A Vida na Fazenda: Sentidos Subjetivos do Servidor Fazendário Ante a Participação no Trabalho Outros Idiomas

ID:
4287
Resumo:
O problema de pesquisa deste estudo tem origem em inquietações dos autores, ao longo de mais de vinte anos de serviço público, sobre a diversidade e a complexidade da participação no trabalho, nem sempre explicável objetivamente: que sentidos subjetivos perpassam o servidor público fazendário no que tange à participação no trabalho? Este artigo visa compreender os sentidos subjetivos do servidor fazendário ante a participação no trabalho. O referencial teórico é a teoria da subjetividade na perspectiva histórico-cultural de González Rey (2003, 2005), que propõe uma concepção de subjetividade baseada numa compreensão histórico-cultural do homem, rompendo com a dicotomia entre o social e o individual. A essa perspectiva da subjetividade são associados estudos de autores
(inter)nacionais sobre a participação no trabalho, como O’Donoghue, Stanton e Bartram (2011), Zani e Spinelli (2010), Neves e Castro (2010), Palgi (2006), Cox, Zagelmeyer e Marchington (2006), Demo (1988), Coutinho (2006) e Leal Filho (2009). Adota-se um conceito de participação associado às formas e aos meios pelos quais os trabalhadores e dirigentes de uma organização influenciam seus destinos (MOTTA, 1999). Trata-se de um estudo de natureza qualitativa baseada na epistemologia qualitativa (GONZÁLEZ REY, 2005). As interpretações fundamentam-se na acepção de sentido subjetivo (GONZÁLEZ REY, 2003, 2005). Os sujeitos pesquisados são sete auditores fiscais da Secretaria de Estado da Fazenda do Espírito Santo (Sefaz). O levantamento dos dados deu-se em quatro momentos empíricos, entre julho de 2009 e fevereiro de 2010. As interpretações evidenciam sentidos subjetivos relevantes em cada um dos sujeitos ante a participação no trabalho, associados, entre outros: à visão ideológica, ao núcleo familiar, à autoestima, ao novo e à mudança, à formalidade e à família. Os resultados possibilitam também identificar elementos marcantes da subjetividade social prevalente na instituição, destacando-se: cultura baseada no controle, mistura entre relações de amizade e profissionais, e carência de espaços de participação. Por fim, sugerem-se medidas no sentido de aprimorar a relação servidor-instituição e a participação do servidor no trabalho, e são abordadas lacunas, limitações do estudo e questões para pesquisas futuras.
Citação ABNT:
SILVEIRA, R. Z.; PALASSI, M. P. A Vida na Fazenda: Sentidos Subjetivos do Servidor Fazendário Ante a Participação no Trabalho. Revista de Administração Mackenzie, v. 12, n. 6, art. 70, p. 192-223, 2011.
Citação APA:
Silveira, R. Z., & Palassi, M. P. (2011). A Vida na Fazenda: Sentidos Subjetivos do Servidor Fazendário Ante a Participação no Trabalho. Revista de Administração Mackenzie, 12(6), 192-223.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/4287/a-vida-na-fazenda--sentidos-subjetivos-do-servidor-fazendario-ante-a-participacao-no-trabalho/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARENDT, H. O que é política? 2. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CASTRO, P. P.; PACHECO, L.; PATRUS-PENA, R. Relacionando variáveis da gestão de pessoas nas organizações: gestão participativa forte enfraquece as relações com os sindicatos? In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 33., 2009, São Paulo. Anais... São Paulo: Anpad, 2009.

COUTINHO, M. C. Participação no trabalho. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2006.

COX, A.; ZAGELMEYER, S.; MARCHINGTON, M. Embedding employee involvement and participation at work. Human Resource Management Journal, v. 16, n. 3, p. 250-267, 2006.

DEMO, P. Participação é conquista. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1988.

DI PIETRO, M. S. Z. Direito administrativo. 16. ed. São Paulo: Atlas, 2003.

GHORPADE, J.; LACKRITZ, J.; SINGH, G. Views of employee participation, higher order needs, altruism, pride in craftsmanship, and collectivism: implications for organizational practice and public policy. Journal of Applied Social Psychology, v. 36, n. 10, p. 2474-2491, 2006.

GONZÁLEZ REY, F. L. La Investigación cualitativa en psicología: rumbos y desafíos. São Paulo: Educ, 1999.

GONZÁLEZ REY, F. L. Pesquisa qualitativa e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2005.

GONZÁLEZ REY, F. L. Sujeito e subjetividade. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2003.

KLIKSBERG, B. Seis teses não-convencionais sobre participação. Revista de Administração Pública, Rio de Janeiro, v. 33, n. 3, p. 7-37, maio/jun. 1999.

LEAL FILHO, J. G. Gestão estratégica participativa. 2. ed. Curitiba: Juruá, 2009.

MCCREA, P. B.; FERGUSON, M. Reducing work-to-life interference in the public service: the importance of participative management as mediated by other work attributes. Journal of Sociology, v. 47, n. 3, p. 313-332, 2011.

MCLAGAN, P. A. A nova era da participação: o desafio de emocionar e envolver pessoas. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

MELLO, C. A. B. de. Curso de direito administrativo. 12. ed. São Paulo: Malheiros, 2000.

MENDONÇA, L. C. de. Participação na organização: uma introdução aos seus fundamentos, conceitos e formas. São Paulo: Atlas, 1987.

MOTTA, P. R. Gestão contemporânea: a ciência e a arte de ser dirigente. Rio de Janeiro: Record, 1999.

NEVES, F. de S.; CASTRO, J. M. de. A participação e o envolvimento dos servidores como fatores críticos para a implementação de um processo de mudança organizacional: um estudo de caso no governo do estado de minas gerais. In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓSGRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2010.

O’DONOGHUE, P.; STANTON, P.; BARTRAM, T. Employee participation in the healthcare industry: the experience of three case studies. Asia Pacific Journal of Human Resources, v. 49, n. 2, p. 193-212, June 2011.

PAES DE PAULA, A. P.; PALASSI, M. P. Subjetividade e simbolismo nos estudos organizacionais: um enfoque histórico-cultural. In: CARRIERI, A. P.; SARAIVA, L. A. S. (Org.). Simbolismo organizacional no Brasil. São Paulo: Atlas, 2007.

PALGI, M. Experiences of self-management and employee participation. International Review of Sociology, v. 16, n. 1, p. 49-53, 2006.

PEREIRA, G. M.; OSBUM, H. G. Effects of participation in decision making on performance and employee attitudes: a quality circles meta-analysis. J. Bus. Psychol., v. 22, n. 2, p. 145-153, 2007.

PRESTES-MOTTA, F. C. Participação e co-gestão. Novas formas de administração. São Paulo: Brasiliense, 1982.

SEN, A. Democracy as a universal value. Journal of Democracy, v. 10, n. 3, p. 3-17, 1999.

SILVA, Á. J. dos S.; REZENDE, L. G. Sindifiscal-ES: suas lutas e conquistas. Vitória: Sindifiscal, 2009.

SILVEIRA, R. Z.; PALASSI, M. P. Produção científica sobre participação cidadã na Administração Pública: uma análise a partir dos artigos publicados nos principais eventos e revistas nacionais de Administração (1997-2008). In: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE PODER, 11., 2009, Salvador. Anais... Salvador: UFBA, 2009.

ZANI, F. B.; SPINELLI, R. Q. Inovação na gestão pública: eficiência com participação? In: ENCONTRO NACIONAL DOS PROGRAMAS DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ADMINISTRAÇÃO, 34., 2010, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Anpad, 2010.