pesquisas, práticas e instrumentos diagnósticos. 2a ed. Curitiba: Juruá.

Pêcheux, M. (1997). Semântica e discurso: uma crença à afirmação do óbvio. 3a ed. Campinas: Editora da Unicamp.

Pedroso, N. C.; Jr. (2010). Jacques Derrida e a desconstrução: uma introdução. Revista Encontros de Vista. 5 ed. jan./jul. Retrieved March 24, 2012, from http://www.encontrosdevista.com.br/ anteriores.php.

Peeters, B. (2013). Derrida. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

Pereira, G. Z. (2006). Hospitalidade e soberania – uma leitura de Jacques Derrida. Revista Filosófica de Coimbra, v. 30, 307-323.

Pereira, J. B. C.; Hanashiro, D. M. M. (2007). A gestão da diversidade: uma questão de valorização ou de dissolução das diferenças? Anais do Encontro Nacional da Associação Nacional de Pós-Graduação e Pesquisa em Administração, Rio de Janeiro, RJ, Brasil, 21.

Saavedra, G. A.; Sobottka, E. A. (2012). Justificação, reconhecimento e justiça: tecendo pontes entre Boltanski, Honneth e Walzer. Civitas, Porto Alegre, 12(1), 126-144, jan./abr.

Sansone, L. (2003). Negritude sem etnicidade: o local e o global nas relações raciais e na reprodução da cultura negra no Brasil. Salvador: Edufba/Pallas.

Saraiva, L. A.; Carrieri, A.; Pimentel, T.; Souza-Ricardo, P. (2009). Estudos organizacionais e análise do discurso: aproximações possíveis. In A. P. Carrieri. (Org.). Análise do discurso em estudos organizacionais. Curitiba: Juruá.

Saraiva, L. A. S. (2012). Além dos estigmas profissionalizantes. In M. E. Freitas & M. Dantas. Diversidade sexual no trabalho. São Paulo: Cengage Learning.

Silva, T. T. (2012). A produção social da identidade. In T. T. Silva. S. Hall, & K. Woodward. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. (2a ed.). Petrópolis: Vozes.

Souza, R. T. (2012). Da tolerância à hospitalidade: esboço de uma metamorfose ético-política. Comunicações do ISER. As máscaras de guerra da intolerância. Porto Alegre, 66(31), 9-15.

Thomas, R. R.; Jr. (1996). Redefining diversity. New York: Amacon.

Wolfreys, J. (2009). Compreender Derrida. Rio de Janeiro: Vozes.

Woodward, K. (2012). A identidade e a diferença: uma introdução conceitual. In T. T. Silva, S. Hall, & K. Woodward. Identidade e diferença: a perspectiva dos estudos culturais. 2a ed. Petrópolis: Vozes.