Distância Psicológica em Internacionalização de Empresas: Reflexões sob o Ponto de Vista do Strangeiro Outros Idiomas

ID:
42790
Periódico:
Resumo:
Estudos em Gestão Internacional indicam que a distância psicológica impacta o desempenho organizacional, afetando também a questão da identidade organizacional em empresas em processo de internacionalização. Neste sentido, a partir de uma abordagem qualitativa e interpretativista, o presente estudo teórico-empírico teve por objetivo problematizar o fenômeno ainda pouco explorado da distância psicológica a partir da visão dos empregados estrangeiros de uma organização transnacional brasileira do setor de energia. A pesquisa empírica com empregados estrangeiros foi efetuada na Argentina, Colômbia e Venezuela. Os resultados ressaltaram que os fatores ambientais (formação de blocos comerciais, regiões e imigração e contatos fronteiriços) não se aplicaram ao nosso objeto de pesquisa, pois, embora estes países possuam fortes processos migratórios com o país de origem da empresa internacionalizada (no caso, o Brasil), ainda assim, existe uma considerável distância psicológica entre os empregados desses países com a sua matriz.
Citação ABNT:
CELANO, A.; FONTOURA, Y.; MACIEL, E. Distância Psicológica em Internacionalização de Empresas: Reflexões sob o Ponto de Vista do Strangeiro . Revista Pretexto, v. 17, n. 2, p. 81-97, 2016.
Citação APA:
Celano, A., Fontoura, Y., & Maciel, E. (2016). Distância Psicológica em Internacionalização de Empresas: Reflexões sob o Ponto de Vista do Strangeiro . Revista Pretexto, 17(2), 81-97.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21714/pretexto.v17i2.2855
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42790/distancia-psicologica-em-internacionalizacao-de-empresas--reflexoes-sob-o-ponto-de-vista-do-strangeiro-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ADLER, N. J. International dimensions of organizational behavior. South-Western College Publishing: Cincinnati, OH, p. 67-178, 1997.

ALCADIPANI, R. Violência e masculinidade nas relações de trabalho: imagens do campo em pesquisa etnográfica. Cadernos EBAPE.BR, v. 8, n. 1, Rio de Janeiro, Mar. 2010.

BARKEMA, H. G; BELL, J. H. J.; PENNINGS, J. M. Foreign entry, cultural barriers, and learning. Strategic Management Journal, v. 17, 151-166, 1996.

BAUER, M.; AARTS, B. A construção do corpus: um princípio para a coleta de dados qualitativos. In: BAUER, M.; GASKELL, G. Pesquisa Qualitativa com Texto, Imagem e Som. Petrópolis, RJ: Vozes, 2002.

BENITO, G. R. C.; GRISPUD, G. The expansion of foreign entry, cultural barriers, and learning. Strategic Management Journal, Hoboken, N.J., v. 17, n. 2, p. 209-31, 1993.

BLOMKVIST, K.; DROGENDIJK, R. The impact of psychic distance on Chinese outward direct investments. Management International Review. 53:659-686. 2013.

BOYACIGILLER, N. The role of expatriates in the management of interdependence. Journal of International Business Studies, v. 21, n. 3, 3rd Qtr., p. 357-381, 1990.

BUCHANAN, D. A. The role of photography in organization research: a reengineering case illustration. Journal of Management Inquiry, v. 10, n. 2, p. 151-164, 2001.

CALDAS, M.; TONELLI, M. J. Casamento, estupro ou dormindo com o inimigo? Interpretando imagens de fusões e aquisições. Organizações e Sociedade, Salvador, v. 9, n. 23, jan./abr. 2002.

CASSELL, C.; SYMON, G. Qualitative methods in organizational research: a practical guide. Londres: Sage, 1994.

CASSON, M. C. Cultural determinants of economic performance. Journal of Comparative Economics, Burlington, Mass., v. 17, p. 418-442, 1993.

CELANO, A. C. O papel da comunicação interna da área internacional da Petrobras na América do Sul na formação de identidade organizacional. Dissertação de Mestrado. Universidade Estácio de Sá. Mestrado em Administração e Desenvolvimento Empresarial. Rio de Janeiro, 2007.

DOUGHERTY, D.; KUNDA, G. Photograph analysis: a method to capture organizational belief systems. In: GAGLIARDI, P. (Ed.). Symbols and artifacts: views of the corporate landscape. Berlin: De Gruyter, p. 185-206, 1990.

ERIKSSON, K. Effect of variation on knowledge accumulation in the internationalization process. International Studies of Management and Organization, New York, v. 30, n. 1, p. 26-44, 2000.

EVANS, J.; TREATGOLD, A.; MAVODO, F. T. Explaining export development through psych distance. International Marketing Review, London, v. 17, n. 2, p. 164-168, 2000.

FLETCHER, R.; BOHN, R. The impact of psych distance in the internationalization of the Australian firm. Journal of Global Marketing, New York, v. 12, n. 2, p. 47-68, 1998.

FLICK, U. Uma introdução à Pesquisa Qualitativa. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FORD, D. Buyer/seller relationship in international industrial markets. Industrial Marketing Management, Amsterdam, v. 13, n. 2, p. 101-113, 1984.

FREITAS. A. B. Traços brasileiros para uma análise organizacional. In: MOTTA F. P.; CALDAS, M. P. Cultura organizacional e cultura brasileira. São Paulo: Atlas, 1997.

HALL, S. The question of culture identity. In: HALL, S; HELD, D; McGREW, T. Modernity and its future. Cambridge: Polity, 1992.

HALLÉN, L.; WIEDERSCHEIM-PAUL, F. Psych distance and buyer-seller interaction. In: GHAURI, P. (Ed.) The internationalization of the firm: a reader. London: Harcourt, 1993.

HEMAIS, C. (Ed.) O Desafio dos Mercados Externo. Coleção de estudos COPPEAD, Ed. Mauá, 2005.

JACK, G. A.; CALÁS, M. B.; NKOMO, S. M.; PELTONEN, T. Critique and International Management: An uneasy relationship? Academy of Management Review, v. 33, n. 4, p. 870-884, 2008.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The internationalization process of the firm: a model of knowledge development and increasing foreign marketing commitments. Journal of International Business Studies, Basingstoke, v. 8, n. 1, p. 23-32, 1997.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E. The mecanism of internationalization. International Marketing Review, London, v. 7, n. 4, p. 11-24, 1990.

JOHANSON, J.; VAHLNE, J. E.; WIEDRSCHEIM-PAUL, F. The internationalization of the firm: four Swedish cases. Journal of Management Studies, Oxford, v. 12, n. 3, p. 305-322, Oct. 1975.

KOGUT, B.; SINGH, H. The effect of national culture on the choice of entry mode. Journal of International Business Studies, Basingstoke, v. 19, n. 3, p. 411-432, 1988.

KUNTER, A.; BELL, E. The promise and potential of visual organizational research. M@n@gement, v. 9, n. 3, p. 169189, 2006.

LIBERMAN, N.; FÖRSTER, J. Distancing from experienced self: How global-versus-local perception affects estimation of psychological distance. Journal of Personality and Social Psychology, Vol 97(2), 203 -216. 2009.

NKOMO, S. M.; COX, T. Diversidade e identidade nas organizações. In: CLEGG. S. R.; HARDY, C.; NORD, W. R. Handbook de Estudos Organizacionais – Modelos de análise e novas questões em estudos organizacionais, v. 1, São Paulo: Atlas, 2006.

NORDSTROM, K.; VAHLNE, J. E. Is the globe shrinking? Psychic distance and the establishment of Swedish sales subsidiaries during the last 100 years. In: M. LANDECK (Ed.) International trade: Regional and global issues, p. 41–56, New York: St Martin’s Press, 1994.

O’GRADY, S.; LANE, H. The psychic distance paradox. Journal of International Business Studies. Basingstoke, v. 27, n. 2, p. 309-333, 1996.

PERLS, F. A abordagem Gestáltica e testemunha ocular da terapia. Rio de Janeiro. Zahar, 1981.

REZENDE, O.; SERPA, C. Internacionalização das empresas de biotecnologia em Belo Horizonte – MG, Brasil. Pretexto, v. 9, n. 3, p. 9-34, 2008.

ROCHA, A. O construto da distância psicológica: componentes, mediadores e assimetria. In: RODRIGUES, L. et al. Inovação aberta e internacionalização de negócio. Pretexto, v. 13, n. 3, p. 92-107, 2012.

SILVA, J. R. G.; VERGARA, S. C.; O significado da mudança: as percepções dos funcionários de uma empresa brasileira diante da expectativa de privatização. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 34, n. 1, p. 79-99, 2000.

SILVA, M.; ROCHA, A.; FIGUEIREDO, O. Medindo o construto da distância psíquica. E&G Economia e Gestão, Belo Horizonte, v. 7, n. 14, p. 1-178, 2007.

STÕTTINGER, B.; SCHLEGELMILCH, B. Explaining export development through psychic distance: enlightening or elusive? International Marketing Review, London, v. 15, n. 5, p. 357-72, 1998.

STRANGLEMAN, T. Ways of (not) seeing work: the visual as a blind spot. WES – Work, Employment and Society, v. 18, n. 1, p. 179-192, 2004.

SYMON, G.; CASSELL, C. Qualitative methods and analysis in organizational research, London: Sage, 1998.

TROPE, Y.; LIBERMAN, N. Construal-level theory of psychological distance. Psychological Review, Vol 117(2), 440-4, 2010.

WOOD JR, T.; CALDAS, M. P. Rindo do quê? Como consultores reagem ao humor crítico a sua profissão. O&S – Organizações & Sociedade, v. 12, n. 34, p. 83-102, 2005.

ZUBOFF, S. In the age of smart machine: the future of work and power. New York: Basic Books, 1988.