Uso Fiel da Fenomenologia: um Fenômeno Raro? Outros Idiomas

ID:
42941
Resumo:
A fenomenologia pode ser entendida como filosofia ou como método. Enquanto método, é útil na pesquisa organizacional e de consumo, já que possibilita a compreensão de questões intrincadas que podem não estar implícitas de forma imediata em respostas superficiais. Contudo, há consenso de que não se trata de algo trivial. Lançando mão de amostra de artigos de Administração, extraídos da base Spell, este artigo, qualitativo, que se caracteriza como levantamento bibliográfico, quanto aos meios, e descritivo-exploratório, quanto aos fins, investiga até que ponto os pesquisadores dessa área de fato utilizam corretamente o método fenomenológico em pesquisas empíricas. Sua conclusão é de que, além de poucos serem os artigos que se dizem fenomenológicos, uma proporção diminuta deles de fato cumpre as exigências para assim se qualificar. Reflexões são realizadas a respeito desse resultado e novas pesquisas são sugeridas.
Citação ABNT:
TROCCOLI, I. R.Uso Fiel da Fenomenologia: um Fenômeno Raro?. Revista de Administração FACES Journal, v. 15, n. 3, p. 107-123, 2016.
Citação APA:
Troccoli, I. R.(2016). Uso Fiel da Fenomenologia: um Fenômeno Raro?. Revista de Administração FACES Journal, 15(3), 107-123.
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42941/uso-fiel-da-fenomenologia--um-fenomeno-raro-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
COSTAITO, N.; GIMENEZ, F. Interpretando textos organizacionais: um enfoque metodológico para a aplicação de uma hermenêutica fenomenológica de textos de estratégia. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 2, p. 237-268, 2012.

DE PAULA, R.; ANDRADE, J. A fenomenologia de Schutz nos estudos organizacionais: o caso da estratégia empresarial. REBRAE - Revista Brasileira de Estratégia, v. 4, n. 2, p. 155-168, 2011.

HUSSERL, E. A ideia da fenomenologia. Lisboa: Edições 70, 2001.

AGUIAR, E.; BARBOSA, O. Fenomenologia da percepção: uma abordagem para a investigação de experiências de consumo. In: ENCONTRO DE ENSINO E PESQUISA EM ADMINISTRAÇÃO E CONTABILIDADE (EnEPQ), 4.; 2013, Brasília. Anais... Brasília (DF): ENEPQ, 2013.

ALVARENGA, M.; PITOMBO, N. O papel dos valores nas escolhas de carreira de jovens discentes/ trabalhadores. Gestão & Regionalidade, v. 31, n. 92, p. 86102, 2015.

BAZANINI, R.; BERTON, R. Estratégias e geração de vantagem competitiva no mercado de veículos off-road: análise fenomenológica do lançamento do modelo Ford Ecosport no Brasil. REMark - Revista Brasileira de Marketing, São Paulo, v. 10, n. 1, p 123-150, 2011.

BAZANINI, R.; SANTOS, R.; RIBEIRO, H.; BAZANINI, H. Empreendedorismo na sociedade do espetáculo: gestão do futebol no universo globalizado. Perspectivas em Gestão & Conhecimento, v. 4, n. 1, p. 135-160, 2014.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa qualitativa segundo a visão fenomenológica. São Paulo: Cortez, 2011.

COLAIZZI, P. Reflections and research in psychology: A phenomenological study of learning. Dubuque, IA: Kendall/Hunt, 1978.

CORREA, A. Fenomenologia: uma alternativa para pesquisa em enfermagem. Rev.latino-am.enfermagem, v. 5, n. 1, p. 83-88, jan. 1997.

DURGEE, J. F. Point of View: Using Creative Writing Techniques in Focus Groups. Journal of Advertising Research, v. 26, n. 6, p. 57-65, 1987.

FACHIN, O. Fundamentos de metodologia. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2003.

FARIA, M.; VERGARA, S.; CARVALHO, J. Pesquisas com foco em pessoas com deficiência no campo da administração: paradigmas e perspectivas epistemológicas. Revista Gestão e Planejamento, v. 15, n. 1, p. 21-39, 2014.

GIORGI, A. Phenomenology and psychological research. Pittsburg: Duquesne University Press, 1985.

GLASER, B.; STRAUSS, A. The discovery of Grounded Theory. Chicago: Aldine 1967.

GOULDING, C. Grounded theory, ethnography and phenomenology. A comparative analysis of three qualitative strategies for marketing research. European Journal of Marketing, v. 39, n. 3-4, p. 294-308, 2005.

HEIDEGGER, M. Being and Time. New York, NY: Harper & Row, 1962.

HUSSERL, E. Investigaciones lógicas. Madri: Castilha, 1967.

HUSSERL, E. The crisis of European Sciences and Transcendental Phenomenology. Evanston, IL: Northwestern University Press, 1962.

KLIOT, N. Here and There: The Phenomenology of Settlement Removal from Northern Sinai. The Journal of Applied Behavioral Science, v. 23, n. 1, p. 35-51, 1987.

LANZARA, G. F.; PATRIOTTA, G. Technology and the courtroom: An inquiry into knowledge making in organizations. The Journal of Management Studies, v. 38, n. 7, p. 943-971, 2001.

MACEDO, F.; ANTONIALLI, L. Estudo fenomenológico social da ação estratégica em um arranjo produtivo local moveleiro. Revista Ibero-Americana de Estratégia - RIAE, v. 12, n. 3, p. 93-124, 2013.

MACEDO, F.; BOAVA, D.; CAPPELLE, M.; OLIVEIRA, M. Relações de Gênero e Subjetividade na Mineração: um Estudo a partir da Fenomenologia Social. RAC, v. 16, n. 2, p. 217-236, 2012.

MAISONNAVE, P.; ROCHA PINTO, S. Em busca da epoché: uma pesquisa quantitativa como subsídio à redução fenomenológica. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 4, n. 3, p. 86-101, 2007.

MARAVALHAS, E.; ODELIUS, C. Aprendizagem e sensemaking em práticas de auditoria interna. Contabilidade, Gestão e Governança, v. 13, n. 3, p. 17-37, 2010.

MARTINS J. Um enfoque fenomenológico do currículo: a educação como poiesis. São Paulo: Cortez, 1993.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

MICK, D. G.; DEMOSS, M. Self-Gifts: Phenomenological Insights from Four Contexts. Journal of Consumer Research, v. 17, n. 3, p. 322-332, 1990.

MOREIRA, D. Pesquisa em Administração: origens, usos e variantes do método fenomenológico. RAI - Revista de Administração e Inovação, v. 1, n. 1, p. 5-19, 2004.

MORGAN, G.; SMIRCICH, L. The case for qualitative research. The Academy of Management Review, v. 5, n. 4, p. 491-500, 1980.

MOURA, C. Crítica da razão na fenomenologia. São Paulo: EDUSP, 1989.

RUDMIN, F. W. Gender Differences in the Semantics of Ownership: A Quantitative Phenomenological Survey Study. Journal of Economic Psychology, v. 15, n. 3, p. 487- 510, 1994.

SCHIPPER, F. Phenomenology and the Reflective Practitioner. Management Learning, v. 30, n. 4, p. 473-485, 1999.

SCHUTZ, A. The Phenomenology of the Social World. Evanston, IL: Northwestern University Press, 1967.

SILVEIRA, R.; GUERRA, A.; GONÇALVES, C. A aplicação da fenomenologia nos estudos organizacionais no Brasil. Administração: Ensino e Pesquisa, v. 13, n. 2, jun. p. 269-300, 2012.

SIMONETTI, S.; SILVA, G. Percepção dos conflitos socioambientais gerados pelo turismo na vila de Paricatuba (Iranduba-AM). Desafio Online, v. 1, n. 2, 2013.

SPIVEY, W.; MUNSON, J.; NELSON, M.; DIETRICH, G. Coordinating the Technology Transfer and Transition of Information Technology: A Phenomenological Perspective. IEEE Transactions on Engineering Management, v. 44, n. 4, p. 359-366, 1997.

SPLITTER, K.; ROSA, C.; BORBA, J. Uma Análise das Características dos Trabalhos “Ditos” Bibliométricos Publicados no Enanpad entre 2000 e 2011. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CUSTOS, 20.; 2013, Uberlândia. Anais... São Leopoldo: Associação Brasileira de Custos, 2013.

STERN, B. B.; THOMPSON, C. J.; ARNOULD, E. J. Narrative analysis of a marketing relationship: The consumer’s perspective. Psychology and Marketing, v. 15, n. 3, p. 195-214, 1998.

STREUBERT, H.; CARPENTER, D. Qualitative Research in Nursing: Advancing the Humanistic Imperative. Philadelphia: J. B. Lippincott Company, 1995.

SUDDABY, R. From the editors: what grounded theory is not. Academy of Management Journal, v. 49, n. 4, p. 633-642, 2006.

SWINDER, J.; TROCCHIA, P. J. Vegetarianism: Toward a greater understanding. Psychology and Marketing, v. 18, n. 12, p. 1205-1240, 2001.

TROCCOLI, I. R. E os pesquisadores brasileiros que praticam grounded theory: o que fazem? Revista Digital de Biblioteconomia e Ciência da Informação, v. 12, p. 20-37, 2014.

VAN KAAN, A. Phenomenological analysis: Exemplified by a study of the experience of “really feeling understood”. Journal of Individual Psychology, v. 15, p. 66-72, 1959.

VENTURA, V.; LEITE, N. Percepção da influência da gestão estratégica de pessoas no comprometimento organizacional. PRETEXTO, Belo Horizonte, v. 15, n. 3, p. 1128, 2014.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. São Paulo: Atlas, 2013.

VILLARDI, B.; VERGARA, S. Implicações da Aprendizagem Experiencial e da Reflexão Pública para o Ensino de Pesquisa Qualitativa e a Formação de Mestres em Administração. RAC, Curitiba, v. 15, n. 5, p. 794-814, 2011.