Idade Ótima de Aposentadoria no RGPS: uma Análise sob a Perspectiva da Maximização dos Benefícios Futuros Esperados Outros Idiomas

ID:
43100
Resumo:
Este estudo objetivou encontrar, sob a perspectiva atuarial, a idade de aposentadoria que maximiza o valor presente dos benefícios futuros esperados de um trabalhador vinculado ao Regime Geral de Previdência Social (RGPS). Assumindo hipóteses e realizando simulações, o estudo leva em conta fatores sociais, legislativos, econômicos e atuariais utilizados no cálculo do valor presente dos benefícios futuros esperados de um trabalhador, tais como: sexo, idade de entrada no mercado de trabalho, taxa de juros, taxa de crescimento salarial, expectativa de sobrevida e inflação. Cenários foram elaborados e analisados de acordo com as alterações recentes nas regras de aposentadoria do RGPS, indicando o impacto que esses fatores exercem sob a idade ótima de aposentadoria. Tomando como base as premissas iniciais do estudo, os resultados apontam que as idades de aposentadoria que maximizam o fluxo de benefícios futuros esperados são de 57 anos para homens e 52 anos para mulheres, e estas idades ótimas ocorrem no momento em que os segurados preenchem os requisitos para aposentadoria pela Regra 85/95. De acordo com a análise de sensibilidade, conclui-se que variações na expectativa de vida ao nascer não alteram significativamente a idade ótima de aposentadoria, diferentemente das taxas de juros e de crescimento salarial, que apresentaram maiores impactos nessas idades ótimas. Ademais, o fato da elegibilidade para aposentadoria por tempo de contribuição ocorrer 5 anos mais cedo para contribuintes do sexo feminino, atrelado ao fato da bonificação de 5 anos de contribuição para o cálculo do fator previdenciário, faz com que a idade que maximiza o fluxo de benefícios futuros esperados para mulheres seja sempre menor do que para homens. Essa diferença também ocorre nos valores dos montantes esperados que, por tais fatos, são sempre maiores para contribuintes do sexo feminino.
Citação ABNT:
CAMPOS, F. G.; SOUZA, F. C. Idade Ótima de Aposentadoria no RGPS: uma Análise sob a Perspectiva da Maximização dos Benefícios Futuros Esperados . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, v. 4, n. 3, p. 89-108, 2016.
Citação APA:
Campos, F. G., & Souza, F. C. (2016). Idade Ótima de Aposentadoria no RGPS: uma Análise sob a Perspectiva da Maximização dos Benefícios Futuros Esperados . Revista Evidenciação Contábil & Finanças, 4(3), 89-108.
DOI:
10.18405/recfin20160306
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43100/idade-otima-de-aposentadoria-no-rgps--uma-analise-sob-a-perspectiva-da-maximizacao-dos-beneficios-futuros-esperados-/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
BARBOSA, V. A. Previdência Social brasileira: breve relato da origem e principais mudanças ocorridas nos últimos anos. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. XVI, n. 119, dez 2013.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 10 maio 2016. 1988.

BRASIL.Ministério da Previdência e Assistência Social (MPAS). Livro Branco da Previdência Social. Brasília: MPAS/GM, 2002.

BROWN, R. L. Designing a social security pension system. International Social Security Review, v. 61, v. 1, p. 61-79, 2008.

CASTRO, C. A. P.; LAZZARI, J. B. Manual de Direito Previdenciário. 14. ed. Florianópolis: Modelo, 2012.

CENTRAL ÚNICA DOS TRABALHADORES – CUT. Apostila do Curso de Formação Sindical, 1989.

COUTO, B. R. O Direito Social e a Assistência Social Brasileira: uma equação possível? 8. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

FILIPPO, F. Os princípios e objetivos da Seguridade Social, à luz da Constituição Federal. In: Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. X, n. 43, 2007. Disponível em: http://www.ambitojuridico.com.br/site/index.php?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=2012. Acesso em: 27 mar. 2016. 2007.

GEORGE, L. K. Handbook of aging and the social sciences. Social factors an illness. In: R. H Binstock & L. K. George. 4 ed. San Diego: Academic Press. 1996.

GIAMBIAGI, F.; AFONSO, L. E. Cálculo da alíquota de contribuição previdenciária atuarialmente equilibrada: uma aplicação ao caso brasileiro. Rev. Bras. Econ., v. 63, n. 2, 2009.

KERTZMAN, I. Curso prático de Direito Previdenciário. 8. ed. Salvador: JusPodivm, 2011.

MAGALHÃES, M. O.; KRIEGER, D. V.; VIVIAN, A. G.; STRALIOTTO, M. C. S.; POETA, M. P. Padrões de ajustamento na aposentadoria. Revista Aletheia, v. 1, n. 19, p. 57-68, 2004.

MARTINS, S. P. Direito da Seguridade social. 29. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MONTEIRO, C. Como funciona a previdência social. (2014). Disponível em: http://pessoas.hsw.uol.com.br. Acesso em: 27 mar. 2014.

NOLASCO, L. O fator previdenciário. Âmbito Jurídico, Rio Grande, v. XV, n. 105, 2012. Disponível em: http://www.ambito-juridico.com.br/site/?n_link=revista_artigos_leitura&artigo_id=12318. Acesso em: 1 abr. 2016. 2012.

OLIVA, M. S. Trabalho e previdência social. Intertemas - ISSN 2176-848X. Disponível em: http://intertemas.unitoledo.br/revista/index.php/INTERTEMAS/article/viewFile/2613/2402. Acesso em: 1 abr.2016.

PENAFIERI A. C.; AFONSO, L. E. O impacto da mudança da regra de cálculo das aposentadorias por tempo de contribuição do INSS: O fator previdenciário é atuarialmente justo? Economia Aplicada, v. 17, n. 4, p. 667-694, 2013.

SALVADOR, E. Implicações da reforma da previdência sobre o mercado de trabalho. Serviço Social & Sociedade, v. 16, n. 81, p. 7-39, mar. 2005.

SERRA; GURGEL, J. B. Evolução da previdência social. Sindicato nacional dos editores de livros: RJ, 2008.