Produção de Patentes na Região Nordeste: um Estudo Comparativo entre Instituições de Ensino Superior Públicas no Período de 2002 a 2012 Outros Idiomas

ID:
43108
Resumo:
O registro de patente no Brasil e no mundo tem sido verificado como um dos marcadores de desenvolvimento em inovação, tecnologia e crescimento econômico. Nessa área de produção de conhecimento, as universidades contribuem de distintas formas em diferentes regiões para produção, divulgação e comercialização de produtos inovadores. O objetivo do estudo é analisar a produção de patentes produzidas nas instituições acadêmicas públicas da região nordeste em dez anos, com o aumento de investimento e produção acadêmica. Trata-se de uma pesquisa exploratória e bibliográfica de investigação científica baseada em dados coletados do Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), em trabalhos científicos e outras fontes especializadas. Os resultados dessa pesquisa revelam as instituições que mais se destacaram na produção de patentes e as que mais possuem grupos de pesquisa nesse período. Além disso, ressalta a necessidade de divulgação e investimentos sobre inovação e tecnologia no meio acadêmico.
Citação ABNT:
GUIMARÃES, A. A.; ARAÚJO, M. L. V.; CARDOSO, H. S. P. Produção de Patentes na Região Nordeste: um Estudo Comparativo entre Instituições de Ensino Superior Públicas no Período de 2002 a 2012. Revista Gestão & Planejamento, v. 17, n. 2, p. 146-161, 2016.
Citação APA:
Guimarães, A. A., Araújo, M. L. V., & Cardoso, H. S. P. (2016). Produção de Patentes na Região Nordeste: um Estudo Comparativo entre Instituições de Ensino Superior Públicas no Período de 2002 a 2012. Revista Gestão & Planejamento, 17(2), 146-161.
DOI:
10.21714/2178-8030gep.v17i2.3944
Link Permanente:
http://www.spell.org.br/documentos/ver/43108/producao-de-patentes-na-regiao-nordeste--um-estudo-comparativo-entre-instituicoes-de-ensino-superior-publicas-no-periodo-de-2002-a-2012/i/pt-br
Tipo de documento:
Artigo
Idioma:
Português
Referências:
ARAUJO, E. C. S.; LOPES, S. S. Universidade Estadual da Paraíba UEPB: contribuição para o desenvolvimento tecnológico regional. Educação, Tecnologia & Inovação. Salvador: Edifiba, 2015.

BARBIERI, J. C.; ÁLVARES, A. C. T. Inovações nas Organizações Empresariais. Rio de Janeiro: FGV Editora, 2004.

BRASIL. Lei n° 10.973 de 02 de dezembro de 2004. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 02 de dezembro de 2004. Disponível em: . Acesso em: 05 out. 2015. 2004.

BRASIL. Lei n° 13.243 de 11 de janeiro de 2016. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 11 de janeiro de 2016. Disponível em:. Acesso em: 08 abr. 2016.

BRASIL. Lei n° 9.279 de 14 de maio de 1996. Regula direitos e obrigações relativos à propriedade industrial. Diário Oficial da União [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 15 de maio 1996. Disponível em: . Acesso em: 05 out, 2015. 1996.

CANALLI, W. M.; SILVA, R. P. Uma breve história das patentes: Analogias entre ciência/ tecnologia e Trabalho intelectual / trabalho Operacional. In: Scientiarum Historia Lv, 2011, Rio De Janeiro. Congresso Scientiarum Historia Lv. Rio de Janeiro: UFRJ, 2011. v. único. p. 742-748.

CASTRO, B. S.; SOUZA, G. C. O papel dos Núcleos de Inovação Tecnológica (NITs) nas universidades brasileiras. Liinc em Revista, v. 8, n. 1, p 125-140.

CHIARI, T.; VIEIRA, K. P. Universidades nos sistemas de inovação: produção científica nas universidades federais do nordeste do Brasil. Economia & Tecnologia, v. 8, n. 1, p. 137-160, 2012.

DE NEGRI, F.; RIBEIRO, P. V. V. Infraestrutura de pesquisa no Brasil: resultados do levantamento realizado junto às instituições vinculadas ao MCTI. Radar - tecnologia, produção e comércio exterior, Brasília IPEA- Diretoria de Estudos e Políticas Setoriais, de Inovação, Regulação e Infra estrutura, ed. 24, 2013.

FORTEC. Relatório de Gestão FORTEC (2010-2014). Fórum de Gestores de Inovação e Transferência de Tecnologia.

INSTITUTO NACIONAL DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Revista da Propriedade Industrial.Resolução nº 22/2013 de 18 de março de 2013.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Banco de patentes. Disponível em: https://gru.inpi.gov.br/pePI/jsp/patentes/PatenteSearchBasico.jsp. Acesso em: 04 abr.2016.

INSTITUTO NACIONAL DE PROPRIEDADE INDUSTRIAL (INPI). Manual para o Depositante de Patentes. Diretoria das Patentes (DIRPA). Rio de Janeiro, 2015.

LOTUFO, R. A. A institucionalização de Núcleos de Inovação Tecnológica e a experiência da Inova UNICAMP. In: Transferência de Tecnologia: Estratégias para estruturação e gestão de Núcleos de Inovação Tecnológica. Campinas, SP: Komedi, 2009.

MUELLER, S. P. M.; PERUCCHI, V. Universidades e a produção de patentes: tópicos de interesse para o estudioso da informação tecnológica. Perspect. Ciênc. Inf. v. 19, n. 2, pp. 15-36, 2012.

NUNES, M.; CAZELLA, S.; PIRES, E.; RUSSO, S. Discussões sobre produção acadêmico-científica & produção tecnológica: mudando paradigmas. Revista GEINTEC, v. 3, n. 2, p.205-220, 2013.

OCDE. Manual de Oslo: Diretrizes para Coleta e Interpretação de Dados sobre Inovação. Finep, 3 ed, 1997.

OLIVEIRA, R. M.; VELHO, L. M. Patentes acadêmicas no Brasil: uma análise sobre as universidades paulistas e seus inventores. Parcerias Estratégicas, v. 14, n. 29, p. 179. 2009.

PORTAL BRASIL. Dilma sanciona Marco Legal da Ciência, Tecnologia e Inovação. INPI, Rio de Janeiro, 2016. Disponível em: . Acesso em: 04 abr. 2016.

PÓVOA, L. M. C. Patentes de universidades e instituições públicas de pesquisa e a transferência de tecnologia para empresas no Brasil. 153 f. Tese (Doutorado em Economia) – Cedeplar, Universidade Federal de Minas Gerais, 2008.

REDAÇÃO. Saiba como patentear uma invenção e quanto custa. Pequenas Empresas, Grandes Negócios. São Paulo, 2013. Disponível em . Acesso em: 06 out. 2015.

SCHUMPETER, J. A. Teoria do desenvolvimento econômico: uma investigação sobre lucros, capital, crédito, juro e o ciclo econômico. Tradução de Maria Sílvia Possas. São Paulo: Nova Cultural, 1997.

SILVA, A. C. Descentralização em política e tecnologia. Estud. Av., v 14, n. 39, p 61-73, 2000.

THOMPSON, M. J. Measuring patent quality: A claim and search report approach. World Patent Information, v. 45, p. 47-54, n. jun. 2016.

TORKOMIAN, A. L. V. Inovação tecnológica e universidade: papel dos parques tecnológicos e incubadoras de empresas. In: SBPC, 63, Goiânia, Goiás. Anais... Goiânia, Goiás, 2011.

TORRES, R. L. A inovação' na teoria econômica: um revisão. In: ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE, ENCONTRO DE ECONOMIA CATARINENSE, 6.; 2012. Joinville. Anais... Joinville, 2012.

UNESCO. Science Report 2010: The Current Status of Science around the World. UNESCO Publishing. 2010.