Aprendizagem Empreendedora para Inovação: Estudo de Casos de Pequenas Empresas do Programa ALI Outros Idiomas

ID:
42962
Resumo:
Embora evidente a influência do processo de aprendizagem na geração e implementação de inovações bem como o impacto da inovação na aprendizagem empreendedora, ainda são emergentes os estudos empíricos que relacionem os dois temas. Este estudo teve como objetivo principal analisar como os empreendedores participantes do programa agentes locais de inovação-ALI, desenvolvido pelo SEBRAE, aprenderam a inovar observando-se especificamente, os modos de aprendizagem experiencial, formal, por network e vicarious learning. Foi realizado por meio de um estudo de casos múltiplos, com dois casos de sucesso do programa Agentes Locais de inovação-ALI. Após a descrição individual foi realizada análise comparativa dos casos em que foram destacadas as semelhanças e diferenças com relação a cada modo de aprendizagem definidos como os mais relevantes. Com base nas evidências verificou-se que os diversos modos de aprendizagem empreendedora foram identificados e que esses tipos de aprendizagem empreendedora contribuíram para suas inovações empresariais.
Citação ABNT:
FORTES, G. P.; LOPES, C. C. S.; TEIXEIRA, R. M. Aprendizagem Empreendedora para Inovação: Estudo de Casos de Pequenas Empresas do Programa ALI . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, v. 10, n. 3, p. 82-99, 2016.
Citação APA:
Fortes, G. P., Lopes, C. C. S., & Teixeira, R. M. (2016). Aprendizagem Empreendedora para Inovação: Estudo de Casos de Pequenas Empresas do Programa ALI . Revista Pensamento Contemporâneo em Administração, 10(3), 82-99.
DOI:
http://dx.doi.org/10.12712/rpca.v10i3.781
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/42962/aprendizagem-empreendedora-para-inovacao--estudo-de-casos-de-pequenas-empresas-do-programa-ali-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALVIM, P. Inovação na pequena empresa: como alavancar. São Paulo, PROTAP 97, 1997.

AZOULAY, P.; SHANE, S. Entrepreneurs, contracts, and the failure of young firms. Management Science, v. 47, n. 3, p. 337-358, 2001.

BENEDETTI, M. H. A inovação como fator de crescimento de pequenos negócios. Anais do Simpósio de Gestão da Inovação Tecnológica, Gramado, Rio Grande do Sul, Brasil, 2006.

BINGHAM, C. B.; DAVIS, J. P. Learning sequences: their existence, effect, and evolution. Academy of Management Journal, v. 55, n. 3, p. 611–641, 2012.

BITTENCOURT, P. F. Padrões setoriais de aprendizagem da indústria brasileira: uma análise exploratória. Revista Brasileira de Inovação, v.11, n.1 p. 37-68. 2012.

BOTELHO,M. R. A; CARRIJO, M. C; KAMASAKI, G. Y. Inovações, pequenas empresas e interações com instituições de ensino/pesquisa em arranjos produtivos locais de setores de tecnologia avançada. Revista Brasileira de Inovação. v. 2, n. 3, p. 205 – 229, 2007.

CAMARGO FILHO, A.; BORGES, C. El aprendizaje empresarial en los emprendimientos sustentables del sector turístico del cerrado brasileño. Estudios y Perspectivas en Turismo, v. 22, p 568 – 582, 2013.

COPE, J. Toward a dynamic learning perspective of entrepreneurship. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29 n. 4, p.373-397, oct./dec. 2005.

COPE, J.; WATTS, G. Learning by doing – an exploration of experience, critical incidents and reflection in entrepreneurial learning, International Journal of Entrepreneurial Behavior & Research, v. 6, n.3, p.104 – 124. 2000.

CORBETT, A. C. Experiential learning within the process of opportunity identification and exploitation. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 28, n.5 p. 473-491, jul. 2005.

DRUKER, P. F. Inovação e espírito empreendedor. Editora Pioneira, 1987.

EISENHARDT, K., Building theory from case study research. Academy of Management Review, v.14, n.4, p.532-550, 1989.

FERREIRA, L. F. F.; OLIVA, F. L.; SANTOS, S. A. DOS; HILDEBRAND, C. C. DE; LIMA, A. C. Análise quantitativa sobre a mortalidade precoce de micro e pequenas empresas da cidade de São Paulo. Gestão & Produção, v. 19, n. 4, p. 811-823, 2012.

FLECK, D. L. Dois motores do crescimento corporativo. Revista de Administração de empresas, v. 43, n. 4, p. 10-24, dec. 2003 .

FORSMAN, H. Innovation capacity and innovation development in small enterprises: a comparison between the manufacturing and service sectors. Research policy, v. 40, n. 5, p. 739 -750, 2011.

GARTNER, W, B.; BIRLEY, S. Introduction to the special issue on qualitative methods in entrepreneurship research. Journal of Business Venturing, v. 17, p. 387–395, 2002.

GARVIN, D. A., NAYAK, R. P. Learning organization. HSM Management, jul.-ago. 1998.

GEMGlobal Entrepreneurship Monitor. Empreendedorismo no Brasil 2014Relatório Nacional. IBQP/SEBRAE/IEL. 2014. Disponível em: . Acesso em 07 janeiro 2016.

HIGGINS, D.; ASPINALL, C. Learning to learn: a case for developing small firm owner/managers, Journal of Small Business and Enterprise Development, v. 18 n. 1, p.43 – 57. 2011.

HOLCOMB, T. R.; IRELAND, R. D.; HOLMES Jr, R. M.; HITT, M. A. Architecture of entrepreneurial learning: exploring the link among heuristics, knowledge, and action. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 33, n. 1 p. 167-192, jan. 2009.

JENNINGS, J. E.; EDWARDS, T.; JENNINGS, P. D.; DELBRIDGE, R. Emotional arousal and entrepreneurial outcomes: combining qualitative methods to elaborate theory. Journal of Business Venturing, v. 30, p. 113–130, 2015.

LANDSTRÖM, H., HARIRCHI, G., ÅSTRÖM, F. Entrepreneurship: Exploring the knowledge base. Research Policy, v. 22, n. 1 p.1154–1181, 2012.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W.; PETTY J. W.. Administração de pequenas empresas: ênfase na gerência empresarial. São Paulo: Makron Books, 1998.

LONGENECKER, J. G.; MOORE, C. W., PETTY, J. W.; PALICH, L. E. Administração de pequenas empresas. São Paulo: Thomson Learning, 2007.

MAÇANEIRO, M. B.; CHEROBIM, A. P. M. S. Fontes de financiamento à inovação: incentivos e óbices às micro e pequenas empresas – estudo de casos múltiplos no estado do Paraná. Organizações & Sociedade, v.18, n.56, p. 57-75, jan./mar. 2011.

MACHADO, H. V. Empreendedorismo e franchising: uma combinação que garante a sobrevivência? Revista de Administração Mackenzie, São Paulo, v. 11, n. 4, 2010.

MAHAMID, I. Factors affecting contractor’s business failure: contractors’ perspective. Engineering, Construction and Architectural Management, v. 19, n. 3, p. 269-285, 2012.

MALDONADO, M.; DIAS, N.; VARVAKIS, G. Managing innovation in small hightechnology firms: a case study in Brazil. Journal of technology management & innovation, v. 4, n. 2, p. 130-142, 2009

MAN, T. W. Y. Exploring the behavioural patterns of entrepreneurial learning: a competency approach. Education + Training, v. 48, n. 5, p. 309 – 321, 2006.

MAN, T. W. Y.; LAU, T. Entrepreneurial competencies of SME owner/managers in the hong kong services sector: a qualitative analysis. Journal of Enterprising Culture, v. 8, n. 3, p. 235-254, sep. 2000.

MANUTI, A.; PASTORE, S.; SCARDIGNO, A. F.; GIANCASPRO, M. L.; MORCIANO, D. Formal and informal learning in the workplace: a research review. International Journal of Training and Development, v. 19, n. 1, p. 1-17, 2015.

MARSICK, V. J.; WATKINS, K. E. Informal and incidental learning. New Directions for Adult and Continuing Education, v. 1 n. 89, p. 25-34, 2001.

MARTINS, C. et al. Empreendedorismo inovador gerado pelas incubadoras de base tecnológica: mapeamento da produção científica até 2013. Revista de Negócios, v. 19, n. 2, p. 86-108, 2014.

MELLO, C. M. ; MACHADO, H. V. ; JESUS, M. J. Considerações sobre a inovação em PMES: o papel das redes e do empreendedor. Revista de Administração da UFSM, v. 3, p. 4157. 2010

MINNITI, M.; BYGRAVE, W. A dynamic model of entrepreneurial learning. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 25, n. 3, p. 5-16, 2001.

MINTZBERG, H.; AHLSTRAND, B.; LAMPEL, J. Safári de Estratégia: um roteiro pela selva do planejamento estratégico. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010

MOTTA, F. G. Fatores condicionantes na adoção de métodos de custeio em pequenas empresas. Dissertação de Mestrado, São Paulo: Universidade de São Paulo, 2000.

NONAKA, I.; TAKEUCHI, H. Criação de conhecimento na empresa. Rio de Janeiro: Elsevier, 1995.

NONAKA, I. The knowledge-creating company. Harvard Business Review, jul./aug. 2007.

OECD. Manual de Oslo: proposta de diretrizes para coleta e interpretação de dados sobre inovação tecnológica, FINEP, 2004.

PEREIRA, A. J.; DATHEIN, R. Processo de aprendizado, acumulação de conhecimento e sistemas de inovação: a “co-evolução das tecnologias físicas e sociais” como fonte de desenvolvimento econômico. Revista Brasileira de Inovação, v. 11 n. 1 p. 137-166. 2012.

PEREIRA, F.; MAGNUS, L. Fatores de inovação para a sobrevivência das micro e pequenas empresas no Brasil. Dissertação (Pesquisa) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

PEREIRA, M.; GRAPEGGIA, M.; EMMENDOERFER, M.; Três, D. Fatores de inovação para a sobrevivência das micro e pequenas empresas no Brasil. Revista de Administração e Inovação, v. 6, n. 1, p. 50-65,. 2009.

POLANYI, M. Personal knowledge: “towards a post-critical philosophy. University of Chicago: Press, Chicago. 1966.

POLITIS, D. The process of entrepreneurial learning: a conceptual framework. Entrepreneurship Theory and Practice, v. 29, n. 3, p. 399-424, jul. 2005.

POORTMAN, C. L.; SCHILDKAMP, K. Alternative quality standards in qualitative research? Quality & Quantity, v. 46, n. 2, p. 1727–1751, 2012.

PRIYANTO, H. S.; SANDJOJO, I. Relationship between entrepreneurial learning, entrepreneurial competencies and venture success: empirical study on SMEs. International Journal Entrepreneurship and Innovation Management, v. 5, n. 5/6, p. 454468, 2005.

RAE, D.; CARSWELL, M. Using a life-story approach in researching entrepreneurial learning: the development of a conceptual model and its implications in the design of learning experiences. Education + Training, v. 42, n. 4/5, p. 220-228, 2000.

RAE, D. Entrepreneurial learning: a practical model from the creative industries. Education + Training, v. 46, n. 8/9, p. 492-500, 2004.

RAVASI, D.; TURATI, C. Exploring entrepreneurial learning: a comparative study of technology development projects. Journal of Business Venturing, v. 20, n. 2 p. 137-164, 2005.

RESENDE JUNIOR, P. C.; GUIMARÃES, T. A. Inovação em Serviços: o estado da arte e uma proposta de agenda de pesquisa. Revista Brasileira de Gestão de Negócios, v. 14, n. 44, p. 293-313, 2012.

REUBER, A. R.; FISCHER, E. Understanding the Consequences of Founders’ Experience. Journal of Small Business Management, v. 37, n. 2, p. 30-45, 1999.

SALES, R. L.; BARROS, A. A.; PEREIRA, C. M. M. de A. Fatores condicionantes da mortalidade dos pequenos negócios em um típico município interiorano brasileiro. Revista da micro e pequena empresa, v. 5, n. 2, p. 201-229, 2011.

SANTINI, S.; FAVARIN, E. de V.; NOGUEIRA, M. A.; OLIVEIRA, M. L. de.; RUPPENTHAL, J. E. Fatores de mortalidade em micro e pequenas empresas: Um estudo na região central do Rio Grande do Sul. Revista Eletrônica de Estratégia & Negócios, Florianópolis, v.8, n.1, jan./abr. 2015.

SCHUMPETER, J.A. Teoria do Desenvolvimento Econômico. Editora Fundo de Cultura, Rio de Janeiro, 1961.

SEBRAE. Anuário do trabalho na micro e pequena empresa: 2014. 3 ed. Serviço Brasileiro de Apoio as Micro e Pequenas Empresas; Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos, Brasília ; SEBRAE; DIEESE: 2015.

SEBRAE. Critérios de classificação de empresas: MEI ME EPP. Disponível em: . Acesso em: 07 jan. 2016.

SILVA NETO, A. T.; TEIXEIRA, R. M . Mensuração do grau de inovação de micro e pequenas empresas: estudo em empresas da cadeia têxtil confecção em sergipe. Revista de Administração e Inovação, v. 8, n. 3, p. 205 – 229, 2011.

SNELL, R.; LAU, A. Exploring local competences salient for expanding small business. Journal of Management Development, v. 13, n. 4, 1994.

SOARES, D. G.; ABREU, D. P; MACHADO JR, E. V.; AQUINO, I. B. G.; GONTIJO, M. M. Entraves burocráticos na política de abertura de empresas: o impacto da burocracia nos modelos de empreendedorismo das micro e pequenas empresas. Estudos, Goiânia, v. 42, n. 1, p. 43-55, jan./fev. 2015.

SOUZA, E. C. L; GUIMARÃES, T. A. Empreendedorismo além do plano de negócio. São Paulo: Atlas, 2005.

SOUZA, M. C. A. F.; MAZZALI, L. Conceito e espaço da pequena empresa na estrutura industrial: heterogeneidade e formas de inserção. Gestão & Produção, São Carlos, v. 15, n. 3, p. 591-603, set./ dez. 2008.

SRINIVASAN, R.; HAUNSCHILD, P.; GREWAL, R. Vicarious learning in new product introductions in the early years of a converging market. Management Science, v. 53, n. 1, p. 16–28, jan. 2007.

TAVARES, B.; FERREIRA, M. A. M.; LIMA, A. T. F. C. Identificação e agrupamento de fatores de relevância na investigação das práticas de gestão das micro e pequenas empresas. Revista de Negócios, v. 14, n. 4, p. 11 – 27, 2009.

TEIXEIRA, R. M.; FEITOZA, R. A. Inovação na pequena empresa: mapeamento da produção cientifica internacional e nacional no período de 2000 a 2014. Revista da Micro e pequena empresa, v. 9, n. 2, p. 90-102, 2015.

YIN, R. K. Estudo de caso: planejamento e métodos. 4. ed. Porto Alegre: Bookman, 2010.

ZAMPIER, M. A. Desenvolvimento de Competências Empreendedoras e Processos de Aprendizagem Empreendedora: Estudo de Casos de Mpe´s do Setor Educacional. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós Graduação em Administração da Universidade Federal do Paraná, UFPR, PR. 2010.

ZAMPIER, M. A.; TAKAHASHI, A. R. W. Competências empreendedoras e processos de aprendizagem empreendedora: modelo conceitual de pesquisa. Cadernos EBAPE.BR, v. 9, p.564–585, jul. 2011.

ZWAN, P.; VERHEUL, I.; THURIK, A. R. The entrepreneurial ladder, gender, and regional development. Small Business Economics, 2011.