Competências da Organização Inovadora: um Estudo em Empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade Outros Idiomas

ID:
43045
Periódico:
Resumo:
Gerir a inovação tem sido o desafio de boa parte das organizações, uma vez que demanda competências específicas às empresas que quando bem geridas podem significar ganho competitivo, mas quando não, podem representar estagnação e perda de mercado. Com base nisso, o artigo tem como objetivo identificar lacunas na gestão de inovação de empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade com base na metodologia do Fórum de Inovação da FGV/EAESP, que tem como base cinco competências da organização inovadora: liderança e intenção estratégica; meio inovador interno; pessoas; processos de inovação; e resultados. Para tanto, foi realizado um estudo quantitativo. O método de pesquisa adotado foi a survey. Como análise estatística foi realizada análise fatorial confirmatória, purificação dos dados, de acordo com os indicadores de confiabilidade, análise do modelo estrutural e análise de regressão. Foi enviado questionário on-line para todas as empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade e obtido um total de 93 respostas válidas. Os resultados demonstraram que as competências “meio inovador”, “pessoas” e “processos” são responsáveis pelo desempenho obtido na competência “resultado”. Apenas a “liderança” não apareceu como determinante do resultado. Como contribuição, o artigo chama a atenção para a dificuldade de as organizações gerarem resultado de inovação e o coloca como consequência de competências que o antecedem.
Citação ABNT:
BARALDI, A.; VASCONCELLOS, M. A.; SERIO, L. C.; PEREIRA, S. M. D. S.; PRIM, A. L. Competências da Organização Inovadora: um Estudo em Empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade . Revista Alcance, v. 23, n. 3, p. 312-328, 2016.
Citação APA:
Baraldi, A., Vasconcellos, M. A., Serio, L. C., Pereira, S. M. D. S., & Prim, A. L. (2016). Competências da Organização Inovadora: um Estudo em Empresas do Instituto Paulista de Excelência da Gestão e da Fundação Nacional da Qualidade . Revista Alcance, 23(3), 312-328.
DOI:
alcance.v23n3.p312-328
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43045/competencias-da-organizacao-inovadora--um-estudo-em-empresas-do-instituto-paulista-de-excelencia-da-gestao-e-da-fundacao-nacional-da-qualidade-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ALSAATY, F. M. A model for building innovation capabilities in small entrepreneurial firms. Academy of Entrepreneurship Journal, vol. 17, n. 1, 2011.

ÁLVARES, A. C. T. The 3M way to innovation: balancing people and profit. Revista de Administração de Empresas, vol. 41, n. 3, 2001.

BABBIE, E. Métodos de pesquisas de survey. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2001.

BAO, Y.; CHEN, X.; ZHOU, K. Z. External learning, market dynamics, and radical innovation: Evidence from China's high-tech firms. Journal of Business Research, vol. 65, pp. 1226-1233, 2012.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Meio inovador empresarial: conceitos, modelos e casos. Revista IMES Administração, vol. 56, set./dez, 2002.

BARBIERI, J. C. Organizações inovadoras: estudos e casos brasileiros. RJ: Editora da FGV, 2003.

BENNIS, W. G.; NANUS, B.; SIMÕÉS, A. B. Líderes: estratégias para assumir a verdadeira liderança. Editorial Harbra, 1988.

BORCHARDT, P.; SANTOS, G. V. Gestão de ideias para inovação: transformando a criatividade em soluções práticas. Revista de Administração e Inovação, vol. 11, n. 1, pp. 203-237, 2014.

BYRNE, B. M. Structural equation modeling with AMOS: basic concepts, applications, and programming. 2. ed. New York: Taylor & Francis Group, 2009.

CARAYANNIS, E.; GRIGOROUDIS, E. Linking innovation, productivity, and competitiveness: implications for policy and practice. The Journal of Technology Transfer, vol. 39, n. 2, pp. 199-218, 2014.

CARAYANNIS, E. G.; SAMARA, E. T.; BAKOUROS, Y. L. Innovation and Competitiveness: Case Study. In: Innovation and Entrepreneurship. Springer International Publishing, pp. 47-72, 2015.

CASTELLS, M.; HALL, P. Las Tecnopolis del mundo: la formación de los complexos industriales del siglo XXI. Madrid: Alianza Editorial, 1994.

CHESBROUGH, H. Business model innovation: opportunities and barriers. Long Range Planning, vol. 43, pp. 354-363, 2010.

CHESBROUGH, H. Inovação aberta: como criar e lucrar com a tecnologia. trad. Luiz Claudio de Queiroz Faria; rev. téc. Jonas Cardona Venturini. Porto Alegre: Bookman, 2012.

CHRISTENSEN, C. M.; OVERDORF, M. Meeting the challenge of disruptive change. Harvard business review, vol. 78, n. 2, pp. 66-77, 2000.

CHRISTENSEN, C. M. The innovator’s dilema. Harvard Business School Press. Harper Business Essencials, 1997.

CROSSAN, M. M.; APAYDIN, M. A multi‐dimensional framework of organizational innovation: A systematic review of the literature. Journal of management studies, vol. 47, n. 6, pp. 1154-1191, 2009.

FLETCHER, M.; HARRIS, S. Knowledge acquisition for the internationalization of the smaller firm: content and sources. International Business Review, vol. 21, pp. 631-647, 2012.

FÓRUM DE INOVAÇÃO FGV/EAESP. Modelo de diagnóstico da organização inovadora. RJ: Editora da FGV, 2014.

FRANCO, M.; HAASE, H. Failure factors in small and medium-sized enterprises: qualitative study from an attributional perspective. Int Entrep Manag J, vol. 6, pp. 503–521, 2010.

HAIR, J. F.; BLACK, W. C.; BABIN, B. J.; ANDERSON, R. E.; TATHAM, R. L. Análise multivariada de dados. 6. ed. Porto Alegre: Bookman, 2009.

HAMEL, G.; PRAHALAD, C. K. Competing for the Future. Harvard Business School Press, Boston, 1994.

HARGADON, A.; SUTTON, R. I. Engineering the best business: building an innovation factory. IEEE Engineering Management Review, vol. 28, n. 4, pp. 17-23, 2000.

HEGER, T.; ROHRBECK, R. Strategic foresight for collaborative exploration of new business fields. Technological Forecasting & Social Change, vol. 79, pp. 819-831, 2012.

HURLEY, R. F.; HULT, G. T. M. Innovation, market orientation, and organizational learning: an integration and empirical examination. The Journal of Marketing, pp. 42-54, 1998.

JOHNSON, M. W.; CHRISTENSEN, C. M.; KAGERMANN, H. Reinventing your business model. Harvard business review, vol. 86, n. 12, pp. 57-68, 2008.

KLINE, R. B. Principles and practice of structural equation modeling. 3. ed. New York-NY: The Guilford Press, 2011.

LAWSON, B.; SAMSON, D. Developing innovation capability in organisations: a dynamic capabilities approach. International journal of innovation management, vol. 5, n. 3, pp. 377-400, 2001.

MACHADO, D. D. P. N. Organizações inovadoras: estudo dos fatores que formam um ambiente inovador. Revista de Administração e Inovação, vol. 4, n. 2, pp. 5-28, 2007.

MARKIDES, C. Strategic innovation. Sloan Management Review, vol. 38, pp. 9-24, 1997.

MONTEIRO, J. J. B. A. Inovação sistemática aplicada a sistemas industriais de polimerização. Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 2, pp. 200-235, 2015.

OLIVEIRA, S. M.; ALVES, J. L. Influência das práticas de inovação aberta na prospecção de conhecimentos para a criação de valor em ambientes de alta complexidade sob condições de incerteza e imprevisibilidade. Revista de Administração e Inovação, vol. 11, n. 1, pp. 295-318, 2014.

PONOMARIOV, B.; TOIVANEN, H. Knowledge flows and bases in emerging economy innovation systems: Brazilian research 2005–2009. Research Policy, vol. 43, n. 3, pp. 588-596, 2014.

QUANDT, C. O.; SILVA, H. D. F. N.; FERRARESI, A. A.; FREGA, J. R. Programas de gestão de ideias e inovação: as práticas das grandes empresas na região sul do Brasil. Revista de Administração e Inovação, vol. 11, n. 3, pp. 176-199, 2014.

RAMOS, A.; ZILBER, S. N. O impacto do investimento na capacidade inovadora da empresa. Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 1, 2015.

ROBERTSON, P. L.; CASALI, G. L.; JACOBSON, D. Managing open incremental process innovation: absorptive capacity and distributed learning. Research Policy, vol. 41, pp. 822-832, 2012.

SALUNKE, S.; WEERAWARDENA, J.; MCCOLL-KENNEDY, J. R. Towards a model of dynamic capabilities in innovation-based competitive strategy: insights from project-oriented service firms. Industrial Marketing Management, vol. 40, pp. 1251–1263, 2011.

SAUNDERS, M.; LEWIS, P. ; THORNILL, A. Research Methods for Business Students. 2. ed. Harlow, England: Pearson Education, 2000.

SILVA, S. E.; REIS, L. P. O processo de estruturação de recursos no contexto de uma empresa de base tecnológica de origem acadêmica (EBTA). Revista de Administração e Inovação, vol. 12, n. 2, pp. 153-179, 2015.

SMITH, M.; BUSI, M.; BALL, P.; VAN DER MEER, R. Factors influencing an organisation's ability to manage innovation: a structured literature review and conceptual model. International Journal of innovation management, vol. 12, n. 4, pp. 655-676, 2008.

SPISAK, B. R.; O'BRIEN, M. J.; NICHOLSON, N.; VAN VUGT, M. Niche Construction and the Evolution of Leadership. Academy of Management Review, vol. 40, n. 2, pp. 291-306, 2015.

TANG, H. K. An Integrative model of innovation in Organizations. Technovation, vol. 18, n. 5, pp. 297-309, 1998.

TIDD, J.; BESSANT, J.; PAVITT, K. Gestão da inovação. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

VASCONCELLOS, M. A. Excelência e Humanização da Produção. Monografia para acesso ao nível de professor titular. SP: FGV-EAESP, 1997.

WEERAWARDENA, J.; MAVONDO, F. T. Capabilities, innovation and competitive advantage. Industrial Marketing Management, vol. 40, pp. 1220-1223, 2011.

ZACHER, H.; ROSING, K. Ambidextrous leadership and team innovation. Leadership & Organization Development Journal, vol. 36, n. 1, pp. 54-68, 2015.