Avaliação da Eficiência Bancária Brasileira: uma Abordagem DEA Outros Idiomas

ID:
42688
Resumo:
Objetivo: A pesquisa tem como objetivo avaliar a eficiência de bancos que atuaram no mercado brasileiro no ano de 2013. Para atingir este objetivo, foram identificados os bancos eficientes sob a abordagem de produção. A fim de detectar e explicar padrões de eficiência, foram realizadas análises complementares relacionadas a: 1. origem de capital, 2. porte, 3. segmento de atuação, e 4. classificação de risco (rating) da instituição. Originalidade/lacuna/relevância/implicações: A literatura brasileira sobre eficiência bancária apresenta diversos estudos relacionando a eficiência dos bancos à origem de seu capital e porte. Entretanto, a relação entre eficiência e segmento de atuação foi muito pouco explorada e a relação entre eficiência e classificação de risco é escassa. Neste sentido, a presente pesquisa contribui com a literatura ao explorar a relação entre eficiência e segmento de atuação, bem como a relação entre eficiência e classificação de risco. Principais aspectos metodológicos: A pesquisa utiliza uma abordagem quantitativa e emprega a técnica Data Envelopment Analysis (DEA) para calcular os escores de eficiência. Os dados foram obtidos no Banco Central do Brasil (Bacen). Síntese dos principais resultados: Bancos públicos federais e bancos de grande porte são, em média, mais eficientes. Bancos que atuam nos segmentos de câmbio e varejo, bem como bancos com elevada classificação de crédito também obtiveram altos níveis de eficiência. Principais considerações/conclusões: Bancos eficientes apresentaram-se mais lucrativos, emprestaram menos, como proporção de seu ativo total, e receberam menos reclamações no Banco Central no ano de 2013.
Citação ABNT:
CAVA, P. B.; SALGADO JUNIOR, A. P.; BRANCO, A. M. F. Evaluation of Bank Efficiency in Brazil: A DEA Approach. Revista de Administração Mackenzie, v. 17, n. 4, p. 62-84, 2016.
Citação APA:
Cava, P. B., Salgado Junior, A. P., & Branco, A. M. F. (2016). Evaluation of Bank Efficiency in Brazil: A DEA Approach. Revista de Administração Mackenzie, 17(4), 62-84.
DOI:
http://dx.doi.org/10.1590/1678-69712016/administracao.v17n4p61-83
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42688/avaliacao-da-eficiencia-bancaria-brasileira--uma-abordagem-dea/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Inglês
Referências:
Assaf, A.; Barros, C.; Matousek, R. (2011). Technical efficiency in Saudi banks. Expert Systems with Applications, 38(5), 5781-5786.

Avkiran, N. (2011). Association of DEA super-efficiency estimates with financial ratios: investigating the case for Chinese banks. Omega, 39(3), 323-334.

Banker, R.; Charnes, A.; Cooper, W. (1984). Some models for estimating technical and scale inefficiencies in data envelopment analysis. Management Science, 30(9), 1078-1092.

Batista, F. (2009). Metodologia para o uso da análise por envoltória de dados no auxílio à decisão. Dissertação de mestrado, Universidade Federal de Itajubá, Itajubá, MG, Brasil.

Becker, J.; Lunardi, G.; Maçada, A. (2003). Análise de eficiência dos bancos brasileiros: um enfoque nos investimentos em tecnologia da informação (TI). Revista Produção, 13(2), 70-81.

Bergendahl, G. (1998). DEA and benchmarks - an application to Nordic banks. Annals of Operations Research, 82(0), 233-250.

Ceretta, P.; Niederauer, C. (2001). Rentabilidade e eficiência no setor bancário brasileiro. Revista de Administração Contemporânea, 5(3), 7-26.

Charnes, A.; Cooper, W.; Rhodes, E. (1978). Measuring the efficiency of decision making units. European Journal of Operational Research, 2(6), 429-444.

Costas, S.; Panagiotis, T. (2010). How do Greek banking institutions react after significant events?A DEA approach. Omega, 38(5), 294-308.

Drake, L.; Hall, M.; Simper, R. (2006). The impact of macroeconomic and regulatory factors on bank efficiency: A non-parametric analysis of Hong Kong’s banking system. Journal of Banking and Finance 30(5), 1443-1466.

Epure, M.; Kerstens, K.; Prior, D. (2011). Bank productivity and performance groups: a decomposition approach based upon the Luenberger productivity indicator. European Journal of Operational Research, 211(3), 630-641.

Fethi, M.; Pasiouras, F. (2010). Assessing bank performance with operational research and artificial intelligence techniques: a survey. European Journal of Operational Research, 204(2), 189-198.

Gil, A. (2002). Como elaborar projetos de pesquisa. 4a ed. São Paulo: Atlas.

Hasan, M.; Kamil, A.; Mustafa, A.; Baten, M. (2012). A Cobb Douglas stochastic frontier model on measuring domestic bank efficiency in Malaysia. PLoS ONE, 7(8), e42215.

Langkamp, C. (2014). Corporate credit risk management. Lohmar: Josef Eul Verlag Gmbh.

Liu, S. (2009). Slacks-based efficiency measures for predicting bank performance. Expert Systems with Applications, 36(2), 2813-2818.

Liu, S. (2010). Measuring and categorizing technical efficiency and productivity change of commercial banks in Taiwan. Expert Systems with Applications, 37(4), 2783-2789.

Maçada, A.; Becker, J.; Lunardi, G. (2005). Efetividade de conversão dos investimentos em TI na eficiência dos bancos brasileiros. Revista de Administração Contemporânea, 9(1), 9-33.

Macedo, M. A.; Barbosa, A. T. (2009). Eficiência no sistema bancário brasileiro: uma análise do desempenho de bancos de varejo, atacado, middle-market e financiamento utilizando DEA. Revista de Informação Contábil (RIC), 3(3), 1-24.

Macedo, M. A. S.; Santos, R. M.; Silva, F. F. (2008). Desempenho organizacional no setor bancário brasileiro: uma aplicação da análise envoltória de dados. Revista de Administração Mackenzie, 7(1), 11-44.

Macoris, L.; Salgado Jr, A. P.; Falsarella Jr, E. (2015). The different approaches of banking efficiency: a meta-analysis. Proceedings of the International Conference on Data Envelopment Analysis. Braunschweig, Germany, 13.

Mainetti Jr, S.; Gramani, M. N.; Barros, H. (2014). Despesas com tecnologia da informação e eficiência organizacional: novas evidências do setor bancário brasileiro. RAI - Revista de Administração e Inovação, 11(1), 138-161.

Paradi, J. C.; Yang, Z.; Zhu, H. (2011). Assessing bank and bank branch performance - modeling considerations and approaches. In W. W. Cooper, L. S. Seiford & J. Zhu (Eds.), Handbook on data envelopment analysis. 2 ed. pp. 315-361. New York: Springer.

Périco, A.; Rebelatto, D. N.; Santana, N. B. (2008). Eficiência bancária: os maiores bancos são os mais eficientes?Uma análise por envoltória de dados. Gest. Prod.; 15(2), 421-431.

Saha, A.; Ravisankar, T. (2000). Rating of Indian commercial banks: a DEA approach. European Journal of Operational Research, 124(1), 187-203.

Sathye, M. (2003). Efficiency of banks in a developing economy: The case of India. European Journal of Operational Research, 148(3), 662-671.

Sealey, C.; Lindley, J. (1977). Inputs, outputs and a theory of production and cost of depository financial institutions. Journal of Finance, 32(4), 1251-1266.

Souza, M.; Macedo, M. (2009). Análise de desempenho contábil-financeiro no setor bancário brasileiro por meio da aplicação da análise envoltória de dados (DEA). BASE - Revista de Administração e Contabilidade da UNISINOS, 6(2), 81-100.

Staub, R. B.; Souza, G. S.; Tabak, B. M. (2010). Evolution of bank efficiency in Brazil: a DEA approach. European Journal of Operational Research, 202(1), 204-213.

Tabak, B. M.; Krause, K.; Portella, G. R. (2005). Eficiência bancária: o valor intrínseco na função de produção. Revista de Administração, 40(4), 361-379.

Tecles, P. L.; Tabak, B. M. (2010). Determinants of bank efficiency: the case of Brazil. European Journal of Operational Research, 207(3), 1587-1598.

Thanassoulis, E. (2003). Introduction to the theory and application of data envelopment analysis: a foundation text with integrated software. 2 ed. New York: Springer.

Tone, K. (2001). A slacks-based measure of efficiency in data envelopment analysis. European Journal of Operational Research, 130(3), 498-509.

Tone, K. (2011). Slacks-based measure of efficiency. In W. W. Cooper, L. S. Seiford & J. Zhu (Eds.), Handbook on data envelopment analysis. 2 ed. pp. 195-209. New York: Springer.

Wanke, P.; Barros, C. (2014). Two-stage DEA: an application to major Brazilian banks. Expert systems with applications, 41(5), 2337-2344.

Wanke, P.; Barros, C.; Faria, J. (2015). Financial distress drivers in Brazilian banks: a dynamic slacks approach. European Journal of Operational Research, 240(1), 258-268.

Wolters, M.; Barbosa, E.; Felicio, J. (2014). The effects of the global financial crisis on Brazilian banking efficiency. Innovar, 24(53), 23-39.

Zhu, J. (2009). Quantitative models for performance evaluation and benchmarking: data envelopment analysis with spreadsheets. 2 ed. New York: Springer.