Produtividade dos Gastos Públicos dos Estados Brasileiros - Um Estudo Empírico no Período de 1995 a 2010 Outros Idiomas

ID:
43001
Resumo:
Este estudo buscou identificar quais os componentes dos gastos realizados pelos Estados brasileiros que tiveram efeitos positivos no crescimento econômico, com base no modelo analítico-empírico de Devarajan, Swarrop e Zou (1996). Um painel de dados dos 26 Estados no período de 1995 a 2010 foi organizado para estimar regressões lineares e quadráticas para verificar as relações entre componentes do gasto público dos Estados do Brasil e o seu crescimento econômico. As estimações foram realizadas, em sua forma agregada, por componentes econômicos do gasto (corrente e capital), e de forma segmentada por níveis de desenvolvimento econômico. Os resultados indicam que, tomados em conjunto, os gastos agregados dos Estados brasileiros apresentam-se positivamente relacionados ao crescimento econômico. Quando examinados por componentes econômicos, corrente e capital, os gastos públicos dos Estados mostram-se improdutivos para ambos. Para os Estados em desenvolvimento, evidencia-se o impacto positivo sobre o crescimento dos gastos com bens públicos e o impacto negativo do gasto em bens semipúblicos. Sugere-se a necessidade de um melhor dimensionamento na composição dos gastos públicos dos Estados brasileiros para alcançar a maximização de seu potencial de contribuição para o crescimento econômico.
Citação ABNT:
SOUSA, R. G.; PAULO, E. Produtividade dos Gastos Públicos dos Estados Brasileiros - Um Estudo Empírico no Período de 1995 a 2010 . Desenvolvimento em Questão, v. 14, n. 36, p. 187-219, 2016.
Citação APA:
Sousa, R. G., & Paulo, E. (2016). Produtividade dos Gastos Públicos dos Estados Brasileiros - Um Estudo Empírico no Período de 1995 a 2010 . Desenvolvimento em Questão, 14(36), 187-219.
DOI:
http://dx.doi.org/10.21527/2237-6453.2016.36.187-219
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43001/produtividade-dos-gastos-publicos-dos-estados-brasileiros---um-estudo-empirico-no-periodo-de-1995-a-2010-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
AFONSO, A. et al. Quality of public finances and growth. European Central Bank, feb. (Working Paper Seires, n. 438). 2005.

AMORIM, Airton Lopes. Função de produção agregada e crescimento econômico de longo prazo dos estados brasileiros no período de 1980-2002: uma análise empírica com dados em painel. 2008. Tese d(e Doutorado) –. Universidade Federal de Viçosa, Viçosa, 2008.

ARRAES, R. A.;TELES, V. K. Política fiscal e crescimento econômico: aspectos teóricos e evidencias empíricas para as regiões brasileiras. Revista Econômica do Nordeste, v. 32, n. Especial, p. 676-690, nov. 2001.

ASCHAUER, D. Is public expenditure productive? Journal of Monetary Economics, v. 23, p. 177-200, 1989.

BARRO, R. Government Spending in a Simple Model of Endogenous Growth. Journal of Political Economy, v. 98, p. 103-125, oct. 1990.

BERTUSSI, G. L.; CAPELUPPI, P. M.; ELLERY JR, R. Gastos públicos com infra-estrutura de transporte e crescimento econômico: uma análise para os estados brasileiros. Brasília: Departamento de Economia da Universidade de Brasília, abr. 2011. (Working Paper, n. 357). 2011.

BRASIL. Lei nº 4.320, de 17 de março de 1964. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Estatui Normas Gerais de Direito Financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal Diário Oficial da União. Brasília, DF, 1964.

BRASIL.Ministério do Orçamento e Gestão. Portaria nº 42 de 14 de abril de 1999. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 1999.

CANDIDO JUNIOR, J. Os gastos públicos no Brasil são produtivos? Ipea, Texto para Discussão, n. 781, 2001.

CASTRO, D. P. Auditoria, contabilidade e controle interno no setor público. São Paulo : Atlas, 2010.

DEVARAJAN, S.; SWARROP, V.; ZOU, H. The composition of public expenditure and economic growth. Journal of Monetar y Economics, v. 37, p. 313-344, 1996.

DIVINO, J. A.; SILVA JÚNIOR, R. Composição dos gastos públicos e crescimento econômico dos municípios brasileiros. Economia, v. 13, n. 3, 2012.

FERREIRA, P. C. G.; MALLIAGROS, T. G. Impactos produtivos da infra-estrutura no Brasil – 1950/95. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 28, n. 2, p. 315-338, 1998.

FERREIRA, P. C. Investimento em infra-estrutura no Brasil: fatos estilizados e relações de longo prazo. In: Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 26, n. 2, p. 231-252, 1996.

FREITAS, U. R. P.; CASTRO NETO, A. A.; LÔU, I. C. Relação entre gastos públicos e crescimento econômico: uma análise com dados em painel para o Nordeste. Conjuntura e Planejamento, n. 162, p. 50-57, 2009.

GHOSH, S.; GREGORIOU, A. On the Composition of Government Spending, Optimal Fiscal Policy, and Endogenous Growth: Theory and Evidence. Brunel Economics and Finance. Working Paper 06-19, 2006.

GIACOMONI, J. Orçamento Ppúblico.. São Paulo: Atlas, 1992.

GUPTA, S. et al. Fiscal Policy, Expenditure Composition, and Growth in Low-Income Countries. Journal of International Money and Finance, v. 24, p. 441-463, 2005.

HERRERA, S.; BLANCO, F. The quality of fiscal adjustment and the long run growth impact of fiscal policy in Brazil. 2004. Mimeo.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. - IBGE. Banco de Dados Agregados. Tabela de População Residente. 2011.

KNELLER, R.; BLEANEY, M. F.; GEMMELL, N. Fiscal policy and growth: evidence from OECD countries. Journal of Public Economics, v. 74, p. 171-190, 1999.

MATIAS-PEREIRA, J. Governança no setor público. São Paulo: Atlas, 2010.

MAZONI, M. G. Gastos públicos e crescimento econômico no Brasil: análise dos impactos dos gastos com custeio e investimento. 2005. Dissertação (Mestrado) – FEA/USP, São Paulo, 2005.

MUSGRAVE, Richard Abel et al. Theory of public finance; a study in public economy. New York: McGraw-Hill, 1959.

REZENDE, F. C. Descentralização, Gastos Públicos e Preferências Alocativas dos Governos Locais no Brasil (1980-1994). Dados, Revista de Ciências Sociais. v. 40, n. 3, p. 413-440, 1997.

RIGOLON, F. O investimento em infra-estrutura e a retomada do crescimento econômico sustentado. Pesquisa e Planejamento Econômico, v. 28, n. 1, p. 129-158, 1998.

ROCHA, F.; GIUBERTI, A. C. Composição do gasto público e crescimento econômico. Economia Aplicada, v. 11, n. 4, p. 463-485, out./dez. 2007.

SAFDARI, M. et al. Government Expenditure and Economic Growth: Panel Evidence from Asian Countries. Life Science Journal, v. 9, n. 2, p. 553-558, 2012.

SILVA, G. J. C.; FORTUNATO, W. L. L. Infra-estrutura e crescimento: uma avaliação do caso brasileiro no período 1985-1998. In: ENCONTRO REGIONAL DE ECONOMIA, 12.; 2007. Fortaleza. Fórum BNB de Desenvolvimento. Fortaleza, jul. 2007.

SILVA, G. J. C.; JAIME JR.; F. G.; MARTINS, R. S. Gasto público com infraestrutura de transporte e crescimento: uma análise para os estados brasileiros (1986-2003). Economia e Tecnologia, n. 16, 2009.

TATAHI, M.; CETIN, E. I.; CETIN, M. K. The Cause Of Higher Economic Growth: Assessing the Long-Term and Short-Term Relationships Between Economic Growth and Government Expenditure. Macroeconomic Dynamics, v. 20, n. 1, p. 229-250, 2016.

UNITED NATIONS DEVELOPMENT PROGRAM - UNDP. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil. 2010. Disponível em: . 2010.